Esportes

Com semana livre, Corinthians espera recuperar Jadson e Douglas para o clássico

Corinthians vai enfrentar o São Paulo no sábado.
05/11/2018, 11h33

O Corinthians tem a semana inteira livre para treinar de olho no clássico contra o São Paulo, sábado, na Arena, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Esse tempo entre um jogo e outro será importante para o time conseguir recuperar o meia Jadson e o volante Douglas.

Os dois desfalcaram a equipe na derrota por 1 a 0 para o Botafogo no último domingo, também pelo Brasileirão. O que mais preocupa é Jadson, de 35 anos. O jogador está com um edema na panturrilha direita.

Aparentemente, o problema sofrido há duas semanas era simples. A expectativa do departamento médico logo após diagnosticar o problema era de que o jogador ficaria de fora do jogo contra o Bahia e estaria apto para encarar o Botafogo.

No entanto, o meia voltou a sentir o incômodo no início da preparação física, na semana passada. Ele ficou de fora de todos os treinos com bola e nem foi relacionado para o duelo no Engenhão.

Corinthians

O elenco do Corinthians folga nesta segunda-feira e Jadson deve realizar novos testes na terça-feira. A situação preocupa porque nenhum dos dois jogadores escalados para o seu lugar rendeu o esperado. Contra o Bahia, Jair Ventura optou por Pedrinho. Na última rodada, o chileno Ángelo Araos recebeu a missão de armar as jogadas.

A situação de Douglas é mais tranquila. O jogador levou uma pancada na coxa no treino de sábado, na véspera do mais recente confronto, e foi poupado para evitar que o problema se agravasse. No entanto, não deve ser problema para o clássico.

“Temos que recuperar jogadores importantes, como Jadson e o Douglas. O Douglas, treinei a semana inteira com ele e, no último lance do treino (de sábado), ele tomou um tostão e acabou ficando fora do jogo. É recuperar nossos guerreiros para a gente fazer um grande clássico e vencer diante da nossa torcida”, disse Jair.

Imagens: goal.com 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Alexandre Nardoni tem parecer favorável para regime semiaberto

Nardoni foi condenado a 30 anos e 2 meses de prisão pela morte da filha Isabella em 2008.
05/11/2018, 11h50

Um exame criminológico apontou que o detento Alexandre Alves Nardoni, condenado a 30 anos e 2 meses de prisão pela morte da filha Isabella, está apto a progredir para o regime semiaberto. O teste aponta que Nardoni, preso desde 2008 na Penitenciária de Tremembé, cidade do interior de São Paulo, tem “ótimo comportamento” e é “capaz de criar vínculos afetivos”.

O regime mais brando dá direito a saídas temporárias para visitar a família e permite que o detento trabalhe ou estude fora da prisão. A mudança, no entanto, ainda precisa ser autorizada pela Vara de Execuções Criminais.

A defesa de Nardoni entrou com o pedido de progressão em setembro, depois de avaliar que o preso cumpriu o tempo de dois quintos da pena previsto em lei para mudar de regime. A contagem incluiu a remição – um desconto na pena corresponde aos dias trabalhados na prisão.

O Ministério Público Estadual pediu que Nardoni fosse submetido a uma avaliação criminológica. O laudo, favorável à concessão do benefício, foi expedido no dia 24 de outubro. O documento é assinado por dois diretores da unidade, assistente social, psicóloga e psiquiatra.

Comportamento de Alexandre Nardoni

O texto aponta que o detento possui ótima conduta, mantém boa relação com os demais presos e sempre demonstrou interesse em retornar ao convívio social, habilitando-se para participar de atividades que resultam em redução de pena. Nardoni já trabalhou na faxina, lavanderia, rouparia e, atualmente, é encarregado do almoxarifado na fábrica de carteiras escolares mantida no presídio pela Funap, a fundação de assistência aos presos. Ele também lê livros e participa de grupos de oração.

Conforme o relato, Nardoni mantém o relacionamento com a mulher, Anna Carolina Jatobá, também condenada pela morte de Isabella. Eles se correspondem por cartas e trocam informações por meio dos familiares.

Anna Carolina cumpre pena na Penitenciária Feminina de Tremembé e, desde outubro de 2017, está no regime semiaberto. Nardoni fala sobre a morte da filha, que diz ter criado um vazio em sua vida, e afirma que não sente arrependimento pois se considera inocente.

O Ministério Público quer mais garantias de que o preso está apto a mudar de regime. O promotor Luiz Marcelo Negrini disse que, em razão da gravidade do crime e da pena elevada, vai pedir a aplicação ao detento do teste de Rorschach, também conhecido como “teste do borrão de tinta”.

Trata-se do mesmo teste aplicado à detenta Suzane von Richthofen, condenada pela morte dos pais e, atualmente, no regime semiaberto, e que serviu de base para a negativa da justiça ao pedido de progressão dela para o regime aberto.

Conforme Negrini, a decisão sobre aplicar ou não o teste será da 1ª Vara de Execuções Criminais, onde tramita o processo de Nardoni. O pedido será analisado pela juíza Sueli Zeraik Oliveira Armani, mas não há prazo para uma decisão. Procurado, o advogado de Nardoni, Roberto Podval, não retornou.

Famosos

A Penitenciária 2 de Tremembé é conhecida por abrigar presos famosos. Por ali já passaram o médico Roger Abdelmassih, atualmente em prisão domiciliar, o filho de Pelé e ex-goleiro do Santos, Edison Nascimento, o ‘Edinho’, que está no semiaberto, e os irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, cúmplices de Suzane na morte dos pais dela. Cristian voltou a ser preso este ano após tentativa de extorsão a policiais.

Imagens: Dia Online 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Goiás abre espaço para 'pedalar' a folha salarial

A notícia da publicação do decreto foi recebida com estranheza por uma parcela dos servidores públicos estaduais.
05/11/2018, 12h04

Um decreto editado no último dia 31 pelo governador de Goiás, José Eliton, abriu espaço para empurrar para 2019 a despesa da folha salarial do Estado referente ao mês de dezembro. A medida gerou protesto por parte do governador eleito, Ronaldo Caiado (DEM). Num vídeo postado nas redes sociais, ele pede ajuda dos servidores goianos para enfrentar o que chamou de um “calote anunciado” dos salários. O Estado passa por dificuldades financeiras e vem escalonando os pagamentos aos servidores.

“Aqui, ele transfere para ele a prerrogativa de não quitar a folha nos próximos meses”, diz Caiado, mostrando um exemplar do Diário Oficial do Estado. “Ou seja, usar o dinheiro do servidor público para quitar compromissos que lhe interessam e, ao mesmo tempo, proteger seu CPF.”

O objeto da celeuma é o Decreto 9.346, que anula um artigo de outro decreto, o 9.143. O dispositivo revogado determinava que os gastos com salários e encargos dos servidores públicos deviam ser empenhados e liquidados dentro do mês de competência. Com a edição do decreto, essa obrigatoriedade cai.

“No meu entendimento, é um forte indicativo que não vai haver financeiro para fazer essa despesa”, comentou o procurador junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) Fernando Carneiro. Para ele, trata-se de uma manobra do atual governador para escapar de possíveis sanções previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para administradores que deixam dívidas para seus sucessores.

Recursos

Para seguir a LRF, Eliton precisará ter, até o dia 31 de dezembro, os recursos necessários para pagar a folha salarial do mês. Só assim ele poderá fazer o empenho, como manda a legislação. Se o empenho for feito até o dia 31 de dezembro, o pagamento aos servidores pode ocorrer nos primeiros dias do mês seguinte, como tem sido de costume.

Em nota, o coordenador da equipe de transição pelo atual governo, Afrânio Cotrim Júnior, lamenta que Caiado não tenha descido do palanque e assegura que os salários continuarão a ser pagos conforme o cronograma. “O governador José Eliton tem garantido que irá saldar, até 31 de dezembro, os compromissos financeiros do seu mandato”, diz. Ele acrescenta que o decreto segue a Constituição e determinação do TCE.

O procurador explicou que, de fato, o tribunal fez recomendações ao governo do Estado no sentido de corrigir excesso no gasto com folha. “Mas a correção se faz por corte de despesa”, disse.

Carneiro afirmou que essa medida nem é a mais grave para as contas públicas proposta por Eliton. No final de outubro, o governo enviou um projeto de lei à Assembleia do Estado propondo que sejam computados, como gastos em educação, os pagamentos aos servidores aposentados da área.

Questionado, o governo de Goiás disse que essa medida é uma “imposição fática”, pois as remunerações dos inativos são vinculadas aos do pessoal da ativa. “Outros Estados já contabilizam dessa forma e especialistas em finanças públicas como o professor Raul Veloso defendem essa medida”, informou.

Diante dessa informação, o jornal O Estado de S. Paulo procurou o especialista em contas públicas. “Tenho defendido, sim, que os ‘donos do orçamento’, ou seja, segmentos com receitas cativas, paguem a despesa dos seus próprios inativos em vez de transferi-la para o governador arcar com ela com a fatia residual que sobra para ele após atendidas todas as áreas poderosas do orçamento”, confirmou.

Servidora

A notícia da publicação do decreto foi recebida com estranheza por uma parcela dos servidores públicos estaduais, especialmente os que fazem aniversário nos meses do último trimestre do ano, que além do pagamento mensal, deverão receber neste período seus respectivos 13º salários.

A radialista Debora Orsida, 43 anos, funcionária desde 2010, ilustra o caso. Aniversariante do mês de outubro, ela está na expectativa pelo 13º salário, mas ficou insegura com o decreto. “Não sei se irei receber, porque as conversas que a gente ouve nas redes sociais e nos grupos é que não se sabe se vai pagar, porque especula-se que o Estado está quebrado”, comenta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: goias df 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem é filmado furtando faróis, em Goiânia; veja vídeo

O homem foi filmado de um prédio comercial atrás de um container e depois de arrancar o farol fugiu em uma moto acompanhado por uma mulher.
05/11/2018, 12h28

Um vídeo gravado por um leitor do Portal Dia Online mostra um homem de camiseta preta e calça jeans furtando o farol de um carro na Rua C 252, no Setor Nova Suíça, em Goiânia, às 9h25 desta segunda-feira (5/11).

O homem foi filmado de um prédio comercial atrás de um container e depois de arrancar o farol fugiu em uma moto acompanhado de uma mulher.

Segundo pessoas que viram a ação, a Polícia Militar foi chamada, mas duas horas depois nenhuma viatura havia aparecido.

Segundo dados do Registro Integrado de Atendimento (RAI), da Secretaria de Segurança Pública (SSP-GO), foram registrados, apenas em outubro deste ano, 8.976 furtos parecidos com o flagrado no vídeo.

O Portal Dia Online listou dicas que poderiam evitar furtos em carro.

  1. Instale alarme
  2. Instale rastreadores
  3. Evite deixar objetos no carro
  4. Estacione em local visível e iluminado

O que é furto, como o que flagrou vídeo em Goiânia, segundo Código Penal:

Art. 155 – Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel:

Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa.

§ 1º – A pena aumenta-se de um terço, se o crime é praticado durante o repouso noturno.

§ 2º – Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor a coisa furtada, o juiz pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços, ou aplicar somente a pena de multa.

§ 3º – Equipara-se à coisa móvel a energia elétrica ou qualquer outra que tenha valor econômico.

Furto qualificado

§ 4º – A pena é de reclusão de dois a oito anos, e multa, se o crime é cometido:

I – com destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa;

II – com abuso de confiança, ou mediante fraude, escalada ou destreza;

III – com emprego de chave falsa;

IV – mediante concurso de duas ou mais pessoas.

§ 5º – A pena é de reclusão de 3 (três) a 8 (oito) anos, se a subtração for de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Número de doações de órgãos efetivas para transplantes bate recorde em 2018, em Goiás

O número registrado esse ano chega a 73 doações e já é maior do que o registrado no ano passado.
05/11/2018, 13h22

Perder um ente querido não é fácil, mas ele pode de certa maneira continuar “vivo” ao salvar a vida de outra pessoa, através da doação de órgãos. A Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) por meio do Centro Estadual de Notificação Captação e Distribuição de Órgãos de Goiás (CNCDO) divulgou balanço de doações de órgãos efetivas para transplantes no Estado, em relação ao ano passado e o número registrado é o maior de toda a série histórica.

Segundo a coordenadora de Captação de Órgãos e Tecidos da Central Estadual de Transplantes de Goiás (CET), Katiuscia Christiane de Freitas, o número divulgado inicialmente era de 71 doações efetivas de órgãos em todo o Estado, em 2018

Ainda segundo a coordenadora, no último final de semana o número subiu para 73, batendo recorde, em Goiás. Ainda pode ser superado, a dois meses do fim de 2018.

“O aumento representa mais esperança para os pacientes que estão na fila aguardando por um transplante e é capaz de melhorar a qualidade de vida dos pacientes que recebem os órgãos”, explica Katiuscia.  “O aumento é devido o momento de conscientização que a população goiana passa nos últimos anos, em torno do tema”, complementa.

Mesmo com o recorde da doação de órgãos para transplantes, ainda existe muita resistência para que familiares liberem órgãos para doação. Segundo os dados da CET, existe pelo menos 62% de negativas.

Transplantes de rins registrados este ano é maior do que em 2017

Em Goiás foram feitos transplantes de rins, córneas e fígado. Transplantes de outros órgãos estão começando a ser implantados no Estado. Em 2018, foram transplantados 134 rins, número é superior ao registrado no ano passado com um total de 113.

“O ato de doar um órgão é uma atitude de Amor pela família mesmo no momento de dor que passa ao perder um ente querido”, acredita.

De acordo com a coordenadora, o CET faz a captação de diversos órgãos como: fígado, pulmão, rins e coração, mas nem todos são para pacientes do Estado de Goiás, muitas vezes por não encontrar um paciente compatível, os órgão são enviados para pacientes que aguardam na fila de outros Estados.

Katiuscia agradece à imprensa pela divulgação, pois através dela, está sendo possível conscientizar mais as famílias “até por que hoje não basta você ter escrito na carteira de identidade que é doador, tem que falar com a família, e a imprensa tem sido de suma importância, pois cada vez mais as pessoas estão falando sobre o assunto e se conscientizando sobre o tema e por isso o número é o maior registrado de toda série histórica”.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.