Política

Eleição leva desavença às relações

30/09/2018, 08h10

Na mesa do happy hour um assunto colocou água no chope das amigas: a eleição presidencial. Unidas em torno do candidato João Amoêdo (Novo), elas evitam comentar o destino dos seus respectivos votos em um eventual segundo turno. “No bar, tentamos não tocar no assunto. Já tem muita discussão no trabalho, na família, no grupo do WhatsApp…”, diz a bancária Tayna Moraes, de 21 anos.

Em uma eleição já marcada por atos de violência, ódio e irracionalidade, as desavenças entre amigos, parentes e colegas de trabalho podem parecer algo menor, colateral e até anedótico. Mas o psicanalista Jorge Broide (USP) não pensa assim.

“Essa é uma consequência séria do ambiente eleitoral. Os núcleos familiares e relações de amizade são os primeiros a se romper em situações de polarização acirrada”, diz Broide. “Como o debate político não está no cotidiano das pessoas é comum que a posição ideológica de quem está ao nosso lado nos surpreenda e cause repulsa. A convivência com quem pensa diferente, na intimidade, é muito difícil”, completa o psicanalista.

É raro encontrar alguém que não tenha uma história de desavença para contar. Na família da pesquisadora Beatrys Fernandes, de 26 anos, a discussão ganhou caráter religioso. De família mórmon, ela viu o pai e o tio brigarem de forma acalorada. “Um dizia que aquilo que um candidato defendia não estava nas escrituras. O outro afirmava que o que o candidato dizia não feria a religião deles”, diz.

A socióloga S.F. (que pediu para não ter o nome publicado) afirma que se assustou com o comportamento de um amigo que “mandava memes defendendo a direita e querendo brigar durante a própria lua de mel”. “Na lua de mel!”, repetiu.

O especialista em relações internacionais Andrey Pereira Brito, de 28 anos, diz que uma amiga o convidou para ser padrinho de seu filho porque trocou xingamentos com o original por motivos eleitorais. “Ela não queria que a filha tivesse um padrinho que vota em determinado candidato.”

Justiça

A repulsa em relação ao posicionamento político do outro pode render mais do que uma cara feia. O advogado Felipe Mendonça, de 40 anos, atende a dois clientes que estão processando agressores virtuais. “Não pode tudo nas redes. Não pode racismo, não pode xenofobia. Tenho dois clientes que foram agredidos moralmente por demonstrarem apoio a determinado candidato”, afirma.

“Com as redes sociais, ampliou-se em nossa sociedade uma relação de troca de favores – quando você curte um post de alguém você está fomentando essa troca de favores. E se a outra pessoa não corresponde à sua visão de mundo, ao seu candidato, você reage com violência, como se tivesse sido traído”, observa o filósofo Roberto Romano, da Unicamp.

“O Brasil é um País com uma sociabilidade violenta. Nós sempre tivemos potencial para um tipo de discurso de ódio. Agora, nessa eleição, politizaram esse discurso”, diz a cientista política Esther Solano (Unifesp), organizadora do livro Ódio Como Política.

Alheio às teorias sobre política, o garçom Pedro Paulo Chicarelli, de 38 anos, afirma estar preparado para intervir em caso de descontrole. “Felizmente, ainda não precisei me meter”, diz. Mas, quando todo mundo vai embora, Chicarelli e outros garçons levantam as mesas, começam a recolher as garrafas e… “Vixeee, a briga aqui é séria.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

ONG promove bazar para pagar tratamento de 120 animais em Anápolis

Amor e cuidado!
30/09/2018, 08h47

Uma ONG protetora de animais em Anápolis promove no próximo sábado, 6 de outubro, uma bazar solidário para pagar tratamento de mais de 120 pets. O evento ocorre das 10h às 16h, na loja Cartoner, localizada na Av. Santos Dumont, nº 390, em Jundiaí, Anápolis. A organização Patas Solidárias, criada em janeiro de 2017, precisa de cerca de R$ 20 mil para pagar uma dívida de tratamentos dos animais.

No bazar os interessados poderão encontrar roupas, calçados, acessórios, artesanatos, perfumes e artigos de decoração. As peças serão vendidas por a partir de R$ 1 e serão aceitas diversas formas de pagamento como dinheiro, cartão de débito e crédito, sendo que cartões são aceitos em compras a partir de R$50, além de parcelamento para vendas de a partir de R$300.

De acordo com informações de Adriana Oliveira Silva, uma das integrantes da Patas Solidárias, o bazar é de grande importância para manter os mais de 120 animais abrigados na ONG, além dos que vivem em lares temporários até serem adotados.

“Resgatamos três casos complicados há pouco tempo, com cirurgias caras. Hoje temos dividas em quatro clinicas, casas de ração, farmácia e devemos também em cartões e cheques, pois os procedimentos precisam ser pagos imediatamente e vamos parcelando tudo”, explicou em entrevista ao Portal 6, de Anápolis.

A Patas Solidárias trabalha também com venda de marmitex beneficente, rifas e com os produtos da lojinha on-line de personalizados no Instagram (@lojinhapatassolidarias), onde pode-se encontrar produtos como chaveiros, canecas e bolsas.

Doações para o bazar

Para doar itens que você não usa mais, a ONG disponibiliza de pontos de coleta em Anápolis. As peças em boas condições serão vendidas no bazar. Um dos pontos de coleta é na própria loja onde será sediado o evento (Cartoner, localizada na Av. Santos Dumont, nº 390, em Jundiaí) ou na Drogaria São Geraldo, localizada na Rua Argentina, Nº 466, no Bairro Boa Vista, em Anápolis.

Além disso, a Patas Solidárias conta ainda com doações de mesas e cadeiras para o dia do bazar. Os interessados podem entrar em conato pelo Instagram da ONG @patassolidariasanp.

Via: Portal 6 
Imagens: Gazeta do Povo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Saiba como acompanhar a totalização de votos nas eleições pelo celular

Com o aplicativo "Resultados" é possível acompanhar em tempo real a contagem de votos de todas as regiões do Brasil.
30/09/2018, 09h49

Para quem quiser acompanhar a totalização de votos nas eleições, a Justiça Eleitoral disponibilizou neste sábado (29/9) o aplicativo “Resultados”. A ferramenta é uma versão atualizada do “Apuração 2014”, desenvolvida para o pleito daquele ano, que se tornou o aplicativo mais baixado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O app é gratuito é já pode ser baixado nas lojas virtuais dos sistemas IOS e Android. O primeiro turno das eleições ocorre no próximo domingo, dia 7 de outubro.

De acordo com o TSE, com o aplicativo “é possível acompanhar a contagem de votos de todo o Brasil e visualizá-la a partir de consulta nominal, que apresenta o quantitativo de votos totalizados para cada candidato com a indicação dos eleitos ou dos que foram para o segundo turno.”

A nova versão do app chega com novidades como o aprimoramento do layout do sistema, que aparece completamente renovado com a apresentação das fotos de todos os candidatos que disputam a eleição. Outra inovação é que com o “Resultados” será possível consultar, na mesma tela, informações referentes a todos os cargos majoritários – presidente, governador e senador.

O “Resultados” permitirá ainda que o eleitor verifique resultados das eleições proporcionais para os deputados estaduais, distritais e federais por meio da geolocalização do aparelho, onde é possível indicar os resultados relativos ao estado em que ele se encontra.  O usuário também poderá optar por selecionar outras localizações.

Votos nas eleições suplementares

Ainda segundo o TSE, com o app é possível acompanhar também os números das eleições municipais complementares. Essas votações serão realizadas na mesma data do segundo turno, no dia 28 de outubro. Em Goiás, as eleições suplementares para prefeito e vice-prefeitos serão realizadas em em cinco cidades, sendo elas: Davinópolis, Divinópolis, Planaltina de Goiás, Serranópolis e Turvelândia.

Nas eleições deste ano, 147.302.357 eleitores brasileiros vão às urnas. O número oficial foi anunciado no dia 1º de agosto pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, durante a inauguração do Centro de Divulgação das Eleições (CDE).

Via: TSE 
Imagens: Portal no Ar 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Jovem é morto a tiros e sobrinha de 4 anos baleada no Jardim Primavera

Um dos suspeitos do crime foi preso em flagrante; criança está em estado grave.
30/09/2018, 10h57

Um jovem foi morto a tiros e a sobrinha de quatro anos baleada na note deste sábado (29/9) no Jardim Primavera, em Goiânia. Crime ocorreu por volta das 20h30, na GO-070, enquanto João Pedro da Silva. de 24 anos, levava as sobrinhas para a casa da mãe.

De acordo com informações da Polícia Civil, João Pedro estava na casa da sogra em Goianira, e uma cunhada ligou para que ele levasse as crianças até a casa dela. Durante o trajeto, o carro em que o jovem estava foi abordado por três homens em duas motos, que atiraram diversas vezes. João Pedro morreu no local  e uma das crianças, de quatro anos, foi baleada na cabeça.

A menina foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (HUGOL), onde está internada em estado grave e respirando com ajuda de aparelhos, segundo boletim médico divulgado na manhã de hoje (30/9).

Crimes no Jardim Primavera

Logo após o ocorrido, um dos suspeitos do crime  foi preso em flagrante por equipes do 13º Batalhão da Polícia Militar e da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), no Jardim Primavera. Edvaldo Trindade dos Santos, de 26 anos, confessou participação na morte, mas disse que não atirou em João Pedro e sim pilotou uma das motos.

Edvaldo foi localizado por meio do sistema de monitoramento da Central de Alternativas à Prisão (CAP) do Governo de Goiás, já que o suspeito usa tornozeleira eletrônica. O equipamento também apontou que ele esteve no local do crime.

O homem foi encaminhado à Central de Flagrantes, onde disse, em depoimento, que o crime foi motivado por vingança. De acordo com ele, em janeiro deste ano, João Pedro teria matado seu irmão também no Jardim Primavera.

A Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH) vai investigar o crime para saber se a motivação foi mesmo a contada com Edvaldo na delegacia.  Até o momento, os dois comparsas do homem não foram presos.

Via: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Outubro Rosa: mês de conscientização sobre prevenção ao câncer de mama

A Secretaria de Saúde de Goiás preparou, para todo o mês, ações voltadas para as mulheres; confira!
30/09/2018, 12h51

Outubro começa nesta segunda-feira (1/10), e junto, começa também o período de intensificação e conscientização de combate ao câncer de mama, conhecido como Outubro Rosa. A principal meta é incentivar o diagnóstico precoce, que aumenta as chances de tratamento e cura.

A data foi criada na década de 90, nos Estados Unidos, pela norte-americana Nancy Brinker, que criou a Susan G. Komen Breast Cancer Foundation, uma instituição pensada para cumprir uma promessa feita a sua irmã, Susan, que morreu dois anos antes lutando contra o câncer de mama.

De acordo com informações do site oficial da organização, no ano seguinte à criação da fundação, foi promovida a primeira Corrida pela Cura em Dallas, no Texas, com apenas 800 participantes. Já em 2002, o instituto contabilizou aproximadamente 1,3 milhões de participantes em centenas de eventos da corrida não só nos EUA como também em outros dois países. Desde então, a mobilização só tem crescido no mundo inteiro.

Câncer de mama

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, o câncer de mama é o mais recorrente entre as mulheres, excluídos os tumores de pele não melanoma. Em 2018, foram estimados 59.700 novos casos, que representam uma taxa de incidência de 51,29 casos a cada 100.000 mulheres.

Entre os anos de 2011 e 2015, o câncer de mama ocupou o primeiro lugar entre a causa de morte da população feminina brasileira. Os maiores percentuais na mortalidade proporcional por câncer de mama foram os do Sudeste (16,5%) e Centro-Oeste (16,1%), seguidos pelos Sul (15,2%) e Nordeste (14,8%).

Ainda de acordo com o INCA, “a incidência do câncer de mama tende a crescer progressivamente a partir dos 40 anos, assim como a mortalidade por essa neoplasia. Na população feminina abaixo de 40 anos, ocorrem menos de 10 óbitos a cada 100 mil mulheres, enquanto na faixa etária a partir de 60 anos o risco é 10 vezes maior.”

Outubro Rosa em Goiás

Em Goiás, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) organizou uma série de ações voltadas para as mulheres. No dia 27 de outubro, o Hospital Estadual Alberto Rassi (HGG) promove um mutirão de reconstrução mamária em pacientes que tiveram câncer de mama e aguardam pelo procedimento reparador, além de exames de mamografias para as colaboradoras. Já no Ambulatório de Medicina Avançada (AMA), do dia 8 ao dia 22, pacientes e acompanhantes que estiverem aguardando consultas receberão palestras educativas com foco na prevenção do câncer de mama.

No dia 11, o “Saúde na Praça” também será reservado ao Outubro Rosa, tendo como tema principal a Obesidade como fator de risco para câncer de mama. Serão oferecidos ainda serviços de aferição de pressão arterial, teste de diabetes e cálculo de Índice de Massa Corpórea (IMC), orientações de nutricionistas, psicólogos, fonoaudiólogos e fisioterapeutas. As mulheres acima de 40 anos também receberão instruções de como realizar o auto exame de mama.

E a partir do dia 10 de outubro, as pacientes do Centro Estadual de Atendimento ao Diabetes (CEAD) acima de 40 anos também receberão consulta com mastologista, em uma campanha de prevenção às pacientes com diabetes. Serão atendidas 10 mulheres por dia.

Imagens: Área da Mulher INCA 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.