Economia

Conta de R$ 200 milhões emperra reestruturação da Queiroz Galvão

01/12/2018, 09h52

Uma conta de cerca de R$ 200 milhões está emperrando o fechamento do acordo de reestruturação da dívida de R$ 10 bilhões do grupo Queiroz Galvão. O Estado apurou que os credores exigem que a empresa pague a primeira parcela da dívida no ato da assinatura do contrato, mas a holding só quer desembolsar o montante depois que todo o processo for concluído, com a formalização das garantias.

Segundo fonte próxima às negociações, os acionistas temem que a companhia faça o pagamento e, depois, durante a definição das condições precedentes, algum credor desista do acordo. A medida levaria o grupo a recorrer a um pedido de recuperação judicial ou extrajudicial, mas sem R$ 200 milhões em caixa, que já teriam sido desembolsados.

Pela proposta, a Queiroz teria um ano de carência para pagamento. No segundo ano, haveria o desembolso de juros e, no começo do terceiro ano, a empresa iniciaria a amortização de 14% dos débitos. As negociações se arrastam desde o fim de 2016 e precisam ser concluídas até o fim do ano, afirma um executivo envolvido no processo. Caso contrário, a saída será uma recuperação extrajudicial ou judicial.

A reestruturação inclui a dívida da construtora, da área imobiliária, do setor elétrico, da siderurgia, do braço de alimentos e do estaleiro. Ficaram de fora dívidas de negócios que não enfrentam problemas no curto prazo, como a empresa de exploração e produção de petróleo e a Vital, de coleta de lixo, que tem uma participação minoritária do grupo.

No início da semana, o braço de energia do grupo, que responde por 35% da dívida, entrou em recuperação extrajudicial por causa da inadimplência na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que poderia resultar na expulsão da empresa do ambiente de negócios.

Óleo e gás. Enquanto tenta definir o futuro da holding, a família Queiroz Galvão avança na solução para sua empresa de aluguel de sondas de petróleo, a Constellation, que está fora do escopo da holding. A recuperação judicial é vista como solução mais provável. A expectativa é que o pedido de proteção à Justiça seja protocolado até sexta-feira.

Pelo acordo que vem sendo costurado, a Constellation ganharia prazo de até dez anos para pagar a dívida, que soma US$ 1,7 bilhão – hoje, os financiamentos venceriam até 2024. Todas as plataformas da companhia serão oferecidas como garantia. A negociação envolve datas de pagamento diferentes a depender do credor. Aqueles que aceitarem emprestar mais dinheiro à empresa ganhariam preferência no recebimento, segundo explicou ao Estado fonte que participa das conversas.

O valor desse novo empréstimo dependerá da velocidade com que a Constellation recolocar suas sondas no mercado. Se fechar contratos de aluguel rapidamente, o dinheiro pode não ser necessário. Mas, caso as sondas permaneçam ociosas, o caixa só dura até abril ou maio, diz uma fonte a par dos números. A família seguirá dona, com 74% da empresa, mas não poderá receber dividendos até o pagamento total da dívida.

Procuradas, Queiroz Galvão e Constellation não comentaram.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

TJ-GO aprova aumento de 5 mil para juízes goianos

O reajuste foi aprovado pelo Órgão Especial do TJ-GO, por meio de resolução, e estipula o valor fixado de R$ 35.462,28 para os juízes, que antes era de R$ 30.471,78.

Por Ton Paulo
01/12/2018, 10h56

Foi anunciada na última sexta-feira (30/11) a aprovação do reajuste do subsídio mensal dos desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO). O reajuste foi aprovado pelo Órgão Especial do TJ-GO, por meio de resolução, e estipula o valor fixado de R$ 35.462,28 para os juízes, que antes era de R$ 30.471,78.

A decisão torna efetivo o reajuste da magistratura estadual no porcentual de 16,38%, o mesmo estipulado para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) por lei aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Michel Temer na última segunda-feira (26/11).

O Tribunal de Justiça de Goiás foi um dos primeiros no no Brasil inteiro a votar a resolução para instituir o reajuste previsto na lei federal. O escalonamento dos subsídios é previsto na Constituição Federal e nas Constituições dos Estados. Os juízes estaduais devem receber o equivalente a 90,25% dos ministros do Supremo.

Na decisão, os desembargadores de Goiás consideram a decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que determinou aos tribunais estaduais o reajustamento automático do valor do subsídio da magistratura estadual e também a liminar do ministro Luiz Fux, do STF, que determinou que a “cessação do pagamento do auxílio-moradia só ocorra quando do implemento financeiro no contracheque do subsídio majorado”.

Aumento para desembargadores do TJ-GO é reflexo do reajuste sancionado por Temer

A decisão do Órgão Especial do TJ-GO tem respaldo no reajuste do Judiciário aprovado por Michel Temer.

O presidente sancionou no início da noite da última segunda-feira (26/11), o reajuste salarial para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que passarão a receber R$ 39 mil mensais ante os R$ 33 mil atuais. O valor é também a referência para o teto do funcionalismo público.

Temer sancionou o reajuste mediante acordo feito com o Supremo para que o ministro Luiz Fux revogasse as liminares que garantiam o auxílio-moradia a juízes e procuradores de todo o País para não impactar as contas públicas. O benefício é de R$ 4,3 mil.

reajuste foi aprovado pelo Congresso em 7 de novembro. Temer tinha até quarta-feira, 28, para sancioná-lo ou vetá-lo. Ele usou praticamente todo o prazo disponível para negociar a medida compensatória com o Supremo.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Destroços de avião em SP começam a ser retirados

Avião caiu no fim da tarde da última sexta-feira (30/11) e deixou dois mortos e 12 feridos.
01/12/2018, 11h28

Os trabalhos de retirada dos destroços do avião que caiu na zona norte de São Paulo começaram na manhã deste sábado, 1. Por volta das 10 da manhã, homens do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil retiraram partes da aeronave que estavam penduradas na casa que foi mais atingida no acidente.

O material será levado para o depósito do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), que vai investigar as causas do acidente. Ainda não há um prazo para o fim da investigação. O Cenipa também vai reunir para análise dados como fotografias, documentos, além de relatos de testemunhas.

Além disso, técnicos da Defesa Civil estão na rua onde o avião caiu e avaliam a necessidade de manutenção da interdição na casa mais atingida. Outros dois imóveis estão interditados. A PM bloqueou o acesso à rua Antônio Nascimento de Moura, onde o avião caiu.

O avião, de modelo Cessna C210, caiu logo após decolar do Campo de Marte, às 15h55 desta sexta, 30, com destino a Jundiaí, no interior paulista. Morreram no acidente Guilherme Murback, de 26 anos, e Leonardo Imamura, de 43. Outras 11 pessoas ficaram feridas. Cinco foram atendidas no local por ambulâncias do Samu, com ferimentos leves, e outras seis foram levadas para hospitais.

A aeronave era do modelo Cessna C210, de prefixo PR-JEE, segundo informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Ela pertencia a um representante da Mitsubishi.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Anunciada desde 2015, nova sede de Pronto Socorro Psiquiátrico Wassily Chuc começa a funcionar

A nova sede fica no Jardim América, em Goiânia, e atende a uma série de exigências de vários órgãos de fiscalização.

Por Ton Paulo
01/12/2018, 12h34

Com promessa de nova sede desde 2015, três anos atrás, o Pronto Socorro Psiquiátrico Wassily Chuc finalmente começou a funcionar no novo endereço. A nova sede fica no Jardim América, em Goiânia, e atende a uma série de exigências de vários órgãos de fiscalização.

O prédio tem uma área de 2.000 m² e é mais amplo e arejado que o anterior. Os ambientes recebem ventilação natural, a enfermaria, a área de convivência e o refeitório foram reestruturados para melhorar a qualidade  do atendimento e favorecer o bem-estar dos pacientes.

Já o fluxo de funcionamento do pronto socorro foi readequado e os consultórios  estão mais próximos da área de internação.

A nova estrutura da sede do Wassily Chuc está, desta vez, de acordo com as exigências da Vigilância Sanitária e Corpo de Bombeiros, além de atender ao Regulamento Técnico destinado ao planejamento , programação, elaboração, avaliação e aprovação de projetos físicos de estabelecimentos assistênciais de saúde (RDC 50) .

O horário de atendimento continua o mesmo. Todos os dias da semana, 24 horas por dia. O novo endereço  é:  Rua C-107, Qd. 310-A Lts. 12,13 e 14, Jardim América.

Pronto Socorro Wassily Chuc chegou a entrar em estado de calamidade

Em maio de 2015, denúncias sobre a precariedade do espaço físico do Wassily Chuc provocaram grande comoção em Goiânia e em todo o estado de Goiás. Dentre os vários problemas, foi constatado a falta de leitos, o mau funcionamento da parte elétrica e fiação exposta, paredes e forros do teto com infiltrações e mofo e instalações hidráulicas velhas, cheias de vazamento e, em certos pontos, irreparáveis.

Um ano após as denúncias, o Wassily Chuc continuava sofrendo com uma infraestrutura inviável para receber pacientes. O prédio passou por reformas paliativas em certos recintos, como a sala da direção, duas enfermarias na ala feminina e alguns banheiros. Mesmo assim, em todo o prédio, as paredes e teto ainda sofriam com várias infiltrações, boa parte da fiação ainda está exposta, as enfermarias estão sem sistema de ventilação, e com banheiros muito pequenos, que ofereciam pouquíssima segurança.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem é morto a tiros dentro do carro ao lado da esposa, em Aparecida de Goiânia

Vítima estava a caminho do trabalho quando foi alvejada.
01/12/2018, 13h42

Um homem identificado como Pablo Pego de Oliveira, de 35 anos, foi morto a tiros dentro do carro e ao lado da esposa, quando saia de casa para trabalhar na manhã deste sábado (1/12) no Jardim Tropical, em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital.

Segundo informações da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO), Pablo saia no carro com a esposa, por volta das 5h da manhã, quando o suspeito se aproximou e alvejou a vítima. A polícia esteve no local, para levantar informações sobre autoria e motivação do crime, que até o momento são desconhecidas.

De acordo com a polícia, a esposa e os familiares de Pablo vão ser ouvidos a partir da próxima semana sobre o crime. A princípio o Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Aparecida de Goiânia trabalha com duas possibilidades, a primeira delas é de homicídio e a segunda de latrocínio – roubo seguido de morte.

Mortos a tiros na frente da esposa

No último dia (14/11) um outro caso em que o marido foi morto ao lado da esposa foi registrado no Setor Perim, em Goiânia. Ricardo de Campos Moreira, de 29 anos, estava em sua residência, dormindo ao lado da esposa, quando os suspeitos invadiram a casa e efetuaram pelo menos quatro tiros contra Ricardo. Antes de ser alvejado pelo último disparo, a vítima se colocou na frente da esposa para que ela não fosse morta.

No dia (5/11) um outro homem foi morto na frente da esposa e dos filhos, no Setor de Chácaras Recanto das Minas Gerais, em Goiânia. A vítima foi identificada como Pedro Cleibe Vieira Gonzaga, de 43 anos, que estava em sua residência com a mulher e os filhos, quando os suspeitos invadiram a casa e efetuaram os tiros.

O corpo de Pedro foi encontrado pela polícia debaixo do berço de uma criança.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.