Goiás

Fala, deputado: "Sou a favor da reforma trabalhista e de todas as outras", diz Francisco Júnior

Entrevistado na série de entrevistas do Dia Online, "Fala, deputado", Francisco Júnior, do PSD, afirma que fará um trabalho a favor "da vida e da família" no Congresso.

Por Ton Paulo
15/10/2018, 12h11

Casado e pai de três filhos, Francisco Júnior (PSD) foi escolhido pelo povo goiano para ocupar uma das cadeiras do Congresso Nacional reservadas aos deputados federais de Goiás. Ele é formado em Direito pela Universidade Católica de Goiás (atual PUC), e pós-graduado em Relações Internacionais do Mercosul pela mesma instituição. Além disso, o deputado estadual – e, agora, federal – tem mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial.

Católico fervoroso, Francisco Júnior foi coordenador da Renovação Carismática Católica (RCC), tanto em Goiânia, como em todo o Estado. Além disso, o deputado é membro do Grupo de Oração em Goiânia, dos Conselhos da RCC Goiânia e Goiás e da Associação Servos de Deus.

Professor desde os 19 anos, Francisco Júnior dedicou 18 anos de sua vida à sala de aula, ensinando Matemática, Religião, Filosofia e Sociologia. Hoje, sua vida se encontra na política. Eleito deputado estadual em 2014 com 29.718 votos, o parlamentar obteve 111.788 votos nas eleições de 2018 para deputado federal.

O deputado, que foi da coligação do candidato tucano derrotado, Goiás Avança Mais, conta que não aprova e nem reprova a vitória do governador Ronaldo Caiado (DEM). “Minha função como deputado é auxiliar o governo, tenho que buscar auxílio para o povo do Congresso. Então não cabe a mim dizer se aprovo ou não a vitória do governador Ronaldo Caiado”, diz.

No Congresso Nacional, Francisco Junior já sinaliza de qual bancada fará parte: “Meu slogan, desde que eu era vereador, é a serviço da vida e da qualidade de vida. Defendo a vida, a família”, numa referência implícita à chamada “bancada da Bíblia”.

Fala, deputado: "Sou a favor da reforma trabalhista e de todas as outras", diz Francisco Júnior
Foto: Reprodução/A Redação

O parlamentar frisa, ainda, sua luta em defesa do meio ambiente. “Trabalho a favor do homem e do ambiente em que ele habita. É um dos pontos em que mais atuo, o lugar em que vivemos, o ambiente”, explica.

Francisco Júnior é categórico no que tange às reformas do governo Michel Temer: “sou a favor de todas”. Questionado sobre se era a favor ou contra a reforma trabalhista de Temer, o deputado diz que “é a favor de todas as reformas, desde que sejam conversadas, dialogadas”.

Quanto à imagem negativa do Congresso, atualmente, diante da população, o deputado federal eleito diz que “a população está insatisfeita e com razão”.

“O que muda a política não é o político, é o povo. Nós vamos conseguir melhorar essa imagem [do Congresso] se tivermos transparência e mais produção”.

Francisco Júnior finaliza dizendo, em sua concepção, o que é ser um deputado: “Pra mim, política é vocação, é uma missão. Ser deputado é ter uma profunda consciência de representatividade.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Abandonada pelo marido, mulher é presa por aborto em Caldas Novas

O namorado ao saber da gravidez abandonou a mulher, e ela optou por fazer o aborto, alegando que não teria condições de criar mais um filho.
15/10/2018, 12h56

Uma mulher, de 39 anos, que não teve o nome divulgado, foi presa depois de abortar e ser atendida,  na noite do último domingo (14/10), em um hospital na cidade de Caldas Novas, na região sul do Estado de Goiás.

O delegado da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), Wllisses Valentim, informou ao Portal Dia Online que funcionários da Maternidade Amor e Esperança chamaram a polícia quando identificaram que a mulher havia interrompido a gestação de três meses.

“A paciente veio com muito sangramento com três ou quatro meses. Ela perguntou para as enfermeiras se no exame de sangue revelaria o remédio abortivo, ou seja, ela confessou que usou medicação abortiva. O bebê já estava formadinho, respirando e mexendo”, revelou ao Portal Dia Online a diretora-geral da Maternidade Amor e Esperança, Luciana Castro. O bebê, do sexo feminino, foi levado para o Instituo Médico Legal (IML).

Depois, a mulher contou à equipe ter tomado quatro comprimidos abortivos e, por isso, se sentia mal.

Depois de abortar, mulher foi ouvida

O delegado aguardou todo o procedimento médico ser finalizado para dar voz de prisão e encaminhá-la para a delegacia, onde prestou depoimentos e pagou cerca de dois salário mínimos.

Para o delegado Wllisses Valentim, a mulher contou que abortou porque tem três filhos  e não tem condições de criar outra criança. Quando contou ao pai da criança que estava esperando um bebê, ele a abandonou.

O delegado do caso confirmou que a mulher foi presa em flagrante, mas foi liberada depois de pagar a fiança.

Valentim lembrou que, diferente deste caso, a delegacia dele registrou outro em que uma mulher abortou e jogou o feto em cima do telhado de casa.

Projeto para legalizar o aborto tramita no congresso nacional

O deputado federal Jean Wyllys do PSOL, apresentou o projeto de lei número 882/2015 em que prevê a interrupção da gestação durante as 12 primeiras semanas. No entanto, o projeto ainda não foi votado e é discutido também pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Banco do Brasil, Bradesco e Santander lideram ranking de reclamações do BC

Entre os assuntos que mais motivam reclamações por parte dos clientes, o campeão é o item " oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada".
15/10/2018, 13h49

Banco do Brasil, Bradesco e Santander são as instituições que aparecem na liderança do mais recente Ranking de Instituições por Índice de Reclamações, divulgado nesta segunda-feira, 15, pelo Banco Central. No topo do ranking, referente ao terceiro trimestre de 2018, está o Banco do Brasil, com índice de reclamações de 25,22. Nesta lista, são consideradas as instituições com mais de 4 milhões de clientes.

Pela metodologia do BC, este índice é calculado com base no número de reclamações consideradas procedentes, dividido pelo número total de clientes do banco e multiplicado por um fator fixo (1.000.000). No caso do Banco do Brasil, foram 1.590 reclamações consideradas procedentes no segundo trimestre, numa base total de 63,027 milhões de clientes.

Na segunda posição entre os bancos que foram alvos de reclamações aparece o Bradesco, com índice de 22,55 (2.151 reclamações procedentes e 95,352 milhões clientes). Na terceira posição do ranking está o Santander, com índice de 22,10, resultado de 933 reclamações procedentes numa base de 42,206 milhões de clientes.

Na sequência do ranking, ainda considerando os bancos e as financeiras com mais de 4 milhões de clientes, aparecem Caixa Econômica Federal (índice de 21,64), Itaú (18,18), Banrisul (15,81), Votorantim (12,93), Pernambucanas (7,19), Banco CSF (5,87), Midway (4,67%) e Banco do Nordeste (0,29).

Reclamações de clientes ao Banco do Brasil, Bradesco e Santander

Entre os assuntos que mais motivam reclamações por parte dos clientes, o campeão é o item ” oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada”. Ao todo, de acordo com o BC, este assunto gerou 1.470 reclamações com indícios de descumprimento das regras em vigor.

Na sequência dos assuntos mais reclamados aparecem ” irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços, exceto as relacionadas a cartão de crédito, cartão de débito, internet banking e ATM” e, em seguida, “irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços relacionados a cartões de crédito”.

Instituições menores

Entre as instituições financeiras com menos de 4 milhões de clientes, a Facta Financeira está no topo do ranking de reclamações do terceiro trimestre, com índice de 325,72. Na sequência aparecem Intermedium (157,88) e PAN (128,76).

Imagens: portal do bitcoin 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Número de mortes nas Rodovias Federais triplicam em Goiás durante Operação Nossa Senhora

O número de casos registrado por radar saltou de 2.066 para 3.592 ocorrências.
15/10/2018, 13h54

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou na manhã desta segunda-feira (15/10) o balanço da Operação Nossa Senhora Aparecida deflagrada na última quinta-feira (11/10). Ao todo foram registrados durante a operação 24 acidentes com 30 feridos e 6 mortes durante o feriado prolongado.

No balanço divulgado pela PRF os números mostram um aumento nos flagrantes de excesso de velocidade com um total de 3.592 infrações, além de 1.727 autuações, falta do uso da cadeirinha em 15 situações, ultrapassagem indevida em 210 ocasiões, falta do uso de cinto de segurança em 179 ocorrências e por embriaguez ao volante em 36 circunstâncias.

Balanço da Operação Nossa Senhora mostra aumento no número de infrações e acidentes nas Rodovias Federais

Número de mortes nas Rodovias Federais triplicam em Goiás durante Operação Nossa Senhora
Foto: Divulgação/PRF

De acordo com os dados divulgados no balanço, o número de mortes nas rodovias federais triplicou em comparação com o mesmo período no ano passado. Entre os acidentes com vítimas fatais, o primeiro aconteceu na BR-060 na quinta-queira (11/10) quando um rapaz bateu com a moto na traseira de um caminhão, a caminho do trabalho vindo de Guapó para Goiânia.

O segundo acidente com vítima fatal foi registrado na BR-153 entre as cidades de Uruaçu e Ceres, quando um motorista tentou fazer uma ultrapassagem indevida e acabou perdendo o controle e capotando o carro. Além do motorista que estava no carro, os pais dele de 45 e 55 anos, respectivamente, também estavam no veículo e não resistiram aos ferimentos. Durante o acidente a mãe do motorista que não teve o nome divulgado foi arremessada a 12 metros de distância do carro.

Um outro acidente com vítima fatal foi registrado na tarde do último sábado (13/10) na GO-020, na cidade de Formosa no Entorno do Distrito Federal (DF), onde um caminhão bateu de frente com um carro de passeio. O motorista ficou preso nas ferragens e não resistindo aos ferimentos morreu no local.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

SP tem quatro casos de feminicídio entre sexta e domingo

Em três casos, o assassinato foi cometido com arma de fogo - na outra ocorrência, a vítima morreu queimada.
15/10/2018, 15h03

Atacadas por ex-maridos ou companheiros, ao menos quatro mulheres foram vítimas de feminicídio entre sexta-feira, 13, e domingo, 15, em São Paulo. Em três casos, o assassinato foi cometido com arma de fogo – na outra ocorrência, a vítima morreu queimada. Elas tinham entre 22 e 46 anos.

No caso mais recente, Ellen Bandeira, de 22 anos, foi morta a tiros pelo ex-namorado Richardson Jonhnison Silva, de 30, na madrugada deste domingo no bairro Bonsucesso, em Guarulhos, na Grande São Paulo. O suspeito foi preso em flagrante.

Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, Silva teria ido até a casa da ex, atirado contra ela e depois fugido para uma igreja. Lá, foi preso pela Polícia Militar.

Baleada no tórax, Ellen chegou a ser socorrida ao Hospital Municipal Pimentas, mas não resistiu aos ferimentos. O caso é investigado pelo 4.º Distrito Policial de Guarulhos.

Na noite de sexta, por volta das 21 horas, o autônomo José Manoel da Silva, de 47 anos, usou um revólver calibre 38 para atirar seis vezes contra a ex-mulher Renata Solange de Souza, de 35. O crime aconteceu na Rua Constantino de Oliveira Ledo, na região do Campo Limpo, zona sul de São Paulo.

O supeito foi reconhecido por uma testemunha. À PM, ela relatou que Silva, primeiro, atirou contra Renata e, depois, também tentou baleá-la. Os agentes conseguiram localizar o suspeito e prendê-lo em flagrante. Ele teria confessado o homicídio e deve responder por homicídio e tentativa de homicídio, segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP).

Com ele, os agentes também teriam encontrado a arma do crime, que estava com a numeração raspada. A investigação é conduzida pelo 89.º DP (Portal do Morumbi).

No mesmo dia, Sheron Chaves Monteiro, de 34 anos, teve a morte confirmada pelo Hospital Regional do Grajaú, também na zona sul da capital, após passar cinco dias internada, vítima de queimaduras.

Segundo investigações do 25.º DP (Parelheiros), delegacia responsável pelo caso, o principal suspeito do ataque é o companheiro dela, Alex Alexandre Ferreira. “Foi solicitada à Justiça a prisão temporária do autor, que está foragido”, diz a SSP.

Marido se mata após cometer feminicídio

Pela manhã, Renata Basso Beisman, de 46 anos, foi morta pelo marido Evandro Humberto Rizza, de 45, que se suicidou em seguida. O caso aconteceu por volta das 9 horas em Sumaré, no interior.

Acionados para a ocorrência, PMs encontraram os dois corpos dentro de uma casa, além de um revólver calibre 38. Testemunhas disseram aos policiais que o casal estava em processo de separação e que Rizza não morava mais lá.

Também relataram que o marido pediu a dois filhos para irem até a casa dos vizinhos, com a justificativa de que queria conversar com Renata. Quando estavam sós, ele atirou na vítima.

Em nota, a SSP afirma que “todos os crimes de violência contra à mulher são investigados” e que criou um protocolo para melhorar o acolhimento as vítimas e aprimorar a coleta de provas. “São Paulo é pioneiro no combate à violência contra a mulher, contando com 133 DDMs (Delegacia de Defesa da Mulher)”, diz a pasta.

Imagens: jovem pan uol 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.