Economia

Painel da Opep recomenda corte de 1,3 milhões de bpd na produção de petróleo

30/11/2018, 17h04

Um painel de economistas da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) que revisa cenários para a reunião da próxima semana do cartel recomendou um corte total na produção de 1,3 milhão de barris por dia (bpd) em relação aos níveis de outubro, disseram fontes ligadas ao assunto nesta sexta-feira.

“De acordo com os dados disponíveis, um corte de 1,3 milhão de barris por dia seria eficiente para equilibrar o mercado”, afirmou um funcionário da Opep presente na reunião do Conselho da Comissão Econômica (ECB, na sigla em inglês), um órgão que aconselha, mas não estabelece a política para o cartel. “A questão é como implementar isso e quem concordará”, apontou a fonte.

A Opep e seus aliados, liderados pela Rússia, se reúnem nos dias 6 e 7 em dezembro em Viena para debater um corte de até 1,4 milhão de bdp no total da produção do grupo, após os preços recuarem mais de um terço de seu valor em menos de dois meses. A Arábia Saudita poderia ser responsável por boa parte desse recuo, já que aumentou a produção em 1 milhão de bpd em poucos meses. Mas o ministro saudita do Petróleo, Khalid al-Falih, faz lobby com outros na Opep, bem como com a Rússia, para que mais países se somem ao esforço. O ministro tem advertido em privado que os preços devem cair mais em 2019 se não houver qualquer ação, segundo pessoas ligadas ao assunto. Falih também tem insistido que o reino não fará o corte sozinho. Fonte: Dow Jones Newswires.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Polícia investiga cirurgião sem registro que teria deformado rosto de pacientes em Goiânia

Denúncias são de 2012, 2017 e 2018; médico atua em clínica no Setor Oeste.
30/11/2018, 17h45

A Polícia Civil de Goiás (PCGO) investiga o médico Wesley Murakami, que atuava como cirurgião plástico e sem registro de especialidade junto ao Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego), suspeito de deformar o rosto de quatro clientes, em Goiânia. As denúncias foram registradas no 4º Distrito de Polícia da capital e são investigadas pelo delegado Carlos Caetano Júnior.

De acordo com as denúncias, após procedimentos estéticos realizados pelo médico, os pacientes ficaram com a aparência completamente deformada. Mesmo sem especialidade médica registrada, Wesley Murakami atende em uma clínica própria, localizada no Setor Oeste.

O delegado responsável informou que uma das denúncias é de seis anos atrás, que já foi encaminhada à Justiça, uma do ano passado e duas de 2018, mas com a divulgação do caso, é esperado que mais vítimas compareçam à delegacia. Na próxima semana testemunhas devem ser ouvidas e no momento os investigadores estão reunindo provas sobre o caso.

O Dia Online tenta contato com o médico. O espaço para pronunciamento a respeito das denúncias está aberto.

Médico com clínica em Goiânia não tem registro de especialidade

Segundo nota enviada pelo Cremego, o médico Wesley Murakami, apesar de inscrito no Conselho desde 2003, não tem nenhuma especialidade médica registrada.

No dia 23 de outubro de 2018, Murakami foi punido com uma censura pública divulgada no Diário Oficial do Estado por infração de aos artigos três artigos do Código de Ética Médica, sendo eles sobre: causar dano ao paciente; deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos do tratamento e anunciar especialidade ou área de atuação para a qual não esteja qualificado e registrado no Conselho Regional de Medicina.

O Conselho informou ainda que “todas as apurações de denúncias contra médicos instauradas no Conselho tramitam em sigilo processual, conforme determina o Código de Processo Ético-Profissional (CPEP) Médico em seu artigo 1º”.

Via: O Popular 
Imagens: Alarab 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Feriados 2019 de Goiânia: confira todos eles!

O ano já está acabando e se você já quer ficar por dentro dos feriados 2019 de Goiânia, nós aqui do Portal Dia Online preparamos uma listinha com todos eles!
30/11/2018, 17h57

Quando chega o fim do ano, é comum que as pessoas comecem a analisar tudo aquilo que fizeram durante estes longos 365 dias. Algumas tem muito do que se orgulhar, enquanto outras nem tanto. Independente de como foi em seu caso, fato é que em uma coisa todos devemos concordar: 2018 nos rendeu muitos feriados prolongados, e em tempos de rotinas estressantes e apertadas, ter um ou dois dias a mais de folga sempre parece uma boa ideia. Mas e aí, já conferiu como ficam os feriados 2019 de Goiânia? Para quem ama dias livres, já é bom ir dando uma olhada para se programar com antecedência.

É válido lembrar que no Brasil, esses dias extras se caracterizam como feriados nacionais, estaduais ou municipais. São estipulados a partir de leis de origem civil ou religiosa. Os dias em que as eleições são realizadas também são considerados feriados nacionais, assim como aconteceu em 2018. No entanto, segundo a Constituição, o primeiro turno precisa acontecer no primeiro domingo de outubro, enquanto isso, se houver segundo turno ele deverá ser realizado no último domingo do mesmo mês.

Cada município pode ter até quatro feriados de caráter religioso, conforme suas tradições locais. Em Goiânia por exemplo, temos o de Nossa Senhora Auxiliadora, considerada padroeira da cidade. Confira abaixo como fica o calendário nacional e em seguida, confira os feriados 2019 de Goiânia!

Calendário nacional de 2019Feriados 2019 de Goiânia

Feriados nacionais de 2019 por dia da semana:

  • Segunda-feira: Dia do Servidor Público
  • Terça-feira: Confraternização Universal
  • Quarta-feira: Dia do Trabalhador e Natal
  • Sexta-feira: Sexta-feira Santa, Corpus Christi e Proclamação da República
  • Sábado: 7 de Setembro, Dia de Nossa Senhora da Aparecida e Finados.

Por mês:

  • Janeiro: Confraternização Universal
  • Março: Sexta-feira santa
  • Maio: Dia do Trabalhador e Corpus Christi
  • Setembro: 7 de Setembro
  • Outubro: Dia de Nossa Senhora da Aparecida e Dia do Servidor Público (estadual)
  • Novembro: Finados e Proclamação da República
  • Dezembro: Natal e Ano Novo

Por data:

  •  1º de Janeiro (terça-feira): Confraternização Universal
  • 5 de março (terça-feira): Carnaval
  • 19 de abril (sexta-feira): Paixão de Cristo
  • 21 de abril (domingo): Tiradentes
  • 1º de maio (quarta-feira): Dia do Trabalho
  • 20 de junho (quinta-feira): Corpus Christi
  • 7 de setembro (sábado): Independência do Brasil
  • 12 de outubro (sábado): Dia de Nossa Senhora Aparecida
  • 2 de novembro (sábado): Finados
  • 15 de novembro (sexta-feira): Proclamação da República
  • 25 de dezembro (quarta-feira): Natal

Confira abaixo os feriados 2019 de Goiânia:

Mas vamos lá, a grande questão é que muitos feriados deste ano caíram em uma sexta-feira, o que foi motivo de comemoração para muita gente. No entanto, em 2019 eles cairão no sábado e beneficiarão apenas quem trabalha neste dia.

Exemplos são: feriado de Finados (2 de novembro), de Nossa Senhora Aparecida (12 de outubro) e de Independência do Brasil (7 de setembro).

Apenas para que você tenha ideia, foram cerca de 16 dias a mais de folga para os trabalhadores goianienses em 2018, enquanto 2019 terá cerca de 11 dias. Mas é claro, não precisa desanimar pois ainda teremos alguns feriadões para aproveitar!

Feriados 2019 de Goiânia (municipais)

  • 24/05/2018 (sexta-feira) – Nossa Senhora Auxiliadora
  • 24/10/2018 (quinta-feira) – Aniversário de Goiânia

Feriados 2019 de Goiás (estaduais)

  • 26/07/2018 (sexta-feira) – Fundação da Cidade de Goiás (facultativo)
  • 24/10/2018 (quinta-feira) – Pedra fundamental de Goiânia (facultativo)
Imagens: Super Calendário 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Lúcio Flávio é reeleito presidente da OAB Goiás

Lúcio Flávio, que concorria à reeleição pela Chapa 1 – OAB Pra Frente, foi escolhido para presidir o órgão pelos próximos três anos.

Por Ton Paulo
30/11/2018, 17h58

Os advogados e advogadas de Goiás reelegeram, nesta sexta-feira (30/11), o advogado Lúcio Flávio como o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Goiás (OAB Goiás). Lúcio Flávio, que concorria à reeleição pela Chapa 1 – OAB Pra Frente, foi escolhido para presidir o órgão pelos próximos três anos.

Lúcio Flávio Siqueira de Paiva está à frente da OAB Goiás desde 2016, quando foi eleito pela primeira vez para a Presidência da Ordem, sucedendo Enil Henrique de Souza Filho. O advogado era cotado como preferido nas pesquisas.

Lúcio Flávio é advogado e professor, lecionando, inclusive, em instituições como a PUC Goiás. O presidente reeleito da OAB Goiás é Mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, Especialista em Direito Empresarial e em Direito Processual Civil, e atua em Goiás, Distrito Federal e São Paulo no Direito Contencioso Cível. Também já foi professor da Esa.

O advogado foi o presidente mais jovem de todas as seccionais da OAB, fato que marcou o órgão. Além disso, Lúcio Flávio conta com elogios à sua gestão uma vez que propiciou o pagamento da dívida e investimentos na estrutura do órgão.

Processo eleitoral que reelegeu Lúcio Flávio foi marcado por polêmicas e desentendimentos

As eleições que levaram Lúcio Flávio novamente à Presidência da OAB Goiás não podem ser consideradas lá muito tranquilas, e o debate ocorrido entre os candidatos é uma prova disso.

Uma das polêmicas levantadas ao longo do debate, realizado no dia 22/11, foi o comentário considerado machista feito pelo candidato à Vice-Presidência da OAB Goiás pela Chapa 5, Ronivan Peixoto, em uma rede social.

O advogado teria feito um ataque de cunho sexista contra a candidata à Vice da Chapa 2, Míriam Barcelos, dizendo que “eleição da OAB não era concurso de miss ou de blogueira”.

Pedro Paulo Medeiros, cabeça da chapa derrotado nestas eleições, pediu desculpas, à época, e lamentou o comentário do vice.

Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Piloto e copiloto morreram na queda de avião na zona norte de SP

Entre os feridos, sete eram pedestres que passavam pelo local do acidente e cinco, pessoas que estavam dentro das casas atingidas pela aeronave.
30/11/2018, 18h12

O Corpo de Bombeiros informou que os corpos do piloto e do copiloto foram retirados de dentro da aeronave que caiu nesta sexta-feira, 30, na zona norte da capital paulista. As vítimas são Guilherme Murback e Leonardo Yamamura. A mãe de um deles passou mal ao chegar ao local do acidente e foi socorrida por uma ambulância.

O avião de pequeno porte caiu na tarde desta sexta-feira na Avenida Antônio Nascimento Moura, próximo ao aeroporto do Campo de Marte. De acordo com o Corpo de Bombeiros, pelo menos duas pessoas morreram (o piloto e o copiloto) e 12 ficaram feridas. A aeronave atingiu uma casa e danificou pelo menos outras duas.

A aeronave havia acabado de decolar do Campo de Marte às 15h55, com destino a Jundiaí, no interior paulista, quando caiu.

Queda de avião deixa pedestres feridos

Entre os feridos, sete eram pedestres que passavam pelo local do acidente e cinco, pessoas que estavam dentro das casas atingidas pela aeronave. Nenhum dos feridos corre risco de morrer e o foco do incêndio está controlado.

O motorista de aplicativo Selmo Eugênio da Silva, de 44 anos, levava um passageiro da Barra Funda, na zona oeste, até Santana, na zona norte, no momento da queda. “Não sei como consegui escapar daquele incêndio, veio muito rápido em cima de nós”, disse.

Segundo Silva, o carro estava parado no farol quando foi atingido. “Pensei que um carro tinha batido atrás. O passageiro saiu, passando por cima de mim. Tentei sair e não conseguia. Apertei o botão do cinto, daí saí de dentro (do carro).”

Silva queimou parte do braço e foi atendido no local. Agora, está preocupado com o passageiro que, segundo ele, “se queimou bastante”. “Quero o telefone dele, ligar para ele.” O carro onde estavam explodiu logo depois da queda do avião.

A aeronave caiu perto de um posto de gasolina, assustando funcionários. “Vi ele passando bem baixinho e, depois, teve a explosão. Deu um barulho alto, saiu fumaça preta na hora, ficou um cheiro de fumaça”, disse o frentista Francimar Tomé da Silva, de 47 anos. “Teve correria para ver, para tirar fotos. Tinha pessoa gritando, dizendo corre, corre, para sair fora, gritando pra sair.”

O arquiteto Vainer Ragusa, de 50 anos, passava pela Brás Leme, após sair de uma consulta médica, quando viu a queda. “Estava no farol da Brás Leme, no sentido Santana. Vi que o avião levantou voo e perdeu potência, começou a baixar e caiu entre a rua e uma casa”, conta.

Segundo Ragusa, a aeronave atingiu carros. “Estava a uns 200 metros e senti o calorão. Foi muito feio.”

A estudante de moda Victória Piccinn, de 19 anos, saía do edifício de 10 andares em que mora quando o avião caiu. “Passou raspando na Torre A do Campo de Marte. Estava no celular com um amigo e falei nossa, quase arrancou um pedaço do prédio’. Passou fazendo tanto barulho que achei que fosse um daqueles da caças que fazem show.”

Segundo ela, houve um clarão após a queda e o avião era branco e azul. “Quando passamos aqui, já tinha muito fogo”, disse Victória.

Uma testemunha que trabalha em uma empresa localizada na Avenida Brás Leme, a duas quadras do acidente, também viu o momento da queda. “Vi que o avião subiu do aeroporto, fez um rasante nas árvores e caiu em uma rua bem em frente (da empresa onde trabalha), atrás de um posto de gasolina.”

Segundo o economista Carneiro Filho, logo após a queda, houve uma explosão. “Explodiu, deu bastante estrondo e uma labareda bem alta.”

De acordo com o Corpo de Bombeiros, dez viaturas foram deslocadas para o local onde caiu a aeronave.

Aeroporto do Campo de Marte

O Campo de Marte, que opera com aviação geral, com voos executivos e escola de pilotagem, registrou diversos acidentes com aeronaves e helicópteros. Especialista em prevenção de acidentes, Luiz Alberto Bohrer, diz que o aeroporto tem condições regulares e está dentro das normas e regras de segurança para pousos e decolagens.

“O aeroporto não é perigoso, mas há um risco maior para as casas que ficam no seu entorno. Um risco que existe em torno de qualquer aeroporto”, diz ele. Para ele, o número alto de acidentes no local pode ser explicado pelo tipo de operação.

Segundo ele, a aviação comercial têm, em geral, maior fiscalização do que a aviação geral. “As exigências e a fiscalização são menores e isso dá margem para que o nível de risco se eleve. O proprietário de um avião pequeno é o responsável pela manutenção da aeronave e pela contratação de pilotos experientes e que respeitem as regras de treinamento.”

Imagens: Metrópoles - DF 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.