Goiás

Estudante universitário é morto a tiros em Anápolis

O crime ocorreu em um tradicional bar frequentado por universitários.

Por Ton Paulo
23/08/2018, 08h04

Um estudante universitário foi morto na noite da última quarta-feira (22/3) depois de ser alvejado na frente de um bar tradicionalmente frequentado por universitários, em Anápolis. Além dele, duas pessoas foram baleadas

O estudante Guilherme Felipe Manzan, que frequentava a Faculdade Anhanguera de Anápolis, foi atingido com três tiros nas costas no tradicional Bar do Seu João, muito frequentado por universitários e que fica localizado em frente à faculdade onde estudava, na Cidade Universitária, em Anápolis. De acordo com o delegado Cleiton Lobo, da Delegacia de Anápolis, o crime ocorreu por volta das 22h50.

Segundo o delegado, Guilherme estava do lado de fora do recinto com amigos, quando um indivíduo chegou em um carro e abriu fogo na direção do universitário.

Três dos tiros atingiram as costas do estudante, que morreu no local. Segundo o Comando de Policiamento Urbano do 28º Batalhão da Polícia Militar, uma mulher e um rapaz também foram baleados e encaminhados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) até o Hospital Estadual de Urgências de Anápolis Dr. Henrique Santillo (HUANA).

A polícia ainda não tem suspeitos e não sabe os motivos do crime.

O caso está sendo investigado.

Goiânia teve caso parecido com o de Anápolis em julho deste ano

A Polícia Militar do Estado de Goiás prendeu, no mês de julho deste ano, no bairro Cidade Vera Cruz I, em Aparecida de Goiânia, os suspeitos de matarem Renan Gouveia, estudante de Administração de apenas 23 anos.

Renan estava com a namorada em um carro, quando foi abordado pela dupla, que deu voz de assalto e entrou no veículo. Um dos suspeitos atirou em Renan e agrediu a mulher com coronhadas, enquanto o outro dirigia o carro.

A dupla deixou o corpo e a jovem abandonados a uma estrada próximo à GO-469, no km 20, entre Abadia de Goiás e Trindade.

O carro roubado e outros pertences das vítimas foram recuperados.  Os dois suspeitos foram indiciados por latrocínio e porte ilegal de arma de fogo de calibre de uso restrito.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Candidata desiste de concorrer ao Governo de Goiás

Segundo a candidata em entrevista ao Dia Online, a decisão de retirar a candidatura foi do partido.

Por Ton Paulo
23/08/2018, 10h26

A candidata ao Governo de Goiás pelo Partido da Causa Operária (PCO), Alda Lúcia, comunicou que desistiu de concorrer ao pleito. Agora, ela será vice na chapa de Alessandro Aquino, que concorria ao Senado pelo mesmo partido.

Em entrevista ao Dia Online, Alda Lúcia declarou que a retirada de sua candidatura foi uma decisão do PCO, que decidiu substituir sua candidatura pela de outro nome da legenda. O Professor Alessandro Aquino, que estava concorrendo ao Senado Federal, é, agora, o novo candidato ao Governo pelo PCO, tendo Alda Lúcia como vice da chapa.

Segundo Alda Lúcia, o partido está deliberando para decidir qual nome vai indicar ao Senado no lugar do Professor Alessandro Aquino.

Outros candidatos seguem fazendo campanha para o Governo de Goiás

Continuam concorrendo ao cargo de governador (ou governadora) de Goiás os candidatos Daniel Vilela (MDB), Katia Maria (PT), Marcelo Lira (PCB), Professor Weslei (PSOL), Ronaldo Caiado (DEM), Zé Eliton (PSDB) e, agora, Professor Alessandro Aquino (PCO).

Segundo a regra determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a campanha eleitoral plena dos candidatos tanto à Presidência da República quanto ao Governo dos Estados começou no dia 16 de agosto, e os candidatos ao Governo de Goiás seguem trabalhando em suas campanhas.

Os concorrentes, que já participaram das convenções de seus respectivos partidos, seguem fazendo campanha eleitoral.

Estão autorizadas, até o dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno, a distribuição de material gráfico, a realização de caminhadas, carreatas ou passeatas e o uso de carro de som pelas ruas, divulgando jingles ou mensagens dos candidatos. Até 5 de outubro, são permitidos anúncios pagos, na imprensa escrita, e a reprodução, na internet, limitados a dez por veículo, em datas diversas, para cada candidato, com tamanho máximo de um oitavo de página de jornal padrão e um quarto de página de revista ou tabloide.

Imagens: Eleições 2018 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

"Ele estava brincando", diz irmão de adolescente que morreu soterrado em Goiás

Menino cresceu em orfanatos, trabalhava como vigia de carros e carregador de sacolas em feiras da cidade.
23/08/2018, 11h07

Quando morreu soterrado, Pedro Paulo Rodrigues, de 16 anos, cavava um buraco em um monte de areia com um primo de 4 anos. Ele brincava de se esconder na areia, mas o monte cedeu. A tentativa de socorrê-lo veio tarde demais, mais de uma hora depois, na tarde desta quarta-feira (22/8), na Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal.

Órfão – a mãe morreu de câncer e o pai atropelado na GO-040 – o menino morava com a irmã no Piauí. Nos últimos meses, contudo, ele fugiu de lá e veio para Goiás. “Ele era muito agitado, queria ficar perto dos primos”, disse o irmão Jorge Rodrigues. “Minha irmão me ligou desesperado falando que o Pedro tinha desaparecido. Três dias depois ele apareceu por aqui.”

Na cidade, o menino era conhecido nas feiras por vigiar carros e carregar sacolas. “Ele achou esse jeito de ganhar dinheiro. Ele gostava mesmo era de aventura, sumia no meio do mato por até três dias”, lembra Jorge antes de contar que, quando ficou órfão, foi levado para o orfanato com outros dois irmãos menores.

Os filhos menores foram distribuídos entre os irmãos mais velhos. Pedro foi morar com a irmã no Piauí, mas, como contou Jorge, ele preferiu morar em Goiás. A vida do menino era fugir, se aventurando, tentando se encontrar.

“Não teve infância, sofria muito.” Vai ver foi por isso, aos 16 anos, que Pedro Paulo mais parecia uma criança, como é lembrado em postagens no Facebook. Ele brincava com o priminho quando  a areia o soterrou. “O menininho ficou puxando o pé dele e depois entrou na casa falando que não queria mais brincar porque o Pedro estava gelado”, lembra, com voz embargada.

Sofria muito.

O rapaz cavou na altura do joelho na areia molhado, entrou no buraco, mas o monte cedeu e caiu sobre ele, que ficou pelo menos uma hora debaixo da terra. A família ainda chamou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que tentou reanimá-lo, mas o jovem não resistiu.

“Sua missão foi cumprida aqui nos deixando eternas saudades. Vai em paz, Pedro Paulo”, escreve uma tia. “Ô meu Deus, como vou conseguir ficar sem você”, indaga uma amiga. “Não sei como me despedir de você, com esse carinho que ninguém vai conseguir superar”, diz outra.

“A gente não espera que um irmão da gente morra assim, brincando, coisa do destino”, acredita Jorge Rodrigues, ao telefone, antes de o corpo do irmão ser liberado para o sepultamento.

Leia relato da irmã que cuidava de adolescente que morreu soterrado em Goiás

Oh meu filho fiz oq eu podia fazer por vc é eu tentei Deus sabe disso q queria te dizer q eu não cansei então volta…

Posted by Fabý Mattiolly on Thursday, August 23, 2018

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Goiânia tem segundo dia D de vacinação em 1º de setembro

A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) espera atingir a meta de cobertura contra as doenças na cidade com a data.
23/08/2018, 11h12

Com a meta de imunização abaixo do esperado, a Prefeitura de Goiânia decidiu realizar um segundo Dia D de vacinação contra pólio e sarampo na capital.

O primeiro Dia D da campanha nacional aconteceu também em um sábado no dia 18 de agosto. Lançada no dia 6 desse mesmo mês, cerca de 58,68% crianças foram vacinadas contra pólio e 57,25% contra sarampo em Goiás, de lá para cá.

Em Goiânia, um total de 19.956 crianças foram imunizadas no primeiro Dia D de vacinação. A meta é vacinar no mínimo 95% da população-alvo. Em Goiás esse número corresponde a 346.364 crianças, das quais 72.230 são da capital.

Segundo Dia D de vacinação

No sábado, 1º de setembro, as salas de vacina da Prefeitura estarão abertas durante todo o dia para receber quem ainda não se vacinou. A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) espera atingir a meta de cobertura contra as doenças na cidade com a data.

Até lá, as vacinas estão disponíveis em 66 postos de vacinação da Prefeitura para meninos e meninas com idade entre um ano e menores de cinco anos.

Aos sábados e domingos, a população pode procurar o Centro Municipal de Vacinação e Orientação ao Viajante, localizado no setor Pedro Ludovico.

Para a imunização, é administrada uma dose extra da vacina oral (gotinha) contra a poliomielite (VOP) em crianças que já tenham recebido uma ou mais doses da vacina injetável (VIP) ou até mesmo da VOP. Para a prevenção do sarampo será disponibilizada a vacina tríplice viral, que além do sarampo, protege também contra a caxumba e a rubéola.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) alerta para que pais e responsáveis aproveitem o restante da campanha, que vai até dia 31 de agosto, e o segundo Dia D para proteger as crianças.

O sarampo pode levar à morte e a poliomielite, ou paralisia infantil, deixa sequelas graves.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Candidatura de Lula é alvo de 16 contestações no TSE

O TSE deve publicar em breve um edital de intimação, com todas as contestações.
23/08/2018, 11h26

Mais um capítulo para a história da candidatura de Lula. O prazo para contestar o registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encerrou na noite de ontem (22/8). Ao todo, foram feitos 16 questionamentos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a elegibilidade do candidato do PT à Presidência da República.

O TSE deve publicar em breve um edital de intimação, com todas as contestações, a partir do qual começa a contar o prazo de sete dias para que a defesa de Lula responda aos questionamentos.

Dos questionamentos apresentados, sete são impugnações propriamente ditas, protocoladas por outros candidatos, partidos, coligações ou pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), que são as partes legítimas a impugnar candidaturas, de acordo com a legislação eleitoral.

Entre as impugnações, está a da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que é também procuradora-geral Eleitoral. A petição foi protocolada pouco menos de uma hora após o ministro Luís Roberto Barroso ter sido sorteado relator do registro de Lula, no último dia 15.

Na contestação, Dodge afirma que Lula – que figura como líder de intenções de voto nas pesquisas eleitorais – está enquadrado na Lei da Ficha Limpa, por ter sido condenado na segunda instância da Justiça Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, razão pela qual não está apto a disputar a eleição.

As demais impugnações, com argumentos análogos, foram feitas pelo candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, e sua coligação; por um deputado estadual do Partido Novo; e por candidatos à Câmara dos Deputados pelo Podemos, PSL e DEM.

Outras nove das 16 contestações são as chamadas “notícias de inelegibilidade”, em que qualquer cidadão pode informar ao TSE sobre situações que prejudiquem a candidatura de algum candidato ao pleito deste ano. Todas elas abordam a mesma condenação de Lula.

Julgamento da candidatura de Lula

Pelo calendário eleitoral, o TSE tem até o dia 17 de setembro para julgar os pedidos de registro de candidaturas. Este também é o prazo final para que os partidos substituam nomes nas chapas, exceto em caso de morte de candidato.

Como relator, caberá a Barroso ditar o ritmo de julgamento no TSE. A Justiça Eleitoral pode, diante das notícias de inelegibilidade, negar de ofício, antecipadamente, o registro de Lula, mas o ministro tem indicado que deve aguardar todos os prazos processuais antes de levar o caso ao plenário do TSE.

Observados os prazos, a previsão é que o julgamento ocorra no início de setembro, após o início do horário eleitoral na TV.

Em uma segunda petição, Raquel Dodge tentou antecipar ojulgamento, mas ainda não obteve resposta do relator. Ontem (15), a defesa de Lula enviou aos ministros da Corte Eleitoral um parecer assinado pelos ex-ministros do TSE Henrique Neves e Fernando Neves, no qual defende o respeito ao prazo para sua manifestação, de modo a garantir o devido processo legal.

Condenado a 12 anos e um mês por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP), Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde 7 de abril. A defesa do ex-presidente busca garantir o direito de ele recorrer em liberdade às instâncias superiores, o que suspenderia a execução de sua pena.

Paralelamente, os advogados tentam assegurar a participação do ex-presidente em atividades de campanha eleitoral, como entrevistas, debates e no horário eleitoral da TV.

Imagens: Assessoria 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.