Goiás

Identificados três suspeitos de agredir torcedor do Vila Nova; grupo participa de organizada do Goiás

Crime ocorreu na última sexta-feira (2/11), no Setor Nova Vila; adolescente está em estado grave.
07/11/2018, 19h29

Foram identificados pela Polícia Civil, nesta quarta-feira (7/11), três homens suspeitos de agredir adolescente torcedor do Vila Nova, em Goiânia. De acordo com as investigações, eles são integrantes da torcida organizada do Goiás. O crime ocorreu na última sexta feira (2/11), no Setor Nova Vila, enquanto o menor, de 17 anos, seguia com o irmão e amigos para um jogo entre o Vila Nova e Paysandu, no estádio Serra Dourada.

Um dos suspeitos, que não teve o nome revelado, prestou depoimento hoje ao delegado Isaías de Araújo Pinheiro, responsável pelo caso. O comerciante, de 23 anos, confirmou o ocorrido à polícia e disse que “estavam bêbados em um bar e ao ver passar uma turma do Vila, se juntaram, pegaram os porretes e foram atrás deles.”

Imagens de câmeras de segurança registraram toda a agressão. Reveja:

De acordo com o delegado, os outros dois suspeitos identificados devem comparecer para prestar esclarecimentos nos próximos dias, segundo a defesa. Isaías Pinheiro afirma que a agressão deve ser tratada como “tentativa de homicídio.” Para o investigador, o adolescente só não foi assassinado porque uma viatura da Polícia Militar se aproximou do local e os agressores fugiram.

O Goiás Esporte Clube informou que não se posicionará, uma vez que a agressão ocorreu fora das dependências do clube, mas que, confia nas autoridades policiais e espera a punição dos envolvidos. O Vila Nova explicou que não comenta sobre agressões que envolvam torcedores.

Torcedor do Vila Nova continua em estado grave

O adolescente, de 17 anos, continua internado em estado gravíssimo na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

Em entrevista ao Dia Online, Antônio Carlos Alencar Oliveira, pai do menor, contou que o filho havia saído de casa minutos antes da agressão junto com o irmão de 14 anos. “Eles não andaram nem 300 metros. Fui avisado o que aconteceu e encontrei meu filho caído, sangrando muito.”

Via: G1 CBN 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Caiado e Bolsonaro se encontram para tratar de "projetos e ações" para Goiás

Presidente eleito afirmou que “as portas estarão abertas para Goiás”; reunião ocorreu na tarde de hoje (7/11), em Brasília.
07/11/2018, 20h39

Na tarde desta quarta-feira (7/11), Ronaldo Caiado (DEM), novo governador do estado e Jair Bolsonaro (PSL), presidente eleito, se reuniram no entro Cultural Banco do Brasil (CCB), em Brasília para tratar de “projetos e ações” para Goiás. O encontro durou cerca de meia hora e Bolsonaro afirmou “as portas estarão abertas para Goiás.” Foram tratados assuntos como a saúde no estado, segurança, educação, agricultura e meio ambiente.

Estiveram presentes também no evento, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), coordenador da equipe de transição do governo federal, o General Heleno e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho de Jair Bolsonaro.

Após a reunião, o governador eleito em Goiás postou um vídeo nas redes sociais e entre brincadeiras afirma que o presidente eleito é “amigo de Goiás”. Bolsonaro agradeceu o apoio e orações do povo goiano.

“O presidente @jairmessiasbolsonaro é amigo de Goiás e reafirmou isso na visita que fiz a ele hoje em Brasília. Tratamos de projetos e ações em áreas como saúde, educação, segurança, agricultura e meio ambiente. Disse que as portas estão abertas para o nosso Estado. Olha o recado que ele deu ao nosso povo”, escreveu Ronaldo Caiado. Veja:

Em Goiás, Caiado é eleito com 59% dos votos e Bolsonaro com 65%

Ronaldo Caido (DEM) foi eleito governador de Goiás no dia 7 de outubro, primeiro turno das Eleições 2018. Com 82% das urnas apuradas, às 19h26, Caiado obteve quase 60% dos votos válidos, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O Democrata derrotou Daniel Vilela (MDB), que obteve 16,9% dos votos, 389.544 e Zé Eltion  (PSDB), que recebeu apenas 13,10% dos votos válidos.

No segundo turno das eleições, Jair Bolsonaro (PSL) foi eleito presidente da República com 55.205.640 votos (55,1%). Só no estado de Goiás, o capitão recebeu 65,52% dos votos válidos, o que representa um total de 2.124.739 votos. Fernando Haddad (PT) recebeu pouco mais de 1.117.923 votos no segundo turno.

Imagens: Instagram 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Casal de fazendeiros é morto a facadas, em Campo Limpo de Goiás

Além do caseiro também foram presos: a mulher e um irmão do caseiro suspeitos de participar do crime.
08/11/2018, 07h51

O casal de fazendeiros, Leandro Canedo Guimarães, de 78 anos e Darci Prado Canedo Guimarães, de 76, foi morto a facadas pelo caseiro de sua fazenda na noite da última quarta-feira (7/10), na cidade de Campo Limpo de Goiás, que fica a 75 quilômetro de Goiânia.

O caso foi registrado pela Polícia Civil do Estado de Goiás da cidade de Anápolis (PCGO) que conseguiu efetuar a prisão dos suspeitos no mesmo dia do assassinato do casal, no município de Luziânia, no Entorno do Distrito Federal (DF).

O delegado do Grupo de Investigação de Homicídios de Anápolis (GIH) que atendeu a ocorrência, Cleiton Lobo, confirmou ao Portal Dia Online a prisão de três suspeitos, sendo eles o caseiro, Milton Isturario Vieira, sua mulher Rosane Patrícia Rodrigues e seu irmão Ademilson Isturario Barbosa. Neste momento, o delegado está no Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis, onde foram feitos os exames de corpo de delito, para depois o flagrante ser lavrado na Central de Flagrantes de Anápolis.

Casal de fazendeiros é morto a facadas, em Campo Limpo de Goiás
Montagem: Milton, o irmão Ademilson e Rosane Patrício.

Suspeitos afirmaram que mataram o casal de fazendeiros por dívida

Os suspeitos contaram a polícia que “cometeram inicialmente o crime por que o fazendeiro teria uma dívida com o caseiro”, versão rechaçada pelo delegado Cleiton Lobo, que irá ouvi-los novamente, para o depoimento ser incorporado aos documentos da investigação do latrocínio.

Os suspeitos, além de matar o casal de fazendeiros, levaram vários pertences das vítimas como móveis, carros e dinheiro que estavam na fazenda do casal. Atitude que configura crime de latrocínio, que é roubo seguido de morte. Nesse momento, o delegado aguarda a filha do casal para fazer o reconhecimento dos pertences roubados da fazenda de seus pais.

O casal era associado a Sociedade Agropecuária de Goiás (SGPA) que usou as redes sociais da entidade para lamentar o assassinato de Leandro e sua esposa.

Casal de fazendeiros é morto a facadas, em Campo Limpo de Goiás
Foto: Reprodução/Facebook

Quem também lamentou a morte do casal foi a cantora Paula Fernandes, que usou suas redes sociais para manifestar a sua tristeza, pois o fazendeiro Leandro foi o criador de seu cavalo de nome Sereno.

Casal de fazendeiros é morto a facadas, em Campo Limpo de Goiás
Foto: Reprodução/Instagram
Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Como votaram os senadores goianos no aumento de 5 mil reais para o STF

Se sancionado pelo presidente Michel Temer, o reajuste trará um aumento de mais de R$ 5 mil aos ministros do STF, que passarão a ganhar R$ 39 mil.

Por Ton Paulo
08/11/2018, 07h56

Os três senadores goianos que representam o Estado votaram contra a proposta aprovada na última quarta-feira (7/11) no Senado Federal, de reajuste salarial de 16,38% para o STF e a procuradoria-geral da República. O salário dos magistrados hoje é de R$ 33,7 mil e passará a ser de R$ 39,2 mil. A votação terminou com o seguinte placar: 41 senadores a favor do reajuste, 16 contrários e uma abstenção. Agora, a proposta vai para sanção do presidente Michel Temer, a quem cabe aprovar ou rejeitar o projeto.

Os três senadores goianos – Lúcia Vânia (PSB), Ronaldo Caiado (DEM), eleito governador de Goiás nestas eleições, e Wilder Morais (DEM) – votaram contra o aumento para os magistrados do STF. Entretanto, por maioria de votos, a pauta do reajuste foi aprovada.

O aumento dos ministros, de 16,38%, será de R$ 5.530,32 reais.

Temer sinalizou que vai sancionar

O presidente Michel Temer (MDB) havia sinalizado anteriormente que que sancionaria o aumento. No final de agosto deste ano, Temer fechou um acordo com o Judiciário para incluir o reajuste salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal ( STF ) no Orçamento de 2019, que foi enviado ao Congresso e aprovado.

Para evitar que o aumento, de 16,38%, impacte ainda mais as contas públicas, os ministros da Corte se comprometeram a mandar ao Parlamento uma proposta acabando com o auxílio-moradia.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, deve apresentar à equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro um relatório com dados sobre o reajuste nos salários dos ministros do tribunal.

Toffoli também pretende agir para acelerar o julgamento sobre a legalidade do auxílio-moradia para magistrados, já que o fim do benefício é uma das alternativas para reduzir o impacto do reajuste, aprovado pelo Senado.

Veja como votaram todos os senadores no reajuste que foi aprovado para o STF:

A favor 

Acir Gurgacz (PDT-RO)

Aécio Neves (PSDB-MG)

Ângela Portela (PDT-RR)

Antonio Anastasia (PSDB-MG)

Antônio Valadares (PSB-SE)

Armando Monteiro (PTB-PE)

Ataídes Oliveira (PSDB-TO)

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)

Cidinho Santos (PR-MT)

Ciro Nogueira (PP-PI)

Dalirio Beber (PSDB-SC)

Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Edison Lobão (MDB-MA)

Eduardo Amorim (PSDB-SE)

Eduardo Braga (MDB-AM)

Eduardo Lopes (PRB-RJ)

Fernando Coelho (MDB-PE)

Garibaldi Alves Filho (MDB-RN)

Hélio José (PROS-DF)

Ivo Cassol (PP-RO)

Jorge Viana (PT-AC)

José Agripino (DEM-RN)

José Amauri (PODE-PI)

José Medeiros (PODE-MT)

José Serra (PSDB-SP)

Otto Alencar (PSD-BA)

Paulo Bauer (PSDB-SC)

Paulo Rocha (PT-PA)

Raimundo Lira (PSD-PB)

Renan Calheiros (MDB-AL)

Roberto Rocha (PSDB-MA

)Romero Jucá (MDB-RR)

Rose de Freitas (PODE-ES)

Sérgio Petecão (PSD-AC)

Tasso Jereissati (PSDB-CE)

Telmário Mota (PTB-RR)

Valdir Raupp (MDB-RO)

Vicentinho Alves (PR-TO)

Walter Pinheiro (Sem partido-BA)

Wellington Fagundes (PR-MT)

Zeze Perrella (MDB-MG)

Contra

Airton Sandoval (MDB-SP)

Cristóvam Buarque (PPS-DF)

Fátima Bezerra (PT-RN)

Givago Tenório (PP-AL)

José Pimentel (PT-CE)

Lídice da Mata (PSB-BA)

Lúcia Vânia (PSB-GO)

Maria do Carmo Alves (DEM-SE)

Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

Regina Sousa (PT-PI)

Reguffe (Sem partido-DF)

Ricardo Ferraço (PSDB-ES)

Roberto Requião (MDB-PR)

Ronaldo Caiado (DEM-GO)

Vanessa Graziottin (PCdoB-AM)

Wilder Morais (DEM-GO)

Abstenção

José Maranhão (MDB-PB)

Via: O Popular G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Senado aprova corte em fundo para Educação

Foi cortado pela metade uma das fontes de recursos do Fundo Social do Pré-Sal.
08/11/2018, 09h13

O Senado cortou pela metade uma das fontes de recursos do Fundo Social do Pré-Sal, destinado a investimentos em saúde e educação. Por meio de um projeto de lei, os senadores destinaram 50% dos recursos vindos da comercialização do petróleo do pré-sal, que iriam integralmente para o Fundo Social, para outro fundo, voltado para expansão de gasodutos e para o fundo de participação de Estados e municípios. A proposta ainda precisa passar pela Câmara.

O Brasduto contará com 20% dos recursos da comercialização do petróleo do pré-sal. Outros 30% serão destinados aos fundos de participação de Estados e Municípios. O fundo dos gasodutos ainda poderá contar com recursos do Orçamento.

O acordo para a votação do texto, que estava em um projeto de lei sobre o pagamento de multas indenizatórias a usuários de energia prejudicados por distribuidoras, teve apoio do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Na quarta-feira, 7, os senadores retiraram da proposta o item que privilegia a seleção e construção de gasodutos que já obtiveram licenciamento ambiental. Agora, o critério de escolha será definido pelo comitê gestor do Brasduto. A rede de novos gasodutos já licenciados ampliaria a rede em 6,7 mil km.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.