Goiás

Edital do concurso da Assembleia Legislativa de Goiás é divulgado nesta quinta-feira

As inscrições para o concurso da Alego poderão ser realizadas entre 18 de novembro e 27 de dezembro de 2018, por meio do site do IADES.

Por Ton Paulo
25/10/2018, 11h51

O edital do concurso público da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) foi finalmente divulgado. Publicado oficialmente na manhã desta quinta-feira (25/10), o edital do concurso, que visa o preenchimento de 80 cargos do quadro efetivo do órgão legislativo, já pode ser consultado no Diário Oficial do Parlamento Estadual. As inscrições poderão ser realizadas entre 18 de novembro e 27 de dezembro de 2018, por meio do site do Instituto Americano de Desenvolvimento (www.iades.com.br), empresa contratada para realizar o certame.

Os valores das inscrições também já foram definidos. Cargos de Assistente Legislativo, de nível médio, terão a taxa de R$ 80,00. Os interessados nos cargos de nível superior, Analista Legislativo e Procurador Legislativo, terão que desembolsar, respectivamente, os valores de R$ 100 e R$ 150 reais a título de inscrição.

O cronograma com as principais datas do concurso público e as etapas do certame vão estar disponíveis no próprio edital, que pode ser acessado pelo Diário da Assembleia ou no site do IADES.

O projeto base para o concurso incluiu duas vagas para procurador de 2ª classe. Antes, não havia previsão de disponibilidade de vagas para esse cargo. Serão disponibilizadas, também, duas vagas para Tradutor-Intérprete de Libras. A novidade tornará mais amplo e facilitado o acesso a portadores de limitação auditiva nas atividades da Casa.

O concurso para provimento efetivo anterior, que havia sido homologado em julho de 2015, empossou mais de 100 concursados. O número contemplou todos os aprovados dentro do quantitativo de vagas e entrou, inclusive, no cadastro de reserva. A estimativa de impacto orçamentário-financeiro do novo concurso também está adequada com os termos da Lei Orçamentária Anual, de comum acordo com o Plano Plurianual e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Contratação da banca do concurso da Assembleia Legislativa de Goiás foi feita sem licitação

A Alego, através de comissão integrada por procuradores da Casa, definiu o Instituto Americano de Desenvolvimento (IADES) como banca responsável pelo concurso aberto para preenchimento de 80 vagas no quadro efetivo do órgão legislativo. A contratação do instituto foi feita com dispensa de licitação.

A empresa escolhida passou pelo crivo de três procuradores da Comissão de Licitações e do presidente da Alego, José Vitti.

A contratação do IADES foi feita sem licitação, por meio de dispensa do documento. De acordo com um dos membros da comissão responsável pela escolha da empresa, que falou à reportagem do Dia Online, esse módulo de contratação ocorre dentro dos trâmites legais. “Esse [a dispensa de licitação] é um procedimento legal, que está previsto na Lei Estadual. Ela passou por toda a assessoria da casa antes de ser aprovada”, explica.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Suíça envia ao Brasil extratos de ex-diretor da Dersa

Foram registrados cerca de R$ 113 milhões nas contas de Vierira de Souza.
25/10/2018, 11h52

Após quase um ano de trâmites legais, o Escritório Federal de Justiça em Berna – equivalente ao Ministério da Justiça – confirmou nesta quarta-feira, (24/10), que os extratos bancários das contas na Suíça do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza foram transmitidos às autoridades brasileiras.

A coleta de dados, destaca o jornal O Estado de S. Paulo é considerada fundamental para identificar quem se beneficiou e quem pagou por mais de R$ 113 milhões registrados nas contas de Vieira de Souza, apontado por investigadores como operador do PSDB. A expectativa é de que, com os extratos, o caminho do dinheiro possa ser revelado.

“Podemos informar que os documentos foram enviados já na semana passada às autoridades brasileiras”, confirmou Folco Galli, porta-voz do Escritório Federal de Justiça.

Documentos obtidos pelo Estado nos tribunais suíços revelaram que existiu uma coincidência entre transferências “importantes e regulares” para as contas no exterior e o momento em que o ex-diretor teria realizado supostos desvios. Vieira de Souza chegou a abrir processos judiciais para tentar impedir que as informações fossem repassadas ao Brasil, mas sofreu derrotas em todos os níveis da Justiça da Suíça.

Contas do ex-diretor da Dersa na Suiça

Em 2017, as autoridades suíças encontraram o montante em quatro contas no país europeu em nome do ex-diretor da Dersa – ele comandou a estatal paulista entre 2007 e 2010, período que compreende o mandato do ex-governador José Serra, do PSDB. O trabalho dos suíços foi o de coletar, no Banco Bordier & Cia, todos os extratos de transações, desde 2007.

As contas estão vinculadas a uma offshore panamenha chamada Groupe Nantes e, ainda no ano passado, Vieira de Souza teria transferido os ativos para um outro paraíso fiscal, nas Bahamas. A suspeita dos investigadores é de que o dinheiro teria saído da Suíça diante do avanço das apurações do MP suíço contra brasileiros citados na Lava Jato.

As contas passaram a ser congeladas e, mesmo que os valores já não estejam mais na Suíça, a esperança dos procuradores é de que os documentos bancários ajudem a elucidar a origem dos recursos.

Procurada pela reportagem, a defesa de Paulo Vieira de Souza indicou que iria esperar o trâmite legal da cooperação entre os suíços e o Brasil para se pronunciar.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: Folha de São Paulo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Padre goiano é condenado por desvio de quase 80 mil reais de campanha de combate à AIDS

O crime aconteceu em 2005, no município de Goiandira. A defesa do padre diz que vai recorrer.

Por Ton Paulo
25/10/2018, 12h40

O padre Anselmo Silva e o ex-padre Egmar Gonçalves foram condenados pela Justiça Federal por desviarem R$ 79,8 mil reais de um programa de conscientização voltado para jovens sobre AIDS, o “Jovens Conscientes”. O crime ocorreu no ano de 2005, em Goiandira, a 280 quilômetros de Goiânia. Defesa diz que vai recorrer.

De acordo com a sentença proferida pela Justiça, os dois se apropriaram indevidamente do dinheiro, que tinha como destino um “projeto de interesse público” voltada para jovens. A defesa ainda pode recorrer da sentença.

Quanto à pena, Anselmo Silva foi condenado a oito anos e seis meses. Já Egmar pegou uma pena de oito anos e um mês.

Além disso, os dois terão ainda que devolver o valor com a devida correção monetária ao longo do período, desde 2005.

O advogado de Anselmo, Dr. Pedro Xavier Coelho Sobrinho disse que discorda da decisão e que vai recorrer. Ele afirma que seu cliente, que está em liberdade, não recebeu nenhum centavo da quantia.

Em entrevista ao G1, o advogado disse que tem certeza de que vai recorrer. Ele ainda alega que “as provas dos autos demonstram claramente que ele não teve envolvimento”, e que “ele participou da elaboração do projeto, mas não pegou o dinheiro. Quem pegou foi Egmar”.

Nos autos, a defesa de Egmar alegou que “Anselmo é o único responsável pelo delito”.

A denúncia do MPF contra o padre goiano e Egmar

Padre Anselmo Silva, que na época representava a Igreja Católica Apostólica Brasileira (ICAB) junto à paróquia de Goiandira, interior de Goiás, apresentou a proposta do programa Jovens Conscientes em outubro de 2004, quando ingressou no Programa Nacional de DST/Aids.

O projeto abrangeria oito municípios, quatro em Goiás e quatro em Minas Gerais, e teria como objetivo conscientizar jovens o uso de drogas e doenças sexualmente transmissíveis (DST/Aids).

O montante de R$ 164 mil, oriundos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi dividido em duas parcelas de R$ 82.034,00 e depositados em nome da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, Diocese de Goiandira.

Segundo a denúncia, Egmar, autorizado por Anselmo, sacou cerca de 98% de uma das parcelas de R$ 80 mil. As retiradas acorreram entre os dias 6 e 21 de janeiro de 2005.

Entretanto, de acordo com o procurador da República Daniel de Resende Salgado, autor da denúncia o objetivo didático só ficou no papel, pois após a aprovação do projeto e a liberação das verbas, em janeiro de 2005, nada foi realizado, apesar dos saques quase integrais dos valores.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Corpo de mulher foi jogado em córrego dentro de carrinho de supermercado em Goiânia

Mulher que olhava carros para clientes de um famoso bar do Jardim América foi homenageada por vereadora de Goiânia.
25/10/2018, 12h41

Depois de quatro dias de angústia, o corpo de Rosângela Corrêa Lima, de 54 anos, foi encontrado na quarta-feira (24/10), em Goiânia.

Rosângela, que foi vista pela última vez no último sábado (20/10) por volta das 21h, foi encontrada enrolada em cobertores e sacos de lixo preto dentro de um carrinho de supermercado em uma vala no córrego Cascavel, debaixo da ponte da Avenida C-12, no Jardim América, em Goiânia. 

A Polícia suspeita que o corpo foi jogado de cima da ponte dentro do carrinho. “Ter encontrado o corpo foi um alívio para nós, amigos e familiares”, diz Mônica de Castro.

Mônica parece não acreditar que a amiga divertida foi assassinada com tanta crueldade. “Ela faz muita falta e por isso deixou todo mundo abalado desde o desaparecimento. A família está um pouco perdida também”, complementa Mônica.

O delegado responsável pela investigação, Ernane Cazer, adiantou informações com as quais pretende elucidar o assassinato. “Vamos ouvir a família inicialmente porque tem elementos e, por isso, temos expectativa de que sejam suficientes para afirmar a autoria. Como ela era usuária de drogas, vamos levantar quem andava com ela, por exemplo”, revela o delegado.

Segundo a família, o corpo dela sofreu pancadas de paulada e pelo menos uma facada na nuca. “Ela tem alguns hematomas no rosto”, conta o primo de Rosângela, Leonardo Guimarães Neto, 28 anos. Ele ainda classifica o crime como “horrível” e acredita que tenha sido um assalto. “Ela saiu de casa e não retornou. Foi assassinada e teve o celular roubado. Ela adorava confeitar, cozinhar”, lembra.

Mulher assassinada em Goiânia era usuária de drogas

Conforme uma vizinha contou ao Dia Online, a vítima, depois de não conseguir escapar do vício das drogas, passou a vigiar carros próximo a um bar da região do Jardim América. “Perdemos uma pessoa muito especial”, lamenta, sem se identificar.

Em uma postagem no Facebook, uma amiga agradeceu o apoio aos amigos e familiares após a confirmação da morte de Rosângela:

Com pesar, comunico aos amigos q ligaram, oraram, rezaram e se compadeceram c nosso sofrimento q encontraram o corpo da…

Posted by Lilian Giovanuci on Wednesday, October 24, 2018

O corpo de Rosângela deve ser liberado pelo Instituto Médico Legal (IML) no início da tarde e enterrado no Cemitério Santana, sem velório.

Na sessão desta quinta-feira (25/10), a vereadora de Goiânia, Cristina Lopes (PSDB), pediu um minuto de silêncio em memória de Rosângela no Plenário da Câmara de Vereadores. Para o Portal Dia Online, a vereadora contou que conhecia a vítima, que vigiava carros próximo ao Piry Bar e Restaurante, no Jardim América.

“Era muito nossa amiga e acabei ficando muito assustada com tudo. Como as pessoas não respeitam o ser humano, caindo no chavão de que era usuária de drogas e olhava carros, casos assim acabam caindo no esquecimento. Sou frequentadora do bar do Piry e a conhecia dali. É lamentável”, suspira a vereadora.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Goiás tem melhor setembro na geração de empregos desde 2013

O pior desempenho foi registrado em 2016 quando houve uma queda de 4.492 vagas.
25/10/2018, 13h54

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) divulgou na última segunda-feira (22/10) o balanço de empregos gerados durante o mês de setembro, que foi o melhor registrado no Estado desde 2013.

Goiás gerou em setembro deste ano, 3.265 postos de trabalhos com carteiras assinadas, de acordo com o CAGED. Segundo os dados divulgados, os setores que mais contribuíram foram: o de serviços, com 1.550 novas vagas de emprego, e o comércio com 1.260.

De acordo com dados divulgados pelo cadastro, o setor do comércio e, principalmente, o comércio varejista, foram responsáveis por um total de 1.014 vagas das 1.260 criadas. Outro setor que contribuiu para o crescimento de trabalhos com carteiras assinadas foi o da Construção Civil, que gerou 567 empregos.

Em comparação com o ano passado

Goiás tem melhor desempenho na geração de empregos no mês de setembro desde 2013
Foto: Reprodução/CAGED

Os dados mostram que no ano passado o Estado de Goiás não teve o mesmo desempenho, registrando, inclusive, uma queda de 3.493 postos de trabalhos com carteiras assinadas. Nos últimos anos, o melhor desempenho foi em 2008, quando foram registradas 6.083 vagas de empregos. O pior desempenho foi em 2016, quando houve uma queda de 4.492 vagas de emprego.

Cidades que se destacaram e outros Estados que geraram empregos em 2018

As cidades do Estado de Goiás que registraram o maior número de geração de empregos durante o mês de setembro foram: Goiânia com 1.570 vagas, Aparecida de Goiânia com 414 vagas, Anápolis,372, e Morrinhos, 325.

Goiás criou um total de 47.176 empregos. Com os resultados, o Estado continuou entre os quatro maiores geradores de vagas de trabalho em 2018. São Paulo, Minas Gerais e Paraná completam a lista dos quatro maiores geradores de vagas de trabalho até o momento.

O número de postos de trabalhos com carteiras assinadas pode aumentar por conta do final de ano. Com o período natalino e a demanda por funcionários, muitas empresas oferecem vagas temporárias que podem se tornar fixas caso o empregado obtenha bons resultados.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.