Goiás

Pai espanca e deixa filho pequeno gravemente ferido após discutir com mulher, em Anápolis 

Depois das agressões, homem tentou se matar com golpes de faca; caso ocorreu na tarde desta segunda-feira (3/12).
03/12/2018, 16h33

Um pai deixou o filho gravemente ferido ao espancá-lo, após uma discussão com a ex-mulher. Informações preliminares apontam que o homem, de aproximadamente 30 anos, arremessou a criança por várias vezes no chão, além de outras agressões; ela foi socorrida com suspeita de traumatismo craniano e afundamento de crânio. O caso ocorreu na tarde desta segunda-feira (3/12), em uma via pública do Setor Central de Anápolis.

Muito ferida, a criança de quatro anos foi levada ao hospital municipal da cidade, mas já foi transferida para o Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol). O boletim médico com o estado de saúde atualizado do menino deve ser divulgado ainda na noite de hoje.

Pai espancou filho em Anápolis e tentou se matar

Depois de agredir a ex-companheira e a criança, o homem voltou para casa onde mora e tentou se matar com golpes de faca; ele perfurou o peito e ainda cortou os pulsos.

Os policiais chegaram até o local e acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas a residência é difícil acesso, e a equipe não conseguiu chegar até lá.

Como perdia muito sangue, os próprios PMs que atenderam a ocorrência o levaram para o Hospital de Urgências de Anápolis Dr. Henrique Santillo (Huana), onde está internado em estado grave.

Ao Portal 6, um dos PMs contou que apesar da agressão, a mulher não sofreu ferimentos graves, mas “a criança chegou a sofrer duas paradas cardíacas”.

O Dia Online tenta contato com os hospital para atualizar o estado de saúde do homem.

Imagens: Portal Pontual 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Feriados de 2019 em Goiânia: já fique por dentro!

Fique por dentro dos feriados de 2019 em Goiânia e já comece a organizar um roteiro para aproveitá-los da melhor forma possível! Confira!
03/12/2018, 16h41

Já estamos chegando bem pertinho do fim do ano e este é o momento em que as pessoas começam a “voltar no tempo”, refletindo sobre tudo aquilo que fizeram durante estes 365 dias. É normal que existam aqueles que tiveram um ano bastante produtivo e que possuem inúmeros motivos para se orgulhar, enquanto outros, nem tanto. Embora existam esses contrapontos quando comparamos o ano entre diferentes pessoas, em uma coisa todos devemos concordar: 2018 nos rendeu bons feriados prolongados. E se você é do tipo que adora esses dias a mais de folga, fica aqui o convite para já ficar por dentro dos feriados de 2019 em Goiânia!

Em nosso país, os feriados podem ser caracterizados como nacionais, estaduais ou municipais, estipulados mediante leis que tenham origem civil ou religiosa. Apenas a título de curiosidade, cada município pode ter em seu calendário até quatro feriados de caráter religioso. Por exemplo, em Goiânia se comemora o dia de Nossa Senhora Auxiliadora, considerada padroeira da cidade e também de Senador Canedo, o que caracteriza o feriado apenas em tais municípios. Interessante, não acha? Pois bem, abaixo você poderá conferir como fica o calendário nacional e em seguida, confira também os feriados de 2019 em Goiânia!

Veja como fica o calendário nacional de 2019

feriados de 2019 em Goiânia

Feriados nacionais de 2019 por dia da semana:

  • Segunda-feira: Dia do Servidor Público
  • Terça-feira: Confraternização Universal
  • Quarta-feira: Dia do Trabalhador e Natal
  • Sexta-feira: Sexta-feira Santa, Corpus Christi e Proclamação da República
  • Sábado: 7 de Setembro, Dia de Nossa Senhora da Aparecida e Finados.

Por mês:

  • Janeiro: Confraternização Universal
  • Março: Sexta-feira santa
  • Maio: Dia do Trabalhador e Corpus Christi
  • Setembro: 7 de Setembro
  • Outubro: Dia de Nossa Senhora da Aparecida e Dia do Servidor Público (estadual)
  • Novembro: Finados e Proclamação da República
  • Dezembro: Natal e Ano Novo

Por data:

  •  1º de Janeiro (terça-feira): Confraternização Universal
  • 5 de março (terça-feira): Carnaval
  • 19 de abril (sexta-feira): Paixão de Cristo
  • 21 de abril (domingo): Tiradentes
  • 1º de maio (quarta-feira): Dia do Trabalho
  • 20 de junho (quinta-feira): Corpus Christi
  • 7 de setembro (sábado): Independência do Brasil
  • 12 de outubro (sábado): Dia de Nossa Senhora Aparecida
  • 2 de novembro (sábado): Finados
  • 15 de novembro (sexta-feira): Proclamação da República
  • 25 de dezembro (quarta-feira): Natal

Confira agora como ficam os feriados de 2019 em Goiânia:

Para a felicidade de muitos, boa parcela dos feriados deste ano caíram justamente em uma sexta-feira, permitindo que se estendessem ao longo do fim de semana. Por outro lado, em 2019 estas mesmas datas cairão no sábado, contemplando apenas quem trabalha nesse dia. Bons exemplos abrangem o feriado de de Independência do Brasil (7 de setembro), de Nossa Senhora Aparecida (12 de outubro) e o de Finados (2 de novembro).

Para que você tenha noção dessa diferença, os trabalhadores goianienses tiveram cerca de 16 dias a mais de folga em 2018, enquanto em 2019, tal número cairá para cerca de 11 dias.

Mas acalme-se, não precisa ficar desanimado. Ainda poderemos desfrutar de alguns feriados prolongados como o da Sexta-feira Santa (Paixão de Cristo) em 19 de abril, e o da Proclamação da República em 15 de novembro, que também cairá em uma sexta-feira.

Feriados de 2019 em Goiânia (municipais)

  • 24/05/2019 (sexta-feira) – Nossa Senhora Auxiliadora
  • 24/10/2019 (quinta-feira) – Aniversário de Goiânia

Feriados de 2019 em Goiás (estaduais)

  • 26/07/2019 (sexta-feira) – Fundação da Cidade de Goiás (facultativo)
  • 24/10/2019 (quinta-feira) – Pedra fundamental de Goiânia (facultativo)

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Neymar é 12º e Brasil fica sem jogadores entre os 10 primeiros da Bola de Ouro

Os outros três brasileiros entre os 30 finalistas foram: Roberto Firmino, do Liverpool 19.º; Marcelo, Real Madrid, 22.º; e o goleiro Alisson, também do Liverpool, que ficou na 25.ª colocação.
03/12/2018, 16h55

O anúncio do prêmio Bola de Ouro, realizado nesta segunda-feira, foi decepcionante para os brasileiros. O jogador do País mais bem colocado entre os 30 indicados pela revista France Football foi o atacante Neymar, do Paris Saint-Germain, que, no entanto, apareceu somente na 12.ª colocação.

O tradicional prêmio dado anualmente ao melhor jogador do mundo na votação da revista mostrou que o momento do futebol brasileiro não é mesmo dos melhores. Afinal, esta foi a primeira vez que o País não teve representantes entre os dez primeiros desde 2012, quando o próprio Neymar, ainda no Santos, apareceu em 13.º.

O atacante, aliás, é o símbolo do momento vivido pelo Brasil em 2018. Ele sofreu com lesões no primeiro semestre do ano e não jogou o que dele se esperava na Copa do Mundo da Rússia, em que a seleção de Tite não passou das quartas de final, caindo para a Bélgica.

Os outros três brasileiros lembrados entre os 30 finalistas do Bola de Ouro, aliás, também estavam com a seleção na Copa da Rússia. Depois de Neymar, quem apareceu com a melhor colocação foi o atacante Roberto Firmino, reserva do Brasil no Mundial, que se destacou na campanha do vice-campeonato da Liga dos Campeões pelo Liverpool e ficou com o 19.º lugar do prêmio.

Outro jogador do Liverpool lembrado pela premiação foi o goleiro Alisson, que começou 2018 na Roma e se transferiu no meio do ano. Titular da seleção na Copa do Mundo, ele ficou com a 25.ª colocação, três abaixo de Marcelo, do Real Madrid, que foi o 22.º após ajudar sua equipe na conquista de mais uma Liga dos Campeões, mas também decepcionar na Copa, em que sofreu com problemas físicos.

O Brasil conquistou o Bola de Ouro em cinco oportunidades. O prêmio, que antigamente era entregue apenas a jogadores europeus, ficou com Ronaldo em 1997 e 2002, com Rivaldo, em 1999, com Ronaldinho Gaúcho, em 2005, e com Kaká, em 2007. Além deles, Roberto Carlos e Neymar já ficaram entre os três finalistas.

Imagens: goal.com 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Cumprindo pena em liberdade, José Dirceu lança livro em Goiânia

Lançamento ocorrerá às 18h30, no Auditório Solon Amaral da Assembleia Legislativa de Goiás.
03/12/2018, 17h51

Na próxima quinta-feira (6/121), José Dirceu, ex-ministro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, lança o livro “Zé Dirceu – Memórias Volume 1”, em Goiânia. O também ex-presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) cumpre pena em liberdade enquanto aguarda julgamento de recursos. Ele foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato.

O lançamento ocorrerá a partir das 18h30, no Auditório Solon Amaral da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego). A capital goiana será a 21ª cidade onde Dirceu realiza debates e sessões de autógrafos. No dia 4 de dezembro, o livro será lançado em Palmas, no Tocantins.

A obra, que já ficou entre as mais vendidas no Brasil, tem 554 páginas e será vendida na Alego por R$ 59,90; a versão Ebook custa R$ 9,90.

Descrição do livro de José Dirceu

A autobiografia, que foi concluída quando o político estava preso, conta histórias que vão desde a infância em Passa Quatro, em Minas Gerais, até se tornar ministro-chefe da Casa Civil no primeiro governo Lula. O segundo volume, que deve contar os episódios de Dirceu na cadeia, tem lançamento previsto para 2019.

Leia abaixo a descrição do livro na íntegra:

Muitos escreveram sobre José Dirceu, com mais erros do que acertos. Com tempo, na prisão, ele mesmo escreveu a fascinante história de sua vida. Os bastidores inéditos de sua militância estudantil nos anos 1960, o exílio e o treinamento para ser guerrilheiro em Cuba, a cirurgia plástica que mudou seu rosto, a vida clandestina no Brasil nos anos 1970, a volta à legalidade com a anistia, em 1979, e sua ascensão no Partido dos Trabalhadores, onde se tornou presidente e maior responsável pela eleição de Lula à presidência da República.

Pela primeira vez ele revela segredos dos bastidores da luta política dentro do PT e do próprio governo, onde foi chefe da Casa Civil e provável sucessor de Lula, até ser abatido pelas denúncias do chamado “Mensalão”. No primeiro volume de suas “Memórias” – outro virá, com novas revelações – ele expõe o que jamais foi dito sobre sua vida e sobre os principais líderes da política brasileira nos últimos 50 anos. Um livro imprescindível para se entender como foi a luta contra a ditadura miliar, a redemocratização, a derrubada do presidente Fernando Collor, a oposição aos governos de Fernando Henrique Cardoso, a eleição de Lula e Dilma e o atual momento político do país.

Condenações de José Dirceu

No última quarta-feira (28/11), o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) manteve a pena de José Dirceu em oito anos, dez meses e 28 dias de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em ação penal no âmbito da Operação Lava Jato.

O petista já está condenado em outra ação penal da Lava Jato a 30 anos, 9 meses e 10 dias de prisão. Ele chegou a ser preso, mas foi solto após decisão da segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF), tomada a partir de um habeas corpus protocolado pela defesa.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Goiás mantém estabilidade de 3,6 mortes por Aids a cada 100 mil habitantes

Para a redução de casos e mortes, Ministério da Saúde ressalta a importância da ampliação do acesso ao teste e redução do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento.
03/12/2018, 19h00

Segundo dados do Ministério da Saúde, Goiás mantém, desde 2014, estabilidade no número de mortes por Aids; no estado, são registrados 3,6 óbitos a cada 100 mil habitantes. Também houve uma redução de 3,3% na taxa de detecção da doença, sendo 14,7 casos para cada 100 mil goianos. Além de Goiás, Piauí também manteve a mesma taxa de mortalidade entre 2014 e 2017.

Cinco estados brasileiros apresentaram aumento e os outros 21 reduziram os casos e mortalidade por Aids, de acordo com novo Boletim Epidemiológico de HIV/Aids, lançado no fim de novembro. Veja a relação abaixo:

Estados que apresentaram aumento 

  • Rondônia
  • Acre
  • Ceará
  • Rio Grande do Norte
  • Mato Grosso do Sul

Estados que apresentaram redução de casos 

  • Amazonas
  • Roraima
  • Pará
  • Amapá
  • Tocantins
  • Maranhão
  • Paraíba
  • Pernambuco
  • Alagoas
  • Sergipe
  • Bahia
  • Minas Gerais
  • Espirito Santo
  • Rio de Janeiro
  • São Paulo
  • Santa Catarina
  • Rio Grande do Sul
  • Mato Grosso
  • Distrito Federal

Aids no Brasil

No geral, o Brasil comemora os 30 anos de luta contra o HIV e Aids com queda no número de casos e mortes. Essa redução pode ser notada, de acordo com o Ministério da Saúde, graças a “garantia do tratamento para todos, lançada em 2013, além da ampliação do acesso à testagem e redução do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento.”

Em 2014, a taxa de mortalidade no país era de 5,7 por 100 mil habitantes, já em 2017, eram 4,8 óbitos pelo mesmo número de pessoas. Os novos dados revelam que, de 1980 a junho de 2018, foram identificados 926.742 casos de Aids no Brasil. São 40 mil novos casos por ano.

O Boletim mostra ainda que a taxa de detecção de HIV em bebês reduziu em 43% entre os anos de 2007 e 2017, caindo de 3,5 casos para 2 por cada 100 mil habitantes. Segundo o Ministério, “isso se deve ao aumento da testagem na Rege Cegonha, que contribuiu para a identificação de novos casos em gestantes.”

Cerca de 73% das novas infecções de HIV ocorrem entre os homens, sendo que em 70% dos casos eles têm de 15 a 39 anos.

Tratamento da contra a Aids

Até setembro de 2018, 585 mil pessoas com HIV/aids estavam em tratamento no país, que, segundo o MS, oferta um dos melhores remédios do mundo no combate à doença, o dolutegravir. O medicamento é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O Ministério da Saúde ressalta que o remédio “aumenta em 42% a chance de supressão viral (que é diminuição da carga viral do HIV no sangue) entre adultos quando comparado ao tratamento anterior, usando o efavirenz”. Hoje, 87% das pessoas com HIV já fazem uso da droga.

Imagens: MIG 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.