Goiás

Moradores de Goiânia e Anápolis podem ter até 65% de desconto nas contas de energia

Para ter o desconto os moradores das duas cidades precisam fazer o cadastro no programa Tarifa Social de Energia Elétrica.
12/11/2018, 10h22

Os moradores de Goiânia e Anápolis podem a partir desta segunda-feira (12/11) e até quarta-feira (14/11), fazer seu cadastramento no programa Tarifa Social de Energia Elétrica. O programa dá aos beneficiados o desconto de pelo menos 65% nas contas de energia.

Para fazer o cadastro no programa, os moradores das duas cidades precisam comparecer às unidades da Enel Energia e Distribuição de Goiás nos setores Capuava, Aeroporto e Jardim Cerrado 7 em Goiânia, e no Setor Central, em Anápolis das 8h às 17h a partir de hoje até a próxima quarta-feira.

Quem se cadastrar no programa ainda pode trocar lâmpadas incandescente, que gastam bastante energia, por uma que possa contribuir para economizar os gastos, como lâmpadas de LED. Para fazer as trocas, o consumidor precisa apresentar documento com foto, a última conta de energia paga e a lâmpada que deseja trocar.

Para fazer o cadastro no programa, os consumidores precisam se inscrever no CadÚnico, nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e procurar uma central de atendimento da Enel tendo em mãos o RG, CPF, Número de Inscrição Social (NIS) ou o Número do Benefício (NP) e uma conta de energia.

A Tarifa Social de Energia Elétrica é um projeto do Governo Federal, que busca atender famílias de baixa renda e proporcionar um desconto de até 65% na conta de energia, no entanto, para chegar a esse percentual, depende do consumo do cliente durante o mês.

Só podem ter o desconto famílias que já estejam cadastradas no CadÚnico há menos de um ano, e com renda familiar por pessoa que seja menor ou igual a meio salário mínimo, famílias inscritas no CadÚnico com renda de até três salários mínimos, e que tenha na residência portador de doença crônica e tratamento necessite do uso de equipamentos; os beneficiários  de prestação continuada, ou seja, idosos e pessoas com deficiências com renda de até 1/4 do salário mínimo.

Cadastramento no programa Tarifa Social de Energia Elétrica e troca de lâmpadas

Confira os horários e locais para o cadastramento

Horário – 8h às 17h.

Local – Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS), Rua 25-A, Setor Aeroporto, Goiânia.

segunda-feira (12).

Horário – 8h às 17h.

Local – Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Capuava, Avenida Borba Gato, Setor Capuava, Goiânia.

terça-feira (13).

Horário – 8h às 17h.

Local – Centro Comunitário do Jardim Cerrado 7 (CECOM), Rua JC 312, área APM, Setor Jardim do Cerrado 7, Goiânia.

Terça-feira (13).

Horário – 8h às 17h.

Local – Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Anápolis, Rua Gen. Joaquim Inácio, Setor Central, Anápolis.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Fátima Bernardes é apresentada para familiares de Túlio Gadêlha em Paris

O casal está junto há pouco mais de um ano.
12/11/2018, 10h36

Túlio Gadêlha, eleito deputado federal por Pernambuco, decidiu levar a namorada para Paris, na França, para apresentá-la a madrinha, tios e primos. Fátima Bernardes está em férias da TV Globo por 16 dias e está curtindo o descanso na Europa.

Neste domingo, dia (11/110, o casal aproveitou o dia para encontrar parentes e amigos. “Chegamos em Paris. Já apresentei minha namorada para minha madrinha, tios e primos. Amanhã conheceremos o Capibaribe parisiense. Se a água não tiver gelada dou um mergulho”, escreveu Gadêlha no Instagram, fazendo uma brincadeira com o Rio Sena e o rio que banha Recife.

Fátima Bernardes também começou a publicar as primeiras fotos da viagem nas redes sociais. No perfil oficial dela no Instagram, a jornalista comemorou o descanso com o namorado. “Mesmo com chuva, sempre há muito o que fazer. Principalmente se é a primeira vez juntos em Paris”, disse Fátima na legenda da foto.

Imagens: Instagram 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Mais de 200 promotores e procuradores são contra 'professores ativistas'

Promotores e Procuradores declaram que não pode ter doutrinação nas escolas.
12/11/2018, 10h59

Já são 213 os promotores e procuradores de Justiça que aderiram ao manifesto que repudia “professores militantes e ativistas”. O documento, uma Nota Técnica intitulada “Escola Sem Partido”, foi lançado na sexta-feira passada, dia 9.

Segundo o documento, “as famílias são lesadas quando a autoridade moral dos pais é solapada por professores que se julgam no direito de dizer aos filhos dos outros o que é certo e o que é errado”.

Os subscritores afirmam. “Os estudantes são lesados quando professores militantes e ativistas se aproveitam de sua audiência cativa para tentar transformá-los em réplicas ideológicas de si mesmos; quando são cooptados e usados como massa de manobra a serviço dos interesses de sindicatos, movimentos e partidos; quando são ridicularizados, estigmatizados e perseguidos por possuírem ou expressarem crenças ou convicções religiosas, morais, políticas e partidárias diferentes das dos professores; quando estes lhes sonegam ou distorcem informações importantes para sua formação intelectual e para o conhecimento da verdade; quando o tempo precioso do aprendizado é desperdiçado com a pregação ideológica e a propaganda político-partidária mais ou menos disfarçada.”

Os promotores e os procuradores afirmam que estão “em defesa do Estado Democrático de Direito”. “Expomos à sociedade a adequação fática e jurídica dos projetos de lei lastreados no anteprojeto Escola Sem Partido ao ordenamento jurídico, sobretudo à Constituição da República, ao Estatuto da Criança e do Adolescente e à Convenção Interamericana dos Direitos Humanos.”

Projeto Escola Sem partido

“Os projetos de lei federal, estadual ou municipal baseados no anteprojeto do Programa Escola sem Partido não violam a Constituição Federal; ao contrário, visam a assegurar que alguns dos seus mais importantes preceitos, princípios e garantias sejam respeitados dentro das escolas pertencentes aos sistemas de ensino dos Estados e dos Municípios”, segue a Nota Técnica.

Promotores e procuradores revelam inquietação com o que consideram “a doutrinação nas escolas”. “Instigados por esses professores, muitos jovens passam a questionar e rejeitar o direcionamento estabelecido por seus pais no campo da religião, da moral e dos costumes, ensejando o surgimento de graves conflitos no seio das famílias”, sustentam.

Eles enumeram os motivos das dificuldades para quebra da “corrente de transmissão de ideias que se fecha em si mesma”. “Primeiro, porque não existe um comando centralizado, de natureza político-administrativa, cujas diretrizes sejam seguidas por obedientes professores. Se existisse tal comando, bastaria substituí-lo, e o problema estaria resolvido. Mas não é assim que funciona. Governo e burocracia do ensino podem até ajudar e ajudam, de fato, estimulando, facilitando ou sendo coniventes com a doutrinação, mas o agente do processo é o professor militante ideológico. Não existe doutrinação sem o militante ideológico camuflado de professor”, escreveram.

“Segundo, porque a quase totalidade do trabalho de inculcação e cooptação se desenvolve entre quatro paredes e a portas fechadas, o que inviabiliza qualquer controle hierárquico efetivo.”

“Terceiro, porque as vítimas desses abusos na educação básica – indivíduos imaturos, em processo de formação – normalmente não se reconhecem como vítimas; e, quando se reconhecem, geralmente se calam para não sofrer perseguições.”

“Quarto, porque o professor militante – também ele vítima da doutrinação – aprendeu e acredita que, como não existe neutralidade, ele não tem o dever profissional de se esforçar para ser neutro, de modo que sua missão é essa mesma: despertar, com seu discurso politicamente engajado, o chamado ‘pensamento crítico’ dos alunos, entendendo-se por ‘crítico’ o pensamento que resulta da assimilação acrítica daquele discurso.”

“Quinto, porque, como já se disse, 61% dos pais, conhecendo por experiência própria a realidade das escolas, acham ‘normal’ que os professores dos seus filhos promovam esses discursos em sala de aula; e, quando não acham, também se calam, a pedido dos próprios filhos, para não os expor a retaliações da escola, dos professores e dos colegas”

“E, sexto, porque impera no meio acadêmico a mais completa e proposital ignorância sobre os limites éticos e jurídicos da atividade docente, ignorância que deriva em parte da propositada e ilícita ausência de disciplina obrigatória de ética do magistério nos cursos de formação de professores.”

“Ou seja, a atividade docente é limitada, de um lado, pelos direitos dos estudantes e seus pais; e, de outro, pelo direito de todos os brasileiros a que a máquina do Estado não seja colocada a serviço desse ou daquele governo, partido, ideologia ou religião. No dia a dia da sala de aula, são esses limites que definem o espaço reservado ao exercício da liberdade de ensinar pelo professor. E é contra o abuso dessa liberdade que se insurge o Movimento Escola sem Partido.”

Imagens: super interessante 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Construtora atuava de forma irregular e com licença da Prefeitura de Padre Bernardo, aponta MP

Segundo o MP, a empresa estaria atuando em zona de proteção ambiental e infringindo a legislação do meio ambiente, e ainda contava com licenciamento do município, que fora, de acordo com a ação, indevidamente deferido.

Por Ton Paulo
12/11/2018, 11h21

A empresa Ouro Verde Construções e Incorporações Ltda. teve as atividades suspensas de imediato nas obras do aterro sanitário do município de Padre Bernardo, a 225 quilômetros de Goiânia, após ação proposta pela promotoria do Ministério Público de Goiás (MP-GO). Segundo a promotora, a empresa estaria atuando em zona de proteção ambiental e infringindo a legislação do meio ambiente, e ainda contava com licenciamento do município, que fora, de acordo com a ação, indevidamente deferido.

A ação foi proposta pela promotora de Justiça Ariane Patrícia Gonçalves e aceita pelo juiz Gustavo Borges, que suspendeu imediatamente as atividades da empresa Ouro Verde, relativas ao aterro sanitário Ouro Verde, em Padre Bernardo. A decisão vale até o julgamento final do processo ou comprovação, por meio de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA), de que a atividade não vai causar lesão ao meio ambiente e aos recursos hídricos, sob pena de multa diária de R$ 5 mil reais.

Em 2017, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente já havia autuado o aterro, cuja atividade estava autorizada somente por licença emitida pelo município. A Secima também autuou a Secretaria de Meio Ambiente de Padre Bernardo, por ter emitido indevidamente o licenciamento, por se tratar de atividade de aterro sanitário.

A promotora afirma que, sete meses após despacho da Gerência de Fiscalização da Secima, que confirmou a incompetência do município para emitir a licença para o empreendimento, a Ouro Verde contratou uma empresa que realizou um estudo no qual concluía ser de caráter local o impacto do aterro.

Assim, foi pedida a reconsideração da demanda e o gerente de Descentralização da Secima, Silas Paulo de Souza, que já havia afirmado que a competência para eventual revisão da licença seria do Núcleo de Licenciamento, “de maneira contraditória e ilegal, invocou-se no poder de rever a autorização administrativa concedida pelo município de Padre Bernardo e convalidou-a”, observa a promotora.

Licença da Prefeitura de Padre Bernardo teria sido dada à empresa de maneira ilegal

A promotora alegou na ação que o empreendimento está localizado em Zona de Conservação da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Descoberto, e foi instalado sem conhecimento do ICMbio, com a emissão indevida de uma licença do município de Padre Bernardo.

A licença, segundo a promotora, infringiu a legislação ambiental, que estabelece competência do órgão estadual, e não municipal, para licenciamento de aterros sanitários.

A promotora reitera ainda que, além da questão da ilegalidade das licenças, a Secima e a Coordenação de Apoio Técnico-Pericial (Catep) do MP-GO apuraram que o empreendimento está localizado dentro de uma área especial da APA do Rio Descoberto, denominada Zona de Conservação, na qual é proibida a instalação de aterros sanitários, de acordo com o Plano de Manejo da APA.

Entre as normas gerais da Zona de Conservação está prevista expressamente a proibição da construção de aterros, assim como atividades degradadoras ou potencialmente causadoras de degradação ambiental.

Em vistoria realizada no local, constatou-se que o empreendimento tem recebido resíduos provenientes do município de Padre Bernardo e de empresas particulares como shoppings, supermercados, condomínios horizontais, entre outros, todos do Distrito Federal. No mérito da ação é requerida a condenação da empresa ao pagamento de indenização pela degradação ambiental em dano moral coletivo e, ainda, a anulação das licenças ambientais municipais emitidas para o empreendimento.

Procurada pela reportagem do Dia Online, uma representante da empresa Ouro Verde Construções e Incorporações Ltda. alegou que, no momento, não há nenhum responsável disponível para comentar o caso.

Quanto à Prefeitura de Padre Bernardo, o secretario do Meio Ambiente, Sérgio Murilo Garcia, alegou que a licença para a empresa Ouro Verde foi dada pelo seu antecessor, Siloeste Pereira, e que ele está na pasta desde abril do ano passado.

Sérgio alegou que, à época, a secretaria entendeu legal e de competência do município dar a licença à empresa, uma vez que se tratava de um distrito do município e que “os danos causados pela empresa seriam só em âmbito local, o que “não representaria grande impacto”, apesar de a empresa estar atuando em área de proteção ambiental.

O secretário ainda disse que não há previsão para reavaliar a licença da empresa, por o município pretende esperar a finalização dos trâmites da ação na Justiça.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Com Coutinho e Marcelo machucados, Tite convoca Renato Augusto e Alex Sandro

A seleção brasileira dirigida por Tite inicia nesta segunda-feira os treinos no CT do Arsenal, em Londres.
12/11/2018, 11h22

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou nesta segunda-feira duas mudanças na lista inicial divulgada pelo técnico Tite para os amistosos em Londres, na Inglaterra, contra Uruguai, nesta sexta, e Camarões, no próximo dia 20. O lateral-esquerdo Alex Sandro, da Juventus, e o meia Renato Augusto, do Beijing Guoan (China) se apresentarão à comissão técnica substituindo Marcelo, do Real Madrid, e Philippe Coutinho, do Barcelona, que estão machucados.

Marcelo deixou o clássico contra o Barcelona, no último dia 28, com uma lesão no músculo posterior da coxa direita. Optou-se por aguardar a sua recuperação durante a semana, mas o lateral-esquerdo nem entrou nem campo pelo seu time no último domingo contra o Celta, em Vigo, pelo Campeonato Espanhol. Como não recuperou por completo as suas condições físicas e clínicas, de acordo com a comissão técnica, foi substituído por Alex Sandro.

No caso de Philippe Coutinho, o médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar, recebeu o diagnóstico feito pelo Barcelona de lesão muscular na coxa esquerda. Assim, em um contato de Edu Gaspar, coordenador de seleções da CBF, o Beijing Guoan liberou Renato Augusto para os jogos do Brasil na Inglaterra.

Tite no comando da seleção

A equipe dirigida por Tite inicia nesta segunda-feira a semana de treinos no CT do Arsenal, em Londres. Os jogadores estão se apresentando ao técnico em um hotel distante 40 km do centro da capital inglesa e farão o primeiro treinamento na tarde desta segunda.

Nesta sexta-feira, às 18 horas (de Brasília), a seleção brasileira enfrentará o Uruguai no Emirates Stadium, estádio que pertence ao Arsenal. No dia 20 contra Camarões, às 17h30, o local do jogo será o pequeno MK Stadium, de propriedade do Milton Keynes Dons, time da quarta divisão inglesa.

Imagens: piacabucu news 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.