Política

Gilmar Mendes reduz fiança de doleiro de R$ 390 mi para R$ 10 mi

09/10/2018, 19h00

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acatou pedido da defesa do doleiro Ernesto Matalon e baixou em R$ 380 milhões a fiança imposta pelo juiz Marcelo Bretas, titular da operação Câmbio, Desligo. Em decisão publicada na sexta-feira, 5, o ministro do STF substituiu a fiança de R$ 390 milhões imposta por Bretas por uma de R$ 10 milhões.

Ernesto é filho de Marc Ernest Matalon, antigo conhecido da Polícia Federal e apontado como patriarca de uma das maiores famílias de doleiros do Estado de São Paulo. Ao lado do pai, da prima Patrícia e da funcionária Bella Skinazi, Ernesto teve prisão decretada pela Justiça do Rio de Janeiro no âmbito da operação Câmbio, Desligo. No passado, a família havia sido alvo da operação Satiagraha.

De acordo com o Ministério Público Federal, a família Matalon, entre 2011 e 2017, movimentou US$ 100 milhões no sistema financeiro paralelo comandado pelos doleiros Vinicius Claret, o Juca Bala, e Cláudio Barboza, o Tony.

“Aliás, sobre esse ponto, ainda que se considere elevada capacidade financeira do paciente, causa alguma perplexidade o arbitramento da fiança no valor de R$ 390.000.000,00 (trezentos e noventa milhões de reais), nesta prematura fase processual da ação penal em apreço”, afirmou Gilmar Mendes em sua decisão.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Criança é encontrada na BR-050 dois dias após família que passava fim de semana em Goiás morrer em acidente

Eles eram de Campinas, São Paulo, e haviam viajado para Rio Quente, a 177 quilômetros de Goiânia, para comemorar um aniversário de uma das vítimas.
09/10/2018, 19h38

Na manhã desta terça-feira (9/10) uma criança de seis anos foi encontrada na BR-050 dois dias após a família, que passava fim de semana em Goiás, morrer em acidente. As vítimas eram de Campinas, São Paulo, e haviam viajado para Rio Quente, a 177 quilômetros de Goiânia, para comemorar um aniversário. No veículo estavam Alessandro Monare, de 37 anos, Belkis da Silva Miguel Monare, de 35, Samuel da Silva Miguel Monare, de 8, e Benjamin Silva Miguel Monare, de 6 anos, único sobrevivente.

Eles haviam viajado na última quinta-feira (4/10) para passar o fim de semana em Rio Quente, de onde saíram na manhã de domingo, 7 de outubro, com previsão de chegar a Campinas durante a tarde, mas até segunda-feira (8/10) não haviam dado notícias.

O carro da família foi visto pela última vez no quilômetro 14 da LMG-223, quando foi fotografado pelas câmeras do posto da Polícia Militar Rodoviária (PMRv) por volta das 10h04. Preocupados, os parentes saíram em busca da família no possível trajeto feito na viagem. Durantes as buscas, foi constatado pela A MGO Rodovias, concessionária responsável pelo da BR-050, que o carro não passou por nenhum pedágio da rodovia no domingo.

As buscas foram encerradas na noite de ontem e deveriam ser retomadas na manhã de hoje, quando Benjamin foi visto às margens da rodovia por um motorista que passava ao local. Informações preliminares apontam que o caçula da família ficou preso no veículo, e hoje, quando conseguiu se soltar, foi até a rodovia pedir ajuda. Benjamin foi levado para o Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), confuso e com quadro de desidratação severa.

As equipes que trabalhavam nas buscas foram até o local para retirar o corpo da vítimas e a perícia. As causas do acidente ainda são desconhecidas.

Despedida de família morta em acidente na BR-050

Por meio das redes sociais, a Igreja Batista Vista Alegre, onde Alessandro Monare e Belkis da Silva Miguel Monare eram pastores, agradeceram pelos feitos da família: “Os irmãos que estão em Araguari estão cuidando dos maiores detalhes.

Assim quando tivermos mais informações estaremos informando a todos. Pedimos a todos que continuem em oração e consolo do Espírito Santo. Fica uma palavra de gratidão pela vida do nosso incansável pastor e de sua esposa que se dedicaram fielmente o ministério que Deus os convocou em nome de Jesus amém.”

Criança é encontrada na BR-050 dois dias após família que passava fim de semana em Goiás morrer em acidente
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal
Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Marconi Perillo deve depor à Polícia Federal nesta quarta-feira

O ex-governador, que concorria a uma vaga no Senado, é investigado na Operação Cash Delivery.
09/10/2018, 20h46

Marconi Perillo, ex-governador  de Goiás, tem depoimento marcado na Polícia Federal na tarde desta quarta-feira (10/10), em Goiânia. A data foi proposta pela defesa de Marconi, que havia pedido à Polícia para que ele fosse ouvido após a eleição, ocorrida no último domingo, 7 de outubro. De acordo com o advogado, Antônio Carlos Almeida, conhecido como Kakay, não existe a possibilidade de Marconi ser preso.

O ex-governador, que concorria a uma vaga no Senado, mas que recebeu apenas 7,55% dos votos válidos, é investigado na Operação Cash Delivery, deflagrada pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF), no dia 28 de setembro. Antes da operação, Perillo seguia firme nas pesquisas, mas no dia 2, depois de ser citado, uma pesquisa do Instituto Grupom apontou queda do ex-governador para 4º lugar, com 23,2%, na disputa pelo Senado.

Durante a operação, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em endereços do ex-governador de Goiás. Ao todo, foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão temporária, expedidos pela 11ª Vara da Justiça Federal de Goiás, nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Pirenópolis e Aruanã, Campinas e São Paulo. A PF apreendeu mais de R$ 1 milhão.

Jayme Rincón, o empresário Carlos Alberto Pacheco Júnior e Rodrigo Godoi Rincón, filho de Jayme Rincón, conseguiram habeas corpus e já foram liberados. Já o motorista de Jayme e policial, Márcio Garcia de Moura, continua preso preventivamente.

Marconi Perillo e a Operação Cash Delivery

Segundo nota do MPF, “quando ainda era senador e, depois, também como governador, Marconi Perillo solicitou e recebeu propina no valor de, em 2010, R$ 2 milhões e, em 2014, R$ 10 milhões, em troca de favorecer interesses da empreiteira relacionados a contratos e obras no Estado de Goiás.”

Ainda de acordo com a nota, o caso foi remetido à primeira instância a partir da renúncia de Marconi Perillo ao mandato de governador de Goiás e a consequente perda de foro privilegiado. O caso foi então assumido pelo Núcleo de Combate à Corrupção do MPF em Goiás e pela Polícia Federal. A investigações começaram em junho de 2017.

Via: G1 O Popular 
Imagens: Agenda Capital 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Agetop divulga lista de rodovias goianas que têm restrições no feriado do dia 12

Segundo o órgão, objetivo das restrições impostas é garantir a segurança e conforto aos usuários das rodovias estaduais neste período, uma vez que ocorre um aumento considerável do fluxo de veículos de passeios e ônibus.

Por Ton Paulo
10/10/2018, 08h41

A Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) divulgou recentemente uma lista em que consta as rodovias goianas que terão restrição de veículos durante o feriado começa nesta sexta-feira (12/10).

A data é considerada feriado em todo o território nacional em comemoração ao Dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

O objetivo das restrições impostas é garantir a segurança e conforto aos usuários das rodovias estaduais neste período, uma vez que ocorre um aumento considerável do fluxo de veículos de passeios e ônibus.

Durante o período do feriado, que emendará com o fim de semana, de 7 horas às 20 horas dessa sexta-feira (12/10) e de 7 horas às 20 horas de domingo (14/10), dias de saída e retorno de viagens, não será permitido o tráfego de veículos de cargas em rodovias de acesso a ponto turísticos.

Segundo a Agetop, a exceção é para veículos de cargas perecíveis, transporte de leite e seus derivados, de frutas e verduras e cargas frigoríficas. Rodovias que levam a pontos turísticos como a Região das Águas Quentes, ao Lago de Três Ranchos e de cidades históricas como a região de Pirenópolis, Corumbá de Goiás e cidade de Goiás.

Estão incluídos nas restrições veículos tipo Bitrem 7 eixos, Romeu e Julieta, Rodo-Trem, Tri-Trem, Treminhão, Bi-trem 9 eixos, Cegonheira, Linha de Eixos ou qualquer combinação de veículos de transportes de cargas superior a três eixos e veículos que exigem escolta.

O descumprimento da restrição gera multa e cinco pontos na carteira do motorista, penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro.

Confira os trechos dos rodovias goianas que terão restrições

GO-020 – Entroncamento GO-147 (trevo para Piracanjuba)/Entroncamento GO-139 (Cristianópolis)

GO-217 – Entroncamento BR-153/Piracanjuba/Entroncamento GO-139

GO-139 – Entroncamento GO-020 (Cristianópolis)/Entroncamento GO-217/Caldas Novas/Corumbaíba/Divisa GO-MG

GO-213 – Ipameri/Caldas Novas

GO-330 – Vianópolis/Pires do Rio/Catalão/Três Ranchos

GO-431 – BR-153/Pirenópolis

GO-338 – Entroncamento BR-060 (Abadiânia)/Planalmira/Pirenópolis

GO-225 – Entroncamento BR-414 (Corumbá)/Pirenópolis

GO-070 – Itauçu/Cidade de GoiásGO-010  GO-139Luziânia/Vianópolis/Cristianópolis/Entroncamento GO-217 (Piracanjuba)

Via: Mais Goiás 
Imagens: Governo do Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Operação Salvo Conduto: PF investiga vice de Guiné em esquema de lavagem de dinheiro

35 policiais federais atuam na operação.
10/10/2018, 08h53

A Polícia Federal (PF) abriu a Operação Salvo Conduto e cumpre sete mandados de busca nesta quarta-feira, 10, ligados a apreensão de US$ 16 milhões em dinheiro e em relógios de luxo com a comitiva do vice-presidente da Guiné Equatorial Teodoro Nguema Obiang ocorrida em 14 de setembro. Naquele dia, foram apreendidas com a comitiva malas com 20 relógios com diamantes avaliados em US$ 15 milhões e com US$ 1,4 milhão e R$ 55 mil em espécie no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

As buscas são cumpridas nas cidades de São Paulo, Hortolândia (SP), Jundiaí (SP) e no Distrito Federal. As ordens judiciais foram expedidas, a pedido da PF, pela 6ª Vara Criminal da Justiça Federal em São Paulo.

Em nota, a PF informou que 35 policiais federais atuam na operação, que apura fatos referentes a dois inquéritos policiais, reunidos em setembro deste ano, por tratarem de fatos envolvendo o mesmo investigado.

O vice de Guiné foi condenado na França por adquirir propriedades com dinheiro público desviado de seu país de origem e investigado nos EUA, dentre outros crimes, por lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos.

A Operação Alvo Conduto

O primeiro inquérito policial foi instaurado em março de 2018, depois do envio de informações do Ministério Público Federal, no mês anterior, para que a PF iniciasse investigação para apurar o crime de lavagem de dinheiro em razão dos indícios de ocultação de propriedade relacionada à compra, em 2008, de um apartamento duplex localizado no bairro dos Jardins, em São Paulo.

O imóvel foi adquirido, na época, por R$ 15 milhões. As investigações apontam que o imóvel, adquirido por uma empresa com capital social de R$ 10 mil, pertenceria ao investigado.

O segundo inquérito policial foi instaurado no dia 20 de setembro deste ano, após a apreensão realizada em 14 de setembro pela Receita Federal. Os bens foram trazidos do exterior sem a declaração de bens e valores obrigatória.

São apurados dois atos de lavagem de dinheiro, o primeiro relativo à aquisição, por meio de interposta pessoa, de um apartamento de luxo e o segundo relacionado à ocultação de movimentação de bens e valores ao entrar Brasil.

A PF solicitou à Justiça Federal o sequestro do imóvel, dos bens e valores apreendidos no Aeroporto de Viracopos e de sete veículos de luxo – um deles avaliado em R$ 2 milhões.

As investigações prosseguem com a colheita de depoimentos, análise do material apreendido e pedido de cooperação jurídica internacional, para esclarecer a participação de todos os envolvidos.

O crime de lavagem de dinheiro tem penas que variam de 3 a 10 anos de reclusão.

Imagens: Metrópoles - DF 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.