Entretenimento

'Portas do armário da intolerância estão abertas', diz Ronaldo Fraga

23/10/2018, 20h40

Nos bastidores da apresentação de sua coleção de inverno nesta terça, 23, Ronaldo Fraga explica como uma viagem para Israel contribuiu para seu olhar sobre a atual questão política vivida no Brasil. Fala sobre a importância de assumirmos que existe uma guerra também no Brasil (e não só na Palestina, por exemplo), sobre tolerância “como um valor mínimo para o ser humano, a essa altura do campeonato”, e aponta suas sugestões e caminhos para que as ações individuais ajudem a moldar o cenário macro político. Confira:

Sua nova coleção propõe uma comparação entre o conflito entre judeus e palestinos em Israel e a polarização política que vivemos no Brasil. Como surgiu a ideia desse paralelo?

Eu fui a Isael no ano passado, passei 40 dias. Em um território do tamanho de Sergipe, foi tempo suficiente para conhecer o país inteiro. Tem lugares na Terra em que se fala de vários tempos no mesmo lugar, existe algo de epicentro da história da humanidade. Eu não sabia exatamente que fio condutor eu pegaria dessa história para a coleção. Inicialmente pensei em falar de alma de pedra, de Jerusalém…, mas em dado momento, com essa loucura que a gente está vivendo no Brasil, eu pensei ‘não, eu preciso falar de outra coisa, vou focar em outra situação’.

Quando fui a Tel-Aviv, me encantei. É uma cidade toda arborizada, cheia de laranjeiras carregadas e extremamente humanizada, com galerias de arte a cada duas ruas. É lotada de gente. Fica a apenas 100 quilômetros de Jerusalém, mas em uma cidade você está há 2000 anos atrás e na outra você está no futuro. Essa situação que descrevo no release da coleção foi quando entrei em um café e vi uma faixa com um texto em hebraico. Perguntei o que significava e me explicaram que ali, ao sentarem juntos um árabe e um judeu, a mesa recebia 50% de desconto.

Comecei a olhar ao entorno e perceber uma vida totalmente à parte da briga política e religiosa. Estavam ali casais heteros e gays, de árabes e judeus, vivendo de forma totalmente independente do que a gente imagina, que seja aquilo quando estamos de fora. Antes de viajar, me disseram “cuidado com essa sua cara de árabe em Israel”, e eu nunca me senti tão seguro em um lugar. Claro que eles têm um estado militarizado, mas tem ali algo que corremos o risco de perder no Brasil, que é a liberdade individual, as relações individuais – foi a partir dessa história que resolvi traçar o paralelo.

No Brasil, enquanto a guerra política está tão aflorada e parece que nunca vimos tanto ódio entre nós, que tipo de lição essa reflexão pode nos trazer?

Eu acho que é importante a gente olhar para lugares onde esses direitos de liberdade individual foram conquistados, onde essa história foi conquistada. E é uma coisa dos civis, uma conquista do civil que vive à parte do movimento político.

Acha que poderia ser uma saída para nós?

Sim. Acho que estamos em guerra, e o mundo está em guerra mesmo, mas quando você olha para a guerra do outro, você não olha para a sua própria. Você imagina que não fazemos parte, mas quem está em guerra é também o Brasil. É o Rio de Janeiro, por exemplo – as situações dessa cidade que também parecem distantes para a gente, mas vão tomar conta do Brasil. O País está indo por um caminho de milícia.

É uma coleção para falar da paz?

Mais ou menos. É uma coleção para falar de tolerância como um valor mínimo para o ser humano, a essa altura do campeonato. Um valor mínimo e urgente.

Você vê uma saída de unificação? Para juntar os “árabes e judeus” do Brasil, metaforicamente falando, pós eleições?

Eu acho que nós só começamos essa guerra. Ganhe um ou outro, a máscara caiu, as portas do armário da intolerância estão abertas. O monstro está à solta e ele não vai ser enfiado de volta no armário no dia 29 de outubro, de um jeito nenhum.

Precisamos viver essa guerra?

Acho que precisamos viver isso porque estamos cara a cara com um Brasil que a gente não acreditava que existia. Um Brasil que parecia distante. Um Brasil racista, homofóbico, que já vivia aqui – estava na sua tia e você mudava de assunto. Tinha como mudar de assunto. Então quando eu coloco isso na conversa na mesa de jantar, é porque acredito que é isso que precisamos fazer. Em nosso País existe essa história da ‘carne barata’, que é o negro, a mulher, o gay, a travesti, o índio, o gordo, o feio…E esse país é o mesmo a olhar para fora e pensar ‘olha o que eles fazem com os palestinos! ‘.

Você tem esperança?

Eu acho que tudo passa. Acho que na humanidade tudo vai passar, o bom e o ruim. É um passo à frente e tudo na vida é assim, as vezes você joga um dado e cai 30 casas para trás, mas a humanidade vai andar. Quantas gerações isso vai levar para acontecer, eu não sei. Mas o nosso papel enquanto homens do nosso tempo, enquanto micro e macro política, é entender essas diferenças. Quando dei o exemplo desse café, foi uma micropolítica, uma coisa que a gente está começando a ouvir falar agora. Pode ser que quando eu fale ‘micropolítica é isso’, alguém fale ‘nossa, eu estou fazendo isso há muito tempo’. Acho que temos que estimular isso nas pessoas, a micropolítica para chegar à macro, e outra coisa é o cuidado com o outro. Porque se estão atacando o diferente do seu lado, vai chegar sua vez.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Assassino de Leonardo Pareja é morto em presídio de Aparecida de Goiânia

Eduardo Rodrigues Siqueira, de 46 anos, foi agredido por outros três detentos com um objeto perfurante improvisado.
23/10/2018, 20h45

Eduardo Rodrigues Siqueira, de 46 anos, que cumpria pena na Penitenciária Odenir Guimarães (POG) em Aparecida de Goiânia, pela morte do também preso Leonardo Rodrigues Pareja, foi morto nesta terça-feira (23/10) dentro do presídio. De acordo com a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), ele voltava do banho de sol quando foi agredido por outros três detentos com um objeto perfurante improvisado, conhecido como ‘chucho’.

Os presos que mataram Eduardo já foram identificados. Em nota, a DGAP informou que ele foi atacado “pelos presos Diego Martins da Silva, Cleyber Antonio Nicolau e Antonio Camargo dos Santos”. Logo após o ocorrido, Eduardo chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e lavado para o Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa), “mas não resistiu aos ferimentos e foi a óbito”. A diretoria esclareceu ainda que “foi determinada abertura de sindicância para apuração dos fatos e a Polícia Civil vai instaurar inquérito policial para investigar o homicídio”.

Morte de Leonardo Pareja

Eduardo cumpria pena pela morte de Leonardo Pareja, conhecido por comandar uma rebelião no antigo Centro Penitenciário de Goiás  (Cepaigo) que teve a duração de seis dias. Pareja ainda conseguiu fugir do presídio com seis reféns, mas foi recapturado um dia após o motim, no interior de Goiás. Antes disso, em 1995, Leonardo havia sequestrado uma adolescente de 16 anos, sobrinha do então senador Antônio Carlos Magalhães, em Salvador, na Bahia. Um mês depois, após passar por três estados, ele se entregou à polícia.

Pareja, conhecido por debochar e se esconder facilmente da polícia, foi assassinado em 1996, também por outros detentos, após comunicar à polícia um possível plano de fuga por um túnel cavado na unidade prisional. Eduardo, Eurípedes Dutra Siqueira, José Carlos dos Santos, Ivan Cassiano da Costa e Raimundo Pereira do Carmo Filho foram condenados pelo crime. Juntas as penas somavam mais de 40 anos de prisão.

Via: G1 O Popular 
Imagens: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Outubro Rosa Pet: saiba como prevenir e identificar o câncer de mama nos animais

Amor e cuidado!
24/10/2018, 08h23

A campanha Outubro Rosa, que ocorre todo mês de outubro e tem como objetivo conscientizar sobre a prevenção do câncer de mama, está chegando ao fim. Mas nunca é tarde para alertar sobre os cuidados a serem tomados também com os animais. De acordo com o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), cerca de 45% das cadelas e 30% das gatas desenvolvem algum tipo tumor, sendo 85% deles malignos.

O risco entre os felinos é ainda maior do que nos cães, pois a incidência de tumores malignos nas gatas é de 80% a 90%, já nas cadelas, de 50% a 60%. Mas você sabe o que pode salvar o bichinho? O diagnóstico precoce. Quanto mais cedo o problema for detectado, mais fácil é o tratamento.

Como prevenir o câncer de mama nos pets

Segundo o CFMV, fatores relacionados à idade, tratamento com progestágenos, obesidade nos primeiros anos de vida e dieta baseada em comida caseira, são apontados como principais razões para a crescente incidência deste tipo de doença.

Uma das formas mais eficazes de prevenir o câncer, e recomendada pelos veterinários, é a castração do animal, que deve ser feita ainda nos primeiros meses, antes do primeiro cio. Mesmo se tratando de um procedimento cirúrgico, o método é eficaz e causa menos danos às fêmeas do que uso de contraceptivos.

Atualmente, cerca de 17% dos diagnósticos, principalmente em cadelas, são realizados de forma tardia, o que reduz as chances de cura. Durante o processo de diagnóstico, a atenção do dono é essencial. Para isso, basta fazer, regularmente, apalpação nas mamas para verificar qualquer alteração, além de observar o aparecimento de lesões. Caso observe mudanças significativas, o animalzinho deve ser levado médico veterinário para as providências necessárias.

Tratamento contra o câncer de mama

No Brasil, já existem diversos tipos de tratamento contra o câncer de mama. Caso o animal seja identificado com a doença, o mais indicado é a cirurgia para a retirada dos tumores ou das mamas. Em casos mais extremos, além do procedimento cirúrgico, o bichinho pode passar por sessões de quimioterapia antineoplásica.

Imagens: E+ Estadão 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Refis de Aparecida de Goiânia oferece até 90% de desconto na regularização de impostos

Negociação começa dia 1º e segue até 17 de novembro.
24/10/2018, 09h03

O programa de Recuperação Fiscal 2018 (Refis) da Prefeitura de Aparecida de Goiânia oferece aos contribuintes e empresas inadimplentes condições especiais para a regularização de impostos e tributos. As dívidas, tanto de Pessoas físicas quanto jurídicas, podem ser pagas à vista ou parceladas, mas em caso de pagamento à vista, o contribuinte pode receber descontos de até 90%. A ação ocorre de 1º a 17 de novembro. Para participar, é necessário procurar uma das sete unidades do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) ou os postos de atendimento nos Vapt Vupts.

De acordo com o decreto 289, o desconto de 90% será aplicado sobre juros e multas para quitação à vista, até o dia 4 de dezembro, de Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), Imposto Territorial Urbano (ITU), Imposto Sobre Serviço (ISS) e outras taxas. O Refis prevê ainda redução de 60% para multas formais decorrentes de infrações ambientais, consumeristas, obras e edificações, posturas, tributárias e vigilância sanitária também à vista.

Descontos para parcelamento no Refis

Segundo a Prefeitura de Aparecida, quem optar pelo pagamento parcelado de ITBI, IPTU, ITU e ISS também terá redução sobre juros e multas. Já quem dividir os débitos em até seis vezes, terá 70% de desconto. Em caso de pagamentos divididos de sete a 12 vezes, o desconto será de 60% e para quitação de multas formais, os percentuais serão de 50 e 40%, respectivamente.

Para as empresas que estão inadimplentes, a negociação de ISS em até 36 vezes gera desconto de 60% sobre juros e multa moratória. Mas para tanto, a parcela mínima deve corresponder ao valor do referido tributo vencido no mês da adesão ao Programa de Recuperação Fiscal.

Como participar do Refis 2018

Podem aderir ao Refis 2018 pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, inclusive aquelas que se encontrarem em recuperação judicial. O atendimento será feito nas unidades dos SAC’s, de segunda a sexta-feira das 8h às 17h30, nos Vapt Vupt’s Buriti, das 8h às 20h, e no Araguaia Shopping, das 8h às 19h30.

O decreto que estabelece o Refis 2018 esclarece que os débitos fiscais parcelados, quando não pagos na forma e na data dos respectivos vencimentos, serão acrescidos de juros de mora e multa, nos termos do Código Tributário Municipal.

Locais de atendimento para adesão ao Refis 2018

SAC Centro

  • Rua João Batista de Toledo nº 16 – Centro de Aparecida – Telefone: 3545-5828 / 3545-5829
  • Horário de Atendimento: 8h às 17h30

SAC Garavelo

  • Av. Igualdade s/nº Praça da Igualdade – Setor Garavelo – Telefone: 3545-6032
  • Horário de Atendimento: 8h às 17h30

SAC Mansões Paraíso

  • Rua J-6 Q.76 lt.22 – sala 26 – Mansões Paraiso – Telefone: 3545-6086
  • Horário de Atendimento: 8h às 17h30

SAC Polo Empresarial

  • Rua 01 esquina c/eixo primário Qd. 3 Lt 13 e 14  – Polo Empresarial – Telefone: 3545-9191
  • Horário de Atendimento: 8h às 17h30

SAC Parque Flamboyant

  • Praça céus – Parque Flamboyant – Telefone: 3545-4700
  • Horário de Atendimento: 8h às 17h30

SAC Cidade Livre

  • Av. Independência Qd. 2 Lt. 3 – Cidade Livre – Telefone: 3283-8076
  • Horário de Atendimento: 8h às 17h30

SAC Vila Brasília

  • Rua Fortaleza Qd. 48 Lt. 10 – Jardim das Esmeraldas – Telefone: 3545-5802
  • Horário de Atendimento: 8h às 17h30

Vapt Vupt Admar Otto – Buriti Shopping

  • Av. Rio Verde quadras 102 lote A– Vila São Tomás – Telefone: 3545-5840
  • Horário de Atendimento: 8h às 20h

Vapt Vupt  Araguaia Shopping

  • Rua 44 nº 399 Setor Ferroviário – Telefone: 3225-5559
  • Horário de Atendimento: 8h às 19h30
Imagens: Revista Zap 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Goiânia comemora 85 anos com tradicional desfile cívico-militar, atividades de lazer e show nas águas

Confira as atrações do dia e programe-se!
24/10/2018, 09h58

Hoje, 24 de outubro, Goiânia comemora seus 85 anos de fundação! E para celebrar em grande estilo, a cidade promove o tradicional desfile cívico-militar, que ocorre na Avenida 24 d outubro, no Setor Campinas; atividades de lazer e de gastronomia; entrega de prêmios de concurso de redação e inédito espetáculo Show nas Águas, no Parque Vaca Brava. Todas as atividades são gratuitas!

Goiânia, 85 anos: programação de aniversário

A primeira atração, que começou por volta das 8h, na Avenida 24 d outubro, é o desfile cívico-militar que este ano conta também com a banda do Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília, pertencente ao 7º Distrito Nacional. A estimativa de público é de 10 mil pessoas e o evento deve durar cerca de oito horas.

Também na manhã desta quarta-feira (24/10), o público pode participar, a partir das 9h, do “Goiânia Pulsa”, na Praça do Sol. O evento é organizado pela Agência Municipal de Turismo Eventos e Lazer (Agetul) e conta com apresentações artísticas, brinquedos, jogos, gastronomia muita e diversão.

Às 16h30 a banda do Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília se apresenta novamente, mas dessa vez, na Praça Tamandaré, no Setor Oeste, onde ocorre a entrega da revitalização do busto de Joaquim Marques Lisboa, o Almirante Tamandaré.

Logo mais, às 18h, ainda na Praça Tamandaré, a Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) juntamente com a Marinha do Brasil, entregam a premiação dos vencedores do concurso de redação “Almirante Tamandaré”.

Este ano, o encerramento da festa será feito com a abertura do espetáculo inédito Show nas Águas, no Parque Vaca Brava. A ação é uma parceria da Prefeitura com o Goiânia Shopping, e se trata de projeções de vídeos numa tela d´água de 162 m², acompanhadas de efeitos musicais.

Serão quatro sessões (19h; 19h30; 20h e 20h30), cada uma com duração de 15 minutos, as animações contarão a história de Goiânia, com pontos importantes, como a gastronomia, cultura e claro, o povo goiano. A abertura deve começar às 18h30, com show da Banda de Música do Comando de Operações Especiais do Exército.

Imagens: I ❤ Trip 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.