Goiás

Paciente morre em acidente entre ambulância e dois caminhões na BR-153

Um dos caminhões transportava produto químico perigoso; pista segue totalmente internada.
11/11/2018, 13h16

Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida em um acidente envolvendo uma ambulância e dois caminhões, na BR-153, entre São Luís do Norte e Ceres. O caso ocorreu no início da manhã deste domingo (11/11). Um dos veículos de carga transportava produto químico perigoso e a BR segue totalmente interditada para limpeza.

Tudo aconteceu após a ambulância, ocupada pelo motorista e um paciente, bater na traseira de um dos caminhões, invadir a pista contrária e bater de frente com o outro caminhão que carregava Nitrato de Amônio (Ultraprill Plus), produto químico perigoso, que ficou espalhado na pista.

O motorista da ambulância, que sofreu ferimentos graves, foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para o Hospital Municipal de Uruaçu. Já o paciente morreu preso às ferragens. As vítimas não tiveram os nomes revelados. Segundo o Corpo de Bombeiros, o motorista do caminhão que teve a carga espalhada na via não se feriu. Já o primeiro caminhão envolvido no acidente ainda não foi localizado.

A ambulância seguia de Amaralina, interior de Goiás, para Anápolis. Ainda não se sabe se o motorista da ambulância teria dormido ao volante ou tentado uma ultrapassagem proibida. As causas do ocorrido serão investigadas.

BR-153 segue interditada

A área do acidente foi isolada e a BR-153 segue interditada até a chegada da empresa responsável pela carga, que pode fazer o recolhimento adequado do produto espalhado na pista.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), para fugir do bloqueio, quem segue no sentido Norte para o Sul, ao chegar em Uruaçu, deve seguir pela BR-080 e em seguida pegar a GO-080, passar por Goianésia e chegar até Jaraguá. Para quem segue no sentido Sul para o norte deve fazer o roteiro oposto.

A ocorrência foi atendida por esquipes da PRF, SAMU e Corpo de Bombeiros, que continuam no local para monitorar o caso.

Em atualização.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Bombeiros combatem incêndio em Shopping, em Rio Verde

Rio Verde.
11/11/2018, 14h24

Na madrugada de domingo (11/11), o Corpo de Bombeiros Militar controlou incêndio em um shopping de Rio Verde.

O fogo iniciou por volta de 1h30, na estrutura da parte superior, causado, diz os Bombeiros, provavelmente por falha no sistema elétrico.

O sistema preventivo de chuveiros automáticos da própria edificação foi acionado e apagou as chamas, impedindo que o incêndio atingisse maiores proporções.

Os bombeiros militares chegaram rapidamente ao estabelecimento e apagaram todos dos vestígios que poderiam provocar novos incêndios, depois inspecionaram interditaram, preventivamente, o local a fim de garantir a segurança.

Ainda pela manhã de domingo, as equipes permaneceram no local acompanhando os trabalhos de manutenção a fim de garantir o restabelecimento da normalidade dos sistemas de prevenção e combate a incêndio além dos demais pontos afetados.

Segundo incêndio em Shopping Rio Verde

No dia 3 de maio, um incêndio atingiu a praça de alimentação do Shopping Rio Verde, na Avenida Presidente Vargas, na cidade de Rio Verde. De acordo com o Corpo de Bombeiros o foco do incêndio ficou restrito em um dos restaurantes da praça de alimentação do centro de compras. Ninguém ficou ferido.

O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta de 10h30 e às 11h00 o incêndio já estava controlado. Participaram do combate as chamas 25 militares e seis viaturas. Cerca de cinco mil litros de água foram utilizados, além da reserva de  combate à incêndio  do shopping.  O Coronel do Corpo de Bombeiros, Amilton de Souza, disse que no momento do acidente, cerca de 200 pessoas estavam no estabelecimento.

De acordo com informações do marketing do Shopping Rio Verde, o incêndio foi motivado por conta da explosão de um interruptor de energia elétrica em um dos restaurantes do centro de compras. Os bombeiros, contudo, afirmam que somente uma perícia poderá comprovar as causas do fogo.

À época,o shopping ficou interditado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

CCJ aprova uso de aplicativo por motoristas de táxi em Goiânia

Serviço em Goiânia será chamado de TáxiGO.
11/11/2018, 14h43

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou esta semana um projeto que altera parte da lei que regulamenta o serviço de transporte individual de Táxi em Goiânia. Com a nova medida, os taxistas que atuam na capital poderão usar aplicativo do transporte, assim como os motoristas da Uber, 99, Cabify Easier entre outros. O serviço em Goiânia será chamado de TáxiGO.

De acordo com o vereador Carlin Café (PPS), autor do projeto, o objetivo “é possibilitar que os taxistas da cidade possam utilizar as plataformas de transporte por aplicativos e assim competir com as outras empresas.”

Ainda segundo ele, o requerimento foi apresentado ao Executivo para realização de parceria com a prefeitura do Rio de Janeiro, onde a mudança já é válida (TáxiRJ), para possibilitar a realização em Goiânia. O projeto já está em vigor também em São Paulo e é denominado TáxiSP.

Se aprovado, o projeto de lei prevê que o serviço em Goiânia seja chamado de TáxiGO, que deve permitir isenção de taxas para os taxistas em relação aos motoristas de aplicativos. “Este projeto vai possibilitar a assinatura do termo de cooperação com o Rio de Janeiro para implementar o serviço aos taxistas daqui sem custo”, explicou o vereador.

A matéria está pronta para compor a Pauta do Plenário nas próximas sessões.

Motoristas de táxi e apps em Goiânia devem fazer exame toxicológico

Tramita na Câmara Municipal de Goiânia um projeto de lei que prevê a obrigação do exame toxicológico anual para motoristas de táxi e de aplicativo na capital. De acordo com a matéria, os exames deverão ser feitos a cada doze meses, e o resultado apresentado à Empresa Pública de Transporte Coletivo (EPTC) deve garantir ou não a permanência do motorista na função. A lei deverá ser regulamentada pelo Executivo no prazo de 60 dias a partir de sua publicação.

Caso o projeto seja aprovado e sancionado pelo prefeito Iris Rezende (MDB), todos os motoristas de táxis e dos aplicativos de transporte que atuam em Goiânia, deverão ser submetidos anualmente ao teste.

Imagens: Baguete 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Motociclista bate em poste e morre após beber, em Goiânia

Jovem havia passado a noite em um festa quando morreu voltando para casa.
11/11/2018, 15h22

O corpo de Carlos Pereira da Silva, de 25 anos, permanece no Instituto Médico Legal (IML) e deve ser liberado até o final da tarde para o sepultamento. Carlos morreu após quando subiu em um meio-fio e foi lançado contra um poste na manh deste domingo (11/11) no Bairro Recanto das Emas, em Goiânia.

Conforme informações da Delegacia Estadual de Investigação de Crimes de Trânsito (Dict), a família contou que o jovem havia bebido durante a noite.

O acidente ocorreu por volta de 6h. Carlos voltaria para casa por meio da Avenida Orlando Marques de Abreu, indo para o Residencial Fidelis, em uma motocicleta Honda CG 150. Foi aí que o jovem perdeu o controle da direção, derivou para a direita e subiu no meio fio, momento em que bateu em um poste de iluminação pública.

Corpo de jovem foi arremessada a quatro metros de distância, em Goiânia

Com o impacto da batida, o corpo do jovem foi arremessado em uma distância de quatro metros e a motocicleta se arrastou por 10 metros. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi até o local e constatou a morte do motociclista.

O Corpo de Bombeiros ainda tentou reanimar o jovem, mas ele não tinha mais sinais vitais.

Quando souberam da morte de Carlos, familiares foram ao local do acidente e se desesperaram com o corpo dele estendido em meio ao que sobrou da motocicleta. Muitas peças despedaçadas esparramadas pela via.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Polícia desvenda mistério de crime após show em frente à Pecuária, em Goiânia

Imagens obtidas com exclusividade pelo Portal Dia Online mostram vítima sendo assassinada.
11/11/2018, 18h13

Na madrugada do dia 23 de maio deste ano, na 73ª edição da Pecuária de Goiânia 2018, Josimar Jorge da Silva foi encontrado morto em uma calçada. Ele havia saído sozinho de uma distribuidora de bebidas após beber com Maycon Jhonatan de Oliveira Gomes, às 4h da madrugada, no setor Nova Vila, em Goiânia.

Josimar não sabia, mas Maycon estava esperando ele ali perto para lhe matar a facadas e roubar seus pertences.

Seis meses depois do crime, a Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) concluiu o inquérito. Maycon vivia em situação de rua e era conhecido na região como vigia de carros.

Imagens obtidas com exclusividade pela reportagem do Portal Dia Online mostram a vítima fugindo do agressor. Josimar cai no meio da via, onde carros passam rápidos, e é esfaqueada pelo menos seis vezes nas costas. Corre para a calçada, mas é alcançada.

Depois de perfurar a vítimas outras vezes, Maycon – que veste blusa de frio e um boné – vasculha os bolsos da calça, pega objetos de Josimar, esfaqueia outras vezes e foge.

Veja vídeo de homem sendo morto

https://www.instagram.com/p/BqDZHN1B7bl/

Homem fugiu mesmo sendo preso, em Goiânia

Polícia desvenda mistério de crime após show em frente à Pecuária, em Goiânia
Homem fugiu durante seis meses da Polícia. Foto: Polícia Civil.

O autor foi preso por policiais militares e apresentado na Delegacia dias depois. “Populares apontaram ele como o autor, pedi o mandado de prisão, mas o juiz indeferiu”, conta. Maycon desapareceu.

Mesmo assim, a equipe chefiada pela delegada Magda D’Avila, foi em busca de pistas e descobriu que o assassino fugiu para Senador Canedo, onde trabalharia como vigia de carros na Pecuária da cidade.

A delegada conta por que a prisão veio apenas seis meses depois. “Ele era morador de rua e não tinha residência fixa. Agora ele largou as drogas e morava com a avó. Fizemos monitoramentos até prendê-lo.”

Maycon, diz a delegada,  confessou o crime, mas disse que, na distribuidora, a vítima deu um tapa na cara dele. “Ele ficou esperando a vítima passar do outro lado da rua para pegá-la desprevenida. Essa versão é mentira porque nenhuma testemunha confirmou esta versão”, explica. “Com isso, está provado que ele matou para roubar, ou seja, cometeu latrocínio como está claro nas imagens.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.