Brasil

Doações de órgãos aumentam, fila cai, mas número de transplantes não avança

Os transplantes de rim apresentam aumento na fila.
28/09/2018, 08h49

Balanço divulgado nesta quinta-feira, 27, pelo Ministério da Saúde mostra que as doações de órgãos aumentaram 7% no País, a fila de pacientes aguardando transplantes caiu, mas o número de cirurgias permanece estável. De acordo com a pasta, em junho deste ano havia 41.266 aguardando a operação, ante os 44.332 do ano passado.

A queda na fila se dá sobretudo por causa do transplante de córnea. Em 2017, 13.920 pacientes aguardavam a cirurgia – bem menos do que os 10.256 inscritos na lista deste ano. Quando se analisam os dados de transplantes de órgãos sólidos (coração, fígado, pâncreas, pulmão, rim e o transplante associado de pâncreas e rim), no entanto, o que se vê é que o número de integrantes da fila subiu de 30.412 para 31.010 pacientes no período.

A redução na fila da córnea foi explicada pelo ministro em exercício, Adeilson Cavalcante. De acordo com ele, há uma progressiva redução da procura por esse tipo de cirurgia, uma vez que pacientes já vêm sendo atendidos. Isso se reflete, também, no número de operações realizadas. Em 2017, foram 7.989; neste ano, 7.513. Os dados de 2018, porém, ainda são preliminares.

Entre os transplantes que apresentaram um aumento na fila está o de rim. Este ano, há 27.741 aguardando o procedimento. Em 2016, eram 26.938. Também houve um aumento do transplante associado de pâncreas e rim. A fila, que em 2016 era de 595 pessoas, passou para 653. Ao apresentar os dados, o ministério comemorou o crescimento de 7% do número de doadores efetivos de órgãos.

Consentimento

Para Cavalcante, no entanto, há ainda um caminho a seguir. O principal desafio é ampliar a taxa de consentimento familiar à doação de órgãos. Ao longo dos últimos anos, ela oscilou muito pouco. Para se ter uma ideia: em 2013, a taxa de autorização era de 55%. Este ano, ela é de 58%, de acordo com dados repassados pelas Centrais Estaduais de Transplantes.

“Até eu adoecer nunca tinha passado pela minha cabeça que um dia iria precisar de um transplante. Quando adoeci, tinha fraqueza, mal-estar, as pernas ficavam inchadas”, relata Germanildo dos Santos Boris, de 30 anos, morador de Cruzeiro do Sul (AC). Em 2002, ele descobriu ser portador do vírus da hepatite B. Três anos depois, fez a cirurgia de fígado no Hospital Leforte, na capital paulista.

Em São Paulo, ele ficou hospedado em uma residência da Associação para Pesquisa e Assistência em Transplante (Apat), entidade criada por um grupo de médicos clínicos e cirurgiões de transplantes que constataram a dificuldade de vários pacientes vindos de outras regiões do País de se manter em São Paulo. “Depois do transplante, tenho uma nova vida, ando para tudo que é canto”, firma Boris.

Doações de órgãos: campanha 

Para tentar reduzir a resistência que ainda é encontrada entre alguns familiares, o ministério lançou uma campanha nacional de incentivo à doação. O ministério espera alcançar até o fim do ano um potencial de 17 doadores efetivos por milhão de pessoas.

De todos os transplantes realizados no País, 96% são realizados pelo Sistema Único de Saúde. De acordo com a pasta, o sistema de transplantes do Brasil constitui o maior programa público no mundo. Ao todo, há 504 centros de transplantes. No ano passado, o orçamento para o setor foi de R$ 989,88 milhões.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: Doar 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

EUA: mulher relata assédio de juiz indicado à Suprema Corte; votação ocorre hoje

Christine acusa Kavanaugh de tentar estuprá-la em uma festa em 1982, quando eles estavam no ensino médio.
28/09/2018, 09h27

A Comissão de Justiça do Senado dos EUA ouviu nesta quinta-feira, 27, os depoimentos do juiz Brett Kavanaugh, indicado pelo presidente Donald Trump para a Suprema Corte, e da psicóloga Christine Blasey Ford, que o acusa de assédio sexual. Ambos deram declarações fortes, em tom emocionado. Ela disse ter “100% de certeza de que foi atacada por Kavanaugh. Ele negou com veemência as acusações.

Christine acusa Kavanaugh de tentar estuprá-la em uma festa em 1982, quando eles estavam no ensino médio. Ela deu um depoimento contundente no qual disse não ter dúvidas sobre o que aconteceu. Aos senadores, ela disse que a risada do juiz e de um amigo dele é a memória mais forte que possui daquele dia.

Nesta quinta-feira, Christine deu detalhes do que aconteceu na festa e disse que o juiz e um amigo a empurraram para dentro de um quarto. Segundo ela, Kavanaugh estava bêbado, a apalpou e tentou tirar sua roupa. Christine disse que tentou gritar, mas teve a boca tampada por ele.

Assédio: caso

De acordo com ela, os dois não eram próximos, mas estiveram em outras festas juntos. Aos senadores, ela disse estar “aterrorizada”, mas afirmou que considerou necessário fazer a denúncia. Desde que se pronunciou pela primeira vez, outras duas mulheres levantaram acusações de cunho sexual contra Kavanaugh: Julie Swetnick e Deborah Ramirez.

Após Christine, foi a vez de Kavanaugh dar sua versão. Aos senadores, o juiz disse que nunca assediou uma mulher. “Eu gostava de cerveja. Eu ainda gosto de cerveja. Mas eu não bebo cerveja a ponto de ‘apagar’e nunca abusei sexualmente de ninguém”, afirmou. “Minha família e meu nome foram permanentemente destruídos por acusações falsas”, afirmou o juiz, que acusou os democratas de fabricar o escândalo para barrar sua nomeação.

Na quarta-feira, dia 26, o presidente Donald Trump disse que poderia ser convencido das acusações e afirmou que assistiria ao discurso de Christine. A fala foi uma mudança no tom do presidente, que até então vinha sugerindo que as acusações eram falsas.

Nesta quinta-feira, no entanto, Trump voltou a adotar um tom agressivo, mostrando solidariedade a Kavanaugh. “Ele mostrou aos EUA exatamente por que eu o escolhi para a Suprema Corte”, disse Trump, no Twitter. “Seu depoimento foi poderoso, honesto e cativante.”

Indecisos

No início da noite, apesar do depoimento de Christine, a votação para confirmar o nome de Kavanaugh foi mantida para esta sexta-feira, 28. No entanto, os republicanos não tinham certeza se teriam votos suficientes para aprová-la.

O suspense havia sido mantido porque quatro senadores moderados ainda permaneciam indecisos.

Os republicanos Lisa Murkowski, Jeff Flake e Susan Collins, e o democrata Joe Manchin, dispensaram os assessores e se trancaram em um gabinete do Senado para debater o caso.

Analistas diziam que a decisão dos quatro determinaria o futuro do juiz Kavanaugh na Suprema Corte. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: Jornal do Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Após nova eliminação, Flamengo demite técnico Maurício Barbieri

O treinador deixa o comando do Flamengo após 39 jogos.
28/09/2018, 09h37

O técnico Maurício Barbieri não resistiu a mais uma decepção do Flamengo. Na manhã desta sexta-feira, a diretoria do clube carioca anunciou a demissão do treinador, menos de 48 horas após o time ser eliminado nas semifinais da Copa do Brasil com a derrota por 2 a 1 para o Corinthians, em São Paulo.

Barbieri dirigiu o clube carioca em 39 jogos, tendo acumulado 19 vitórias, 12 empates e oito derrotas. O Flamengo até está na briga pelo título do Campeonato Brasileiro, mas falhou na busca pela taça da Copa do Brasil sob o seu comando, assim como a da Copa Libertadores, competição em que foi eliminado nas oitavas de final pelo Cruzeiro.

O nome do substituto de Barbieri no comando do Flamengo ainda não foi definido, mas o clube deve buscar uma definição rápida, pois ainda tem 12 jogos a disputar pelo Brasileirão e está em quarto lugar, com 48 pontos, a apenas três do líder São Paulo. E a busca pelo título nacional é a tentativa de salvar o ano.

De qualquer forma, até pelo tempo escasso para buscar um novo treinador, a tendência é que o time seja dirigido interinamente pelo auxiliar Maurício Souza no duelo deste sábado contra o Bahia, na Fonte Nova, pela 27ª rodada do Brasileirão.

Eliminação do Flamengo

No fim de março, após a eliminação do Flamengo nas semifinais do Campeonato Carioca pelo Botafogo, a diretoria demitiu Paulo César Carpegiani. Inicialmente, o clube apostou em Barbieri como interino, enquanto não encontrava um substituto. Mas o bom rendimento do time, que foi para a pausa do Brasileirão por causa da Copa do Mundo na liderança, o levou a ser efetivado.

Na retomada do torneio nacional, porém, o Flamengo sofreu queda expressiva, perdendo a ponta e agora ocupando a quarta posição. E as eliminações em sequência, na Libertadores e na Copa do Brasil, acabaram provocando a demissão de Barbieri, de 36 anos, que não permanecerá na comissão técnica do Flamengo, ao contrário do que, por exemplo, fez recentemente o Corinthians com Osmar Loss.

E o clima político também pesou para a demissão, cobrada por boa tarde da torcida, pois o Flamengo terá eleição no final deste ano, sendo que Ricardo Lomba, o vice de futebol do clube, é candidato a suceder o presidente Eduardo Bandeira de Mello.

Imagens: UOL 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Em Goiás, mais de 40 propriedades são autuadas por crimes contra o meio ambiente

Os donos das propriedades autuadas vão responder por crimes ambientais cujas penas podem chegar até dois anos de reclusão.

Por Ton Paulo
28/09/2018, 09h42

Ao todo, 44 propriedades rurais na bacia hidrográfica do Rio Meia Ponte foram autuadas na Operação Torneira Cheia, após mais de dois meses de trabalho. A operação foi realizada pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema). Os motivos foram represamento ilícito, desmatamento, loteamentos irregulares e edificações em área de preservação permanente (APP).

De acordo com o delegado que coordenou a operação, Dr. Luziano Severino Carvalho, os proprietários das propriedades autuadas vão responder por impedir ou dificultar regeneração natural; construir em áreas não edificáveis e por manter o funcionamento de empreendimentos potencialmente poluidores. A pena para os crimes pode variar de 1 a 2 anos de reclusão.

Os autuados na operação também podem receber multas de até 360 salários mínimos. O delegado Luziano Carvalho afirma que o foco da operação é garantir o abastecimento público. “Temos captação de água, pivôs centrais, onde o volume de água captado é muito grande. Um ponto daria para abastecer 15 mil pessoas”, declarou ele numa coletiva de imprensa.

Ainda de acordo com o delegado, o gasto de água com irrigação de grama é muito grande e este não é o momento para irrigar ou deixar o gado tomar conta de nascentes.

O delegado também revela que, através do trabalho da Dema, foram recuperadas um total de 700 nascentes bacia em 20 anos de atuação.

Represa estava sendo construída de forma irregular no interior de Goiás

O operação chamou atenção para um ponto específico que foi verificado nas investigações. Em Goianira, uma represa está sendo construída sem licenciamento em uma fazenda de criação de gado. De acordo com o delegado, o proprietário foi um dos 44 autuados na Torneira Cheia e neste caso, responderá por construir em estabelecimento potencialmente poluidor.

Além da Dema, participam da operação, a Secretaria do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos (Secima), o Batalhão Ambiental da Polícia Militar (PM), a Companhia Saneamento de Goiás S.A (Saneago) e o Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO).

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

ANP inicia, no Rio, 5ª rodada de licitações de áreas do pré-sal

12 empresas foram selecionadas para participar.
28/09/2018, 10h01

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) iniciou hoje, em um hotel da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, a 5ª Rodada de Licitações de Partilha da Produção de petróleo em áreas do pré-sal.

Serão oferecidos quatro blocos de exploração e produção nas bacias de Campos e Santos: Saturno, Titã, Pau-Brasil e Sudoeste de Tartaruga Verde.

A área de Tartaruga Verde foi a única pela qual a Petrobras manifestou ao Ministério de Minas e Energia interesse de preferência, o que significa que, pelas regras do pré-sal, caso a estatal brasileira não consiga arrematar esse bloco, poderá se consorciar às empresas vencedoras e obter uma participação de 30% como operadora da exploração de petróleo.

Caso todos os quatro blocos venham a ser arrematados pela iniciativa pública, o governo federal arrecadará em bônus de assinatura R$ 6,8 bilhões.

ANP está otimista

Pouco antes do início do leilão, o diretor-geral da ANP, Décio Oddone, falou da expectativa sobre a rodada de hoje. “A expectativa é muito boa, eu espero que o leilão seja bem-sucedido, estamos leiloando áreas do pré-sal que são bem interessantes. Eu acredito que todas as quatro áreas serão arrematadas”. A avaliação de Oddone é de que as áreas que deverão ser alvo da maior disputa são Saturno e Titã, as mais atraentes. Ao todo 12 empresas foram habilitadas a participar da rodada desta sexta-feira.

Ainda segundo a ANP, apenas a petroleira alemã DEA Deutsche Erdoel AG ainda não possui contrato para exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil.

Protestos

Do lado de fora do hotel, manifestantes protestam contra a realização do leilão. Um grupo das organizações não governamentais 350.org e Coesus encheu um balão com o formato do mapa do Brasil e levou fotos de desastres ambientais provocados por acidentes envolvendo a produção de petróleo.

O coordenador de engajamento e comunidades das ONGs, Ilan Zugman, disse que investir em combustíveis fósseis aumenta a emissão de gases do efeito estufa e dificulta a meta de impedir que o planeta aqueça mais de 1,5 graus celsius. “A gente não é contra o progresso, a gente não é contra o desenvolvimento.

Já estão disponíveis as energias solar e eólica e elas estão ficando cada dia mais baratas e gerando tantos empregos quanto os combustíveis fósseis”, disse ele. “O governo brasileiro prefere investir em uma energia do passado e que causa impacto para a saúde e o meio ambiente”, finalizou.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.