Política

Governo sanciona lei que concede licença-prêmio para juízes de Goiás

Lei foi sancionada menos de 24 horas após deputados goianos aprovarem projeto.
28/11/2018, 20h50

O atual governador de Goiás, José Eliton (PSDB), sancionou, na manhã desta quarta-feira (28/11), a lei que concede licença-prêmio para juízes de Goiás. A publicação oficial deve ser feita nesta quinta-feira (29/11). Decisão foi tomada um dia após o Plenário da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) aprovar o projeto que promove reestruturação organizacional do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO).

A sanção do projeto ocorreu durante reunião com juízes e desembargadores no Palácio das Esmeraldas, e de acordo com o Governo de Goiás, foi feita por meio do princípio da simetria, conforme determina a Constituição. Depois de receber o projeto, aprovado por unanimidade pelos deputados, o governador determinou que a equipe administrativa observasse todos os pontos, que segundo ele “ratificavam a legitimidade do pleito”.

Durante o encontro, José Eliton enfatizou que o Governo trabalha “pelo fortalecimento da magistratura”. O atual governador ressaltou ainda que tem “a visão clara de que a magistratura forte, independente, significa o estado democrático na sua acepção maior”.

Licença-prêmio para juízes de Goiás

O polêmico projeto havia sido discutido pelos deputados em julho deste ano, quando foi suspenso durante autoconvocação da Casa no recesso parlamentar. Ele foi amplamente debatido entre a Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego), o Sindicato dos Servidores e Serventuários da Justiça do Estado de Goiás (Sindijustiça) e a Ordem dos Advogados do Brasil Seção Goiás (OAB-GO).

Na tarde desta terça-feira (27/11), sem comunicado prévio, os deputados goianos aprovaram, em segunda votação, a matéria que previa a reestruturação organizacional do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO), com emenda jabuti que estabelece a licença prêmio para juízes no Estado.

Como o benefício não está previsto na Lei Orgânica da Magistratura (Loman), a emenda acrescenta ainda que “em casos e eventual conflito das normas previstas no caput, aplicar-se-á a regra mais favorável”.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Assista AO Vivo a entrega do prêmio Megha Profissionais 2018

Prêmio é entregue a profissionais liberais há duas décadas.
28/11/2018, 23h38

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Governador do Rio Luiz Fernando Pezão é preso pela PF

O governador está sendo acusado por corrupção e lavagem de dinheiro.
29/11/2018, 07h32

A um mês do fim do mandato, o governador do Rio Luiz Fernando Pezão (MDB) foi preso nesta quinta-feira, 29, pela Polícia Federal, no Palácio Laranjeiras, sede do Governo do Estado. A ordem judicial é do ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A prisão tem relação com fatos revelados no braço carioca da Operação Lava Jato. O pedido partiu da Polícia Federal (PF) e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Pezão foi vice-governador do Rio na gestão Sérgio Cabral (MDB) entre 2007 e 2014. Cabral está preso desde novembro de 2016, condenado a mais de 180 anos de prisão. A Operação Lava Jato atribui ao ex-governador o comando de um esquema milionário de corrupção e propinas.

Em delação premiada, o operador do esquema Carlos Miranda acusou Pezão de receber R$ 150 mil mensais em propina durante o período em que foi vice-governador.

Imagens: Globo.com 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Bombeiros fazem buscas por homem que mergulhou em represa e desapareceu, em Goiânia

Segundo um amigo, Cleuton Pereira estava sob efeito do álcool quando resolveu entrar na represa. Caso aconteceu no Jardim da Liberdade, em Goiânia.

Por Ton Paulo
29/11/2018, 08h40

Uma equipe de mergulhadores do Corpo de Bombeiros continua, na manhã desta quinta-feira (29/11), as buscas pelo corpo de um homem que teria mergulhado em uma represa nos fundos de um clube no Setor Jardim da Liberdade, em Goiânia, e desaparecido. Segundo relatos de um amigo, aos bombeiros, os dois estavam no local na tarde da última quarta-feira (28/11), bêbados, quando o homem resolveu mergulhar na represa e não voltou mais. Corpo de Bombeiros trabalha com a hipótese de afogamento.

O Corpo de Bombeiros foi acionado no final da tarde de ontem para atender à ocorrência. Segundo informações da corporação, o sapateiro Cleuton Pereira da Silva, de 41 anos, estava junto com um amigo, somente identificado como “Morceguinho”, por volta das 14h numa represa nos fundos do Clube do Comércio, no Jardim da Liberdade, região Noroeste de Goiânia. Eles consumiam bebidas alcoólicas quando, de acordo com o relato de Morceguinho aos bombeiros e à Polícia Civil (PC), Cleuton resolveu entrar na água.

Ainda segundo Morceguinho, mesmo depois de um certo tempo de ter submergido, Cleuton não retornava à superfície. Sob efeito do álcool, o homem, então, entrou em contato com um amigo da família, que comunicou a parentes de Cleuton o que havia ocorrido.

Família aguarda a chegada dos mergulhadores, que farão a busca do corpo do homem que desapareceu em Goiânia

Familiares de Cleuton, no momento da publicação dessa matéria, estavam na represa aguardando a chegada da equipe de mergulhadores dos bombeiros, que havia começado as buscas pelo corpo na noite de ontem.

Juarez Melo, primo de Cleuton, disse que as tias de Cleuton entraram em desespero ao tomarem conhecimento do acontecido. “Foi o Clodoaldo, irmão do Cleuton, que ficou sabendo. O Morceguinho contou pra ele que o Cleuton tinha entrado na represa e não voltou. Minhas tias estão muito aflitas”, comentou.

O Dia Online está acompanhando o caso.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Gerente do Banco do Brasil tinha esquema criminoso com servidor da Câmara de Planaltina de Goiás

Segundo o MP-GO, ex-gestor se utilizou de ligações com o servidor do BB para descontar cheques da Câmara utilizando-se de fraude no endosso para sacar dinheiro em espécie, repassando uma porcentagem para o gerente.

Por Ton Paulo
29/11/2018, 09h39

A terceira etapa da Operação Mãos à Obra, deflagrada na madrugada desta quinta-feira (29/11) pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), que tem como objetivo apurar irregularidades detectadas em contratos na Câmara Municipal de Planaltina de Goiás, cumpre neste momento mandados de prisão e busca e apreensão na cidade de Formosa, a 280 quilômetros de Goiânia. Foram presos o gerente do Banco do Brasil de Planaltina de Goiás e o ex-servidor do município, que, segundo o MP-GO, tinham juntos um esquema fraudulento.

A operação é coordenada pelo promotor Rafael Simonetti, da 4a promotoria de Planaltina de Goiás em parceria com o Centro de Inteligência do MP-GO e conta com a participação de três promotores de Justiça. Há ainda o apoio da Polícia Civil (PC), com dois delegado e sete agentes.

A operação, que ocorre na cidade de Formosa, região do Entorno do Distrito Federal, cumpre quatro mandados, sendo dois de prisão e dois de busca e apreensão em residências do ex-gestor de Contratos da Câmara Municipal de Planaltina de Goiás e de um gerente do Banco do Brasil. Eles não tiveram os nomes divulgados.

Durante as investigações, o MP-GO detectou que o ex-gestor se utilizou de ligações com o servidor do Banco do Brasil para descontar cheques da Câmara utilizando-se de fraude no endosso para sacar dinheiro em espécie, repassando uma porcentagem para o gerente.

De acordo com o assessor do MP-GO, Fagner Pinho, as investigações se voltaram para os dois há cerca de um mês.

Operação que apura fraudes na Câmara de Planaltina de Goiás está em sua terceira fase

Esta é a terceira etapa da operação que foi deflagrada inicialmente no início do mês de novembro em Planaltina de Goiás e que culminou com a prisão do então prefeito da cidade, Pastor André, que na época da apuração dos fatos era presidente da Câmara de Planaltina.

Ele teria fraudado contratações de empresas e superfaturado obras, além de ter desviado recursos do erário. Além dele, empresários e servidores da Câmara de Planaltina também foram presos.

Já a segunda fase foi deflagrada na última semana em Planaltina, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão na sede da Câmara de Planaltina.

Segundo Fagner Pinho, foram presas 11 pessoas na operação até agora.

Via: MP-GO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.