Eurico Rocha
13/05/2018, 11h05

Prefeitura regulamenta mototaxímetro em Goiânia

A bandeira inicial será de R$ 3, não haverá bandeira dois.

O prefeito Iris Rezende assina na tarde desta segunda-feira (14/5), o decreto que regulamenta o uso do taxímetro pelos mototáxis de Goiânia.

O decreto, além de tornar obrigatório o uso do novo equipamento, também estabelece os preços a serem cobrados na prestação deste serviço ao cidadão.

A bandeira inicial será de R$ 3, não haverá bandeira dois. Portanto, o serviço trabalhará com bandeira única.

O quilômetro rodado terá custo de R$ 1,44 e a hora parada R$ 17,80. O decreto também determinará o prazo de 90 dias para que os equipamentos sejam instalados.

O secretário municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade, Fernando Santana, afirma que a medida trará maior justiça para o usuário, que saberá exatamente o custo da sua viajem, sem variações injustificadas.

O secretário afirmou ainda que este será um instrumento importante na fiscalização do serviço, uma vez que ‘o usuário terá mais uma forma de saber se o mototáxis está regular ou não, ajudando, assim, a identificar os clandestinos’.

Quando o serviço foi implantado em Goiânia, foram disponibilizadas 1.790 vagas; hoje estão cadastrados na SMT 781 mototáxis e, destes, 379 estão em dia com a Secretaria.

Hoje, a autorização e a regularização para o serviço são de responsabilidade da SMT e a fiscalização, que também era da SMT, está com a Secretaria Municipal de Planejamento e Habitação (Seplanh), conforme definiu a reforma administrativa efetuada no governo anterior.

A prefeitura estuda a possibilidade de voltar esta fiscalização para a SMT.

Leia mais:

Mototaxistas de Goiânia tem 90 dias para instalar mototaxímetro