Goiás

Brasília tem dez novos deputados federais goianos

Dos novatos, o Congresso Nacional ganha o combativo Elias Vaz, o professor Alcides, o Dr. Zacarias Calil e o ex-governador de Goiás, Alcides Rodrigues.
08/10/2018, 09h44

Dos 17 deputados federais goianos, dez são novatos para os quatro anos seguintes a partir de janeiro de 2018. O melhor colocado no ranking de preferência do eleitor goiano e, por isso, mais votado, foi o deputado delegado Waldir (PSL), com 274.406 votos. Em segundo lugar no pódio, Flávia Morais (PDT), obteve 169,774 votos, seguida do médico, Dr. Zacarias Calil (DEM), com 151.508.

Outros cinco parlamentares, além de Flávia Morais e de Waldir Soares, conseguiram reeleição. João Campos (PRB) e Rubens Otoni (PT), que vão para o quinto mandato, Magda Mofatto (PR), Lucas Vergílio (Solidariedade) e Célio Silveira (PSDB) alcançam o segundo mandato.

Deputados como Roberto Balestra (PP), que perdeu a tentativa de se reeleger para o nono mandato e Jovair Arantes (PTB), que tentava o sétimo mandato, deram lugares aos dez novatos.  Não conseguiram a reeleição, os deputados Giuseppe Vecci (PSDB), Fábio Sousa (PSDB) e Marcos Abrão (PPS).

Os novatos serão Glaustin da Fokus (PSC), Zé Mário (DEM), Professor Alcides (PP), Adriano do Baldy (PP), o vereador por Goiânia Elias Vaz (PSB), o ex-governador Alcides Rodrigues (PRP), além de Major Vitor Hugo (PSL) e o deputado estadual José Nelto (Podemos).

Deputados federais goianos eleitos por Goiás:

1) Delegado Waldir (PSL) – 274.406 votos

2) Flávia Morais (PDT)- 169,774 votos

3) Dr. Zacarias Calil (DEM) -151.508 votos

4) Francisco Jr. (PSD) -111.788 votos

5) João Campos (PRB) – 106.014 votos

6) Glaustin da Fokus (PSC) -100.437 votos

7) Zé Mário (DEM) – 96.188 votos

8) Magda Mofatto (PR) – 88.894 votos

9) Professor Alcides (PP) -88.545 votos

10) Rubens Otoni (PT) – 83.063 votos

11) Lucas Vergílio (SD) -78.431 votos

12) Adriano do Baldy (PP) -77.729 votos

13) Elias Vaz (PSB) -74.877 votos

14) Célio Silveira (PSDB) -70.663 votos

15) Alcides Rodrigues (PRP) – 64.941 votos

16) José Nelto (Podemos) -61.809 votos

17) Major Vitor Hugo (PSL) – 31.190 votos

Leia mais:

Confira a lista dos deputados estaduais eleitos por Goiás em 2018

Em vitória histórica, Ronaldo Caiado é eleito governador de Goiás

Jorge Kajuru é eleito segundo senador por Goiás

Vanderlan Cardoso vence disputa ao Senado por Goiás

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Metade dos deputados estaduais de Goiás é reeleita; veja os nomes

Entre a maiores bancadas que agora legislam na Alego, estão a do partido Democratas (DEM) - partido do governador eleito, Ronaldo Caiado -, e PSDB.

Por Ton Paulo
08/10/2018, 10h08

Um total de 21 deputados estaduais de Goiás foram reeleitos nestas eleições, número que representa metade dos 41 parlamentares em exercício na Assembleia Legislativa (Alego).

Entre a maiores bancadas que agora legislam na Alego, estão a do partido Democratas (DEM) – partido do governador eleito, Ronaldo Caiado -, e PSDB.

Confira abaixo a lista com os nomes dos deputados estaduais de Goiás que foram reeleitos (por ordem alfabética):

Álvaro Guimarães – DEM

Bruno Peixoto – MDB

Charles Bento – PRTB

Cláudio Meirelles – PTC

Del. Adriana Accorsi – PT

Diego Sorgatto – PSDB

Dr. Antonio – DEM

Gustavo Sebba – PSDB

Helio de Sousa – PSDB

Henrique Arantes – PTB

Humberto Aidar – MDB

Iso Moreira – DEM

Jeferson Rodrigues – PRB

Karlos Cabral – PDT

Lêda Borges – PSDB

Lissauer Vieira – PSB

Lucas Calil – PSD

Major Araújo – PRP

Paulo Cézar Martins – MDB

Talles Barreto – PSDB

Virmondes Cruvinel – PPS

O partido Democratas, que, até o momento era a oposição dentro da Assembleia Legislativa, passa agora, com a eleição do governador Ronaldo Caiado, a ser situação.

O PSDB, que agora passa a ser oposição teve o maior número de deputados estaduais eleitos em Goiás. Das 41 vagas, a legenda aprovou seis candidatos: Diego Sorgatto, Dr. Helio de Sousa, Talles Barreto, Leda Borges, Tião Caroço, Gustavo Sebba. O número, porém, é menor do que as 12 cadeiras que o PMDB mantém atualmente na Alego.

A coligação Goiás Avança Mais (PSDB-PPS-PSB) elegeu outros dois deputados. A coligação A mudança é agora (DEM-PTC-PMB-PSC) elegeu o segundo maior número de candidatos, com seis deputados.

Com 46.545 votos, o primeiro colocado entre os deputados estaduais foi Henrique César (PSC), que havia assumido cadeira no Legislativo em 2017, por oito meses, enquanto Talles Barreto (titular da vaga) estava de licença.

O segundo colocado, com 45.605 votos, foi Jeferson Rodrigues (PRB). Ele foi reeleito após assumir cadeira em 2016 na Assembleia Legislativa. O terceiro colocado, Diego Sorgatto (PSDB), tem 28 anos, já foi presidente da Câmara Legislativa Municipal de Luziânia, vai para o segundo mandato como deputado estadual e teve 41.362 votos.

Via: Mais Goiás 
Imagens: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

PT e PSL elegem as maiores bancadas da Câmara dos Deputados

Goiás manteve um deputado reeleito pelo PT.
08/10/2018, 10h10

O PT e o PSL despontaram nas urnas neste domingo (07/10), com as maiores bancadas para a Câmara dos Deputados para os próximos quatro anos. O PT, que em 2014 elegeu 69 deputados, continua com uma grande bancada, mas perdeu representação ficando com 56 deputados. O maior crescimento foi do PSL, que saiu de 1 deputado eleito em 2014 para 52.

O MDB que hoje ocupa a presidência da República com Michel Temer perdeu quase a metade do espaço que tinha em 2014, quando elegeu 65 deputados. A bancada tem até agora 34 parlamentares.

O Partido Novo, que estreou nas eleições de 2018, conseguiu 8 deputados. A nova Câmara continua marcada pela fragmentação partidária. São 30 legendas com representação no Parlamento.

A representatividade das bancadas é fundamental na atuação parlamentar. O maior partido tem peso na escolha dos cargos mais importantes da Casa, como a presidência da Câmara e da Comissão de Constituição e Justiça.

Até fevereiro de 2019, quando os deputados tomam posse, os partidos ainda podem se aliar á outros blocos para ajustar a atuação parlamentar de acordo com o resultado da eleição para presidente da República.

Renovação na câmara dos deputados

A renovação teve alta em alguns estados. No Mato Grosso e no Distrito Federal, apenas uma das oito cadeiras é de deputados reeleitos. Erika Kokay (PT) foi reeleita pelo DF e Carlos Bezerra (MDB) pelo MT. Os demais são novatos na Câmara dos Deputados. Já em Goiás o PT manteve um parlamentar reeleito, o deputado Rubens Otoni (PT).

O Piauí, por outro lado, reelegeu sete dos dez deputados federais de sua bancada. O Rio Grande do SuL também optou por reeleger a maior parte da bancada: 19 foram reeleitos e 12 são novatos.

A composição da Câmara traz novos nomes como o ator Alexandre Frota (PSL-SP) e a jornalista Joice Hasselmann (PSL-SP). Há vários novatos ligados à área de segurança, caso Policial Katia Sastre (PR-SP), que ganhou fama nacional após abordar um assaltante em frente a uma escola.

A deputada Luiza Erundina (Psol-SP) é a veterana da próxima composição da Câmara. A parlamentar, que tem 84 anos, vai iniciar o sexto mandato consecutivo. Outro veterano é o deputado Átila Lira (PSB-PI), 71 anos, que vai iniciar o oitavo mandato como deputado, sendo o sexto consecutivo.

Justiça Eleitoral

Os resultados das eleições poderão ser alterados em decorrência de eventuais recursos decididos pela Justiça Eleitoral. O Judiciário analisa ações sobre abuso do poder econômico e político nas eleições, atendendo a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Brasil sofre, mas obtém virada e derrota México no Mundial de vôlei no Japão

O Brasil deve enfrentar a Holanda no dia 10 de outubro.
08/10/2018, 11h00

A seleção brasileira feminina de vôlei precisou suar bastante para derrotar o México, nesta segunda-feira, em Nagoya, pelo Mundial de vôlei, que está sendo disputado no Japão. Em duelo válido pelo Grupo E, o time do técnico José Roberto Guimarães venceu por 3 sets a 1 , com parciais de 23/25, 25/23, 25/13 e 25/19, em 1h55min de jogo.

O destaque foi a oposta Tandara, com 25 pontos, seguida pelas ponteiras Gabi, com 15 e Drussyla, 14. Do lado mexicano, as maiores pontuadoras foram Rangel, com 23, e Quintero 17. O ataque brasileiro foi responsável por 62 pontos, enquanto o bloqueio colaborou com 11. As mexicanas erraram 25 vezes, enquanto as brasileiras cometeram 19 erros.

O Brasil entrou em quadra nesta madrugada escalada com Dani Lins, Tandara, Gabi, Natália, Bia e Adenízia, além da líbero Suelen. No decorrer do jogo entraram Roberta, Drussyla e Thaísa.

Zé Roberto exaltou a vitória como uma reação à derrota sofrida para a Alemanha na rodada passada. “O começo foi reflexo da partida contra a Alemanha. Com o time querendo muito, mas sem tranquilidade para executar os movimentos. O equilíbrio faltou no começo da partida, mas com a entrada da Drussyla tudo se acalmou e a equipe se ajustou durante o confronto. O México tem jogadoras interessantes com três saques viagens que nos incomodaram e um ataque forte arriscando tudo. Foi um bom jogo porque nosso time teve que correr atrás do resultado o tempo inteiro”, disse o treinador.

Uma das melhores em quadra, Drussyla falou do equilíbrio da competição. “Acredito que a nossa atitude foi muito importante. Revertemos uma situação difícil no início da partida para conseguirmos a vitória. Nenhum jogo nesse Mundial será fácil. Sei do meu papel no grupo e estou realizando o sonho de jogar essa competição. Espero ajudar o Brasil da melhorar maneira possível.”

Brasil no Mundial de vôlei

Apesar da vitória, o Brasil continua na quarta colocação da chave, com 16 pontos, pois o Japão bateu Porto Rico, por 3 a 0, e manteve a terceira colocação. A Sérvia, com sete vitórias por 3 sets a 0, soma 21 pontos em primeiro lugar, seguida pela Holanda, que acumula 20 pontos.

Uma vitória sobre a Holanda é fundamental para o time brasileiro seguir no Mundial. Zé Roberto sabe disso. “A Holanda é um time que ganhou jogos importantes contra a Alemanha e o Japão. Elas têm jogado bem e o ponto de força tem sido a Sloetjes (oposta) que tem apresentado um voleibol de altíssimo nível, assim como a Anne (ponteira) que ajuda muito o time e a Belien (central) que vem bem. É uma equipe que está coesa e tem apresentado um bom voleibol.”

O Mundial terá a terça-feira de folga. O Brasil volta à quadra na quarta-feira, à 1h25 (horário de Brasília), quando o adversário será a Holanda, em disputa direta por uma vaga na terceira fase. As três primeiras equipes cada grupo se classificam para a terceira fase.

Imagens: Terra 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Eleitor filma urna durante o voto em Guapó e vira alvo de representação criminal

O homem filmou o momento em que votava e compartilhou o vídeo nas redes sociais, ato que configura crime eleitoral.

Por Ton Paulo
08/10/2018, 11h01

Um eleitor da cidade de Guapó, a 19 quilômetros de Goiânia, virou alvo de uma representação criminal por parte da Justiça depois de filmar a urna enquanto votava e compartilhar o vídeos nas redes sociais. A ação contra o eleitor partiu do promotor eleitoral da 56ª Zona Eleitoral de Goiás.

A representação criminal, de autoria do Dr. Wesley Marques Branquinho, promotor eleitoral, parte do princípio de combate à violação do sigilo do voto, a fim de impedir a corrupção eleitoral. O crime está previsto no artigo 312 do Código Eleitoral, sendo considerado de menor potencial ofensivo, passível de transação penal. A penalidade prevista para o crime eleitoral é de detenção de 15 dias a 2 anos.

Segundo informa o promotor, a prova apresentada é a filmagem realizada pelo próprio eleitor, cujo vídeo viralizou nas redes sociais, especialmente WhatsApp, causando comoção perante os demais eleitores locais.

Wesley Branquinho observa ainda que a cabina de votação é lugar reservado da seção eleitoral para que o eleitor exerça, com total sigilo e inviolabilidade, seu direito de voto na urna eletrônica. Portanto, é proibido ao eleitor, entrar com celular, máquinas fotográficas e filmadoras. Com isso, evita-se que esses equipamentos sejam usados para expor o conteúdo do voto e, por consequência, fomentar a corrupção eleitoral. Ele explica que todas essas medidas visam assegurar o exercício de voto, com total liberdade de escolha, sem que exista a mínima possibilidade de identificação do voto dado.

No caso do eleitor representado, o promotor esclarece que o fato ocorreu na Seção 112, instalada na Escola Municipal Manoel Ribeiro Rosa, em Guapó, quando ele violou o sigilo de voto, conformando e pedindo informações a terceiro sobre o voto exercido

Caso em que eleitor firma urna configura crime eleitoral

O fato de filmar a urna enquanto vota configura violação de sigilo de voto nas eleições. Veja abaixo, além disso, atos que configuram crimes eleitorais:

– Promover a desordem ou a concentração de eleitores com o fim de impedir, embaraçar ou fraudar o exercício do voto, sob qualquer forma, inclusive com o fornecimento gratuito de alimento e transporte coletivo;

– Utilizar alto-falantes e amplificadores de som;

– Realizar comício ou carreata;

– Fazer boca-de-urna (É permitida, desde que não faça parte de aglomeração, a manifestação individual e silenciosa da preferência política do eleitor, como por exemplo o uso de camisetas, o porte de bandeira e a utilização de adesivos em veículos particulares);

– Distribuir material de propaganda política (panfletos, cartazes, camisetas, bonés, adesivos, etc) fora da sede do partido ou comitê político;

– Usar (funcionários da Justiça Eleitoral e mesários) qualquer elemento de propaganda eleitoral;

– Violar ou tentar violar o sigilo do voto.

Via: MP-GO 
Imagens: BBC Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.