Economia

Gasolina despenca na refinaria, mas resiste na bomba

24/11/2018, 08h16

O preço da gasolina comum despencou nas refinarias, mas só tropeçou nas bombas. Desde setembro, o combustível na usina caiu 31% (sem impostos) e atingiu o nível mais baixo desde julho. No posto, porém, a gasolina ficou só 1,75% mais barata em todo o País, no mesmo período.

Na última semana, a Petrobras divulgou que a gasolina nas refinarias estava em R$ 1,5556 – em comparação a R$ 2,2514 na segunda quinzena de setembro. No mesmo período, dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP) mostram que o preço médio da gasolina na bomba caiu de R$ 4,696 para R$ 4,614.

Em setembro, os preços foram afetados pela alta do petróleo no exterior e a desvalorização do real em relação ao dólar, e o combustível atingiu um pico de preço. Em alguns postos de São Paulo, a gasolina chegou a custar acima de R$ 5 o litro.

Agora, as sucessivas quedas dos preços dos combustíveis pela Petrobras refletem o recuo no preço internacional do petróleo. O preço da gasolina no exterior, caiu 15,3% nos últimos 30 dias, aponta a consultoria Rosenberg e Associados.

A queda mais lenta nos preços pagos pelo consumidor é explicada pelos altos impostos que incidem sobre o combustível, diz o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), José Alberto Gouveia. “Quase metade do preço na bomba é imposto. O preço de refinaria, que a Petrobras divulga, acaba sendo distorcido pelo que incide sobre o combustível.”

O setor argumenta que, na época em que a gasolina subiu na refinaria, ele não repassou essa alta para o consumidor e absorveu parte do aumento. Mas o aumento que deixou de ser repassado ao consumidor foi menor que a diferença entre o preço de refinaria e o de bomba agora. De julho a setembro, a gasolina subiu 14% na refinaria e 4% no posto, diferença de dez pontos porcentuais. Agora, essa diferença é de quase 30.

Mesmo assim, o empresário Fábio Caldeira, de 38 anos, comemora a queda nos preços. “Gasto R$ 2 mil por mês com combustível e qualquer desconto faz diferença.” Ele diz acreditar que o preço já poderia estar abaixo de R$ 4 na maioria dos postos. “Havia muita incerteza antes da eleição. Acho que pode cair mais agora.”

Os postos também dizem que o consumidor deve perceber a redução maior aos poucos, conforme o combustível comprado no preço antigo for sendo substituído nas bombas.

Para o economista Fábio Silveira, da MacroSector, as empresas querem aumentar a margem de lucro. “Por mais que o preço antes de chegar na bomba não se compare ao preço final, a diferença é muito alta.”

Ele avalia que a queda nos preços para o consumidor não deve ter impacto na inflação agora. “Nos próximos quatro meses, os preços nos postos devem cair mais e, assim, ajudar na inflação do ano que vem.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Vandalismo no transporte público da região metropolitana de Goiânia custa 15 ônibus novos

Por ano, ocorrem cerca de 192 atos de vandalismo nos ônibus e 72 em terminais e estações.
24/11/2018, 08h46

Anualmente, ocorrem cerca de 192 atos de vandalismo nos ônibus do transporte público que atendem os 18 municípios da Região Metropolitana de Goiânia. Com isso, 16 ônibus são retirados de circulação todos os meses e o custo equivale ao valor de 15 novos veículos para a frota. De acordo com a Rede Metropolitana de Transporte de Coletivo (RMTC), essas ações prejudicam o planejamento diário que é feito para atender os usuários do transporte coletivo.

Segundo levantamento da RMTC, os itens mais danificados dentro dos ônibus são janelas de emergência, vidros fixos de janelas, calhas do sistema de iluminação e mangueiras hidráulicas das portas automáticas. Além disso, são registrados ainda, por ano, cerca de 72 situações de vandalismo nos terminais, dentre elas: depredação, destruição e furtos de materiais e utensílios como lixeiras, torneiras e tampas de válvulas de descargas, especialmente dentro dos banheiros de uso público.

Os reparos nos veículos e nos terminais custam aos cofres públicos e ao passageiros o valor de 15 novos ônibus nas ruas. Ainda de acordo com dados da RMTC, o vandalismo nos ônibus é promovido principalmente por estudantes e torcidas organizadas. Em dias de clássicos do futebol, os danos causados por torcedores dentro do transporte coletivo, terminais e estações aumentam.

Além do prejuízo financeiro, passageiros também são vítimas das ações de vândalos. Cláudio Lizita, gerente de transportes da empresa Reunidas, que atende 280 bairros da Região Metropolitana da capital, afirma que em diversos casos os usuários são feridos por estilhaços de vidros. “Quando isso ocorre o motorista tem que acionar socorro médico e ainda registrar um boletim de ocorrência, atrapalhando não só o atendimento, mas prejudicando outras pessoas.”

Linhas da Região Metropolitana de Goiânia com mais casos de vandalismo

O levantamento da Rede Metropolitana de Transporte de Coletivo (RMTC) apontou que as linhas com maiores índices de atos de vandalismo são as do Eixo Anhanguera, incluindo as extensões para Trindade e Goianira, a linha 574 (Terminal Bandeiras/Forteville), e a 338 (Terminal Vera Cruz / GO 060/Jardim do Cerrado). Já os terminais com mais registros de vandalismo são: Cruzeiro, Bandeiras e Vera Cruz. Em relação as estações do Eixo Anhanguera onde ocorrem mais atos de vandalismo estão a José Hermano e Jóquei Clube.

Os passageiros podem denunciar casos de vandalismo no transporte público ao Posto de Segurança de Transportes por meio do Whatsapp (62) 98591-8952. Os vândalos identificados pela polícia serão denunciados e responderão a processo judicial.

Imagens: Rmtc 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Ingressos para último jogo do Goiás na Série B estão esgotados 

São esperados 33 mil torcedores esmeraldinos para comemorar o acesso à Série A.
24/11/2018, 09h53

O Goiás Esporte Clube anunciou na tarde desta sexta-feira (23/11) que os ingressos para o último jogo da Série B estão esgotados. Clube goiano recebe o Brasil-RS, às 17h deste sábado (24/11), no estádio Serra Dourada, em Goiânia. São esperados 33 mil torcedores esmeraldinos para comemorar, depois de três anos, a volta à primeira divisão.

Por meio das redes sociais o Goiás postou a seguinte mensagem: “Juntos, protagonizamos a reação mais avassaladora da história da competição. Juntos, faremos história na festa mais bonita que o Estado já viu! INGRESSOS ESGOTADOS! Serão mais de 33 mil corações esmeraldinos no Serra Dourada! #DeVoltaAsRaizes #Voltamos”

O clube preparou ainda um check-list para ajudar o torcedor que vai acompanhar a partida no Serra Dourada. Os portões serão abertos a partir das 14h30.

  • Ingresso na mão;
  • 1 quilo de alimento não perecível;
  • Camisa do Goiás;
  • Chegar cedo no estádio.

Às 15h30, os torcedores poderão se aquecer com show preparado pela equipe esmeraldina. A banda Grupo dos Meninos comanda a festa que promete não deixar ninguém parado. “Chegue cedo e curta todos os momentos desta festa inesquecível!”, convida o time.

Goiás de volta à Série A

Depois de três anos, o Goiás está de volta à elite do Campeonato Brasileiro. O acesso foi conquistado no último dia 17 de novembro, contra o Oeste. Alex Silva, lateral-direito, marcou dois gols e garantiu a vitória por 3 a 1, de virada, depois que Mazinho abriu o placar – o meia Goivanni completou no finalzinho.

O time esmeraldino, comandado pelo técnico Ney Franco, confirmou o acesso com antecedência. A última vez que esteve na Série A foi em 2015. Com a vitória, Goiás chegou aos 60 pontos e assumiu a vice-liderança da competição por ter duas vitórias a mais que o Avaí: 18 contra 16.

Hoje, também às 17h, o Oeste enfrenta o lanterna e já rebaixado Boa no estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG).

Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Gestão de Baldy completa 1 ano marcada por entrega de casas, saneamento e retomada de obras 

Goiano comemora gestão à frente do Ministério das Cidades com sentimento de "gratidão e dever cumprido".
24/11/2018, 11h52

Nesta quinta-feira (22/11) o goiano Alexandre Baldy completou um ano à frente do Ministério das Cidades. A data segue marcada por ações importantes para a população como entrega de casas, saneamento, retomada de mais de 50 mil obras, investimentos no trânsito e mobilidade urbana. Em 12 meses, por dia no Brasil, foram entregues cerca de 1.200 unidades habitacionais e 73 diariamente em Goiás.

O ministro visitou diversas cidades do país, onde entendeu de perto os problemas de cada uma delas; ouviu lideranças políticas e os moradores; acompanhou o andamento de trabalhos em curso e visitou obras paralisadas, que em seguida foram retomadas.

Em 365 dias, foram entregues mais de 410 mil novas moradias para os brasileiros. No estado de Goiás, 24 mil famílias conquistaram o direito à casa própria. Junto com a entrega da casas, por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida, os cidadãos receberam ainda creches, escolas, postos de saúde e de segurança.

Entre janeiro e setembro deste ano, Alexandre Baldy conseguiu alcançar a marca de R$ 24 bilhões em financiamento de unidades habitacionais das Faixas 1,5 e 2 na Modalidade FGTS, valor 22% maior que o mesmo período do ano passado.

“Junto com a redução do déficit habitacional, que é um de nossos principais objetivos no Ministério das Cidades, fomos responsáveis pela geração de emprego e renda em todo o Brasil, ajudamos pequenos, médios e grandes construtores e ainda contribuímos com o aquecimento do mercado de habitação. Recentemente, conseguimos o remanejamento de R$ 7 bilhões do FGTS para acelerar o Minha Casa, Minha Vida”, reforça Baldy.

Destaques da gestão de Alexandre Baldy

  • Obras retomadas

Das 89 mil unidades habitacionais paralisadas na Modalidade FAR em todo o Brasil, o Ministério das Cidades retomou 56 mil. No total, foram investidos no programa R$ 72,5 bilhões, sendo R$ 63 bilhões de FGTS e R$ 9,7 bilhões de Orçamento-Geral da União (OGU), e total de R$ 1,4 milhão de postos de trabalho gerados.

  • Saneamento

Em 12 meses, foram investidos em todo o Brasil mais de R$ 6 bilhões em obras de abastecimento de água, criação e ampliação de sistema de tratamento de água e esgoto, saneamento integrado, por meio do Programa Avançar Cidades – Saneamento. Para Goiás, por exemplo, recursos foram encaminhados para vários municípios, como Luziânia, Valparaíso, Cristalina, Rio Verde, Mineiros, Goiânia e Anápolis.

  • Mobilidade Urbana

Nesta área, os investimentos somam R$ 352, 98 milhões. Foram realizadas importantes obras como Corredor Estrutural Leste em Uberlândia; VLT, Terminal de Integração e Corredores em Piauí; Complexo da Lagoinha em Belo Horizonte; Corredor e trecho de BRT em Belém são algumas das realizadas no Brasil. Em Goiás, há investimentos para o BRT, para as Avenidas Marginal Botafogo e Leste Oeste, em Goiânia, e também para o viaduto Idelfonso Limírio Gonçalves, em Anápolis.

  • Trânsito

Durante a gestão de Baldy foram implantadas mudanças importantes como a Placa Padrão Mercosul, por meio do Denatran, e as versões digitais da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), que podem ser baixados gratuitamente e apresentados no próprio smartphone.

Alexandre Baldy comemora 1 ano de gestão com sentimento de “dever cumprido”

Com o desenvolvimento de ações essenciais para o bem estar o cidadão, o ministro comemora um ano de gestão com o sentimento de gratidão e dever cumprido. “Sou muito grato por ter a oportunidade de conduzir um ministério tão importante, como é o das Cidades, e de ter ajudado tanta gente por meio de projetos sociais extremamente importantes. Temos muito a fazer, mas os avanços já conquistados são significativos. O desejo é de continuar ajudando brasileiros e brasileiras, gerar emprego e renda, levar qualidade de vida e dignidade a todos”, conclui o ministro.

Imagens: Alexandre Baldy 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Obra em bueiro no Goiânia Viva deixa pontos de ônibus sem atendimento; veja novos trajetos

Ação, que busca prevenir erosões e alagamentos no local, devem durar 40 dias.
24/11/2018, 12h14

Na manhã desta sexta-feira (23/11), a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra) iniciou as obras para ampliação de um bueiro na principal via de acesso ao Residencial Goiânia Viva. Com isso, a Avenida Gabriel Henrique de Araújo precisou ser totalmente interditada. A previsão é que as obras sejam concluídas em 40 dias.

Será instalado no local um novo bueiro celular triplo, que tem como objetivo aumentar a vasão do Córrego Taquaral, diminuindo os impactos das fortes chuvas e evitando ao mesmo tempo a formação de erosões e alagamentos na via.

Opção de acesso ao Residencial Goiânia Viva

Para o andamento das obras, o trânsito na Avenida Gabriel Henrique de Araújo passou alterações. Motoristas e pedestres que costumam fazer o trajeto, poderão usar rotas alternativas que dão acesso ao Setor Goiânia Viva, como a BR-060, Rua das Magnólias, Rua Padre Monte, Avenida Leste/Oeste e Avenida Tóquio. Outra opção é passando pelo Anel Viário.

Linhas de ônibus afetadas no Goiânia Viva

Segundo a Rede Metropolitana de Transporte Coletivos (RMTC), algumas rotas de ônibus também passarão por mudanças durante as obras. Ao todo, oito pontos (2829, 2954, 2828,2818,2827,2819,2820 e 2817) ficarão temporariamente sem atendimento de embarque e desembarque.

As linhas 932 (Terminal Vera Cruz / Terminal Goiânia Viva/Terminal Bandeiras) e 614 (Direto/Terminal Goiânia Viva/Terminal Bandeiras) serão desviadas, de acordo com estudados da Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC). Os trajetos das duas linhas serão desviados passando pelo Bairro Goiá sentido Terminal Goiânia Viva.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.