Brasil

Corpo da 5ª vítima da tragédia na Catedral de Campinas é velado em Indaiatuba

Além da esposa, Alves deixou nove filhos, 24 netos e 18 bisnetos.
13/12/2018, 10h06

O corpo de Heleno Severo Alves, de 84 anos, a quinta vítima do atirador da Catedral Metropolitana de Campinas (SP), está sendo velado na manhã desta quinta-feira, 13 em Indaiatuba, cidade vizinha. O sepultamento está previsto para as 15h no mesmo local do velório, o Cemitério Jardim Memorial, no bairro Vila Brizolla. Parentes, vizinhos e amigos da família estão no local.

Heleno morreu na tarde de quarta-feira, 12, depois de passar por cirurgia no Hospital Municipal Mário Gatti, em Campinas. Desde que foi internado, no dia anterior, após o atentado, seu estado era considerado muito grave. Ele foi atingido por disparos no tórax e no abdome, e ficou internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

A esposa de Alves, Damiana Francisco Leandro Alves, de 76 anos, disse que, no dia do atentado, pediu ao marido para não ir à missa na Catedral, depois que ele perdeu o ônibus para Campinas. “Eu falei, não vá, é um aviso”, contou ao jornal O Estado de S. Paulo na quarta-feira.

Ex-pedreiro, Alves era pernambucano de Exu, mas morava há mais de 40 anos em Indaiatuba. O casal completaria no próximo dia 25, dia de Natal, 63 anos de casados. Além da esposa, Alves deixou nove filhos, 24 netos e 18 bisnetos.

As outras vítimas do atirador, Sidnei Vitor Monteiro, 39 anos; José Eudes Gonzaga Ferreira, 68; Cristofer Gonçalves dos Santos, 38; e Elpídio Alves Coutinho, 67; foram sepultadas na quarta-feira. No mesmo dia foi realizado o sepultamento do autor dos disparos, Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, que se matou após ser atingido por policiais.

Imagens: Terra 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Caiado diz que é "difícil acreditar" em denúncias contra João de Deus

Ronaldo Caiado já chegou a afirmar que a relação dele com João de Deus é "de família".

Por Ton Paulo
13/12/2018, 10h43

O governador eleito por Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), se pronunciou recentemente sobre os inúmeros relatos de abusos sexuais que teriam sido praticados por João de Deus contra mulheres e adolescentes. Caiado, que atualmente exerce o mandato de senador da República e assume o cargo de governador de Goiás em 1º de janeiro de 2019, disse na última quarta-feira (12/12) que é “difícil acreditar em tudo aquilo que foi colocado”, se referindo às denúncias contra o médium de Abadiânia.

A declaração foi feita ontem, quarta-feira, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), sede do governo de transição, onde Caiado esteve em reunião do DEM, seu partido, com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Caiado, que já chegou a afirmar que a relação dele com João de Deus é “de família”, classificou ainda como “constrangedor e triste” o escândalo sexual envolvendo o médium. Para ele, “é difícil crer em tudo aquilo que foi colocado” sobre uma pessoa que sempre “teve os melhores conceitos de pessoas do mundo inteiro”.

“É difícil, triste até acreditar em tudo isso de uma pessoa que sempre teve os melhores conceitos de pessoas que vêm do mundo inteiro [para visitá-lo]. Vamos aguardar o que a Justiça vai levantar, e é sobre essa decisão que nós temos que nos curvar”, disse.

Caiado demonstrou choque e frustração com a recente explosão de denúncias de abuso sexual contra João de Deus, e disse que não fará juízo de valor. “É um constrangimento a todos. Até difícil de crer em tudo aquilo que foi colocado. É uma decisão que, repito, caberá aos órgãos competentes levantarem a procedência. Não anteciparia e não sou pessoa de fazer juízo de valor antecipado. Acho que cada cidadão tem o direito de se apresentar e fazer a sua própria defesa”, defendeu o senador.

Em vídeo de 2015, Caiado aparece elogiando João de Deus durante o aniversário do médium. Segundo o parlamentar, a relação deles é “de família, uma ligação de longa data”. Na gravação, Caiado também elogia o “dom da cura” do médium.

MP pediu prisão preventiva de João de Deus

corre real risco de ser preso após o Ministério Público de Goiás (MP-GO) ter protocolado no fim da tarde da última quarta-feira (12/12) um pedido de prisão preventiva contra ele. Acusado de abuso sexual por quase 400 mulheres, o médium ainda fez a tentativa de continuar realizando seus atendimentos espirituais em Abadiânia.

Dois promotores responsáveis pela força-tarefa que investiga mais de 200 denúncias contra o médium estiveram no Fórum de Abadiânia. O pedido deve ser analisado pela comarca local.

Já o advogado de João de Deus, Alberto Toron, disse em entrevista à Agência Brasil que a informação que eles têm é que efetivamente o MP fez um pedido à Justiça, mas não estão cientes do teor desse pedido. “Sem conhecer, eu não tenho como me contrapor a ele. Vou para Abadiânia ver se eu consigo avaliar esse pedido.”, declarou.

Toron disse ainda ter reafirmado oficialmente às autoridades que seu cliente segue à disposição da Justiça para quaisquer esclarecimentos. João de Deus é suspeito de abuso sexual contra centenas de mulheres e também adolescentes. Ele segue negando as acusações e se diz inocente. Na última quarta-feira, em aparição pública na casa onde faz suas famosas cirurgias espirituais, o médium chegou a dizer que vai provar sua inocência na Justiça.

O balanço mais recente do MP-GO é de 206 possíveis vítimas de João de Deus. As denúncias explodiram depois que quatro mulheres deram seus depoimentos no programa que vai ao ar pela TV Globo, Conversa com Bial.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Mulher que teria sido abusada por João de Deus comete suicídio

Informação foi repassada por Sabrina Bittencourt, ativista social que acompanha o caso, ao jornal Folha de S.Paulo.
13/12/2018, 11h09

Uma das mulheres que disse ter sido abusada sexualmente pelo médium João de Deus cometeu suicídio nesta quarta-feira (12/12), após saber que o líder espiritual foi trabalhar normalmente, na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia. As informações foram obtidas pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo.

De acordo com o jornal, a família da vítima nunca acreditou nas denúncias feitas por ela, pois, todos seriam muito devotos a João de Deus. Ainda de acordo com informações da Folha, Sabrina Bittencourt, ativista social ficou muito abalada ao saber da notícia, e precisou tomar medicamentos desde então. O advogado dela a orientou a não divulgar nenhum detalhe da morte.

O Ministério Púbico de Goiás (MP) montou na segunda-feira (10/12), uma força tarefa para investigar as denúncias de abuso sexual que teriam sido cometidas pelo por João de Deus. Em dois dias de denúncias foram registrados mais de 200 relatos das vítimas. Na manhã de quarta-feira (12/12), o médium esteve na Casa Dom Inácio de Loyola, por cerca de dez minutos.

Ao sair da casa, o médium fez um rápido pronunciamento: “Sou inocente e vou provar minha inocência”. Essa foi a primeira vez que o médium apareceu em público após as mulheres acusá-lo de abuso sexual. As denúncias afetaram o movimento da casa, onde são feitos os atendimentos.

Entenda as acusações contra o médium João de Deus

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) criou uma força-tarefa para conduzir as investigações das denúncias de violação sexual contra o médium João de Deus. O caso será acompanhado por quatro promotores e duas psicólogas. As investigações começaram a partir de uma reportagem exibida na última sexta-feira (07/11), no programa “Conversa com Bial”, da rede Globo.

Em Goiás, o MP tem registros de denúncia contra João de Deus desde 2010. Em 2012, o médium foi denunciado pelo MP por abuso sexual, mas o crime foi arquivado por falta de provas. Já em outro caso o médium foi absolvido.

Imagens: Estadão 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Quase metade dos jovens brasileiros com diploma está fora da área de formação

O número de trabalhadores com ensino superior completo avançou de 13,1 milhões para 19,4 milhões.
13/12/2018, 11h14

O número de brasileiros que concluíram o ensino superior e estão trabalhando fora de sua área de atuação aumentou neste ano. Entre os jovens, esse grupo teve acréscimo de seis pontos porcentuais e já representa 44,2% do total de formados. Se consideradas todas as idades, a parcela é de 38%, o maior patamar desde o início da série histórica, em 2012. O levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra ainda que, além de não estarem empregados em suas áreas de formação, profissionais mais qualificados não estão sendo remunerados como esperavam. Eles ganham 74% menos do que o diploma permitiria.

“A economia não está conseguindo gerar emprego de nível superior”, afirmou a técnica de Planejamento e Pesquisa do Ipea, Maria Andreia Lameiras, uma das responsáveis pelo trabalho. “Ao mesmo tempo, a população está mais escolarizada, o que é positivo. A gente agora tem de começar a criar emprego com perfil adequado para essa escolarização.”

Entre o primeiro trimestre de 2012 e o terceiro trimestre deste ano, o número de trabalhadores com ensino superior completo avançou de 13,1 milhões para 19,4 milhões. Esses profissionais foram os menos afetados pela crise econômica iniciada em 2014. De acordo com o estudo do Ipea, que usa dados do IBGE, a população ocupada com diploma é a única que apresenta taxas positivas de expansão a cada ano desde 2012. Mas nem sempre trabalham no que gostariam e também não recebem o salário que desejavam quando ingressaram na faculdade.

Rebeca Tricarico, de 27 anos, concluiu a graduação em engenharia química em 2016, mas desistiu de procurar emprego na área. “Fui trabalhando com coisas aleatórias, como vendedora de lojas e também como voluntária”, conta. Nem depois de uma pós-graduação ela conseguiu ser contratada como engenheira química. Hoje, atua como assessora técnica na área de clima de uma associação civil.

No setor público, o cenário traçado pelo estudo do Ipea é mais visível, porque muitos concursados com graduação assumem cargos de nível técnico, diz Maria Andreia. Nos últimos meses, houve crescimento do emprego no setor de serviços, enquanto alguns segmentos da indústria ainda estão demitindo. “Tivemos um padrão de crescimento nos últimos anos baseado em setores que não necessariamente requerem mão de obra especializada”, diz ela.

Além de questionar a abertura de vagas para profissionais com graduação, Maria Andreia leva em consideração a qualidade dos cursos. “Não adianta apenas formar, é preciso formar com qualidade.”

José Márcio Camargo, especialista em mercado de trabalho pela PUC-Rio, analisa que, do cenário apontado pelo Ipea, é preciso separar o que está relacionado ao enfraquecimento da economia e o que tem a ver com a qualidade da formação profissional. No que diz respeito à economia, em sua opinião, a tendência é que o quadro melhore a partir do ano que vem, com a retomada da atividade econômica. “A economia tem de voltar a crescer. Sem crescimento e investimento é difícil gerar emprego de qualidade.”

Maria Andreia, do Ipea, também espera um 2019 melhor do que foi este ano, marcado por conturbações políticas e econômicas, como as eleições e a greve dos caminhoneiros. Segundo ela, ainda não foi possível “ver resultados da reforma trabalhista num ano tão confuso, em que a confiança dos empresários ficou abalada”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Multicampeão, Lucho González já prevê mais títulos para o Atlético-PR em 2019

Atlético-PR foi campeão da Sul-Americana.
13/12/2018, 11h25

Aos 37 anos, o argentino Lucho González festejou o título da Copa Sul-Americana, após a vitória do Atlético Paranaense sobre o Junior Barranquilla, nos pênaltis, e declarou sentir como se estivesse celebrando a primeira conquista da sua carreira profissional.

“Ao longo da minha carreira, consegui ganhar vários títulos. Estou feliz como se fosse o primeiro. Estou emocionado. Depois do que vivi (na vida pessoal), nunca imaginei que ia terminar a temporada dessa maneira”, disse o capitão do time paranaense, referindo-se ao problema judicial que tem com a ex-mulher.

O meia, que está no Atlético-PR há dois anos e meio e renovou nesta semana seu compromisso até o fim de 2019, soma 25 troféus na carreira. Com destaque para a medalha de ouro na Olimpíada de Atenas-2004 com a seleção argentina, a Copa Libertadores de 2015 pelo River Plate, os seis Campeonatos Portugueses (2005/2006, 2006/2007, 2007/2008, 2008/2009, 2011/2012 e 2012/2013) com o Porto, além do título francês pelo Olympique de Marselha, em 2009/2010.

“Com trabalho, com sacrifício, muitas vezes a recompensa vem no final. Não tenho palavras para descrever o momento que estamos vivendo”, disse o jogador, logo após levantar a taça da Sul-Americana, com a vitória nos pênaltis sobre o Junior Barranquilla, após empate no tempo normal (1 a 1) e na prorrogação (0 a 0).

Com a camisa rubro-negra, Lucho González entrou em campo 104 vezes, saiu vencedor em 41 jogos e anotou sete gols. “Vamos ter muita competição pela frente e o objetivo é vencer. Quando começou o sonho da Sul-Americana, fomos passo a passo e acreditando que era possível. Temos a Recopa, a Copa Suruga, a Libertadores. Temos que tentar melhorar e sempre ter o objetivo de conquistar mais títulos.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.