Economia

Economia brasileira deverá crescer de 2,5% a 3% em 2019, diz Acrefi

22/11/2018, 17h28

A economia brasileira deverá crescer de 2,5% a 3% em 2019, segundo projeções feitas pelo Departamento Econômico da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). No mínimo, o Produto Interno Bruto (PIB) ficará 1,1 ponto porcentual acima do que em 2018, ano para o qual a Acrefi projeta crescimento de 1,4%, vindo de 1% em 2017 – quando interrompeu sequência de dois anos de retração econômica no País.

Segundo o presidente da Acrefi, Hilgo Gonçalves, o melhor do cenário econômico previsto para 2019 é que mesmo com a expansão do PIB para perto do dobro do crescimento projetado para 2018, o Banco Central terá todas as condições para entregar no final do exercício a taxa de juro em 6,5% ao ano, no mesmo nível em que ela se encontra hoje, sendo o mais baixo desde a implementação do regime de metas para a inflação, em 1999.

Isso será possível porque mesmo com a economia reencontrando o caminho do crescimento, o número de desempregados ainda permanecerá elevado, sustentando alta ociosidade da capacidade instalada dos meios de produção e mantendo a inflação sob controle.

“Temos um cenário de juros que deve ficar em torno de 6,5% e uma inflação abaixo do teto da meta”, disse Gonçalves. A projeção da Acrefi para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no ano que vem é de 4,2%, abaixo dos 4,4% esperados para este ano e abaixo do centro da meta de 4,25% fixado para 2019 pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para este ano, o alvo estabelecido para o BC cumprir é de 4,5%.

A combinação juros e inflação baixa deverá, segundo o presidente da Acrefi, repercutir positivamente no mercado de crédito em 2019 especialmente na modalidade Crédito com Recursos Livres para Pessoa Física. “Essa modalidade já acumulou expansão de 4,7% no ano no primeiro semestre e deve alcançar 7% em 2018. Para o próximo ano 2019, projetamos crescimento de 9% a 12%”, disse Gonçalves, que abriu no período da manhã o 13º Seminário Internacional Acrefi (13º SIAC).

Otimista, o presidente da Acrefi considera que a aprovação do Cadastro Positivo, incluída na Agenda BC+ do Banco Central, poderá aumentar consideravelmente a oferta de crédito no mercado. “No Chile, onde o Cadastro Positivo foi adotado há anos, o volume de crédito equivale a 100% do PIB. No Brasil, a fatia é de 46%, demonstrando que temos potencial para avançar e que, se utilizado de forma consciente, irá favorecer o crescimento sólido do Brasil”, concluiu.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Dia Online transmite debate com candidatos à presidência da OAB-Goiás

Transmissão exclusiva começa às 19h30; evento é promovido em parceria com o programa Papo Aberto, da Rádio Bandeirantes.
22/11/2018, 17h31

Em reta final de campanha, o Dia Online transmite ao vivo e com exclusividade, nesta quinta-feira (22/11), a partir das 19h30, o debate com os candidatos à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional de Goiás (OAB-GO), promovido pelo programa Papo Aberto, da Rádio Bandeirantes 820 Goiânia. A mediação será feita por Victor Hugo Pereira. As eleições da OAB-Goiás serão no dia 30 de novembro.

Três candidatos concorrem ao cargo, sendo eles os advogados: Pedro Paulo de Medeiros, candidato pela chapa 5 – Nova OAB; Alexandre Ramos Caiado, da  chapa 2 – OAB Pra Você e Lúcio Flávio de Paiva, que concorre à reeleição pela chapa 1 – Pra Frente OAB.

A transmissão do debate será feita com exclusividade pela Portal Dia Online. Para acompanhar ao vivo, basta acessar, a partir das 19h30, nossa página no Facebook (@portaldiaonline) e o site diaonline.r7.com.

Estrutura do debate com candidatos à presidência da OAB-Goiás

O debate será dividido em quatro blocos. A disposição dos candidatos no palco será definida por sorteio que será realizado momentos antes do debate, na presença dos representantes de cada chapa.

No primeiro bloco, cada candidato terá o direito de fazer uma pergunta, com temática livre, para cada um dos concorrentes. Para a pergunta serão dados 30 segundos e para resposta dois minutos. Para a réplica 1 minuto e tréplica 1 minuto e 15 segundos.

Já no segundo bloco, o candidato tem o direito de fazer apenas uma pergunta, com tema determinado por sorteio, para apenas um dos candidatos. As chapas precisaram enviar dois temas para a produção do debate com dois dias de antecedência. O tempo para perguntas e respostas será o mesmo do primeiro bloco. Cada candidato responde apenas uma vez.

Terceiro bloco terá espaço para convidados perguntarem

Durante o terceiro bloco do debate com os candidatos à presidência da OAB-Goiás, representantes das classes – Ministério Público, Magistratura, Delegado de Polícia, Estudante de Direito, Professor de Direito, empresariado e política – terão o direito de fazer uma pergunta, por meio de sorteio, em que os três candidatos terão 3 minutos para responder.

No quarto e último bloco os concorrentes terão dois minutos para fazer as considerações finais. Caso algum dos candidatos se sinta ofendido, poderá entrar com pedido de direito de resposta, que será avaliado por uma comissão composta por quatro membros e o resultado será anunciado assim que possível.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Polícia já identificou envolvidos na morte de Marielle, diz secretário

Crime ocorreu no dia 14 de março deste ano.
22/11/2018, 17h36

O secretário de Segurança Pública do Rio, general Richard Nunes, informou que a Polícia Civil já identificou alguns dos envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, ocorrido em 14 março no Rio de Janeiro.

“Não podemos ser precipitados. No momento que prende um (criminoso), não prende os demais. Alguns participantes nós temos. Temos que criar uma narrativa consistente com provas cabais que não venham a ser contestadas em juízo. Seria um fracasso que a sociedade não observasse essas pessoas como criminosas e elas não fossem condenadas no tribunal do júri”, disse Nunes, em entrevista à Globonews.

Ele garantiu que a milícia está envolvida com o crime e disse acreditar na participação de políticos.

O secretário disse que o crime tem a ver com a atuação política. “Não é um crime de ódio. E a milícia, com toda certeza, se não estava no mando do crime em si, está na execução”, disse Nunes.

Nunes afirmou que pretende entregar o caso solucionado no final do período da intervenção federal, em 31 de dezembro, conforme determina o decreto assinado em fevereiro pelo presidente Michel Temer.

Caso Marielle

No último dia 17, a Rede Globo de Televisão foi proibida pela Justiça de divulgar informações do inquérito que investiga os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do seu motorista Anderson Gomes. A decisão foi do juiz Gustavo Gomes Kalil, da 4ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, a pedido da Divisão de Homicídios da Capital (RJ) e do Ministério Público do Estado.

Com a decisão, está proibida a divulgação de declarações feitas por testemunhas a policiais civis da Delegacia de Homicídios, mesmo sem a identificação dos depoentes. Também está vedada a divulgação de técnicas e procedimentos sigilosos usados na investigação e qualquer conteúdo retirado da investigação, o que inclui imagens, áudios e mensagens.

Imagens: Ana Caona 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Após prisão de marido, adolescente de 15 anos assume tráfico de drogas em Goiás

Jovem "herdou" o comando do tráfico após a prisão do marido, que é investigado por estupro de vulnerável.
22/11/2018, 18h05

Aos 15 anos, ela decidiu dar continuidade ao tráfico de drogas, comandando pelo marido, de 23 anos. A adolescente foi apreendida na quarta-feira (21/11) em Piracanjuba, interior de Goiás.

Titular da Delegacia de Piracanjuba, o delegado Leylton Barros explica que, após a prisão do marido dela, a moça “herdou” o comando do crime na cidade.“Foi pedida a internação da menor por ela ter continuado com a mercancia da droga. Há filmagens, oitivas de testemunhas, provas de praxe que embasaram o pedido de apreensão”, afirmou o delegado ao G1.

O casal morava juntos há mais de 2 anos quando ele foi preso, em flagrante, no dia 20 de julho, na casa em que eles viviam. Ela também foi apreendida, mas foi solta em seguida.

O jovem, revela o delegado,  se aproveitava que ela era menor de idade e a colocava para guardar as drogas. “O papel dela era guardar a drogas consigo, pois caso o casal fosse surpreendido o marido não seria preso e ela, por ser menor, se livraria mais fácil. No dia da prisão do marido, foram apreendidas 100 pedras de crack escondidas dentro do sutiã da menor”, disse o delegado.

Na época, os policiais também apreenderam dinheiro, joias e celulares com o casal. Para Leylton Barros, objetos apreendidos podem ter sido recebidos de usuários como pagamento pela droga.

Adolescente pode ter sido vítima de estupro de vulnerável, em Goiás

Além dos crimes de tráfico de drogas, associação ao tráfico, fornecimento de bebida alcoólica para menor de idade e corrupção de menores, o rapaz responde por estupro. Detido no presídio de Piracanjuba, ele deve se relacionava com a jovem antes dos 14 anos, o que configura estupro. O delegado Leylton apura em um inquérito policial esta possibilidade, o que pode engrossar a pena dele diante do Judiciário.

No Direito Penal brasileiro, estupro de vulnerável é um tipo penal criado com a lei 12015 de agosto de 2009, que substituiu o antigo artigo 224 do Código Penal, que por sua vez tratava da presunção de violência. Com o novo crime, a presunção de violência passa a ser, em tese, absoluta, e não mais relativa.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Mais de 15 bairros em Goiânia apontam alto índice de infestação de dengue

Este ano, 26.483 casos já foram registrados na capital; 15 pessoas morreram.
22/11/2018, 18h32

De acordo com último Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), Goiânia apresenta atualmente um índice de infestação de 3,23% de dengue, mais de 2% acima do previsto pelo Ministério da Saúde, que é de 1%. A cada 100 casas visitadas, três apresentaram focos do mosquitos transmissor, Aedes aegypti. Este ano, 26.483 casos já foram registrados na capital e 15 pessoas morreram com a doença.

Ao todo, 17 bairros da capital estão em alerta por apresentarem maior número de focos e casos; são eles: Aeroviário, Leste Universitário, Vila Moraes, Vila Romana, Vila Yate, Jardim Bela Vista, Sudoeste, Real Conquista, Capuava, Conjunto Vera Cruz, Vila Finsocial, São Carlos, Jardim Goiás, Vila São João, setor Sul, Santa Genoveva e Vale dos Sonhos.

“O aumento se dá principalmente pelo início do período chuvoso associado às altas temperaturas. Nestas condições e com a maior disponibilidade de criadouros aumenta também a proliferação do mosquito”, explica a superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde da Capital (SMS), Flúvia Amorim.

Até o dia 27 de outubro deste ano, foram registrados 1,025 casos a cada 1000 habitantes em Goiás. O número divulgado apenas na região Centro-Oeste foi de 80.170, ou seja, 36,3% do total registrado em todo território nacional.

Goiânia já teve 2.097.449 imóveis verificados

O LIRAa foi realizado entre os dias 5 e 9 de novembro. Na ação, mais de 30.000 imóveis foram verificados. O resultado mostrou que Goiânia apresenta atualmente um índice de infestação de 3,23%, valor  acima do previsto pelo Ministério da Saúde, que é 1%. Além dos casos de dengue, foram computados no município, em 2018, um caso de chikungunya e 356 casos de Zika vírus, também transmitidos pelo Aedes aegypti.

Com a chegada do verão, a SMS intensifica o trabalho de combate nos bairros onde o LIRAa revelou valores mais altos. São desenvolvidas, pelos 430 agentes, ações como: visita casa a casa; atendimento de denúncias; visita Ponto Estratégico; bloqueio nos casos de dengue; fiscalização; visita nas casas abandonadas e agendamento de imóveis pela imobiliária.

O objetivo da ação é identificar locais com focos de dengue, eliminar ou proteger criadouros. Desde o início do ano, 2.097.449 imóveis foram verificados em toda a cidade.

Imagens: Correio do Povo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.