Goiás

População não se sente insegura com presos trabalhando nas ruas em Goiânia, diz pesquisa

Pouco mais da metade (52%) não sabia que os presos participaram da revitalização, mas, após serem indagados a respeito, 72% disseram não se sentir inseguros com a presença dos reeducandos.
30/08/2018, 08h29

Em Goiânia, o resultado preliminar da pesquisa de opinião pública sobre o programa Recuperando Pessoas e Parques demonstrou que a maioria dos entrevistados concorda com a utilização de mão de obra carcerária na prestação de serviços públicos como a limpeza e revitalização de parques. O levantamento foi feito com usuários do Bosque dos Buritis, mas deverá ser levado aos outros parques em que os reeducandos trabalharam.

A pesquisa foi idealizada pela 25ª Promotoria de Justiça de Goiânia, que fez uma tabulação preliminar dos dados e repassou ao Gabinete de Planejamento e Gestão Integrada (GGI) do Ministério Público para análise técnica e elaboração dos resultados.Quanto ao conhecimento do programa, o resultado foi equilibrado.

Goiânia: 86% concordam com a inclusão da mão de obra carcerária

Pouco mais da metade (52%) não sabia que os presos participaram da revitalização, mas, após serem indagados a respeito, 72% disseram não se sentir inseguros com a presença dos reeducandos e 86% concordam com a inclusão da mão de obra carcerária em serviços públicos para a população. Já 60% disseram estarem satisfeitos com o trabalho realizado.

Para chegar a esses resultados, 50 pessoas participaram dessa fase da pesquisa respondendo ao formulário elaborado pela 25ª Promotoria de Justiça, com sete tópicos. A grande maioria (80%) frequenta o parque pelo menos uma vez por semana.

No primeiro momento, foi avaliado o nível de satisfação dos entrevistados com a situação do parque, através da atribuição de notas (de 1, pouco satisfeito, a 5, muito satisfeito) para os quesitos: natureza, beleza, conservação, equipamentos e segurança. Nesse aspecto, os resultados mostram que, quanto à beleza e natureza, os entrevistados estão contentes, mas, no que diz respeito à ação humana, como segurança e conservação, um alto percentual está insatisfeito.

Em seguida, as perguntas foram direcionadas para a atuação da mão de obra carcerária em si, apontando a aprovação do projeto e a necessidade de divulgação da iniciativa.

A pesquisa ainda está em fase de execução, o formulário e os resultados podem ser encontrados aqui.

PGA

O projeto Recuperando Pessoas e Parques é uma das 36 iniciativas desenvolvidas para atingir a prioridade do PGA de reestruturar o sistema penitenciário. Em sua descrição, o objetivo é propor ao Estado de Goiás a implementação de Política Estadual de Trabalho para Comunidade Carcerária e Egressos, visando estimular a criação de vagas de trabalho em favor da população prisional. A atuação dos reeducandos nos parques de Goiânia completou 100 dias em 22 de Agosto.

Via: MP-GO 
Imagens: MP-GO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Propaganda eleitoral no rádio e na Tv começa nesta sexta; confira os dias e horários

O conteúdo será exibido até o dia 4 de outubro, três dias antes do primeiro turno da eleição, que acontece no dia 7/10.
30/08/2018, 08h44

De acordo com o calendário eleitoral, a propaganda eleitoral gratuita no rádio e tv começa nesta sexta-feira (31/8).

O conteúdo será exibido até o dia 4 de outubro, três dias antes do primeiro turno da eleição, que acontece no dia 7/10. Serão 30 dias de horário eleitoral, visto que a propaganda é exibida de segunda a sábado.

Em caso de segundo turno, a programação recomeça no dia 12 de outubro e segue até o dia 26, dois dias antes da votação que acontece dia 28/10.

Como será a propaganda eleitoral

O horário eleitoral acontecerá em dois blocos por dia, com duração de 25 minutos cada um. Na Tv, o primeiro bloco é exibido às 13h e o segundo às 20h30 e no rádio o primeiro acontece às 7h e o segundo às 12h.

Também haverão inserções de 30 segundos ao longo da programação. Essas inserções precisam ocorrer dentro de três faixas de horários: entre 5h e 11h, entre 11h e 18 e entre 18h e 0h, de acordo com o TSE.

Divisão da propaganda eleitoral

A definição quanto aos dias de exibição e tempo das campanhas leva em conta o cargo em disputa.

Às segundas, quartas e sextas, a programação eleitoral fica por conta dos candidatos que concorrem aos cargos de governador, senador e deputado estadual.

Já as terças, quintas e sábados, os candidatos à Presidência da República e candidatos a deputado federal é que exibem suas campanhas.

A programação dura 25 minutos. Os candidatos à Presidência terão 12 minutos e 30 segundos para exibirem suas propostas. O mesmo tempo é destinado à propaganda do conjunto de candidatos a deputado federal.

Os candidatos a governadores terão 9 minutos de campanha. Mesmo tempo dado aos candidatos a deputados estaduais e distritais. Já os que concorrem ao Senado terão 7 minutos de propaganda eleitoral.

A divisão do tempo é feita de acordo com o tamanho das bancadas na Câmara dos Deputados dos partidos que compõem a coligação de cada candidato. O mesmo critério vale para as inserções de 30 segundos ao longo da programação.

Nesse sistema, oito dos 13 candidatos à Presidência terão direito a menos de 30 segundos por bloco do horário eleitoral. Esses candidatos terão a opção de aparecer em menos dias, mas consequentemente por mais tempo, se preferirem.

Número de candidatos

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) 28.306 pessoas no total registraram suas candidaturas para as eleições 2018.

Esses números estão divididos da seguinte maneira para cada cargo:

  • 13 candidatos ao cargo de presidente
  • 199 candidatos ao cargo de governador
  • 353 candidatos ao cargo de senador
  • 8.346 candidatos ao cargo de deputado federal
  • 17.512 candidatos ao cargo de deputado estadual e 963 ao cargo de deputado distrital
Imagens: O Globo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Jovem com transtorno bipolar ganha direito à aposentadoria por invalidez em Goiás; entenda a doença

O transtorno bipolar acomete entre 3% e 6% da população mundial. No Brasil, a doença atinge 4,2 milhões de pessoas e muitas das vezes é banalizada.

Por Ton Paulo
30/08/2018, 09h55

Emocionado, o jovem Ronyere Rodrigues da Silva, de 27 anos, comemora a aposentadoria por invalidez recém-adquirida. O rapaz tem diagnóstico de transtorno bipolar, uma doença considerada grave marcada por grandes alterações de humor.

A audiência foi realizada pelo juiz Joviano Carneiro Neto, durante o Programa Acelerar – Núcleo Previdenciário na comarca de Itapaci, interior do Estado. O jovem conta que um dos sintomas da doença é a alternação entre momentos de profunda euforia e de profunda depressão. “Já aconteceu de estar ótimo e de repente eu surtar”, disse, em entrevista à assessoria do Tribunal de Justiça de Goiás.

O transtorno bipolar acomete entre 3% e 6% da população mundial. No Brasil, a doença atinge 4,2 milhões de pessoas e muitas das vezes é banalizada. Segundo dados, em pessoas bipolares, o risco de apresentar comportamento suicida chega a ser 28 vezes maior do que no resto da população. “Eu já quis me matar. Depois que minha mãe morreu, tudo ficou mais difícil”, revelou. O pai o abandonou e se hoje o encontrar na rua “ele finge que não me conhece”.

Ronyere faz tratamento há 8 anos e garante que se tomar os remédios todos os dias consegue viver uma vida normal. “Mas mesmo assim, eu ainda sofro. Sou discriminado, as pessoas têm medo de mim e acham que vou bater nelas. Eu já aprontei muito quando eu estava em crise, mas hoje tomo remédio controlado e não faço nada com ninguém, sou uma pessoa nornal. Estou fazendo algo com você? Te tratando mal? Não sou uma pessoa normal?”, questionou.

Jovem com transtorno bipolar ganhar direito à aposentadoria por invalidez em Goiás; entenda a doença
Ronyere se emociona ao falar do transtorno

Ronyere relata que é uma pessoa sozinha, que o pai o abandonou, os irmãos não querem saber dele. “A única coisa que eu tenho de família são meus padrinhos. Eles me entendem e me ajudam”, falou ao abraçar o casal. “Eu fico andando pela cidade sozinho, quero me mudar daqui. Recomeçar, ir para um lugar onde as pessoas não saibam que eu tenho essa doença”, afirmou.

O jovem diz que os sintomas apareceram quando era criança, mas foi em 2010 que descobriu que estava com a doença e iniciou o tratamento. “Não tenho sono e já tive muitos episódios de agressividade e melancolia. Tenho dificuldade de aprendizado. Eu estou no nono ano ainda”, frisou. Ao lembrar de algumas crises que teve, Ronyere conta que já surtou em seu último emprego, já foi internado três vezes, teve delírios e alucinações visuais e auditivas. “É uma doença muito séria e deve ter tratada”, finalizou.

A sentença do juiz

O juiz Joviano Carneiro Neto julgou procedente do pedido de Ronyere para conceder o benefício previdenciário ao jovem. O magistrado destacou que o benefício da aposentadoria por invalidez é concedido aos trabalhadores que, por doença ou acidente, forem considerados incapacitados para exercerem suas atividades ou outro tipo de serviço que lhes garanta o sustento, conforme dispõe o artigo 42, da Lei n8.213/91.

O laudo médico, observou o juiz, concluiu que o jovem é portador de doença psiquiátrica de difícil controle, apesar de tratamento regular. “No início do quadro fora diagnosticado como esquizofrenia, porém reavaliações posteriores a diagnosticou como transtorno bipolar. Possui grande prejuízo intelectual, cognitivo e social. Apresenta surtos psicóticos e agressividade”,consta no laudo, que ao final indicou a existência de incapacidade total e permanente.

Transtorno bipolar

Em entrevista ao Dia Online, o psiquiatra e professor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Murilo Ferreira Caetano, conta que o chamado transtorno bipolar tem forte potencial de gravidade.

Segundo o Dr. Murilo, o transtorno tem um processo denominado de ‘surto de remissão’, onde o portador alterna entre períodos de euforia e depressão. “O paciente pode ficar semanas e até meses em estado depressivo, para depois entrar em um estado de euforia”, explica.

Ainda de acordo com o psiquiatra, o fator genético do transtorno é comprovado. “A criança cujos pais têm transtorno bipolar tem uma altíssima probabilidade de ter a doença”, conta.

O transtorno não tem cura, e o tratamento deve ser até o fim da vida do portador, com o uso correto de medicação. Situações de estresse vivenciadas pelo portador da bipolaridade podem agravar o quadro de sintomas. Por isso, devem ser evitados.

Via: TJ-GO 
Imagens: TJ-GO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Irmãos suspeitos de enviar bomba para advogado enfrentam júri popular em Goiânia

Os réus são os irmãos e policiais federais aposentados Ovídio Rodrigues Chaveiro e Valdinho Rodrigues Chaveiro.
30/08/2018, 10h39

Os suspeitos de enviar bomba para o advogado Walmir Cunha, de 37 anos, em 2016 enfrentam hoje (30/8) júri popular em Goiânia.

Os réus são os irmãos e policiais federais aposentados Ovídio Rodrigues Chaveiro e Valdinho Rodrigues Chaveiro. Eles são acusados de tentativa de homicídio triplamente qualificado. O motivo foi classificado como torpe; um dos acusados se sentiu prejudicado ao perdeu uma ação judicial que o advogado trabalhava.

O crime foi cometido com emprego de explosivo e dissimulação, meio que impossibilitou a defesa da vítima.

A defesa dos reús afirma que eles são inocentes.

Atentado e Investigações

Em 15 de julho de 2016 o advogado Walmir Cunha recebeu uma encomenda em seu escritório, no setor Marista, a qual continha um explosivo.

Walmir ficou gravemente ferido com três dedos e parte da palma da mão mutilados, sofreu ferimentos severos no abdômen além de partes da perna e pé esquerdo lesionados. Foram oito cirurgias e sessões de fisioterapia para recuperar os movimentos da mão esquerda.

A encomenda foi entregue por um motoboy que não sabia o conteúdo da entrega. Foi por meio do entregador que a polícia chegou até gravações que levaram aos irmãos.

Segundo o laudos periciais, feitos embasados em imagens de câmeras de segurança, o policial federal aposentado Ovídio Rodrigues Chaveiro foi quem mandou a bomba para o advogado, enquanto o irmão dele, Valdinho Rodrigues Chaveiro ameaçou a vítima por causa de uma ação familiar.

O advogado defendia uma causa em que a filha de um dos acusados disputava a guarda de uma criança com o ex-marido. O cliente de Walmir ganhou a ação.

A defesa dos acusados afirma que eles são inocentes e contesta o laudo da polícia.

Os irmãos foram presos em dezembro de 2016.

Júri Popular

A sessão desta quinta-feira (30/8) é presidida pelo juiz Lourival Machado da Costa, titular da 2ª Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri.

Foram arroladas 12 testemunhas, sendo seis de cada parte, e dois informantes. O processo conta com cerca de 2000 páginas será julgado por sete jurados.

O presidente da Comissão Nacional de Defesas das Prerrogativas e Valorização das Advocacia (CNDPVA) do Conselho Federal das Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Dr. Cássio Lisandro Telles, veio a Goiânia para acompanhar pessoalmente a sessão plenária do juri, a pedido do presidente do Conselho Federal da OAB, Dr. Cláudio Pacheco Prates Lamachia.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Assaltantes desistem de fazer homem de refém em Luziânia após perceberem que sua esposa grávida passava mal

Quando viram que a mulher, que estava grávida, começou a passar mal, os assaltantes mandaram que o casal fugisse. Caso aconteceu em Luziânia.

Por Ton Paulo
30/08/2018, 11h10

Um homem de 22 anos e um adolescente que assaltavam uma casa em Luziânia, entorno do Distrito Federal, desistiram de fazer o homem dono da residência de refém quando perceberam que sua esposa, que estava grávida, começou a passar mal. O jovem foi preso e o menor está apreendido.

De acordo com o Polícia Militar, as vítimas disseram que os criminosos, que roubaram o carro e celulares da família, levariam o homem como refém, mas quando viram que a mulher dele, que estava grávida, começou a passar mal, desistiram de levá-lo.

De acordo com o tenente Moreira, das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), ao G1, a ação foi realizada por três criminosos, mas apenas dois foram localizados, cerca de 2h depois do crime. O tenente contou que a mulher teve um mal estar no momento do assalto, mas não precisou de atendimento médico.

“Na abordagem lá, os indivíduos foram localizados na posse de aparelhos celulares das vítimas e, iniciadas as diligências, foram localizados tanto o veículo roubado quanto o utilizado no crime”, declara.

O crime ocorreu por volta das 20h no Parque Industrial, no município de Luziânia. Segundo as vítimas, que foram ouvidas pela polícia, três assaltantes invadiram a casa do casal no momento em que eles chegavam de carro. Eles teriam exigido as chaves da residência e tentaram levar o homem com refém.

Entretanto, ao perceber que a esposa grávida passava mal, liberaram o homem e pediram para que ele corresse até uma mata, enquanto o trio fugia com o Toyota Corolla da família. Além do veículo do casal, a polícia também localizou o carro utilizado no crime, um Hyundai HB20 que também era roubado, que estava no Setor Sol Nascente.

O caso foi registrado na Polícia Civil de Luziânia. Segundo a corporação, a polícia tenta identificar o terceiro suspeito envolvido no assalto.

Violência em Luziânia

A crescente criminalidade no município tem gerado preocupação nos moradores. Levantamento da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária de Goiás confirma a apreensão da população de Luziânia. Houve 2.003 assaltos a pedestres até outubro de 2016, contra 1.663 no ano passado — a média é de quase sete por dia. Os roubos de veículos chegam a 860.

Imagens: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.