Entretenimento

O abraço amigo de Lina Bo

09/12/2018, 12h12

“Eu deixei a Itália porque descobri que a Itália era um país para ser deixado”, escreveu a arquiteta Lina Bo Bardi (1914-1922) em 5 de setembro de 1967, mais de 21 anos depois de ter trocado seu país natal pelo Brasil. A carta, até então desconhecida do público brasileiro, é um dos registros da famosa arquiteta que se encontram em Milão, em correspondências trocadas por ela com seu amigo e ex-chefe Gio Ponti, famoso arquiteto italiano (1891-1979).

Na pequena carta de poucas linhas, ela diz que foi tocada pelas saudações de verão de Ponti e comenta que as férias “amaciaram” seus sentimentos com relação à Itália – sugerindo que ela havia acabado de retornar de uma viagem à sua pátria-mãe. “Toda a Itália se amaciou. Quem se recorda de um tempo duro e em chamas?”, comenta Lina, numa possível alusão aos tempos da Segunda Guerra, justamente pouco antes de ela se mudar para o Brasil.

O material, uma das cartas de um total de 28 páginas, está no epistolário de Ponti, um arquivo mantido pelo fotógrafo e arquiteto Paolo Rosselli, neto do famoso arquiteto, em seu estúdio fotográfico localizado no bairro Sesto San Giovanni, em Milão, na Itália. Ali estão duas cartas escritas por Lina e uma escrita por Pietro Maria Bardi (1900-1999) ao arquiteto Gio Ponti, seis de Ponti aos Bardis e uma relação, datilografada, de trabalhos de Ponti que seriam exibidos em mostra em São Paulo.

Uma curiosidade: Lina escreve as cartas ao amigo em italiano, é claro. Mas, assina, em bom português, com a frase “o abraço amigo da Lina Bo”.

“Lina era uma jovem arquiteta quando trabalhou com Gio Ponti. Foi o primeiro trabalho dela”, conta Rosselli. Recém-formada arquiteta pela Universidade de Roma, ela mudou-se para Milão no início dos anos 1930.

Atuou com Ponti na revista de arquitetura Domus, fundada pelo arquiteto em 1928, e outras publicações com participação dele. “As revistas, muito conceituadas, se ocupavam principalmente de arquitetura dos interiores”, afirma a museóloga Anna Maria Carboncini Masini, conselheira do Instituto Bardi – Casa de Vidro, em São Paulo. “Depois, ela conheceu Pietro e, juntos, se mudaram para o Brasil. Só então Lina se tornaria uma arquiteta muito reconhecida”, diz Rosselli. A amizade de Lina e Ponti, entretanto, resistiu aos anos.

De acordo com o arquiteto Renato Anelli, conselheiro do Instituto Bardi – Casa de Vidro, organização que guarda o acervo de Lina e Pietro no Brasil, da correspondência entre Ponti e os Bardis, somente eram conhecidas algumas cartas dele para ela. “No acervo do Instituto Bardi existem apenas cartas de Ponti para Lina. São cartas-desenho, muito bonitas, com textos”, conta.

Nas cartas que estão em Milão, Ponti esbanja afeto. Em novembro de 1975, brinca sobre a idade avançada. “Eu tenho cabelos brancos, e você? Se já os tem, estará todavia certamente belíssima como já o é por beleza e inteligência. Fale-me sobre o Brasil”, escreve ele. Em setembro de 1976, afirma que está “pensando sempre na Casa de Vidro”, residência dos Bardis desde 1951.

Nascida em Roma, Lina construiu a maior parte de sua carreira no Brasil, para onde emigrou depois de viver em Milão e conhecer e se casar com o crítico de arte Pietro Bardi. No País, acabou se tornando uma das mais importantes arquitetas do século 20, sendo autora de obras emblemáticas como a sede do Museu de Arte de São Paulo (Masp), o Sesc Pompeia e a Casa de Vidro – que foi residência do casal e que hoje abriga o acervo do Instituto Bardi.

Um dos mais importantes nomes da arquitetura e do design italianos do século 20, Gio Ponti nasceu em Milão. É dele o projeto da Faculdade de Matemática de Roma, em Roma, da Torre de Pirelli, em Milão, do restauro dos interiores da Universidade de Pádua, em Pádua, e do Museu de Arte de Denver, nos Estados Unidos. Ponti foi professor da Faculdade de Arquitetura da Politécnica de Milão.

Editorial

De acordo com pesquisa acadêmica desenvolvida por Anelli, Lina colaborou com Ponti até 1943. A mudança dela, já casada com Pietro Bardi, para o Brasil, ocorreu três anos depois.

Anna Maria conta que, no acervo do Instituto Bardi, existe uma carta manuscrita de Gio Ponti – de fim de 1943 ou começo de 1944 -, uma foto da visita dele a São Paulo, com a mulher, nos anos 1950, bilhetes breves de Lina de 1954, cartas anuais dele para ela nos anos 1960, sempre no aniversário dela. E ainda cartas de Ponti de 1957, de 1968 – com o nome de quatro firmas que fazem caixilhos em ferro dobrado – , de 1975 – comunicando a morte da esposa -, de 1977 – com um projeto de exposição. “Não temos muita correspondência”, informa Anna.

A amizade e o ímpeto criativo de Lina e Ponti foram tema de uma mostra realizada em Londres, em 2012. A exposição, organizada pela Architectural Association School of Architecture, foi chamada de Lina & Gio: Os Últimos Humanistas. A ítalo-brasileira costumava chamar Ponti de “o último humanista”, por conta de sua visão de que a arquitetura deveria ser social e culturalmente comprometida.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Após denúncias de abuso sexual, Polícia Civil de Goiás investiga médium João de Deus

Relatos vieram à tona na última sexta-feira (7/12), no programa Conversa com Bial, da TV Globo.
09/12/2018, 13h10

Depois que 12 mulheres denunciaram abusos sexuais praticados pelo médium João de Deus, a Polícia Civil de Goiás abriu uma investigação para apurar os relatos, além de crimes como exercício ilegal de medicina e estelionato. O Serviço de Inteligência fará um levantamento de todos esses casos, denunciados nos anos 1970, que foram arquivados pelo regime militar.

Os investigadores esperam ainda chegar a possíveis vítimas de abuso sexual que ainda não registraram ocorrência ou deram depoimentos à polícia. O levantamento, de acordo com o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, começou em outubro deste ano quando a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) recebeu as denúncias.

“Nós recebemos essa denúncia no final do mês de outubro. Esse inquérito já está instaurado com toda atenção devido à complexidade os fatos. Todas as senhoras que estão denunciando serão ouvidas pela Polícia Civil para que possamos buscar as provas necessárias para investigar com imparcialidade e com eficiência”, explicou o delegado-geral ao Dia Online.

Mulheres denunciam médium João de Deus

As denúncias de abuso sexual vieram à tona na última sexta-feira (7/12), no programa Conversa com Bial, da TV Globo. As vítimas relataram que as agressões ocorreram na Casa Dom Inácio, em Abadiânia, interior de Goiás, onde o médium, famoso no mundo inteiro, atende milhares de pessoas que buscam curas espirituais.

As mulheres contaram ao jornalista e apresentador Pedro Bial que os abusos cometidos por João de Deus aconteciam numa linha padrão. O médium, segundo elas, atendia as mulheres em público e depois pedia que elas o encontrassem, sozinhas, em seu escritório, para que ele incorporasse uma entidade e terminasse o procedimento.

Os abusos sexuais ocorriam, de acordo com os relatos, dentro da sala dele. Algumas dizem ter sido levadas a um banheiro dentro do cômodo. Elas afirmam que João de Deus lhes pedia segredo sobre as supostas “práticas espirituais”. Após os relatos em rede nacional, outras duas possíveis vítimas procuram a imprensa local para denunciar agressões ocorridas com o mesmo padrão na ‘Casa’.

O que diz João de Deus

Por meio de nota, a assessoria do médium João de Deus afirma que “há 44 anos, João de Deus atende milhares de pessoas em Abadiânia, praticando o bem por meio de tratamentos espirituais. Apesar de não ter sido informado dos detalhes da reportagem [veiculada no programa Conversa com Bial], ele rechaça veementemente qualquer prática imprópria em seus atendimentos”.

Imagens: Revista Factual 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Usuários do IMAS Goiânia podem acessar serviços do plano por aplicativo 

Ferramenta é gratuita e pode ser baixada, a partir de janeiro, pelo Google Play.
09/12/2018, 15h33

Instituto de Assistência a Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas) lançou um aplicativo por onde os usuários podem consultar lista de médicos, clínicas e hospitais credenciados de acordo com especialidade desejada e que estejam mais próximos da sua casa ou local de trabalho. A ferramenta é gratuita e pode ser baixada, a partir de janeiro, pela loja virtual do sistema android, o Google Play.

De acordo com a Prefeitura de Goiânia, o app é atualizado diariamente para oferecer informações com mais precisão. O objetivo é facilitar a vida do usuário, que de agora terão as informações sobre o plano 24 horas por dia, afirma o diretor administrativo e financeiro do IMAS, Marcos 3M.

Segundo levantamento do município, “o IMAS é o 3º maior plano de saúde do estado de Goiás e conta com cerca de 81 mil associados, sendo 34 mil titulares, 40,6 mil dependentes naturais e 6,5 mil agregados. A rede de credenciados do instituto é formada por 512 profissionais médicos e 326 estabelecimentos de saúde que atendem com todo o corpo clínico em diversas especialidades.”

Serviços disponíveis pelo app do IMAS

Após baixar o Imas Prefeitura de Goiânia, o usuário terá acesso à lista de prestadores que atendem em caráter de urgência, hospitais, médicos, clínicas e laboratórios credenciados pelo plano de saúde municipal. Por meio do aplicativo o usuário pode conferir ainda o telefone e localização do prestador, inclusive informações da rota para se chegar ao consultório ou hospital escolhido.

A lista de unidades de saúde credenciadas aparecerão sempre de acordo com a localização do interessado, ou seja, mostrará o local mais próximo do usuário. A ferramenta disponibiliza também, na área exclusiva para associados do plano, extratos de consultas e exames realizados num determinado período e aos valores que serão debitados na sua folha. Segundo o município, as informações estão disponíveis tanto para o titular quanto para os seus dependentes.

Imagens: Trocafone 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Burocrático, Real Madrid joga mal, sofre pressão, mas vence lanterna do Espanhol

Pouco criativo, com falhas na marcação e, por vezes, preguiçoso, o Real Madrid precisou contar com a sorte para sair de campo vencedor.
09/12/2018, 16h44

Uma atuação pouco inspirada, apática e burocrática foi suficiente para o Real Madrid derrotar o Huesca, lanterna do Campeonato Espanhol, por 1 a 0, neste domingo, no estádio El Alcoraz, casa do rival, em duelo da 15ª rodada da competição.

O triunfo, o segundo seguido no torneio, eleva o Real à quarta posição, com 26 pontos somados, dois a menos que o Atlético de Madrid, que aparece logo à frente. Apesar do bom futebol, o Huesca permanece afundado na lanterna, com apenas sete pontos ganhos, a sete do Villarreal, primeiro time fora da zona de rebaixamento, e chegou à marca negativa de 14 jogos sem vencer. O único triunfo aconteceu na rodada inaugural da competição, há quase quatro meses.

Real Madrid não atuou com criatividade

Pouco criativo, com falhas na marcação e, por vezes, preguiçoso, o Real Madrid precisou contar com a sorte para sair de campo vencedor. Os donos da casa, surpreendentemente, sufocaram o time merengue, especialmente no segundo tempo, mas não aproveitaram uma das várias chances criadas.

O time de Santiago Solari foi superior apenas nos primeiros 15 minutos de jogos. Foi neste período, exatamente aos sete minutos, que a equipe de Madri fez o gol que garantiu o triunfo. Bale aproveitou cruzamento de Odriozola da direita e bateu com o lado do pé esquerdo para marcar.

O gol encerrou um jejum longo do galês, que ficou pouco mais de 800 minutos sem balançar as redes em um período de 100 dias, ou dez partidas. O goleiro Courtois também se destacou ao fechar o gol e ser peça fundamental para garantir o resultado positivo em Huesca. A intervenção no chute de Ferreiro, no começo do segundo tempo, foi a defesa mais impressionante do goleiro na partida.

Já classificado às oitavas de final da Liga dos Campeões, o Real Madrid entra em campo pela rodada final da primeira fase do principal torneio de clubes do mundo na próxima quarta-feira, quando encara o CSKA Moscou, em casa, no Santiago Bernabéu. O time merengue precisa de um empate para se garantir na liderança do grupo, sem precisar torcer por um tropeço da Roma.

Imagens: UOL 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

"Dizia no meu ouvido que era oração", diz moradora de Valparaíso ao relatar abuso de João de Deus

Polícia Civil de Goiás investiga denúncias desde outubro deste ano; possíveis vítimas começarão ser ouvidas nesta semana.
09/12/2018, 17h09

Depois de denúncias repercutidas em rede nacional, uma moradora de Valparaíso de Goiás revelou ter sido assediada pelo médium João de Deus. Segundo a mulher, de 41 anos, que preferiu não se identificar, o abuso ocorreu em 1999 durante uma consulta espiritual, na Casa Dom Inácio de Loyola, onde o religioso realiza os milhares de atendimentos. Na época, a mulher buscava cura para uma depressão.

Ao procurar o Correio Braziliense, a mulher relatou que durante umas das consultas espirituais, João de Deus pegou a mão dela e colocou dentro de sua calça. “Quando saímos do salão de orações coletivas, onde recebemos passes, ele já estava na sala reservada. Um dos ajudantes permitiu que eu ficasse sozinha com ele. Eu ia sentar no sofá, mas ele não deixou. Pediu para que eu ficasse de pé”, conta.

“Ele começou a me apalpar, tremendo e gemendo. Dizia no meu ouvido que era oração. Ele pegou minha mão e a colocou dentro da calça dele. Eu fechei a mão. E ele dizia para eu abrir a mão. Ele reclamou: ‘Filha, você não quer ficar curada?’. E pedia para eu segurar (o pênis dele)”, relata.

Em entrevista ao Correio, a mulher disse ainda que o médium chegou a pedir para ela se abaixar e fazer sexo oral nele. “Fiquei num estado catatônico. Fui surpreendida com essa situação asquerosa. Eu só queria me livrar daquilo […] Afastei ele e disse que não queria mais”, desabafa.

Medo de registrar denúncia contra João de Deus

Na época, a mulher disse que teve medo de denunciar o ocorrido, mas agora, 19 anos após, ela pretende denunciá-lo. “Durante muito tempo, eu tive medo, pela importância que ele tem no país. Como acreditariam em mim? Esperei muito tempo, fiquei com muita vergonha, medo. Eu me senti humilhada. É um trauma que nunca será esquecido, mas agora vamos evitar que outras mulheres passem por isso”, diz.

A moradora de Valparaíso de Goiás conclui: “Fico mais aliviada que a verdade tenha aparecido. É como tirar um peso das minhas costas”.

Investigações

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, as investigações começaram em outubro deste ano quando a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) recebeu as denúncias de abuso sexual. Ainda de acordo com ele, o Serviço de Inteligência fará um levantamento de todos os casos, denunciados desde de 1970.

“Nós recebemos essa denúncia no final do mês de outubro. Esse inquérito já está instaurado com toda atenção devido à complexidade os fatos. Todas as senhoras que estão denunciando serão ouvidas pela Polícia Civil para que possamos buscar as provas necessárias para investigar com imparcialidade e com eficiência”, explicou o delegado-geral ao Dia Online.

João de Deus nega as acusações

Por meio de nota, a assessoria do médium João de Deus afirma que “há 44 anos, João de Deus atende milhares de pessoas em Abadiânia, praticando o bem por meio de tratamentos espirituais. Apesar de não ter sido informado dos detalhes da reportagem [veiculada no programa Conversa com Bial], ele rechaça veementemente qualquer prática imprópria em seus atendimentos”.

Imagens: Hora Informação 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.