Entretenimento

Trilhas sonoras da transgressão

17/11/2018, 09h08

Livro relata os discos mais audaciosos da MPB

A segunda metade da década de 1970 foi um momento ímpar dentro da música brasileira, marcado pelas descobertas e reviravoltas. A herança cultural da década anterior ainda estava muito presente na cabeça do jovem: o sonho hippie, a contracultura, o tropicalismo. Ao mesmo tempo, explodiam no cenário internacional o punk e o disco. Esse foi o pano de fundo para um dos momentos mais ousados da MPB, com trilha sonora calcada na transgressão e anseio por liberdade.

Esse é o cenário de novo livro do jornalista, pesquisador e colecionador de LPs, Bento Araujo. ‘Lindo Sonho Delirante vol. 2 – 100 discos audaciosos do Brasil’ é o segundo capítulo da história que o autor começou a contar em 2016, quando escreveu a respeito da música psicodélica brasileira produzida entre 1968 e 1975 – período iniciado com o movimento da Tropicália e que terminou com a experiência lisérgica pernambucana de Alceu Valença e Lula Côrtes.

Nessa nova obra, centrada na década de 1976 a 1985, Bento decidiu ampliar o escopo de sua seleção. “São todos registros que de certa forma, por terem sido lançados naquela época e naquelas condições, eu vejo como audaciosos”. No livro, cada álbum é apresentado em duas páginas, uma com as considerações do autor e a outra com uma reprodução de sua capa original.

Apesar de não haver uma unidade sonora entre os 100 trabalhos resenhados, Bento identifica diversos subgêneros que ganharam forma no decorrer dessa década. “Podemos pegar o ‘Pessoal do Ceará’, movimento capitaneado por Belchior, Fagner e Ednardo e que teve uma rápida projeção nacional”, exemplifica o jornalista. “Em São Paulo, o jazz fusion também foi muito forte, impulsionado pelos festivais internacionais que aconteceram no final da década de 1970”, complementa, citando Hermeto Pascoal e Egberto Gismonti como expoentes.

Mas um dos recortes mais importantes de Lindo Sonho Delirante vol. 2, segundo o autor, é o cenário da produção independente. Em contraste com os grandes medalhões da música brasileira, os músicos que produziam dessa forma tinham poucos recursos e raramente emplacavam hits. Ainda assim, as possibilidades de experimentação trazidas foram suficientes para incentivar essa produção, mesmo diante da repressão militar.

Tido como marco inaugural do movimento, o emblemático LP ‘Feito em casa’ (1977), de Antonio Adolfo, foi produzido de forma completamente artesanal, como sugere o título. O modelo se consolidou dois anos depois, com o lançamento do álbum de estreia do grupo Boca Livre, um sucesso estrondoso e totalmente independente.

Outro momento importante da cena é a Vanguarda Paulista. Urbano e anárquico, o movimento foi baseado na Lira Paulistana, casa noturna localizada no bairro de Pinheiros. Os porões da Lira foram palco de artistas como Eliete Negreiros, Banda Rumo e também Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção, os dois pilares do movimento. “Não chegou a atingir grande público e vender muitos discos, mas virou referência. Alguns álbuns são cultuados hoje, fora do Brasil inclusive”, explica o jornalista.

O culto à música brasileira no exterior não é algo novo – há inclusive selos especializados em relançamentos de álbuns esquecidos de nossa discografia. Segundo o pesquisador, os principais mercados para esse tipo de relançamento estão na Alemanha, Inglaterra e Japão.

O mercado fonográfico japonês foi responsável por relançar em 1980 o disco ‘Imyra, Tayra, Ipy’, de Taiguara, décadas antes de ele chegar às prateleiras no Brasil. Censurado no seu lançamento, em 1976, o álbum só foi relançado no nosso mercado em 2013.

Bento enxerga que esse interesse estrangeiro se intensificou a partir década de 1990. Na época, ele trabalhava em lojas de discos e já percebia uma movimentação de colecionadores, sobretudo europeus, nesse sentido. “Eu percebi que a imprensa musical lá fora estava falando sobre discos que a gente não dava tanta bola – a revista Mojo, por exemplo, já publicava matérias sobre Os Mutantes e Tropicália. Acho que esse culto foi muito influenciado por artistas como Kurt Cobain, Sean Lennon e David Byrne (que chegou a relançar um álbum de Tom Zé) falando da música brasileira.”

O livro, que foi viabilizado por uma campanha de financiamento coletivo, é possível ser adquirido pelo site da poeiraZine, revista independente que o jornalista editou por treze anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Pastor, mulher e sobrinha morrem em Anápolis após enterro da irmã dele

Pastor João Batista Gomes voltava do enterro da irmã dele quando bateu de frente com um caminhão.
17/11/2018, 09h30

Uma família goiana não tinha se acostumado à ideia de perder um ente querido quando foram avisados de que outros três, que haviam acabado de sair do sepultamento em Itaberaí, morreram tragicamente quando chegavam a Anápolis.

O pastor evangélico João Batista Gomes, de 60 anos, foi se despedir da irmã dele. Quando voltava, tentou fazer uma ultrapassagem e bateu de frente com um caminhão. Além de João, morreram a mulher dele, Sueli Pereira de Matos Gomes, de 49, e a sobrinha Irene Lúcia Gomes, de 49. A filha de João e Sueli sobreviveu.

Além da igreja, João se dividia na atividade política. Ele era chefe de gabinete do vereador de Anápolis Mauro Severiano. Para o G1, Severiano contou que a família voltava do velório da irmão do pastor, em Itaberaí. “Enterramos a irmã dele em Itaberaí e voltamos para Anápolis. Eu vim na frente e ele saiu cerca de uma hora depois. É uma tragédia”, lamentou Severiano.

Ultrapassagem pode ter causado acidente em Anápolis

Pastor, mulher e sobrinha morrem em Anápolis após enterro da irmã dele
Carro bateu de frente com caminhão de frete. Foto: reprodução/ Corpo de Bombeiros

De acordo com o Corpo de Bombeiros, testemunhas relataram que o carro do pastor bateu de frente contra o caminhão quando tentava fazer uma ultrapassagem. A causas dos acidente, contudo, devem ser esclarecidas apenas depois do resultado da perícia.

João Batista, Sueli e Irene morreram no local do acidente. Já a filha do casal foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhada ao Hospital de Urgências de Anápolis (Huana). O caminhoneiro foi levado para a mesma unidade de saúde.

Os corpos foram liberados do Instituto Médico Legal (IML) no início da noite.

Acidente inusitado: ambulância

Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida em um acidente envolvendo uma ambulância e dois caminhões, na BR-153, entre São Luís do Norte e Ceres. O caso ocorreu no início da manhã do último domingo (11/11). Um dos veículos de carga transportava produto químico perigoso e a BR segue totalmente interditada para limpeza.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Cinco homens invadem casa, matam cachorro e executam jovem com 9 tiros, em Goiânia

A vítima tentou se esconder no banheiro, mas foi alcançada pelos criminosos.
17/11/2018, 12h01

Chovia quando pelo menos cinco homens pularam o muro, mataram um cachorro, arrombaram a porta da sala e atiraram pelo menos nove vezes em Gabriel Felipe Santos Silva, de 19 anos, por volta das 23h de sexta-feira (17/11). Ele estava em uma kitinete na Rua das Orquídeas, no Jardim Pompeia, em Goiânia.

O cachorro Pit Bull se irritou quando viu os homens pulando o muro e foi morto por um dos assassinos que passaram pelo quintal escuro da residência. O latido foi silenciado pelo primeiro tiro da noite.

O jovem tentou escapar, mas quando entrava no banheiro, foi alcançado pelos assassinos. Ele morava com um irmão e a cunhada, que estavam no quarto. Apavorados, esperaram a casa voltar a ficar em silêncio, abriram a porta e viram o corpo do jovem crivado de balas, de costas para o chão, como se tentasse se defender.

O irmão da vítima chamou os Bombeiros, que constaram que Gabriel estava morto. Enquanto isso, uma multidão de curiosos cercava a rua de asfalto molhado pela chuva e iluminada por giroflex de viaturas da Polícia Civil e Militar.

Crime em Goiânia: suspeita de execução

Usuário de drogas, Gabriel tem passagem por ato infracional quando ainda era menor de idade. Para o delegado plantonista que foi ao local do crime, Hellyton Carvalho, o crime tem características de execução. “Ele tentou se esconder no banheiro e ficou caído no chão, de costas, perto da sala”, descreveu.

Adjunto da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), o delegado Hellyton Carvalho, não adiantou nenhuma informação que pudesse indicar o que teria motivado a execução de Gabriel. “O caso será investigado por outro cartório”, informou Carvalho, assim que deixou o plantão, na manhã deste sábado (17/11).

O caso será investigado pelo delegado Marco Aurélio Ferreira, que deve iniciar os trabalhos na próxima segunda-feira (19/11). Na região em que ocorreu o crime, ninguém quis comentar o assunto. Apenas o irmão e a cunhada da vitima passaram algumas informações.

Até o final da manhã, o corpo de Gabriel Felipe permanecia no Instituto Médico Legal (IML) à espera de liberação da família,

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Rodada decisiva para Atlético Goianiense, Goiás e Vila Nova

Equipes jogam para superar inconstância dentro da competição e manter vivo o sonho do acesso.
17/11/2018, 12h07

Faltam apenas duas rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro da Série B. Embora os três representantes do futebol goiano ainda tenham chances de alcançar o acesso à elite do futebol brasileiro, o único que depende das próprias forças é o Goiás.

Em determinado momento do segundo turno da competição foi possível sonhar com Goiás, Vila Nova e Atlético Goianiense na primeira divisão. No entanto, a campanha irregular das equipes nesta reta final de Série B pode tornar esse sonho em pesadelo.

A 37ª rodada reserva fortes emoções para o torcedor.

Atlético Goianiense

Dos três times goianos, o Atlético é o que está em situação mais complicada. Com 53 pontos e ocupando a oitava colocação, o Dragão precisa de um milagre para alcançar o acesso. A campanha irregular durante todo campeonato complicou o rubro-negro que não conseguiu emplacar uma sequência de bons resultados.

Sem vencer em casa desde o dia 04 de setembro, quando derrotou a Ponte Preta por 2 a 0, o Dragão enfrenta o São Bento nesta sexta-feira, 16, às 20h30 , no Estádio Antônio Aciolly. Para esta partida a equipe vem com três alterações em relação ao confronto contra o CSA. Gilvan, que estava suspenso na última rodada, retorna no lugar de Lucas Rocha. O jovem lateral-esquerdo Moraes ganha espaço com a suspensão de Jonathan e Vitinho ganha a vaga de Fernandes no meio-campo.

Provável escalação do Atlético para o confronto contra o São Bento: Klever; Alisson, Oliveira, Gilvan e Moraes; Pedro Bambu, Vitinho e João Paulo; André Luis, Júlio Cesár e Renato Kayser. Técnico: Wagner Lopes

Vila Nova

A esperança de ver o Vila Nova na Série A parecia distante para o torcedor Vila Nova após a goleada sofrida diante do Brasil de Pelotas, mas após a vitória sobre o Figueirense na última rodada e o tropeço das equipes que estão à frente trouxeram esperança ao Tigre.

Caso vença o Criciúma no Serra Dourada, às 19h30, neste sábado (17/11), a equipe colorada, que possui 55 pontos e está na sétima colocação, pode retornar ao G-4 e ir para o último jogo depende apenas de si. Para que isso aconteça o Colorado precisa torcer para que o Londrina não vença o confronto contra o CRB nesta sexta-feira e contar com derrotas de Goiás e Avaí.

O tigrão perdeu pontos importantes jogando como mandante dentro da competição e não tem mais margem para erro. Se quiser o acesso, a equipe comandada pelo técnico Hemerson Maria precisa da vitória para seguir vivo na briga por uma das vagas a elite do futebol nacional.

Provável escalação do Vila Nova contra o Criciúma: Rafael Santos; Maguinho, Wesley Matos, Diego Giaretta e Hélder; Geovane, Moacir, Mateus Anderson, Alan Mineiro e Juninho; Elias. Técnico: Hemerson Maria

Goiás

O único goiano a depender das próprias forças é o Goiás. O alviverde é o quarto colocado com 57 pontos e garante o acesso com mais quatro pontos. Uma vitória e um empate nos dois jogos que restam são o suficiente para que o Goiás volte à primeira divisão após o rebaixamento em 2015.

Mas se engana quem pensa que a vida do Esmeraldino será fácil. O adversário do próximo sábado (17/11) é o Oeste, clube que corre risco de ser rebaixado e busca os três pontos para se distanciar dos fantasma da terceira divisão. As equipes se enfrentam na Arena Barueri, às 21h00.

Para o duelo deste sábado, o Goiás não contará com Lucão, artilheiro da competição com 16 gols. O atacante cumpre suspensão automática pelo cartão amarelo recebido na partida contra o Coritiba. Com isso, Júnior Viçosa ganha vaga entre os titulares.

Provável escalação do Goiás contra o Oeste: Marcos; Alex Silva, Victor Ramos, David Duarte e Ernandes; Gilberto Júnior, João Afonso e Giovanni; Michael, Júnior Viçosa e Rafinha (Maranhão). Técnico: Hermerson Maria

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Vídeo mostra preso sendo espancado com pau em cadeia de Goiás

"Socorro, socorro", gritava o preso, enquanto era espancado.
17/11/2018, 13h56

Um vídeo gravado por um preso denuncia o cotidiano dentro de presídios em Goiás. Um homem vestido com uma camiseta branca é espancado por colegas de cela da Central Regional de Triagem, do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, em Goiás.

Enquanto é agredido, o homem quer saber o motivo. Ele pergunta para outro preso, mas o colega de cela também não sabe. Chutes e socos deixam o rapaz em pânico.

Quando começam a bater nele com o chico doce (pedaço de pau), começa a gritar um grito que não costuma ser ouvido. A cela fica a 300 metros de agentes penitenciários.

Até a publicação desta reportagem, o Portal Dia Online não conseguiu contato com a Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP).

Fontes da Casa de Prisão Prisão Provisória (CPP) e da Penitenciária Odenir Guimarães (POG) contaram ao Portal Dia Online que agressões deste tipo são comuns quando presos não conseguem pagar dívidas, sobretudo aos domingos, quando familiares vão visitá-los e não levam dinheiro.

Normalmente, donos de cantinas – presos – dentro dos pavilhões dão prazos para o pagamento. Se os devedores não cumprem, são espancados. Com preços superfaturados, os presos têm uma semana para pagar. Uma Coca-Cola de dois litros, custam entre R$ 20 e R$ 30 reais, por exemplo.

Existem os casos de agressão por causa de dívidas com drogas e cigarros. Alguns presos são espancados por apenas olharem para a mulher de outros homens. “Ali é onde filho chora e mãe e o Estado não vê”, comenta um agente.

“Um preso chegou aqui ensanguentado há alguns meses depois que pegou comida de outro preso”, conta uma enfermeira. “Eles são duros e cruéis”, comenta um agente.

Veja vídeo de preso sendo espancado em presídio de Goiás

Já ocorreram casos em que advogados inventaram que presos por roubo ou tráfico têm passagens por estupro. É uma deixa para serem espancados, senão mortos.

Caso o preso for “caguete”, ou seja, conte algo para agentes penitenciários, ele também pode ser espancado até a morte. Normalmente, depois da agressão, os presos levam a vítima, amarrada, perto da grade de saída. Eles avisam que o preso perdeu o convívio. Ou seja, não é mais bem-vindo na cela. Depois, são levados para o isolamento, onde ficam sem televisão, por exemplo.

Raramente um preso consegue fugir da seção de espancamento. Às vezes, durante a visita, ele avisa a um agente que vai ser espancado por não ter conseguido pagar as contas porque a família não levou dinheiro. Outras vezes, os presos com dívidas são levados para as celas, amarrados até o final das visitas, quando são agredidos.

Com dores causadas por chutes, murros e enforcamentos, as vítimas são encaminhadas ao Posto de Saúde do Complexo Prisional, ou, caso seja mais grave, para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) ou Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.