Mundo

Abandonamos acordo nuclear horrível e impusemos sanções contra Irã, diz Trump

06/12/2018, 20h04

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reafirmou sua aliança com Israel, em evento nesta quinta-feira na Casa Branca para marcar a celebração do Festival das Luzes judaico. Além disso, Trump lembrou que abandonou o acordo “horrível” para controlar o programa nuclear do Irã e ainda impôs duras sanções contra o país persa, um rival israelense no Oriente Médio. “O Irã nunca poderá ter uma arma nuclear”, ressaltou.

Trump disse que os EUA “sempre estarão ao lado” de Israel. Além disso, lembrou sua decisão de reconhecer Jerusalém como a capital israelense e trocar a embaixada de Tel-Aviv para aquela cidade, também reivindicada como futura capital pelos palestinos.

O presidente americano ainda lembrou um ataque em outubro contra uma sinagoga, em Pittsburgh, que deixou 11 mortos. “Reafirmamos nosso compromisso de lutar contra o antissemitismo em toda parte”, disse. O presidente também homenageou alguns dos presentes no evento que eram sobreviventes do Holocausto.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Mulher morre após bater a moto no meio-fio e ser arremessada, em Goiânia

A mulher foi arremessada com o forte impacto a metros do local, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Por Ton Paulo
07/12/2018, 09h22

Um trágico acidente culminou em uma vítima fatal na madrugada desta sexta-feira (7/12), na Avenida Perimetral Norte, em Goiânia. Uma mulher de 40 anos, após perder o controle da motociclista que conduzia, acabou batendo no meio-fio e sendo arremessada com forte impacto a metros do local. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

A vítima, Eronildes Pereira dos Santos Fernandes, conduzia uma Honda Biz pela Avenida Perimetral Norte, no Setor Cândida de Morais, em frente à Loja Big Lar, por volta de 0h40 quando, por motivo desconhecido, perdeu o controle da moto e chocou com o meio-fio. Com o impacto, Eronildes foi arremessada com violência nas proximidades de um poste de energia elétrica, indo a óbito no local.

Policiais da Delegacia de Crimes de Trânsito (DICT) estiveram no local, assim como da Polícia Técnico-Científica e do Instituto Médico Legal (IML), que retirou o corpo, levando-o para o instituto.

Testemunhas do acidente entraram em contato com familiares de Eronildes para informar sobre o trágico ocorrido.

Em outubro deste ano, um motociclista também veio a óbito depois de bater em meio-fio em Goiânia

Um caso semelhante ao da mulher que morreu após perder o controle da moto e bater em um meio-fio ocorreu no dia 7/10 deste ano.

Um motociclista de 49 anos morreu após bater contra o meio fio na Avenida Leste Oeste, no Parque Industrial João Braz, em Goiânia. Com impacto, o veículo ainda seguiu por mais três metros.

Niltecy Ribeiro da Silva perdeu o controle da direção do veículo por volta de 23h de domingo (7/10). Segundo a Delegacia de Investigação de Crimes de Trânsito, o local não tem iluminação e não foram encontradas câmeras de segurança nas proximidades que podem ajudar a identificar o que causou o acidente.

Familiares informaram à Polícia Civil que a vítima fazia consumo frequente de bebida alcoólica. Porém, a corporação não precisou se o motociclista havia bebido antes do acidente.

Via: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Bombeiros controlam incêndio em faculdade de Catalão; veja vídeo

Fogo começou em um carrinho de pipoca e se intensificou por conta de um botijão de gás de cozinha.
07/12/2018, 09h28

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO), na cidade de Catalão, a 256 quilômetros de Goiânia, foi acionado na noite da última quinta-feira (6/12) para controlar um incêndio no Centro de Ensino Superior de Catalão (Cesuc).

O CBMGO informou ao Portal Dia Online que na centro estava acontecendo um evento de uma escola, quando do lado de fora um carrinho de pipoca pegou fogo e atingiu o anfiteatro da Cesuc. Conforme a corporação um bombeiro que passava pela região viu as chamas e começou o combate com extintores de incêndio e depois acionou a corporação. Durante a operação para apagar as chamas, as pessoas que se encontravam no anfiteatro foram retiradas do edifício.

De acordo com as informações dos bombeiros, o fogo que começou no carrinho de pipoca se intensificou por conta de um botijão de gás de cozinha, que estava ao lado do carrinho. Além do carrinho de pipoca, o fogo atingiu também o anfiteatro da Cesuc, o teto da instituição que caiu durante o incêndio. Ainda conforme a corporação o responsável pelo carrinho perdeu os utensílios de cozinha, objetos e documentos pessoais no incêndio.

Bombeiros controlam incêndio em faculdade de Catalão
Foto: Divulgação

Feito o rescaldo e anfiteatro entregue aos responsáveis pelos Bombeiros em Catalão

Segundo informações dos bombeiros, o militar que passava pela região e presenciou o fogo conseguiu controlar o incêndio com os extintores da Cesuc. A equipe que foi ao local para dar apoio fez o rescaldo do anfiteatro e usou o equipamento moto ventilador para retirar o excesso de fumaça no local. Apesar do susto, não houve vítimas.

Portal Dia Online entrou em contato com a Cesuc, mas até a publicação desta matéria, as ligações não foram atendidas.

Bar e boliche é destruído por incêndio em Aparecida de Goiânia

No dia (29/10) os bombeiros atenderam uma ocorrência na cidade de Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital, onde um incêndio destruiu boa parte de um bar e boliche da cidade. O fogo só foi controlado pelo CBMGO, depois de mais de cinco horas de trabalho para apagar o fogo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Segurança do Carrefour confirma agressão a cachorro e diz estar arrependido em depoimento

Em depoimento prestado nesta quinta-feira (6/12) na Delegacia do Meio Ambiente, ele afirmou que não percebeu que havia ferido o animal e só teria se dado conta quando viu o sangue no chão.
07/12/2018, 09h39

O segurança do Carrefour acusado de agredir e causar a morte de um cachorro, em uma unidade do hipermercado em Osasco, na Grande São Paulo, confessou à polícia ter golpeado o animal com uma barra metálica, mas se disse arrependido. Em depoimento prestado nesta quinta-feira, 6, na Delegacia do Meio Ambiente, ele afirmou que não percebeu que havia ferido o animal e só teria se dado conta quando viu o sangue no chão. Também disse ter buscado ajuda e ligado para o Centro de Zoonoses do seu celular pessoal.

O Estado apurou que o homem esteve na delegacia acompanhado de um advogado. Ele relatou que estaria muito assustado com a repercussão do caso e que não pretendia causar a morte do cachorro. Foi indiciado pelo artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais, por praticar abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais. A pena prevista é de três meses a um ano de prisão, além de multa, que pode ser aumentada em até um terço por causa da morte do animal.

O segurança foi dispensado após o depoimento. Ele vai responder em liberdade, porque o crime é considerado de baixo potencial ofensivo.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública afirmou que o caso ainda é investigado. “Policiais analisam imagens de câmeras de segurança do local e colhem oitivas de testemunhas, como a veterinária do Centro de Zoonoses de Osasco, que atendeu o animal, e o segurança do estabelecimento, porém mais detalhes não podem ser passados para não atrapalhar as investigações.”

Hemorragia

O deputado estadual Fernando Capez (PSDB), defensor da causa animal, esteve nesta quinta no Centro de Zoonoses de Osasco, acompanhado pela ativista Luisa Mell, e foi informado de que o cachorro teria vomitado sangue durante a viagem de carro entre o Carrefour e a repartição municipal. “Essa hemorragia é compatível com trauma, mas também poderia ter sido causada por envenenamento, mas, infelizmente, não há laudo.”

Para Capez, a forma como o cachorro foi capturado pela equipe da Zoonoses pode ter agravado o quadro do animal. “Eles usaram enforcador (cabo com corda na ponta) e deram trancos, o que pode ter acelerado a morte dele”, disse.

Conforme o deputado, dificilmente o autor das agressões ou possíveis mandantes serão punidos com algum rigor. “A pena é branda demais porque é considerado crime de menor potencial ofensivo. Hoje é impossível, por exemplo, que alguém vá preso por isso.”

Segundo o parlamentar, um projeto de lei (PL 470/2018, do senador Randolfe Rodrigues, da Rede) deverá ser votado na próxima terça-feira, 11, no Senado, aumentando a pena atual para de um a três anos de prisão. Se aprovada, a lei terá de passar ainda pela Câmara dos Deputados.

A prefeitura de Osasco nega que tenha havido excesso dos funcionários do Departamento de Fauna e Bem Estar Animal (Zoonoses) que fizeram a captura do cachorro. Segundo o município, o manejo foi realizado por um oficial de controle animal qualificado e o cão foi encaminhado ao departamento para atendimento emergencial, mas morreu, apesar de ser tratado.

De acordo com a prefeitura, o atendimento aconteceu no dia 28 de novembro, mas somente no dia 1.º de dezembro houve a denúncia de maus-tratos e foi iniciada a apuração do caso, com a solicitação de inquérito policial.

Carrefour

O Estado solicitou entrevista com representante do Carrefour. Entre as questões enviadas por e-mail, a reportagem perguntou se houve ordem superior para que o segurança usasse de todos os meios para retirar o cachorro da loja.

Via assessoria de imprensa, o Carrefour apenas repetiu a nota oficial que já havia distribuído, em que reconhece o “grave problema” ocorrido na loja de Osasco e que “não vai se eximir de sua responsabilidade”.

Em condição de anonimato, um supervisor da loja de Osasco disse ao Estado que o segurança só agiu porque um cliente reclamou da presença do cachorro no estabelecimento. Relatou ainda que o cãozinho estava havia mais de uma semana no local e era alimentado por alguns funcionários, na lado de fora da loja, sem que fosse molestado.

Desde o início, segundo ele, o Centro de Zoonoses de Osasco foi acionado para retirar o cachorro do local, mas a equipe só teria comparecido depois que houve a agressão. O segurança terceirizado foi desligado da equipe. Os funcionários usaram um ‘enforcador’ para conter o cachorro, que acabou desmaiando nessa ação. O supervisor afirmou que não havia qualquer vistoria prevista na loja naquele dia ou nos dias seguintes, como foi publicado em redes sociais.

Imagens mostram o cachorro sangrando muito após sofrer as agressões. Veja:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Advogado é preso em nova fase de Operação que apura crimes na Câmara de Planaltina de Goiás

O advogado já é réu na ação do processo decorrente da Operação Caifás, que apura desvios da Igreja Católica de Formosa.

Por Ton Paulo
07/12/2018, 10h33

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) deflagrou na madrugada desta sexta-feira (7/12) a quarta fase da Operação Mãos à Obra, que apura irregularidades constatadas em contratos na Câmara Municipal de Planaltina de Goiás. Nesta fase, foi preso temporariamente um advogado que atuava como procurador Jurídico do órgão legislativo.

A operação, que é coordenada pelo promotor Rafael Simonetti e que conta com o apoio do Centro de Inteligência do MP-GO, participação de três promotores de Justiça, dois delegados e de 11 agentes da Polícia Civil (PC), ocorre na cidade de Formosa, na região do Entorno do DF, onde estão sendo cumpridos quatro mandados, sendo dois de prisão e dois de busca e apreensão.

De acordo com informações do MP, os mandados estão sendo cumpridos contra o ex-procurador Jurídico da Câmara Municipal de Planaltina de Goiás, o advogado Edimundo da Silva Borges Júnior, e de Fábio José de Souza Rodrigues, ex-gestor de Contratos da Câmara Municipal de Planaltina de Goiás.

A prisão do advogado é temporária, enquanto que a de Fábio é preventiva.

Fábio, ex-gestor de contratos, já havia sido preso temporariamente na terceira fase da operação, ocorrida também em Formosa. Em sua residência, os promotores e policiais encontraram mais de uma centena de cheques guardados em diversos cômodos.

Já Edimundo, o advogado, já é réu na ação do processo decorrente da Operação Caifás, deflagrada pelo MP-GO no último mês de abril, para apurar desvios da Igreja Católica de Formosa.

Durante as investigações, o MP detectou que Fábio José, que já é investigado por outras infrações cometidas no âmbito da Câmara Municipal de Planaltina, tais como aquisição de bens e contratação de serviços de forma fraudulenta, não poderia ter realizado estas irregularidades sem a anuência de Edimundo da Silva Borges Júnior, que seria o responsável por adulterar os procedimentos ilegais, na tentativa de evitar qualquer persecução judicial ou administrativa.

Operação Mãos à Obra prendeu o prefeito, empresários e o gerente do Banco do Brasil de Planaltina de Goiás, todos ligados ao esquema na Câmara Municipal

Esta já é a quarta etapa da operação, que foi deflagrada inicialmente no começo de novembro, em Planaltina de Goiás, e culminou na prisão do então prefeito da cidade, Pastor André, que, na época dos fatos apurados, era presidente da Câmara de Planaltina.

De acordo com o MP, ele teria fraudado contratações de empresas e superfaturado obras, além de ter desviado recursos do erário. Além dele, empresários e servidores da Câmara de Planaltina também foram presos.

A segunda fase da ação foi deflagrada em Planaltina, no dia 20/11, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão na sede da Câmara Municipal. Já na terceira fase, deflagrada no dia 29/11, o MP detectou que o ex-gestor de Contratos da Câmara de Planaltina utilizou-se de ligações com o servidor do Banco do Brasil para descontar cheques da Câmara, com fraude no endosso para sacar dinheiro em espécie e repasse de uma porcentagem para o gerente

Via: MP-GO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.