Brasil

Relatório confirma que negligência de LaMia e tripulação causaram tragédia da Chape

Acidente ocorreu em novembro de 2016; Avião transportava a delegação da Chapecoense e jornalistas para Medellín.
27/04/2018, 17h17

A Aeronáutica Civil da Colômbia (Aerocivil) apresentou nesta sexta-feira (27/4) as causas da tragédia com o avião que levava a Chapecoense para Medellín, em novembro de 2016, e deixou 71 mortos, apontando para negligência dos responsáveis pelo voo, que não tinha combustível suficiente.

“A aeronave foi abastecida com 1.636 quilos de combustível em Santa Cruz, para completar 9.300 quilos. Essa quantidade era insuficiente para o voo entre Santa Cruz, na Bolívia, e Rionegro, na Colômbia. A quantidade mínima de combustível deveria ser 11.603 quilo”, explicou o coronel Miguel Camacho, que chefiou a investigação.

Jogadores, integrantes da comissão técnica, dirigentes e convidados embarcaram no voo 2933 da empresa aérea boliviana LaMia, em direção ao Aeroporto Internacional José María Córdova. A Chapecoense enfrentaria, em Medellín, o Atlético Nacional, pela ida da final da Copa Sul-Americana.

Já na madrugada do dia 29 de novembro (pelo horário de Brasília), véspera da partida, o avião se chocou com um morro, já nas proximidades do local marcado para o pouco. Ao todo, 71 pessoas morreram e apenas seis sobreviveram.

O relatório final foi apresentado na Colômbia um ano e cinco meses depois da tragédia. O texto aponta que a LaMia planejou um voo sem escalas, sem cumprir “as exigências de abastecimento”, exigidas pelas autoridades internacionais.

“Não levaram em conta o combustível necessário para chegar ao destino; para contingência, que é de cinco a dez por cento, nesse caso; para alcançar a rota alternativa, que era Bogotá; além de combustível mínimo, para poder aterrissar”, disse o coronel Camacho.

O resultado da investigação, que envolveu autoridades e órgãos de Colômbia, Brasil, Bolívia, Estados Unidos e Inglaterra, aponta que a LaMia e a tripulação não tomaram a decisão de aterrissar em outro aeroporto, porque estavam conscientes de que não havia gasolina suficiente para completar o voo.

“Insistimos que era obrigatória uma escala intermediária”, garantiu o coronel Camacho.

Outras conclusões do relatório apontam que a empresa aérea boliviana tinha problemas na estrutura, complexa situação econômica e dificuldades na gestão de segurança operacional.

“Não cumpria as políticas de combustível. Efetivamente, havia uma política escrita, que encontrava eco na empresa, nos manuais internacionais sobre combustível. Mas, não as cumpria”, apontou o responsável pela investigação.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Ex-prefeito pagou a "funcionário fantasma" por três anos em Novo Gama

Manoel Silva de Oliveira recebeu R$ 60.179,17 sem trabalhar após apoiar candidatura do ex-prefeito Everaldo Vidal.
02/05/2018, 19h47

Depois de apoiar a candidatura de Everaldo Vidal Pereira Martins para a prefeitura do município goiano Novo Gama, no Entorno do Distrito Federal, em 2012, Manoel Silva de Oliveira recebeu o equivalente a R$60.179,17 sem trabalhar. Depois de investigação, a promotora de Justiça Tarsila Costa Guimarães, titular da 4ª Promotoria de Justiça de Novo Gama, propor ação contra o ex-prefeito.

Conforme Tarsila Costa, o funcionário foi mantido no cargo por três anos depois de pedir votos a Everaldo durante a campanha eleitoral de 2012. Agora, os bens do ex-prefeito serão bloqueados. Ele deverá devolver aos cofres públicos o dinheiro que pagou, com o caixa da prefeitura, ao “funcionário fantasma”. Além disso, a promotora pediu a condenação de ambos por Improbidade Administrativa.

Manoel Silva foi nomeado em 1º de julho de 2013 no cargo comissionado de assessor técnico administrativo da Administração do Distrito do Lago Azul, do qual ele foi exonerado pelo ex-prefeito apenas em 1º de março de 2016.

Com informações da Assessoria de Comunicação Social do MP-GO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Anápolis tem 32 pessoas picadas por cobras em 2018

Os dois últimos ataques vitimaram um bebê de um ano e uma criança de seis anos.
03/05/2018, 15h16

Pelo menos três espécies de cobras atacaram 32 pessoas em Anápolis (GO) em 2018. Elas foram atendidas no Hospital Municipal Jamel Cecílio. Dos casos, 28 foram pela jararaca, três de cascavel e uma por jaracuçu.

Os dois últimos ataques vitimaram um bebê de um ano e uma criança de seis anos  – que brincava em uma chácara no Dia do Trabalhador.

Conforme informações do Portal I6, as vítimas foram socorridas e medicadas com o soro antiofídico, que é obtido por meio de anticorpos do sangue do cavalo. O medicamento é produzido no Instituto Butantã, em São Paulo.

Tão assustador quanto os dados de ataques de cobras são os ataques de outros animais peçonhentos, como aranhas e escorpiões no município. Pelo menos 146 pessoas foram picadas e socorridas pelo hospital desde janeiro.

Depois de apreendidas, as serpentes são soltas na região

Com informações do Portal I6.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Carlinhos Cachoeira é preso em condomínio de luxo em Goiânia

O contraventor foi condenado a seis anos e oito meses de prisão, em segunda instância, pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.
10/05/2018, 18h12

Foi preso por volta das 17h10 desta quinta-feira (10/5) o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. O mandado de prisão foi cumprido por policiais da Delegacia de Capturas de Goiânia.

Cachoeira estava na casa de um irmão em um condomínio fechado na Capital. Após a prisão, Carlinhos Cachoeira foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) para exame de corpo de delito.

De acordo com o delegado, Fabrício Madruga, titular da Delegacia de Capturas, Cachoeira não resistiu à prisão e, após ser informado sobre o cumprimento da determinação, a família entrou em contato com a equipe policial para avisar onde o contraventor estava.

O delegado também explica quais são os próximos passos da polícia agora que Carlinhos Cachoeira está preso. “A respeito da transferência, agora é esperar o juiz autorizar”, explica. Confira a entrevista completa:

Por determinação da Secretaria de Segurança Pública, Carlos Augusto está preso na Delegacia de Homicídios de Goiânia e à disposição do Poder Judiciário. Ainda não se sabe se Cachoeira cumprirá a pena em Goiânia ou no Rio de Janeiro.

A prisão do bicheiro foi determinada pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Nefi Cordeiro na última sexta-feira (4/5).

A condenação está relacionada com o caso que foi investigado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, em 2004, que apurou o uso de casas de bingo para lavagem de dinheiro.

Na época, o então assessor da Casa Civil da Presidência da República Waldomiro Diniz foi exonerado do cargo após divulgação de uma fita de vídeo em que aparecia pedindo propina a Cachoeira.

Saiba mais sobre o caso: 

Carlinhos Cachoeira tem prisão determinada por ministro do STJ

Carlinhos Cachoeira pode voltar à prisão a qualquer momento

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Vídeo mostra fuga de dupla suspeita de matar advogada, em Goiânia

Informações preliminares apontam que a advogada foi baleada depois de se assustar e reagir a tentativa de assalto.
11/05/2018, 20h08

Imagens de câmeras de segurança registraram o momento em que dois homens fogem, depois da maorte da advogada Laís Fernanda Araújo Silva, de 30 anos.

Confira na sequência de imagens o momento que em que dois homens entram em um carro branco (lado esquerdo da imagem):

O crime ocorreu na noite desta quinta-feira (10/5) enquanto Laís procurava uma vaga para estacionar, no Setor Alto da Glória, em Goiânia.

No vídeo é possível ver os suspeitos entrando, por uma só porta, em um carro branco que sai em alta velocidade.

A Polícia Civil trabalha com a hipótese de latrocínio. Informações preliminares apontam que a advogada foi baleada depois de se assustar e reagir a tentativa de assalto.

O corpo de Laís Fernanda foi enterrado no início da noite desta sexta-feira (11/5) no Parque Memorial de Goiânia.

Ela era assessora jurídica do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). Laís cursava o mestrado em Tecnologia de Processos Sustentáveis, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG). Nas redes sociais da advogada, parentes e amigos escreveram mensagens de despedida.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.