Esportes

Após quase desistir, Andressa de Morais brilha no lançamento do disco

14/09/2018, 07h00

Grande sensação do atletismo brasileiro neste ano, Andressa de Oliveira quer coroar no Troféu Brasil, a partir desta sexta-feira, em Bragança Paulista (SP), a melhor temporada de sua carreira. A especialista no lançamento do disco alcançou o auge de sua trajetória, aos 27 anos, ao faturar medalha na Diamond League, quebrar neste ano o recorde sul-americano pela terceira vez e ganhar o respeito das adversárias.

A consistente temporada, em que mostrou regularidade até então não vista em sua trajetória, já credencia esta paraibana de João Pessoa a projetar medalhas no Mundial de 2019, em Doha, e também nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, seu maior objetivo. “Até a Olimpíada, eu quero lançar 70 metros”, disse a atleta, em entrevista ao Estado.

Ainda faltam cinco metros para ela alcançar a sonhada marca, pois o recorde registrado neste ano foi de 65,10m, no GP Brasil, em julho. Mas, a julgar pela evolução exibida nas últimas duas temporadas, o sonho pode não estar tão longe. Andressa vem crescendo mesmo diante de obstáculos, como uma hérnia de disco na coluna e falta de recursos. Nada disso impediu que ela quase igualasse o recorde brasileiro masculino, algo muito raro no atletismo, de 65,55m, de Ronald Odair Julião (2013).

A maior dificuldade foi a contusão na coluna, em 2013. O caso, de cirurgia, foi resolvido com tratamento, mais longo, o que deixou a atleta afastada dos treinos e competições por mais de um ano. “Foi bem complicado, perdi o Mundial de 2013”, lamenta a lançadora, que já tinha no currículo a 12ª posição obtida nos Jogos de Londres-2012.

Seu retorno em alto nível aconteceu no Troféu Brasil de 2015. E logo de cara bateu o recorde da competição, ao lançar 64,15m. Para alcançar o feito, treinava em casa, em Bragança mesmo, antes de passar a trabalhar no Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo, que virou o epicentro da modalidade no Brasil. Sem local para treinar na época, Andressa improvisou uma pequena academia em casa e passou a fazer lançamentos em um terreno baldio, com o apoio do marido, ex-atleta do lançamento do martelo. “Eu lançava num terreno atrás de casa e tinha a ajuda do meu esposo. Hoje já não daria para fazer isso porque tem várias casas na vizinhança.”

Mas Andressa tinha dificuldade para manter a motivação. “Foi um ano e pouco treinando em casa. Foi muito difícil. Confesso que tentei desistir várias vezes. Caí muito de rendimento, sentia muitas dores. Parecia que o atletismo estava acabando para mim”, admite a lançadora, que chegou a ter bons resultados no Brasil também no lançamento do martelo e no arremesso de peso.

Isso se refletiu na fraca performance em 2016. Um ano depois, voltou a fazer bonito. Ao retomar a motivação, bateu recordes e estreitou o trabalho como técnico cubano Julian Baloy, que a acompanha há dez anos. Se em 2017, Andressa participou de oito torneios, neste ano ela atingirá 16 no Troféu Brasil.

A “maratona” de competições se deve principalmente à regularidade dos resultados, que garantiram sua presença em todas as etapas da Diamond League, o circuito mais prestigiado do atletismo mundial. O auge veio na etapa final, em Bruxelas, quando faturou a medalha de prata, com 64,65m. Só foi superada pela cubana Yaime Pérez, que cravou 65m. Ambas superaram a grande favorita da modalidade, a croata Sandra Perkovic, bicampeã mundial e olímpica. “Eu treino todo dia pensando nela”, diz a focada brasileira, que foi apenas a 21ª nos Jogos do Rio-2016, com 57,38m.

Desde então, ela só tem evoluído. “Venho focando mais nos detalhes da técnica. Estou me cuidando mais, tanto na parte nutricional quando na psicológica. O trabalho com o meu marido também vem ajudando. Quatro olhos veem melhor que dois”, avalia a atleta, ciente do alto nível que alcançou neste ano. “Acho que o diferencial é a minha regularidade, praticamente não tive oscilações na temporada.”

FUTURO – Após disputar o Troféu Brasil, Andressa entrará em férias. E, mesmo antes do descanso, ela já projeta a próxima temporada, decisiva para suas ambições visando Tóquio-2020. Como aconteceu neste ano, a lançadora quer disputar novamente todas as etapas da Diamond League. Para tanto, busca patrocinadores, que sumiram de diversas modalidades, principalmente do atletismo, após o Rio-2016.

“Perdi quase todos os patrocinadores depois da Olimpíada”, diz a lançadora, que recebe salário do clube Pinheiros, conta com o Bolsa-Pódio e tem vínculo com a Marinha. “Mas não é o suficiente para bancar viagens e hotéis para as competições”, afirma a atleta, que compete sem apoio de marca esportiva específica. Os discos com que treina foram pagos por ela mesma.

Totalmente focada em Tóquio-2020, Andressa ainda não sabe se seguirá no atletismo após a Olimpíada. Formada em Educação Física, ela cogita até mudar de área. “Eu queria fazer outra faculdade, sem relação com o atletismo. Mas não decidi nada. Ainda vou pensar melhor no assunto.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Goiás deve receber chuva na próxima semana

De acordo com o Inmet, a partir da próxima semana não só a capital, como boa parte do Estado de Goiás, deve se deparar com pancadas de chuva isoladas.

Por Ton Paulo
14/09/2018, 08h11

A capital Goiânia atingiu um recorde nessa semana, mas ele não foi positivo. Segundo o Instituto ClimaTempo, a última quarta-feira (12/9) registrou a maior temperatura do ano. Como mostrou o instituto, por volta das 15h, o calor atingiu a marca impressionante de 37,9 ºC, ultrapassando os 36,5 C do último dia 7 deste mês. Entretanto, os goianos podem respirar aliviados: a chuva, felizmente, está a caminho.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a partir da próxima semana não só a capital, como boa parte do Estado de Goiás, deve se deparar com pancadas de chuva isoladas. Porém, como quase toda coisa boa vem acompanhada de outra não tão boa, a precipitação pode vir acompanhada de granizo, trovão, relâmpagos e rajada de vento, o que causa medo em muita gente pela possibilidade de queda de árvores, redes elétricas e alagamentos.

Ainda segundo o instituto, um sistema de baixa pressão deve seguir do Estado do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul para Goiás e empurrar umidade para a região. A informação que se tem é a de que há a possibilidade de chuva a partir da próxima segunda-feira (17/9) e a condição deve permanecer até o dia 23 deste mês. Embora possa haver chuva, o tempo deve continuar seco, com umidade próxima dos 30%.

Última chuva em Goiás

O último registro de boas chuvas no Estado de Goiás foi feito no dia 8 de agosto. A precipitação foi vista como um verdadeiro alívio para os goianos, que sofriam com temperaturas altas e viram o termômetros apontarem um aumento de 40% na umidade do ar. A temperatura também desceu para os 22,1 ºC, registrando uma queda de 7ºC.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, choveu 13,1 milímetros. Já o Sistema de Meteorologia e Hidrologia do Estado de Goiás (SIMEGO), em uma só noite, registrou um total de 77,2 milímetros de água da chuva.

Via: O Popular 
Imagens: Jornal do Tocantins 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Caso Marielle: Assassinato completa seis meses hoje

Caso Marielle e Anderson aguarda solução.
14/09/2018, 09h28

O assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL), 38 anos, e do motorista Anderson Pedro Gomes, 39, completa hoje (14) seis meses. O crime ainda aguarda solução. As autoridades federais afirmam que até o fim deste ano as respostas do caso Marielle virão.

Para a viúva de Marielle, Mônica Benício, parentes, amigos e ativistas, a vereadora e o motorista foram executados. Independentemente das investigações, eles preservam as bandeiras de Marielle e suas propostas em defesa de ações para a inclusão das mulheres, negros e do público LGBT.

Nos últimos meses, a Câmara Municipal do Rio aprovou vários projetos de autoria da vereadora, conhecida pela militância em defesa das minorias e direitos humanos. Em agosto, Marinete Alves, mãe de Marielle, esteve com o papa Francisco. Ela disse ter falado sobre a filha para o papa que afirmou que gostaria de tê-la conhecido.

Repercussão

Após seis meses da morte da vereadora e do motorista, a Anistia Internacional lança hoje a campanha na internet Quem Matou Marielle Franco?. Uma tela de LED 360º de 5 metros, instalada em um caminhão, passará mensagens em frente a instituições públicas e da Justiça criminal no Rio.

No site, a Anistia Internacional pede que as pessoas apóiem uma petição de urgência das investigações do assassinato, a responsabilização dos envolvidos, proteção das testemunhas e garantias de que haverá o julgamento do caso.

O documento é destinado ao ministro da Justiça, Torquato Jardim, o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, general Richard Fernandez Nunes, o chefe da Polícia Civil do estado, Rivaldo Barbosa, o procurador-geral do Ministério Público (do Rio), Eduardo Gussem, à procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Macedo Duprat, e ao general Walter Souza Braga Netto, responsável pela intervenção federal na segurança no Rio.

Caso Marielle

Marielle Franco foi assassinada com quatro tiros na cabeça e seu motorista Anderson Gomes, atingido por três balas. Eles estavam saindo de um evento político, no bairro de Estácio, no centro do Rio de Janeiro, quando foram mortos, em 14 de março deste ano.

Câmeras de segurança flagraram os carros e os suspeitos. Porém, as investigações ainda não foram concluídas. Em agosto, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, reconheceu que “agentes do Estado” e “políticos” estão envolvidos no crime. Também admitiu dificuldades nas apurações.

Em julho, a Delegacia de Homicídios (DH) do Rio de Janeiro chegou a prender dois suspeitos. Segundo a polícia, os dois integravam o bando de Orlando Oliveira Araújo, conhecido como Orlando de Curicica, miliciano que está preso na penitenciária federal de Mossoró.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Jovem é morto com 14 tiros dentro de ônibus em Aparecida de Goiânia

A vítima havia acabado de embarcar no coletivo da linha 030, por volta das 15h, quando foi surpreendido pelo assassino que entrou atirando.

Por Ton Paulo
14/09/2018, 09h58

Um jovem de 21 anos foi assassinado dentro de um ônibus do transporte coletivo em Aparecida de Goiânia na tarde da última quinta-feira (13/9). Segundo informações policiais, há a suspeita de acerto de contas.

Matheus Victor  de Jesus Miguel havia acabado de embarcar no coletivo da linha 030, por volta das 15h, quando foi surpreendido pelo autor que entrou atirando.

De acordo com o delegado Klayter Camilo, do Grupo de Investigação de Homicídios de Aparecida de Goiânia, o jovem aguardava em um ponto da BR-060, momento esse em que o ônibus encostou e o rapaz embarcou.

Após alguns metros do local do embarque, o ônibus que faz a linha Garavelo/Veiga Jardim, foi interceptado por um veículo Fiat Palio.

O passageiro desceu do carro com uma arma em punho e atirou contra os vidros do coletivo. Na sequência, o criminoso foi até a porta e, com uma coronhada, quebrou o vidro. O motorista abriu a porta, momento em que o autor foi até Matheus e disparou contra ele.

Segundo o delegado Klayter, em informação que ainda está sendo confirmada pela polícia de investigação, Matheus levou 14 tiros.

Ainda segundo o delegado, a vítima do homícidio tinha passagem policial por roubo, e fazia uso de tornozeleira eletrônica. “Ainda não sabemos a motivação do crime, mas suspeitamos que tenha sido causado por acerto de contas”, esclarece.

O local do crime foi isolado pela Polícia Militar (PM) até a realização da perícia e os procedimentos de praxe do GIH. O corpo do rapaz foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Aparecida de Goiânia.

RedeMob divulgou nota sobre o crime ocorrido em Aparecida de Goiânia

Em nota, a RedeMob Consórcio esclareceu a dinâmica do crime e reforçou que nenhum outro passageiro e nem o motorista ficaram feridos.

Leia na íntegra:

“Informamos que o crime ocorrido na tarde de ontem, na BR-060, dentro de um ônibus do transporte coletivo, está sendo investigado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Esclarecemos que o ônibus foi fechado por um carro de passeio de onde desceu um homem atirando, quebrou a porta dianteira do ônibus e disparou contra a vítima. Nenhum outro passageiro e nem o motorista ficaram feridos” 

Via: Mais Goiás 
Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem que abusou de criança é preso em Piracanjuba cinco anos depois de ser condenado

O homem abusou da enteada, à época com 10 anos, desde que ela tinha seis anos de idade.

Por Ton Paulo
14/09/2018, 11h04

Cinco anos após ter sido condenado, um homem que abusou sexualmente de sua enteada por quatro anos foi preso na última quarta-feira (12/9) pela Polícia Civil, em Piracanjuba, a 90 quilômetros de Goiânia. O caso foi descoberto pela mãe da criança, que, em 2013, notou mudanças de comportamento na filha e denunciou o marido à polícia.

O mecânico Dione Barbosa Guimarães, de 40 anos, foi condenado por ter abusado de sua enteada menor de idade. O homem abusou da criança, à época com 10 anos, desde que ela tinha seis anos de idade.

Conforme falou o delegado Leylton Barros, responsável pelo caso, ao Dia Online, o crime foi descoberto pela mãe quando a mulher passou a notar mudanças drásticas no comportamento da menina. A filha, que costumava ser alegre e enérgica, começou a ficar introvertida, triste e fechada com o passar do tempo. “Quando mais nova, a menina não demonstrava nenhum sinal de alteração. Mas conforme ia envelhecendo, ela começou a mudar completamente sua personalidade e se recusava a ficar perto do padrasto. Foi quando a mãe, desconfiada, procurou a polícia”, conta.

O caso acontece em 2013 e, à época, Dione foi julgado e condenado a 30 anos de prisão pelos abusos. Entretanto, logo no início da pena, Dione recorreu e conseguiu baixar para 14 anos. Logo depois, decidiu recorrer novamente, dessa vez no Supremo Tribunal de Justiça (STJ), mas ao contrário do que esperava, o órgão judiciário aumentou a pena para 20 anos.

Mesmo com a pena fixada, Dione se beneficiou de um Habeas Corpus em 2014, e apenas um ano depois de ter sido preso, foi liberado.

A prisão de Dione ocorreu na quarta-feira (12/9) depois que o STJ julgou o último recurso do homem, ordenando a prisão dele. “Nós estávamos no caso e pegamos depoimentos da família da vítima, que hoje está com 15 anos, e também colhemos os resultados dos exames aos quais ela foi submetida a exames  e que comprovaram os abusos. Ele foi indiciado, mas por causa do Habeas Corpus obtido, ele seguia em liberdade. Agora, com a condenação pelo STJ e a determinação da prisão pela Comarca de Piracanjuba, cumprimos este mandado”, explica.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.