Eurico Rocha
18/01/2018, 12h01

Febre amarela mata presidente da Rede Minas

A morte do comunicador reforça os alertas diante do alastramento da doença na região.

O presidente da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), Flávio Henrique Alves de Oliveira, de 49 anos, morreu às 7h30 de hoje (18/1), em Belo Horizonte, por complicações decorrentes da febre amarela.

Músico, produtor e compositor, ele estava internado, desde o dia 11, no Hospital Mater Dei. Em nota, a rede hospitalar confirmou que a morte resultou de uma complicação derivada da doença.

A morte do comunicador reforça os alertas diante do alastramento da doença na região.

Segundo dados da Secretaria de Saúde de Minas Gerais divulgados quarta-feira (17/1), de julho do ano passado até o início do ano, foram confirmados 22 casos de febre amarela no estado, dos quais 15 evoluíram para óbito e outros 46 casos continuam sob investigação. A maior prevalência é entre pacientes do sexo masculino (95,5%), que totalizam 21 das ocorrências.

Flávio Oliveira já somava mais de 180 músicas gravadas, vasto repertório construído na companhia de nomes como Paulo César Pinheiro, Chico Amaral, Milton Nascimento e Toninho Horta. Em sua carreira, lançou um DVD e oito CDs autorais, sendo Zelig o mais recente deles, de 2012.

EMC

A EMC foi criada no ano passado, quando passou a administrar a Rádio Inconfidência e a Rede Minas. Fundada por Tancredo Neves, a Rede Minas é uma emissora pública que distribui conteúdo a 765 municípios mineiros, por meio de estações retransmissoras, de prefeituras e de 50 TVs educativas afiliadas.