Política

Campanha já supera 2 milhões de assinaturas contra aumento de salário do STF

10/11/2018, 12h08

Uma campanha online contra o reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já conta com mais de 2 milhões de assinaturas. A iniciativa foi feita pelo Partido Novo, que também peticionou o presidente Michel Temer contra o aumento.

Segundo a legenda, o reajuste “causa enorme impacto fiscal em todos os Estados brasileiros, devido a alteração do teto de salários do funcionalismo público”. Se sancionado o projeto de lei que prevê o aumento, a remuneração dos ministros passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil mensais.

Cálculos feitos por consultorias da Câmara dos Deputados e do Senado apontam que o chamado “efeito cascata” causado pela expansão do teto do funcionalismo público pode custar cerca de R$ 4,1 bilhões. Estados que enfrentam crises financeiras, como o Rio de Janeiro e Minas Gerais, poderão sofrer para cobrir o aumento na folha de pagamento dos servidores.

“O NOVO sustenta que o chefe do Poder Executivo não pode aumentar a despesa com os servidores faltando menos de 180 dias para término de seu mandato, conforme dispõe a Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirma o partido.

A campanha online, que até o fim da noite desta sexta-feira, 9, contava com 2.273.834 assinaturas, foi anexada à petição encaminhada ao Planalto. A meta do partido é atingir a meta de 3 milhões.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Jovem sem CNH causou a morte de família que voltava de Caldas Novas, aponta laudo

O acidente aconteceu no município de Araguari (MG), no dia 7 de outubro. Apenas o pequeno Benjamin Monare, de 6 anos, sobreviveu.

Por Ton Paulo
10/11/2018, 12h29

Um laudo da Polícia Civil (PC) chegou à conclusão que o acidente que matou três membros de uma mesma família que voltava de Caldas Novas, em Goiás, onde celebravam o aniversário da mãe, foi causado por uma jovem sem habilitação. O acidente aconteceu no município de Araguari (MG), no dia 7 de outubro. Apenas o pequeno Benjamin Monare, de 6 anos, sobreviveu.

Os corpos do casal e do outro filho, um menino de 8 anos, foram encontrados dois dias após o acidente, no dia 9/10. Benjamin, o único que sobreviveu, foi visto vagando no acostamento da BR-050, quando foi socorrido por pessoas que passavam no local.

A mulher, responsabilizada pelas mortes, vai ser indiciada por três homicídios qualificados: o de Alessandro Monare, de 37 anos, Belkis da Silva Miguel Monare, 35, e Samuel da Silva Miguel Monare, de 8.

Segundo o delegado Rodrigo Luís Fiorindo a um jornal local, o perito concluiu que no carro dirigido pela moça estavam outras duas jovens, que vinham de Uberlândia. A motorista, uma moça de 21 anos que não tem Carteira Nacional de Habilitação (CNH), não teve o nome divulgado.

Em depoimento à polícia, as mulheres contaram que antes do acidente, estavam em uma festa em Uberlândia e que passaram a noite consumindo bebidas alcoólicas. No local, também havia drogas ilícitas.

De acordo com o delegado, pela análise de imagens feitas na manhã do acidente, foi possível verificar que ambos os veículos estavam na pista da direita, mas o carro das mulheres passou a apresentar condução irregular, invadindo a outra pista. O delegado ainda conta que o motorista do carro da família deve ter tentado desvencilhar desse veículo, que dirigia de forma irregular e foi para a pista da esquerda para ultrapassar. Mas perto do quilômetro 45, a jovem invadiu a pista novamente, bateu no veículo e causou o acidente.

Por causa do impacto, o carro da família caiu em uma vala e só foi encontrado dois dias depois.

Jovem sem CNH causou a morte de família que voltava de Caldas Novas, aponta laudo
Foto: Reprodução

Uma testemunha relatou que viu o acidente e acionou a MGO Rodovias – concessionária responsável pela rodovia. A empresa declarou que prestou assistência, mas só encontrou um veículo. O delegado explicou que vários funcionários da MGO Rodovias foram ouvidos durante a investigação e que não ficou caracterizado dolo na omissão de socorro. Entretanto, ele conta que “será encaminhada uma cópia integral ao Ministério Público Federal (MPF), que ficará a cargo das medidas que julgar cabíveis em relação a possível crime administrativo em relação à segurança da via”, explicou.

Relembre a tragédia

No dia 7 de outubro deste ano, a família formada por Alessandro Monare, de 37 anos, Belkis da Silva Miguel Monare, 35, Samuel da Silva Miguel Monare, 8, e Benjamin da Silva Miguel Monare, 6 anos, voltava de Caldas Novas, passava pela BR-050, entre Uberlândia e Araguari, quando se envolveu no acidente de onde apenas o pequeno Benjamin escapou com vida.

No domingo, as vítimas, que moravam em Campinas (SP), informaram para parentes que retornariam para casa. Porém, perderam o contato durante a manhã.

Segundo informou o cabo Tomás à época, que atendeu a ocorrência do desaparecimento, amigos da família, que moram em Caldas Novas, não conseguiram se comunicar com eles e procuraram a Polícia Rodoviária Estadual de Araguari para registrar o fato. Disse ainda que parentes foram avisados e percorreram o trecho em busca do casal.

Os corpos só foram encontrados no dia 9 de outubro, dois dias depois. Na época, o único sobrevivente, Benjamin, foi levado para o Pronto Socorro do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU).

Via: G1 Mais Goiás 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Grupo de empresários do Mato Grosso compra TV Anhanguera e O Popular, diz jornal

A empresa, a maior da área de comunicação de Mato Grosso, deve assumir o negócio em 1º de janeiro.

Por Ton Paulo
10/11/2018, 14h00

O Grupo empresarial matogrossense Zahran fechou oficialmente um acordo com o Grupo Jaime Câmara, levando de uma vez só a TV Anhanguera, os jornais “O Popular” e “Daqui” e suas rádios. A empresa, a maior da área de comunicação de Mato Grosso, assume o negócio em 1º de janeiro. As informações são do Jornal Opção.

De acordo com o jornal, depois do encontro de contas, estabelecido por auditorias das duas empresas, os representantes dos dois grupos chegaram a um denominador comum. A venda, que já foi aprovada pela TV Globo, já vinha sendo cobrada pela emissora, devido à queda de audiência da TV Anhanguera, sem perspectivas positivas; e a falta de investimento em jornalismo. Segundo informações, o faturamento em Goiás está se tornando um dos mais baixos do país e é concentrado demasiadamente no setor público. Se este deixa de anunciar, a publicidade cai de maneira assustadora — o que estaria incomodando a família Marinho.

Os valores do negócio não foram divulgados, mas deduz-se que sejam números vultuosos, pelo menos no que se refere à TV, uma vez que, segundo informações do Opção, o Jornal O Popular foi vendido “quase de graça”.

Durante bom tempo, adianta o jornal, o Grupo Zahran, que também é detentor da empresa de gás Copagaz, rejeitou a ideia de ficar com os jornais “O Popular” e “Daqui”, devido ao alto custo com papel, o que poderia inviabilizá-lo, e alegava não ter expertise na área. Uma vez que o jornal foi vendido por uma “pechincha”, “O Popular” pode circular apenas na internet, com o objetivo de reduzir custos.

Inicialmente, sem uma avaliação formal, chegou-se a comentar que todo o Grupo Jaime Câmara, incluídos imóveis e maquinário — como impressoras —, valia 750 milhões de reais. Em seguida, começou-se a ventilar valores entre 250 milhões e 380 milhões de reais. O que vale mais, segundo o pessoal de Mato Grosso, é a concessão da TV Anhanguera.

Demissões

Nos bastidores tanto da TV Anhanguera quanto dos jornais comenta-se que demissões estão sendo preparadas, mas que não devem ser anunciadas publicamente. A redação de “O Popular”, se o jornal ficar apenas na internet, tende a ser reduzida em pelo menos 40%.

A reportagem do Dia Online entrou em contato com uma das assessoras do Grupo Zahran, Lucila Lopes, que declarou que o grupo não vai comentar. Quanto ao Grupo Jaime Câmara, a reportagem não conseguiu contato até o fechamento desta matéria.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Pai é morto a tiros e filha baleada dentro de casa, em Goiânia

Suspeito levou Larissa para outro cômodo para conversar e pouco depois, foi possível ouvir os tiros.
10/11/2018, 14h35

O Pai de família Antônio Pinto Primo foi morto a tiros e sua filha Larissa de Sousa Primo baleada, na noite da última sexta-feira (9/11) dentro de sua casa, na Rua W8, no Jardim Itaipu, em Goiânia.

As informações divulgadas até o momento não foram confirmadas pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO). No entanto, elas dão conta de que pai e filha estavam dentro de casa, quando um homem invadiu a residência e levou a jovem para outro cômodo da casa para conversar.

Segundo o que foi divulgado até o momento, poucos minutos depois, os vizinhos ouviram disparos de arma de fogo vindo da casa e chamaram a Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO).

Antônio foi atingido na cabeça e no tórax

Ao chegar a casa, os policiais se depararam com Antônio baleado na cabeça e no tórax, os policiais acionaram o Corpo de Bombeiros Militar de Goiás (CBMGO) que apenas constatou a morte de Antônio.

A PM apenas informou ao Portal Dia Online que chegou ao conhecimento de uma outra vítima, identificada como Larissa de Sousa Primo, e que terceiros já haviam levado ela para receber atendimento médico.

Ainda não há informações sobre o autor do homicídio e da tentativa contra Larissa, nem a motivação do crime. O caso agora será investigado pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) de Goiânia.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Deslizamento de terra deixa 5 mortos e 11 feridos em Niterói (RJ)

Além do deslizamento de terra, uma pedra rolou sobre o morro Boa Esperança, em Niterói.
10/11/2018, 14h52

Um deslizamento de terra e pedras deixou pelo menos cinco mortos e 11 feridos na madrugada deste sábado (10) em Niterói, região metropolitana do Rio. O número de vítimas pode ser maior, pois os trabalhos de resgate continuam no local. Da noite de quarta-feira até sexta-feira, fortes chuvas atingiram o Estado do Rio, incluindo a região metropolitana, mas não houve registro de acidentes graves em outras localidades além de Niterói.

Pelo menos seis casas foram atingidas pelo deslizamento, no Morro da Boa Esperança, na chamada região oceânica de Niterói, mais afastada do Centro da cidade. Moradores relataram ao canal GloboNews que o acidente ocorreu por volta das 4 horas da manhã. O Corpo de Bombeiros do Rio foi acionado às 5h08, segundo a assessoria de imprensa do órgão.

“Choveu muito nos últimos dois dias. Niterói estava em estágio de atenção e alerta de acordo com a área e as comunidades estavam avisadas dessa situação, com recomendação para buscarem locais seguros”, disse à GloboNews o secretário de Estado de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar, coronel Roberto Robadey Costa Júnior.

Sete equipes de cinco quartéis do Corpo de Bombeiros, num total de 50 homens, atuaram no resgate a feridos. Moradores do local se juntaram às equipes para ajudar, voluntariamente, no trabalho de resgate. Conforme o comandante Robadey, o trabalho de remoção dos escombros e resgate das vítimas ou busca por mortos poderia levar até 48 horas.

Entre os mortos estão duas mulheres entre 50 e 60 anos e um homem de 37 anos. Entre os feridos, pelo menos duas pessoas foram resgatadas com estado de saúde estável, um homem de 43 anos e uma menina.

Segundo Claudio dos Santos, que se apresentou como presidente da associação de moradores do local, algumas das casas atingidas pelo deslizamento já estavam interditadas pela Defesa Civil há cerca de um ano, mas seus donos se recusavam a deixá-las.

“As casas estavam isoladas pela Defesa Civil. Só que os moradores são complicados, não querem sair. Ontem (sexta-feira) mesmo a gente estava preocupado com essa chuva”, disse Santos à GloboNews. Em entrevista o “RJTV”, da TV Globo, uma moradora confirmou a interdição de algumas casas e acusou a Prefeitura de Niterói de não ter agido.

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT), negou que houvesse casas interditadas e descreveu o acidente como uma fatalidade, pois não se tratou de um deslizamento de encosta que poderia receber obras de contenção. “Foi a ruptura de um maciço, não foi deslizamento de encosta”, afirmou Neves, por telefone, em entrada ao vivo no “RJTV”. Em nota, a Prefeitura de Niterói informou que “investiu mais de R$ 150 milhões em obras de contenção em 50 encostas da cidade”.

Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.