Brasil

Migração: Brasil doa R$ 15 milhões a entidades internacionais

Dinheiro vai para o Acnur e a OIM.
04/12/2018, 08h45

O presidente Michel Temer autorizou o repasse de R$15 milhões para o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) e a Organização Internacional para as Migrações das Nações Unidas (OIM). Ambas as entidades se destinam a acolher pessoas em situação de vulnerabilidade em decorrência do fluxo migratório provocado pela crise humanitária.

A Medida Provisória 860, assinada pelo presidente Temer e ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, está publicada no Diário Oficial da União de hoje (4).

A doação ocorre no momento em que imigrantes venezuelanos buscam refúgio no Brasil, principalmente na região de Boa Vista e Pacaraima, em Roraima.

No último dia 25, o governador eleito de Roraima, Antonio Denarium (PSL), afirmou, em nota publicada nas redes sociais, que defende o retorno dos “vários irmãos” venezuelanos e não a devolução, como foi interpretado por alguns setores da imprensa.

Anteriormente à Agência Brasil, Denarium disse que a solução passa por mais investimentos federais na região, mais controle na entrada dos refugiados, por programas de acolhimento em outros estados brasileiros, e o regresso dessas pessoas para o país de origem.

No último dia 24, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, defendeu um rígido controle na entrada de refugiados venezuelanos que chegam ao país. Ele afirmou que os venezuelanos fogem de uma ditadura e que o Brasil não pode deixá-los à própria sorte. Como medida para tentar resolver o problema, o presidente eleito sugeriu a criação de campos de refugiados.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Alunos do curso de Medicina relatam dificuldades para pagar mensalidades

"Seria inviável pagar a mensalidade de um curso particular, que fica entre R$ 7 mil e R$ 8 mil", conta estudante.
04/12/2018, 08h57

Desde que decidiu prestar Medicina, Ana Luisa Resende, de 21 anos, já sabia que só poderia seguir a carreira se passasse em uma universidade pública. “Para minha família, seria inviável pagar a mensalidade de um curso particular, que fica entre R$ 7 mil e R$ 8 mil”, conta ela.

Foram dois anos e meio de cursinho, mas a aprovação nas concorridas universidades estaduais e federais não vinha. “Daí eu fiquei sabendo que ia abrir um curso novo, particular, em Osasco (SP). Como minha mãe trabalha aqui, decidi prestar o vestibular”, diz ela, referindo-se a um dos novos cursos autorizados por meio da Lei do Mais Médicos.

No meio de 2017, foi aprovada e, com a ajuda da família e do programa de Financiamento Estudantil (Fies), conseguiu iniciar o curso. “No primeiro semestre, meu pai ‘se virou do avesso’ para conseguir pagar e, logo em seguida, consegui o Fies”, conta.

Ela lamenta que as universidades públicas não tenham aberto tantas vagas, possibilitando o ingresso de mais estudantes, mas elogia o fato de seu curso particular já dar prioridade ao atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS). “Toda semana temos aula em uma Unidade Básica de Saúde. Também há um grande foco em atenção primária e Medicina da Família”, relata a jovem, que pretende atuar na rede pública quando se formar.

Estudante de uma universidade particular de João Pessoa que teve aumento de vagas de Medicina por causa da lei do Mais Médicos, Tainá Rolim, de 23 anos, também depende do Fies para cursar a graduação, cujo valor da mensalidade chega a R$ 8 mil. “Cheguei a fazer duas provas do Enem, em 2013 e 2014, quando já havia passado na particular. Tentei na UPE (Universidade de Pernambuco) e na UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), mas não passei”, diz a jovem, que, agora, está a apenas um ano e meio de se formar.

Bom exemplo

Mas também existem casos de quem conseguiu cumprir de forma exemplar a proposta inicial do Mais Médicos.

No Rio Grande do Norte, a Escola Multicampi de Ciências Médicas da Universidade Federal do Estado (UFRN) foi inaugurada em Caicó, a 280 quilômetros de Natal, implementando um modelo inédito: com três câmpus interligados em cidades distintas. O modelo atrai candidatos de diferentes partes do País. “O curso acaba mostrando que você pode ser bem-sucedido em um lugar pequeno”, afirma o estudante Leonardo Almeida, de 23 anos, que migrou de Itapirapuã Paulista (SP).

Mais médicos

Contrariando o objetivo do Mais Médicos de levar faculdades de Medicina a cidades do interior do País que não tivessem nenhum curso do tipo, só 30% das vagas abertas desde 2013, quando o programa começou, ficam nos municípios prioritários, ou seja, que não possuíam escolas médicas anteriormente. A concentração de cursos permanece no Sul e no Sudeste e na rede particular. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: ABN 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Com Black Friday, varejo sobe 7,4% em novembro ante outubro, diz ACSP

O movimento de vendas do comércio subiu em média 7,4%.
04/12/2018, 09h07

As vendas do comércio varejista na capital paulista subiram 1,8% em média em novembro em relação a igual mês de 2017, informa a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O resultado surpreendeu a entidade. Em relação a outubro, houve expansão de 7,4%. De janeiro a novembro, o balanço de vendas da ACSP registrou alta média de 2,1% frente a igual período do ano passado.

“Na primeira quinzena de novembro as vendas caíram, mas com a Black Friday no fim da segunda quinzena o resultado foi revertido e o varejo físico fechou o mês no azul”, comentou o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti. A ACSP estimava aumento de 3% na Black Friday.

Burti ressalta que o evento não era forte no Brasil e que novembro era um mês fraco para o varejo, por estar espremido entre o Dia das Crianças e o Natal. “Por outro lado, contudo, é possível que a data tenha antecipado compras de fim ano.”

Em novembro ante igual mês de 2017, as vendas a prazo cresceram 5,5%, enquanto na modalidade à vista recuou 2%. “O juro baixo continua favorecendo os bens duráveis. E o tempo clima irregular na capital tem desfavorecido o setor de vestuário e calçados”, analisa Burti em nota.

Na comparação com outubro, o impacto da Black Friday foi ainda mais sentido. O movimento de vendas do comércio subiu em média 7,4%, com alta tanto a prazo (2,6%) quanto à vista (12,1%), mesmo com dois dias úteis a menos do que outubro.

“A Black Friday das lojas físicas é diferente do e-commerce. Enquanto neste prevalecem vendas de bens duráveis, em especial eletrônicos, naquelas os destaques são os bens de menor

valor. Neste ano, os supermercados e as lojas de variedades foram fortes na data comercial”, diz Burti. Os dados são elaborados pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP com amostra fornecida pela Boa Vista SCPC.

Imagens: Extra 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

Justiça do Chile condena 53 pessoas por assassinatos na ditadura

Já soma 700 anos de prisão por violações dos direitos humanos.
04/12/2018, 09h16

A Justiça do Chile condenou nesta segunda-feira, 3, 53 agentes repressores da ditadura de Augusto Pinochet por responsabilidade na execução de nove membros do Partido Comunista em 1976, o que representa uma das maiores sentenças no país relacionadas a violações aos direitos humanos.

As penas dos militares, todos da Direção de Inteligência Nacional (Dina), a polícia secreta da ditadura chilena, entre 1973 e 1977, oscilaram entre três e 20 anos de prisão. Entre os condenados estão o brigadeiro Miguel Krassnoff Martchenko, que, com essa sentença, já soma 700 anos de prisão por violações dos direitos humanos.

Durante a ditadura de Pinochet, de acordo com números oficiais, cerca de 3,2 mil chilenos morreram nas mãos de agentes do Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Bolsonaro chega a Brasília para cumprir agenda

Está previsto um encontro com a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina.
04/12/2018, 09h32

O presidente eleito Jair Bolsonaro chegou a Brasília para as primeiras reuniões oficiais com representantes das bancadas dos partidos no Congresso. Ao longo da semana, Bolsonaro também terá encontros com autoridades e futuros ministros. O presidente eleito deixou a Base Aérea da capital federal por volta das 9h e seguirá diretamente para o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde funciona o escritório de transição.

Nesta terça-feira, 4, está previsto um encontro com a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, às 10h. No período da tarde, Bolsonaro tem reunião agendada com o ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, e a bancada do MDB no Congresso. Em seguida, também está agendada uma conversa com a bancada do PRB. Amanhã, Bolsonaro receberá as bancadas do PR e do PSDB.

Assim como na semana passada, Bolsonaro seguirá hospedado na Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência da República, que foi cedida pelo presidente Michel Temer. Nesta terça-feira, pela manhã, ele recebe a visita de autoridades diplomáticas no local.

Bolsonaro viajou do Rio de Janeiro a Brasília acompanhado do filho, o senador eleito Flávio Bolsonaro, e do deputado eleito Helio Bolsonaro.

De acordo com sua assessoria, o retorno ao Rio só deve ocorrer no fim da tarde de sexta-feira, dia 7. Antes, Bolsonaro vai a Pirassununga (SP) onde participa de uma formatura na Academia da Força Aérea.

Imagens: Veja 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.