Política

Eleições 2018: veja quem pode e quem não pode votar

30/09/2018, 10h50

Dentro de uma semana, o Brasil realizará o primeiro turno das eleições gerais de 2018. Mais de 147,3 milhões de eleitores estão aptos a votar para eleger o presidente, governadores dos Estados e o do Distrito Federal, dois senadores (por estado), deputados federais e deputados estaduais/distritais. Estão aptos a votar cidadãos que apresentam situação regular perante a Justiça Eleitoral, ou seja, não têm pendências que os impeçam de exercer o direito ao voto.

As orientações foram divulgadas pela Assessoria de Comunicação do Tribunal Superior Eleitoral.

O voto no Brasil é obrigatório para todo cidadão, nato ou naturalizado, alfabetizado, com idade entre 18 e 70 anos. Para os jovens com idade entre 16 e 17 anos, pessoas com mais de 70 anos e analfabetos, o voto é facultativo.

Não poderá votar o cidadão que não tirou o título de eleitor nem regularizou sua situação perante a Justiça Eleitoral até 9 de maio, data-limite para o alistamento eleitoral visando a participação no pleito deste ano.

Também não pode votar o eleitor cujos dados não figurem no cadastro de eleitores da seção constante da urna, ainda que apresente título de eleitor correspondente à seção e documento que comprove sua identidade.

A regra consta do parágrafo 6.º do artigo 111 da Resolução TSE nº 23.554/2017, que trata dos atos preparatórios para as Eleições 2018.

Nessa hipótese, a mesa receptora de votos deverá registrar a ocorrência em ata e orientar o eleitor a comparecer ao cartório eleitoral a fim de regularizar sua situação.

Está igualmente impedido de votar quem se encontre com o título cancelado (por não ter votado em três eleições consecutivas, nem ter apresentado justificativa de ausência e tampouco pago a multa devida pela irregularidade).

Para efeito dessa regra, considera-se cada turno de um pleito como uma eleição isolada. Além disso, não poderá votar o cidadão que se encontre com os direitos políticos suspensos.

Presos provisórios e adolescentes internos

Dia 9 de maio foi a data-limite para que presos provisórios e adolescentes internados, que não possuíssem título regular, fizessem o alistamento eleitoral ou solicitassem a regularização de sua situação para votar em outubro.

Os presos provisórios e os adolescentes internados também têm o direito de votar, por não estarem com os direitos políticos suspensos (inciso III do artigo 15 da Constituição Federal).

Atualização cadastral

Também o dia 9 de maio foi o prazo máximo para que os eleitores alterassem seus dados cadastrais ou transferissem seu domicílio eleitoral. Desde o fechamento do cadastro, qualquer atualização dos dados somente poderá ocorrer quando for reiniciado o atendimento aos eleitores nas unidades da Justiça Eleitoral, no dia 5 de novembro.

Onde votar?

No dia 7 de outubro, o eleitor pode ir à sua seção eleitoral das 8h às 17h e votar, de acordo com o horário local. Entre outras informações, o título de eleitor traz a zona eleitoral e a seção em que o eleitor vota.

Mas, se o cidadão perdeu o título, ele consegue saber o número do documento no site do TSE. Basta informar o nome, data de nascimento e o nome da mãe.

O eleitor em situação regular também pode obter a via digital do título.

O aplicativo e-Título, está disponível para iPhone (iOS), smartphones (Android) e tablets.

Caso o eleitor já tenha feito o recadastramento eleitoral com coleta de biometria, a versão do e-Título virá acompanhada da fotografia, o que permitirá sua identificação na hora do voto.

Nesse caso, bastará apresentar a versão digital do documento para votar, de acordo com o artigo 111 (parágrafos 3º, inciso I, e 7º) da Resolução TSE nº 23.554/ 2017.

Para quem ainda não fez o recadastramento biométrico, a versão do e-Título será baixada sem a foto. Nessa hipótese, o eleitor está obrigado a levar um documento oficial de identificação com foto para o exercício do voto.

O que é necessário para votar?

O eleitor deve se dirigir à sua seção eleitoral e apresentar ao mesário um documento oficial com foto (carteira de identidade, passaporte, carteira de categoria profissional reconhecida por lei, certificado de reservista, carteira de trabalho ou carteira nacional de habilitação). Não é obrigatório apresentar o título de eleitor para votar.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Jovem é morto a tiros e sobrinha de 4 anos baleada no Jardim Primavera

Um dos suspeitos do crime foi preso em flagrante; criança está em estado grave.
30/09/2018, 10h57

Um jovem foi morto a tiros e a sobrinha de quatro anos baleada na note deste sábado (29/9) no Jardim Primavera, em Goiânia. Crime ocorreu por volta das 20h30, na GO-070, enquanto João Pedro da Silva. de 24 anos, levava as sobrinhas para a casa da mãe.

De acordo com informações da Polícia Civil, João Pedro estava na casa da sogra em Goianira, e uma cunhada ligou para que ele levasse as crianças até a casa dela. Durante o trajeto, o carro em que o jovem estava foi abordado por três homens em duas motos, que atiraram diversas vezes. João Pedro morreu no local  e uma das crianças, de quatro anos, foi baleada na cabeça.

A menina foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (HUGOL), onde está internada em estado grave e respirando com ajuda de aparelhos, segundo boletim médico divulgado na manhã de hoje (30/9).

Crimes no Jardim Primavera

Logo após o ocorrido, um dos suspeitos do crime  foi preso em flagrante por equipes do 13º Batalhão da Polícia Militar e da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), no Jardim Primavera. Edvaldo Trindade dos Santos, de 26 anos, confessou participação na morte, mas disse que não atirou em João Pedro e sim pilotou uma das motos.

Edvaldo foi localizado por meio do sistema de monitoramento da Central de Alternativas à Prisão (CAP) do Governo de Goiás, já que o suspeito usa tornozeleira eletrônica. O equipamento também apontou que ele esteve no local do crime.

O homem foi encaminhado à Central de Flagrantes, onde disse, em depoimento, que o crime foi motivado por vingança. De acordo com ele, em janeiro deste ano, João Pedro teria matado seu irmão também no Jardim Primavera.

A Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH) vai investigar o crime para saber se a motivação foi mesmo a contada com Edvaldo na delegacia.  Até o momento, os dois comparsas do homem não foram presos.

Via: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Outubro Rosa: mês de conscientização sobre prevenção ao câncer de mama

A Secretaria de Saúde de Goiás preparou, para todo o mês, ações voltadas para as mulheres; confira!
30/09/2018, 12h51

Outubro começa nesta segunda-feira (1/10), e junto, começa também o período de intensificação e conscientização de combate ao câncer de mama, conhecido como Outubro Rosa. A principal meta é incentivar o diagnóstico precoce, que aumenta as chances de tratamento e cura.

A data foi criada na década de 90, nos Estados Unidos, pela norte-americana Nancy Brinker, que criou a Susan G. Komen Breast Cancer Foundation, uma instituição pensada para cumprir uma promessa feita a sua irmã, Susan, que morreu dois anos antes lutando contra o câncer de mama.

De acordo com informações do site oficial da organização, no ano seguinte à criação da fundação, foi promovida a primeira Corrida pela Cura em Dallas, no Texas, com apenas 800 participantes. Já em 2002, o instituto contabilizou aproximadamente 1,3 milhões de participantes em centenas de eventos da corrida não só nos EUA como também em outros dois países. Desde então, a mobilização só tem crescido no mundo inteiro.

Câncer de mama

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, o câncer de mama é o mais recorrente entre as mulheres, excluídos os tumores de pele não melanoma. Em 2018, foram estimados 59.700 novos casos, que representam uma taxa de incidência de 51,29 casos a cada 100.000 mulheres.

Entre os anos de 2011 e 2015, o câncer de mama ocupou o primeiro lugar entre a causa de morte da população feminina brasileira. Os maiores percentuais na mortalidade proporcional por câncer de mama foram os do Sudeste (16,5%) e Centro-Oeste (16,1%), seguidos pelos Sul (15,2%) e Nordeste (14,8%).

Ainda de acordo com o INCA, “a incidência do câncer de mama tende a crescer progressivamente a partir dos 40 anos, assim como a mortalidade por essa neoplasia. Na população feminina abaixo de 40 anos, ocorrem menos de 10 óbitos a cada 100 mil mulheres, enquanto na faixa etária a partir de 60 anos o risco é 10 vezes maior.”

Outubro Rosa em Goiás

Em Goiás, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) organizou uma série de ações voltadas para as mulheres. No dia 27 de outubro, o Hospital Estadual Alberto Rassi (HGG) promove um mutirão de reconstrução mamária em pacientes que tiveram câncer de mama e aguardam pelo procedimento reparador, além de exames de mamografias para as colaboradoras. Já no Ambulatório de Medicina Avançada (AMA), do dia 8 ao dia 22, pacientes e acompanhantes que estiverem aguardando consultas receberão palestras educativas com foco na prevenção do câncer de mama.

No dia 11, o “Saúde na Praça” também será reservado ao Outubro Rosa, tendo como tema principal a Obesidade como fator de risco para câncer de mama. Serão oferecidos ainda serviços de aferição de pressão arterial, teste de diabetes e cálculo de Índice de Massa Corpórea (IMC), orientações de nutricionistas, psicólogos, fonoaudiólogos e fisioterapeutas. As mulheres acima de 40 anos também receberão instruções de como realizar o auto exame de mama.

E a partir do dia 10 de outubro, as pacientes do Centro Estadual de Atendimento ao Diabetes (CEAD) acima de 40 anos também receberão consulta com mastologista, em uma campanha de prevenção às pacientes com diabetes. Serão atendidas 10 mulheres por dia.

Imagens: Área da Mulher INCA 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Ultrapassagem indevida provoca morte de mãe e bebê de quatro meses no interior de Goiás

Segundo a PRF, a tragédia se deu por causa de um cálculo errado de uma ultrapassagem, na BR-153, Km 366, próximo à cidade de Jaraguá.

Por Ton Paulo
01/10/2018, 08h25

Uma tragédia no trânsito tirou a vida de uma mulher de 31 anos e sua filha recém-nascida, um bebê de quatro meses, no final da tarde do último domingo (30/9). O acidente aconteceu no BR-153, Km 366, próximo à cidade de Jaraguá.

De acordo com informações da assessoria da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente se deu por por volta das 17h30, envolvendo a condutora de um veículo GM Cobalt, Geska Aline Zago, e de sua filha, uma recém-nascida quatro meses de vida, e um Gol.

Segundo levantamento preliminar feito pela equipe PRF, a tragédia se deu por causa de um cálculo errado de uma ultrapassagem, na BR-153, Km 366, próximo à cidade de Jaraguá, quando para não colidir frontalmente com outro veículo, Geska, que dirigia o Cobalt e estava com sua filha recém-nascida e a mãe idosa no momento, jogou seu carro para o acostamento, perdendo o controle do veículo.

Ultrapassagem indevida provoca morte de mãe e bebê de quatro meses no interior de Goiás
Geska Aline e sua filha (Foto: Reprodução)

Ela, que estava dirigindo no sentido sul para norte do estado, ao retornar à pista, foi colhida na lateral por outro veículo, um Gol. Com a colisão, a mulher teve morte instantânea. Já a filha, uma bebê de apenas quatro meses de idade, foi arremessada para fora do veículo e socorrida, inicialmente por populares, e logo em seguida pelo Corpo de Bombeiros, mas levada ao hospital, não resistiu aos ferimentos e também veio a óbito.

Avó da criança ficou gravemente ferida no acidente que aconteceu por causa de ultrapassagem indevida

A avó da recém-nascida e mãe de Geska, que também estava no veículo, foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada para o Hospital Municipal de Jaraguá. De lá, a idosa, que não teve a identidade divulgada, foi levada em estado grave para uma unidade de saúde de Anápolis, a 55 km de Goiânia.

Os policiais identificaram que a criança utilizava, no momento do choque, o bebê conforto, porém, a possibilidade de não estar bem afixado ao corpo da bebê, pode ter provocado seu rompimento, somado à força do impacto da batida.

Outros dois veículos também colidiram nas respectivas traseiras, o que pode indicar distância de segurança inadequada, mas não houve mais feridos, somente danos materiais.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

A partir de amanhã o eleitor só pode ser presos em casos especiais

Amanhã também será o último dia para a verificação das assinaturas digitais do Sistema de Transporte de Arquivos da Urna Eletrônica.
01/10/2018, 08h37

A partir desta terça feira (2/10), a cinco dias das eleições, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido exceto em casos de flagrante delito ou de sentença criminal condenatória por crime inafiançável por desrespeito a salvo-conduto. A orientação está na legislação e prevista no calendário eleitoral.

Também nesta terça-feira será o último dia para a verificação das assinaturas digitais do Sistema de Transporte de Arquivos da Urna Eletrônica, do Subsistema de Instalação e Segurança e da Solução JE-Connect instalados nos equipamentos da Justiça Eleitoral.

Essa verificação deve ser feita por representantes dos partidos políticos e das coligações, da Ordem dos Advogados do Brasil, do Ministério Público e das pessoas autorizadas em resolução específica a formalizar pedido ao juízo eleitoral

Amanhã também é o último dia para os tribunais regionais eleitorais divulgarem na internet os pontos de transmissão de dados que funcionarão em locais distintos daquele de funcionamento da junta eleitoral.

Calendário eleitoral

4  de outubro

Último dia para a divulgação da propaganda eleitoral gratuita no rádio, na televisão e para propaganda política mediante reuniões públicas ou comícios e utilização de aparelhos de som, com exceção do comício de encerramento da campanha.

Prazo final para a realização de debate no rádio e na televisão. Encerra-se também o prazo dos partidos políticos e as coligações indicarem aos juízos eleitorais o nome das pessoas autorizadas a expedir as credenciais dos fiscais e dos delegados habilitados a fiscalizar os trabalhos de votação durante o primeiro turno das eleições.

5 de outubro

Encerra-se a divulgação paga, na imprensa escrita, de propaganda eleitoral, na Internet, e de jornal impresso.

6 de outubro

Último dia para a propaganda eleitoral mediante alto-falantes ou amplificadores de som, entre as 8 e ás 22 horas. Só podem ser entregues até as 22 horas, os material gráfico e a realização de caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos.

7 de outubro

Realização do primeiro turno das eleições. O eleitor tem entre 8h e 17h para votar.

Imagens: poder 360 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.