Brasil

Cortador de cana tem direito a descanso por 10 min a cada hora e meia de trabalho

14/10/2018, 14h00

Os ministros da Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenaram a Usina Alto Alegre S/A Açúcar e Álcool, do Paraná, a pagar os intervalos não usufruídos por um trabalhador rural durante a jornada no corte da cana de açúcar acrescidos do adicional de horas extras. Os ministros entenderam que a atividade ‘é pesada e contínua’ e permite a aplicação, por analogia, do artigo 72 da CLT, que estabelece pausas de 10 minutos a cada 90 minutos de trabalho para digitadores.

A decisão foi unânime.

Intervalo

O juízo da Vara do Trabalho de Porecatu (PR) havia julgado procedente o pedido do cortador de cana, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 9.ª Região (PR) reformou a sentença. Para o TRT-9, o intervalo do artigo 72 da CLT ‘é devido somente ao empregado que trabalha exclusivamente com digitação’.

Segurança e higiene

O relator do recurso de revista do cortador de cana, ministro Guilherme Caputo Bastos, observou que o Ministério do Trabalho aprovou a Norma Regulamentadora 31, que fixa pausas para descanso nas atividades realizadas em pé ou que exijam sobrecarga estática ou dinâmica.

O objetivo é preservar a saúde dos trabalhadores que atuam na agricultura, pecuária, silvicultura, aquicultura e exploração florestal.

Segundo o ministro, embora o texto da NR31 não defina claramente o tempo de descanso, o TST tem aplicado, por analogia, o intervalo previsto na CLT para os digitadores. Na sua avaliação, as duas atividades envolvem esforço repetitivo com excessivo desgaste físico e mental, o que justificaria a concessão da medida, “como forma de proteção à saúde do empregado”.

COM A PALAVRA, A USINA ALTO ALEGRE S/A AÇÚCAR E ÁLCOOL

A reportagem tentou contato, diversas vezes, com a Usina Alto Alegre S/A Açúcar e Álcool. O espaço está aberto para manifestação.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Neste domingo, este casal comemora 66 anos de casamento

Dona Maria pediu seu Jorge em casamento em 1952. Com 16 anos de diferença, o casal nunca se separou.
14/10/2018, 14h19

Quando pediu para seu Jorge ficar de vez em Goiás e se casar com ela, Maria Lúcia fugiu do costume de tempos antigos, em 1952. Ela mesma escolheu seu Jorge para o matrimônio. Aposta que algo lhe dizia que era amor para mais de banda. Aos 86 anos, ela não sai de perto do marido, que tem 101 anos, na casa da família em Ceres, interior de Goiás.

Com seu Jorge, Maria encheu a casa de filhos. Primeiro veio José, depois João, Mauro, Lourdes, Maria Filha e Marlene. “Tive outros dois”, se lembra, “mas Deus levou”.

Depois vieram os 14 netos e outros nove bisnetos. “É gente demais, fi”, diz com sotaque mineiro. Contadora de histórias, mesmo por telefone, enquanto vê a movimentação na casa em que durante todo este domingo (14/10) a família comemora os 66 anos desde que ela e seu Jorge deram o primeiro beijo no altar.

E se lembra de tudinho: “Nois dançou demais, sô”. Ela vai contando a história dela com seu Jorge como se tudo tivesse ocorrido ontem. Desde que seu Jorge começou a escurecer a memória, ia se esquecendo de tudo. “A tal de Alzheimer, meu fi. É bão demais da conta meu véi aqui comigo. Minha famía, tudinho.”

Dona Maria Lúcia tem vida no sorriso. Quando sorri, é como se ganhasse mais combustível para continuar vivendo e ensinando que o tempo é o melhor remédio mesmo. “Óia, nois trabaiou muito. Muito mesmo. Hoje não sou rica, mas não sou pobre. Eu sou eu, assim, vivendo de tiquinho. Não fosse a doença do meu marido, nois viajar muito mais. Andamo por demais nesse Goiás.”

Agora, diante da movimentação da festança para a Bodas de Ébano, Maria quer mesmo é não esquecer. “Eu vim para Goiás com sete anos. E conheci meu marido quando ele veio ver a namorada. Quando ele chegou, ele foi na casa de papai. Eu estava tecendo.”

Antes de continuar, Maria dá uma gaitada: “Rapaz feio demais, mas ele também me achou feia. A gente tomou banho e melhorou. Aí fomo passear e eu mesma falei, ó: ‘se você quiser casar comigo, nóis casa. Só vim pra Goiás'”.

Casou com o homem que veio desfiando a vida. Perdeu a sensibilidade dos braços e não consegue mais tocar sanfona e violão, capinar, espantar onça e nem dar milho às galinhas. “Mas hoje ele é um velho bonito, vaidoso. Tem que passar perfume, calçar um calçadinho bão, senão ele não sai de jeito nenhum.”

Antes de despedir do repórter, agradece pela ligação e recomenda. “Anota aí, meu filho: A vida é bão demais.”

Neste domingo, este casal comemora 66 anos de casados
“Amo demais da conta meu velho”, declara Maria

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Adolescentes são apreendidos em Jataí depois de tentarem matar homem em motel

O trio tentou fugir da polícia pulando o muro do motel, mas acabou sendo capturado.

Por Ton Paulo
14/10/2018, 14h41

Três adolescentes foram apreendidos pela Polícia Militar (PM) na manhã do último sábado (13/10), suspeitos de tentarem assassinar um homem dentro de um motel no setor Vila Sofia, em Jataí, a 320 quilômetros de Goiânia.

De acordo com informações da PM, o grupo, que era formado por duas moças e um rapaz, estava em um quarto do motel quando atacaram a vítima, Deyner Lima Costa, de 30 anos, com golpes de garrafa de vidro e logo em seguida tentaram afogá-lo na banheira. Os funcionários do motel perceberam a movimentação no quarto e acionaram a polícia.

Assim que os policiais chegaram no local, o trio tentou fugir com o carro da vítima, mas os funcionários impediram a fuga, se recusando a abrir o portão do motel.

Os três adolescentes, então, abandonaram o carro e pularam o muro na tentativa desesperada de fuga.

Pouco tempo depois, a polícia conseguiu encontrar o trio nas proximidades do motel. Logo depois da apreensão,  eles foram encaminhados para a delegacia de polícia de Jataí.

Deyner Lima, que foi agredido dentro do motel e quase foi morto, foi socorrido e encaminhado para o Hospital Municipal de Jataí.

Ainda não há informações sobre seu estado de saúde.

Adolescentes no motel em Jataí roubaram dinheiro da vítima

Segundo informações da PM, além de agredirem o homem com garrafadas e tentarem matá-lo, os adolescentes também subtraíram dele a quantia de R$ 200 reais. valor que foi encontrado com o trio quando a polícia conseguiu fazer a apreensão.

Atualização: conforme foi apurado pela reportagem do Dia Online, a vítima das agressões, Deyner Lima Costa, veio a óbito no hospital onde estava internado, em Jataí. A informação foi confirmada por familiares a amigos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Justiça proíbe Enel de cortar energia de casa em Anápolis

Na decisão proferida, o juiz considerou que "a situação era gravíssima" e que a "consumidora estava refém do serviço".

Por Ton Paulo
14/10/2018, 15h58

A Justiça determinou o reestabelecimento do fornecimento de energia elétrica de uma casa e proibiu à Enel qualquer e possível futura ameaça de interrupção do serviço. Caso aconteceu em Anápolis, a 60 quilômetros de Goiânia.

A decisão, do juiz Eduardo Walmory Sanches, da 1ª Vara Cível da comarca de Anápolis, que concedeu tutela de urgência para ordenar que a Enel restabeleça o fornecimento de energia elétrica da residência e a proibição de um futuro corte de energia, é valida enquanto uma ação, em que a consumidora questiona um débito no valor de R$9.270 reais, estiver em andamento.

De acordo com os autos, a empresa verificou, em maio deste ano, irregularidades no medidor, que teria se começado ainda em 2013.

Um cálculo médio mensal, com base no consumo do ano anterior à danificação do aparelho, foi feito, para resguardar a consumidora.

Em decisão, magistrado de Anápolis diz que “consumidora estava refém do serviço”

Em sua decisão proferida, o juiz Eduardo Walmory, da 1ª Vara Cível da Comarca de Anápolis, pontuou que a retirada do equipamento se deu sem aviso prévio e que “laudos unilaterais apontam irregularidades seguidas de cobranças milionárias e multas.” “Por evidente, tal situação é gravíssima porque o consumidor vira refém do serviço prestado, afinal se trata de monopólio: ou o consumidor paga, ou fica sem energia – simples assim.” Ele diz, ainda na decisão, que tem aumentado o número de ações do tipo.

“Verifico que desde a privatização da empresa de energia elétrica aumentou muito o número de ações em tramitação nessa Vara Cível em razão de procedimentos irregulares e ofensivos ao Código de Defesa do Consumidor.”, disse o magistrado na decisão.

Via: O Popular 
Imagens: Portal 6 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Polícia trabalha com a hipótese de execução no caso de médico morto na Chapada dos Veadeiros

De acordo com a polícia, o médico foi atingido nas costas, costela, nuca e bochecha.

Por Ton Paulo
14/10/2018, 17h42

O corpo que foi encontrado próximo a uma cachoeira na região da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, foi identificado como sendo de Gabriel Costa Lima, de 28 anos. Gabriel era médico e trabalhava na Escola de Saúde do Exército. A Polícia Civil (PC) trabalha, até o momento, com a hipótese de execução.

O médico do Exército foi achado morto na madrugada de sábado (13/10) em uma estrada vicinal que fica dentro de uma fazenda, onde ocorreu, na noite anterior, uma festa, em Alto Paraíso de Goiás, município a 450 quilômetros de Goiânia.

A identificação do corpo só foi possível através de digital e também de um documento expedido no Tocantins encontrado junto à vítima.

O corpo de Gabriel foi liberado do Instituto Médico Legal (IML). De acordo com a assessoria de imprensa do Exército, o jovem era tenente e atuava como médico-residente na Escola de Saúde, que fica no Rio de Janeiro.

De acordo com informações da polícia a um jornal local, Gabriel foi atingido nas costas, costela, nuca e bochecha, provavelmente efetuados por uma arma calibre 32. O delegado plantonista Yasser Yassine afirma que os locais dos disparos sugerem a prática de uma execução.

“A suspeita é de execução pelo modus operandi do crime. Esses tiros na nuca e na bochecha nos leva a crer isso. Se fosse um assalto, não teria necessidade desses disparos. Porém, não descartamos outras hipóteses”, disse o delegado.

A perícia já foi realizada, mas o delegado que não pode adiantar mais informações sobre o procedimento para não atrapalhar as investigações.

Nas redes sociais, amigos lamentaram a morte do médico

Nas redes sociais, amigos de Gabriel lamentaram a morte do médico. Em sua página pessoal no Facebook, um amigo comentou numa publicação dele: “RIP infelizmente, o doutor nos deixou”, enquanto uma amiga, com emojis de choro, comentou em sua foto do perfil “Vá com Deus, amigo”.

Via: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.