Goiás

Operação da polícia apreende mais de meia tonelada de maconha em Aparecida de Goiânia

Droga foi comprada no último domingo (2/12) no Paraguai.
05/12/2018, 13h28

Uma operação deflagrada pelo Comando de Operações Especiais (COD) em conjunto com a Polícia Federal (PF) resultou na apreensão de mais de meia tonelada de maconha. Além da maconha, também foram apreendidos 15 kg da droga conhecida como “skank”, na noite da última terça-feira (4/12) em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital.

O COD informou ao Portal Dia Online que, após troca de informações com a Polícia Federal, prendeu dois suspeitos que estavam em uma casa na cidade do Setor Jardim das Cascatas, em Aparecida de Goiânia. De acordo com as informações, havia uma caminhonete modelo S-10 na residência e dentro do veículo foram encontrados 528 tabletes de maconha na carroceria do veículo, o que equivale a 600 kg de maconha.

Os  mais 15 kg de “skank” encontrado pela polícia, se trata de uma droga sintética modificada em laboratório e conhecida como super maconha. Durante a operação, a polícia também apreendeu a caminhonete, que era roubada e foi subtraída do dono no mês passado, na cidade de Gurupi, no Tocantins.Um outro carro encontrado no local foi apreendido pelos policiais. Um veículo modelo Gol, que era usado como batedor.

Conforme as informações da polícia, os carros encontrados na residência estavam com placas falsificadas.

Maconha veio do Paraguai para ser distribuída em Aparecida de Goiânia e região metropolitana

Segundo as informações repassadas pela PF ao COD, o Departamento de Repressão aos Entorpecentes da Polícia Federal afirmaram que a maconha foi comprada no último domingo (2/12), no Paraguai.

A polícia informou que os dois suspeitos presos tem passagens pela polícia por roubo, furto, tráfico de drogas e homicídio. Os policiais ainda encontraram com os suspeitos aproximadamente R$ 1.100.

Os dois suspeitos presos e todo material apreendido durante a ação, foram encaminhados à sede da Polícia Federal em Goiânia. Os dois homens foram autuados por tráfico internacional de drogas.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Salas de cinema têm de adotar tecnologia de acessibilidade, decide Justiça

O juiz José Carlos Francisco ordenou que, a partir de março de 2019, as salas de cinema em todo o País deverão ter tecnologias de acessibilidade; prazo foi definido em decisão liminar.
05/12/2018, 13h36

O juiz José Carlos Francisco, da 14ª Vara Federal, em São Paulo, ordenou que, a partir de março de 2019, as salas de cinema em todo o País deverão ter tecnologias de acessibilidade que permitam a pessoas com deficiência visual ou auditiva compreender o conteúdo dos filmes em cartaz. O prazo foi definido em decisão liminar, que acolheu um requerimento do Ministério Público Federal. As informações foram divulgadas pela Procuradoria em São Paulo.

“A proteção de pessoas com deficiência é dever de instituições públicas e privadas de qualquer sociedade democrática, razão pela qual o pedido é juridicamente possível e amplamente sustentado pelo ordenamento constitucional e infraconstitucional”, decidiu o juiz José Carlos Francisco.

Neste processo, as empresas distribuidoras e exibidoras de filmes são rés ao lado da União e da Agência Nacional do Cinema (Ancine) – ambas responsáveis pela fiscalização do setor.

A decisão liminar obriga o governo federal e a autarquia a apresentar em 30 dias as complementações técnicas necessárias para que as disposições legais sejam efetivamente postas em prática, além de definir, no mesmo prazo, um cronograma progressivo que abranja desde os testes até a fase de implementação das tecnologias.

O juiz José Carlos Francisco fixou multa diária de R$ 10 mil para o caso de descumprimento da ordem judicial. O Ministério Público Federal informou nesta quarta, 5, que os testes e a validação de equipamentos que possibilitem a exibição das obras com audiodescrição, janelas para intérpretes de Libras e legendas descritivas na forma de “closed caption” devem ser realizados ao longo dos primeiros meses do próximo ano.

A acessibilidade nos cinemas é o tema de uma ação civil pública que a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (órgão do MPF em São Paulo) ajuizou em 2016, mesmo ano em que entrou em vigência o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/2015).

De acordo com o Ministério Público Federal, “a omissão das empresas e dos órgãos públicos em atender a essas demandas se baseia no artigo 125 do Estatuto, que a liminar declara inconstitucional”.

A Procuradoria destaca que a lei estipula prazo de 48 meses após sua publicação para que as adaptações das salas de cinema sejam concretizadas – período que venceria em julho de 2019.

“Ao acolher os argumentos do Ministério Público Federal, a 14ª Vara Cível Federal de São Paulo indica que o prazo é demasiadamente longo e deve ser desconsiderado, tendo em vista a urgência das necessidades de pessoas com deficiência que se veem impedidas de frequentar os cinemas por falta de acessibilidade”, registra a Procuradoria.

Na decisão, a Justiça reconhece “que o legislador tem discricionariedade política para estabelecer períodos de vacância para providências (até mesmo de inclusão de pessoas com necessidades especiais), de tal modo que o controle judicial do mérito dessas escolhas fica restrito a casos excepcionais nos quais há clara extrapolação de limites jurídicos”.

“É exatamente o caso dos autos, porque a combinação entre os destinatários finais (pessoas com deficiência) e o objeto (inclusão ou acessibilidade em exibições de cinemas) não poderia ter sido submetida à vacância de 48 meses, claramente excessiva”, aponta a Justiça.

A reportagem está tentando contato com a Agência Nacional do Cinema e com a Advocacia-Geral da União. O espaço está aberto para manifestações.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Tardelli se despede do Shandong Luneng e admite interesse de clubes do Brasil

Jogador acumulou 51 gols marcados e 23 assistências em 98 partidas disputadas pelo Shandong; Corinthians e ao Atlético-MG têm interesse no atleta de 33 anos.
05/12/2018, 14h04

Com o término de seu contrato, o atacante Diego Tardelli se despediu nesta quarta-feira do Shandong Luneng. O jogador de 33 anos não escondeu a chateação pelo vice-campeonato da Copa da China, após o empate por 2 a 2 com o Beijing Guoan na última sexta – em que marcou um gol justamente em seu adeus -, mas preferiu celebrar os quatro anos que por lá atuou.

“Desde o meu primeiro dia, fui muito feliz no Shandong. Infelizmente, não deu para me despedir com o título da Copa, mas saio orgulhoso e com o sentimento de dever cumprido. Sempre fui bem tratado por todos no clube, desde os funcionários, até os meus companheiros e a torcida. Deixo grandes amigos por lá e só tenho que agradecer por tudo o que vivi nesses últimos anos. Podem ter certeza de que eu jamais esquecerei essa minha experiência no Shandong”, comentou.

Tardelli acumulou 51 gols marcados e 23 assistências em 98 partidas disputadas pelo Shandong. Já de férias no Brasil, o atacante admitiu ser alvo de interesse de clubes brasileiros, mas preferiu não revelar quais e nem comentar sobre o seu possível destino em 2019.

“Foi uma temporada muito proveitosa e agora só quero aproveitar esses dias pra ficar com a minha família, minha esposa e os meus filhos. Quanto ao meu futuro, estou super tranquilo e já conversei com o meu empresário. Sei que tem clubes do exterior e do Brasil interessados e ele sabe o que eu pretendo fazer. Assim que as coisas forem se ajeitando, vou conversar com a minha família e definiremos o melhor para nós.”

Tardelli interessa ao Corinthians e ao Atlético-MG. O clube paulista já avisou que “não fará loucuras” em contratações, mas tem no atacante um sonho antigo. Já o time mineiro tem Tardelli como um dos grandes ídolos recentes, já que por lá ele conquistou cinco títulos, sendo o principal deles a Libertadores de 2013.

Imagens: Torcedores.com 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Personalidades pedem justiça após cão ser morto por segurança no Carrefour

Manchinha, como era conhecido o cãozinho, era alimentado por alguns clientes e até funcionários do estabelecimento.
05/12/2018, 14h17

Personalidades de diversas áreas estão revoltadas com o caso do cachorro que teria sido envenenado e espancado por um segurança da loja Carrefour, em Osasco, na Grande São Paulo. As agressões foram registradas na sexta-feira, 30, no estacionamento do hipermercado.

Manchinha, como era conhecido o cãozinho, era alimentado por alguns clientes e até funcionários do estabelecimento.

A apresentadora Luisa Mell, conhecida ativista na proteção dos animais, teve acesso às câmeras de segurança da loja e divulgou imagens em que aparece o segurança acusado de agressão perseguindo o animal no perfil dela no Instagram.

“Eu estou passando mal com as imagens do ocorrido!”, desabafou.

O apresentador da Globo Luciano Huck publicou uma caricatura de Manchinha. “Chocado. É muita crueldade”, disse.

Sem citar o Carrefour, Whindersson Nunes fez um texto genérico sobre o ‘ser cão’. “Eles não falam, não conseguem dizer ‘moço, eu só queria comer’, nem ‘eu só queria brincar’, mas sempre dá para ver nos olhinhos deles o que eles querem, quem tem um bom coração entende (sic)”, escreveu na legenda de uma foto em que aparece com um cachorrinho no ombro.

Porém, antes da publicação, o youtuber saiu em defesa do Carrefour. “Vale lembrar que não é empresa inteira que tem culpa, aconteceu no Carrefour de Osasco, um cachorro foi morto a pauladas por um segurança despreparado”, escreveu no perfil oficial no Twitter. A postagem gerou polêmica entre os seguidores do humorista, que rebateu.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Prazo para justificar ausência no primeiro turno termina nesta quinta

quitação eleitoral é exigida para posse em cargo público, matrícula em instituições de ensino superior e emissão de passaporte; no caso de servidor público, a regularidade eleitoral é condição para recebimento do salário.
05/12/2018, 14h25

O prazo para justificar a ausência no primeiro turno das eleições deste ano, realizado no dia 7 de outubro, encerra-se nesta quinta-feira (6). Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aqueles que não votaram no primeiro turno precisam regularizar sua situação eleitoral.

Conforme o TSE, a quitação eleitoral é exigida para posse em cargo público, matrícula em instituições de ensino superior e emissão de passaporte, por exemplo. No caso de servidor público, a regularidade eleitoral é condição para recebimento do salário. Após três ausências consecutivas às urnas, o eleitor tem o título cancelado.

A justificativa pode ser feita pela internet, no Sistema Justifica, disponível nos portais dos tribunais regionais eleitorais (TREs), no menu de serviços ao eleitor. Neste caso, o eleitor deve preencher o formulário online, declarar o motivo da ausência e anexar comprovante do impedimento para votar. O sistema emite o protocolo para acompanhamento do pedido.

O eleitor também pode ir a um cartório eleitoral, preencher o formulário disponível nesses locais e nos portais dos tribunais eleitorais. A documentação deve ser entregue pessoalmente em qualquer cartório eleitoral ou enviada por via postal ao juiz da zona eleitoral na qual o eleitor é inscrito. É preciso anexar ao formulário a comprovação do motivo da ausência nas eleições.

Residentes no exterior

Os brasileiros residentes no exterior inscritos para votar, mas que não compareceram às urnas, também precisam justificar a ausência.Nesse caso, o requerimento de justificativa eleitoral deve estar acompanhado de cópia de documento oficial brasileiro de identidade e da comprovação do motivo da ausência. A justificativa pode ser entregue nas representações diplomáticas brasileiras ou enviada pelo Sistema Justifica.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.