Goiás

Polícia identifica corpo do piloto goiano em avião que caiu no Mato Grosso do Sul

O avião era pilotado por Gustavo Henrique da Silva, de 23 anos, e caiu numa região de brejo de Naviraí (MS), na última quinta-feira (29/11).

Por Ton Paulo
03/12/2018, 11h13

A Polícia Civil do Mato Grosso do Sul (PC) identificou na tarde do último domingo (2/12) o corpo do piloto encontrado dentro de uma aeronave que caiu na região de Naviraí, a 366 km de Campo Grande, Mato Grosso do Sul.  O avião era pilotado por Gustavo Henrique da Silva, de 23 anos, e caiu no Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema, na última quinta-feira (29/11), sendo encontrado por moradores no sábado (1/12).

De acordo com o delegado Thiago de Lucena, do 1º DP de Naviraí, Gustavo saiu de Goiânia pilotando o avião de pequeno porte com destino à Guaíra, no Paraná, quando caiu em uma região de difícil acesso do Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema.

Segundo informações apuradas pelo Dia Online, Gustavo pilotava uma RV10 Experimental de Prefixo PP-ZDS, que pertence a Tiago Ferreira dos Santos, um empresário de Goiânia. O empresário contou a polícia que havia emprestado o avião a Gustavo para que ele buscasse dois motores de barco em Guaíra.

O local onde caiu o avião, de difícil acesso, é uma área de brejo, com muita água e por isso os peritos e policiais tiveram dificuldades para retirar o corpo do piloto, que ficou trancado no avião. O delegado contou que apenas Gustavo, que pilotava, tripulava a aeronave.

Ainda de acordo com o Dr. Thiago de Lucena, a polícia ainda não sabe qual a causa do acidente, mas está investigando. “Estamos nos baseando, até agora, em depoimentos. Trabalhamos com duas hipóteses: erro humano ou falha do avião. Só poderemos concluir depois do fim das investigações”, declara.

Ainda não há informações sobre se Gustavo possuía permissão para voar.

Dono do avião estaria ciente do desaparecimento do piloto goiano mas não comunicou a polícia

Em depoimento à polícia, na sexta-feira (30/11), antes mesmo de comunicar as autoridades sobre o desaparecimento, o empresário dono da aeronave sobrevoou o local que o GPS apontava onde estava a avião e conseguiu chegar até a região do acidente.

De acordo com a polícia a um jornal local, quando pousou no parque, o empresário chegou a ser abordado por uma equipe da Polícia Ambiental, mas mesmo assim não falou nada sobre a queda do avião. Ele contou aos militares que ficou com medo da abordagem, por isso não falou sobre o acidente. Segundo o delegado, não foi encontrado nada ilícito na aeronave e nem sinais de irregularidade.

O proprietário do avião será investigado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Proibição de fogos de artifício em Goiânia é vetado pelo prefeito Iris Rezende

A dificuldade de fiscalização da lei foi um dos motivos do veto.
03/12/2018, 11h51

O prefeito Iris Rezende (MDB) vetou o projeto de lei apresentado pelo presidente da Câmara Municipal e vereador, Andrey Azeredo (MDB) e pelo vereador Zander Fabio (Patriotas), que institui a proibição de fogos de artifício em Goiânia. O projeto já tinha sido aprovado na Câmara Municipal em outubro, porém, com o veto do prefeito os fogos de artifício com ruídos ficam liberados.

O vereador Andrey Azeredo disse que irá trabalhar para derrubar o veto. O parlamentar entende que o projeto tem o intuito de proteger os animais já que eles sofrem com o barulho dos fogos nas festas de finais de ano, além de preservar a saúde de pessoas idosas e com autismo.

O prefeito de Goiânia acredita que a matéria é de responsabilidade da União, e não cabe aos vereadores interferirem no barulhos que os fogos de artifícios causam. Iris também destacou a dificuldade de fiscalização da lei.

De acordo com o Paço a responsabilidade de fiscalizar esses barulho e da Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA). O município pode regular a sonoridade dos fogos, mas não proibir.

Proibição dos fogos de artifício em Goiânia

As proibições, no entanto, entram em conflito com o Decreto-Lei Federal 4.238, de 1942, que permite o uso de artigos pirotécnicos. Os fogos são classificados em quatro categorias, de acordo com a quantidade de pólvora neles contida, sendo A a de menor quantidade e D a de maior. Todas as categorias podem ser adquiridas por maiores de 18 anos, e apenas os tipos C e D necessitam de licença prévia da autoridade competente para serem queimados.

Riscos

A questão envolvendo a proibição dos fogos vai além do incômodo com os ruídos. Há ainda uma preocupação médica e de segurança relacionada ao manuseio desses artefatos. Queimaduras, amputações e até cegueira são alguns dos riscos do uso indevido de fogos de artifício.

Imagens: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Reunião com Iris Rezende definirá nome para presidência da Câmara Municipal de Goiânia

Eleição está marcada para terça-feira (4/12).
03/12/2018, 12h17

Após polêmica e  confusão, a votação da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Goiânia foi marcada para terça-feira (4/12). Antes da eleição que vai definir o novo presidente da câmara, um bloco formado por 22 vereadores, apelidado de “bloco de 22”, vai se encontrar na tarde desta segunda-feira (3/12) com o prefeito Iris Rezende (MDB).

Entre os vereadores que podem aparecer como candidatos à presidência da Câmara Municipal estão: Romário Policarpo (PROS), Rogério Cruz (PRB) e Wellington Peixoto (MDB). O prefeito de Goiânia, segundo as informações veiculadas pela imprensa, não manifestou a intenção de apoiar alguém ou interferir diretamente na eleição da mesa diretora.

Embora os nomes dos candidatos não tenham sido definidos, ambos os grupos seguem trabalhando para as eleições que acontecem na terça-feira.

Caiado deve se reunir com prefeito para debater eleição da Mesa Diretora de Câmara Municipal de Goiânia

O governador eleito do Estado de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), chegou da Inglaterra neste final de semana, depois participar de um evento sobre gestão pública e desenvolvimento educacional, promovido pela Fundação Lemann. Caiado, que só assume o governo do Estado em janeiro de 2019, pode se encontrar com o prefeito de Goiânia Iris Resende Machado (MDB), para debater sobre a eleição da mesa diretora da câmara municipal, marcada para a próxima terça-feira (4/12).

O democrata, segundo membros de sua base, não sinalizou até o momento apoiar um nome ou se envolver diretamente com a eleição marcada para a terça-feira. Caiado pode apoiar qualquer vereador do grupo dos 20 que manifestaram apoio à sua eleição, que há pouco tempo se reuniram com ele.

Alguns dos vereadores se reuniram com o grupo do presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Andrey Azeredo (MDB), no entanto com certas dificuldades, para conseguir o apoio dos outros 22. Ambos os grupos seguem articulando e definindo as estratégias para unificar os dois lados.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Veja como foi o Festival Nacional de Cervejas Artesanais, em Goiânia

Evento trouxe mais de 60 rótulos de cervejas nacionais.
03/12/2018, 12h26

Aconteceu em Goiânia nos dias 30 de novembro e 01 de dezembro a quarta edição do Festival Nacional de Cerveja Artesanal, o Hops Fest. O evento trouxe mais de 60 rótulos de cervejas artesanais, além de boa música e uma ótima gastronomia, tudo isso em um só lugar.

O encontro é realizado desde 2015. Após a terceira edição, os organizadores sentiram a necessidade de expandir o Festival, criando uma identidade originando o Hops Fest, que dará ao público a escolha de mais de 60 rótulos de cervejas artesanais de todo o país dos mais variados estilos.

O Portal Dia Online esteve no Hops Fest 2018 e você assiste um pouco de como o Festival no vídeo abaixo:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Macri pede 'reflexão' sobre violência no futebol e lamenta ataques a Infantino

O presidente argentino ainda avaliou que foi esta violência a principal razão para que a Conmebol decidisse tirar o jogo da Argentina.
03/12/2018, 13h32

O presidente da Argentina, Maurício Macri, voltou a criticar a violência protagonizada pela torcida do River Plate antes do que era para ter sido a grande decisão da Libertadores, contra o Boca Juniors, no último dia 24. Para o político, é necessário que se faça uma “profunda reflexão” para evitar novos casos deste tipo no esporte.

“Foram dias duros que vivemos no fim de semana anterior. Temos que fazer uma profunda reflexão sobre o futebol por parte de todos. Por que permitimos acreditar que uma partida de futebol é diferente da vida diária? Por que toleramos a violência que no dia a dia não estamos de acordo?”, questionou.

No dia 24, momentos antes do horário marcado para a final, o ônibus do Boca Juniors foi apedrejado por torcedores do River Plate nas cercanias do Monumental de Núñez. Alguns jogadores ficaram feridos, entre eles o capitão Pablo Pérez, que teve lesões no olho e no braço.

O horário da partida chegou a ser alterado em duas oportunidades, antes de ela ser adiada para o dia seguinte, quando foi suspensa. Dias mais tarde, a Conmebol decidiu tirar o duelo da Argentina e levá-lo para Madri, no estádio Santiago Bernabéu, onde deverá finalmente ser disputado neste domingo.

Apesar de atacar os agressores da torcida do River, Macri considerou que parte da torcida teve comportamento ainda pior com o presidente da Fifa, Gianni Infantino. Presente no estádio para acompanhar a final, o dirigente foi alvo de xingamentos e até cusparadas.

“Me parece muito pior que alguns violentos que atiraram pedras no ônibus, os violentos que cospem em outra pessoa ao seu lado. É inaceitável o que aconteceu nas arquibancadas do River com as autoridades do futebol internacional. É muitíssimo mais grave do que o que aconteceu na rua. Denota uma degradação”, considerou.

O presidente argentino ainda avaliou que foi esta violência a principal razão para que a Conmebol decidisse tirar o jogo da Argentina. “Acho que tem muito mais a ver com isso a decisão de nos castigar e nos deixar sem a final na Argentina. Influenciou muito mais do que aquilo que aconteceu na rua. É muito mais grave. Não pode voltar a acontecer que autoridades internacionais nos digam que não se pode jogar em nosso país”, comentou.

Imagens: Exame.com 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.