Brasil

Atirador de Campinas cita vontade de 'fazer algo grande' em anotações

14/12/2018, 19h20

Em trechos de novas anotações do atirador da Catedral de Campinas, divulgados nesta sexta-feira, 14, ele fala da vontade de “fazer algo grande” para chamar a atenção do Estado e menciona “massacre”. João Euler Grandolpho, de 49 anos, que matou cinco pessoas e depois se matou, na segunda-feira, 10, fala em “carregar a CZ”, em referência à pistola semiautomática 9 mm que usou nos assassinatos.

Os escritos foram encontrados em nova busca feita pela Polícia Civil no quarto de Grandolpho, na casa da família, em Valinhos. Para o delegado José Henrique Ventura, diretor do Departamento de Polícia Judiciária (Deinter 2) de Campinas, as datas nas anotações indicam que ele tinha a arma havia ao menos um ano. “As munições também são antigas, indicando que ele podia estar preparando isso (o ataque) há algum tempo”, disse.

O conjunto de anotações foi encontrado em nova vistoria no cômodo, onde os policiais acharam também quatro carregadores de 9 mm vazios, além de muita munição solta. Nos escritos, Euler reclamava de perseguição e da falta de ação da polícia contra os supostos perseguidores. “Infelizmente (sic) elas só param com ajuda profissional (o Estado negou, minha família negou) ou com um massacre”.

Após criticar os familiares, que chamou de “deficientes mentais”, ele escreveu: “Tenho que fazer algo ‘grande’ p/q isso provoque a necessidade do ‘estado’ fazer uma investigação rigorosa do q. aconteceu e quem são os verdadeiros culpados.” Em outro trecho das anotações, o atirador cita a sigla de um game de tiros. “Comecei a ver live ‘PUBG’. Depois de +/-3 minutos elas invadem e começam a interferência (escandalosa, por sinal) Depois de uns dez minutos, levantei e fui carregar a CZ. Pararam na hora.”

As datas nos textos indicam que muitas anotações eram recentes. “Não sei porque motivo mas hj(29/08/2018) elas estão com fogo no… Desde a madrugada.” Nas novas buscas, foram encontrados também diversos CDs que ainda serão analisados. Conforme Ventura, os novos dados reforçam a tese de que o atirador apresentava quadro psicótico e tinha mania de perseguição. “Ao que tudo indica, ele foi construindo uma história na cabeça dele com o passar dos anos. Ele precisava fazer algo que comprovasse a história da perseguição de que se dizia vítima.”

Segundo o delegado, durante a varredura no quarto, foram encontrados também artigos de jornais sobre suicídio e depressão, além de uma porção de maconha. A investigação está consultando instituições de saúde mental onde, possivelmente, o atirador passou por atendimento, conforme informações de familiares. “Até o momento não foi encontrado nenhum registro disso”, afirmou. O diretor do Deinter disse que ainda há muito material a ser analisado. “Tivemos avanços, mas a investigação continua.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Defesa diz que João de Deus se entregará: "Estamos procurando um local seguro"

Ao se entregar, médium deve ser trazido para Goiânia, onde prestará depoimento e ficará detido.
14/12/2018, 20h12

O médium João de Deus deve se entregar à polícia, segundo a defesa. “Vai se apresentar. Não sei quando, nem onde. Estou avaliando ainda”, disse o advogado Alberto Zacharias Toron, na tarde desta sexta-feira (14/12). Equipes policiais estão em busca do religioso desde o início da tarde de hoje, quando teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. João de Deus foi denunciado por mais de 300 mulheres que relataram abusos sexuais durante consultas espirituais ocorridas na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia.

Por meio de nota, a defesa informou ainda que pedirá habeas corpus contra a decisão, considerada como “ilegal e injusta”. Ao Metrópoles, o outro advogado de João de Deus, Thales Jayme, informou que negocia as condições de entrega com o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes. “É pela integridade do seu João. É claro que ele não vai ficar foragido para sempre. Estamos procurando um local seguro”, explica.

Pedido de prisão de João de Deus

A Justiça aceitou nesta sexta-feira (14/12) o pedido de prisão preventiva do médium João de Deus, protocolado pela força-tarefa da Polícia Civil de Goiás, de acordo com a assessoria. O religioso de 76 anos, agora, pode ser preso a qualquer momento. João de Deus é alvo de inúmeras denúncias de abuso sexual, que explodiram recentemente. Ele é acusado, inclusive, de ter abusado da própria filha

Desde a última sexta-feira (7/12), o médium João de Deus se tornou um dos nomes mais noticiados na imprensa nacional e internacional depois que dez mulheres revelaram-se vítimas de abuso sexual, por meio do programa Conversa com Bial, da TV Globo. Os relatos encorajaram outras centenas de mulheres que também se sentiram abusadas.

Até quinta-feira (13/12), 330 mulheres denunciaram o médium ao Ministério Público de Goiás. João de Deus nega todas as acusações. Também nesta quinta, fiéis se reuniram em frente à ‘Casa’ em uma manifestação em prol de João de Deus. Eles seguravam cartazes com pedidos de amor desejando forças ao médium. Um dos protestantes, estrangeiro, ficou sentando por mais de nove horas com os olhos fechados e segurando o cartaz com a frase “Help João”.

Imagens: AmazonasAtual 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Receptador de carga roubada tenta suicídio ao ser encontrado pela polícia, em Aparecida de Goiânia

Uma negociação por parte dos policiais precisou ser feita para impedir o ato.

Por Ton Paulo
15/12/2018, 09h44

Uma abordagem da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam) na madrugada deste sábado (14/12), na Vila Cruzeiro do Sul, em Aparecida de Goiânia, para encontrar uma carga roubada quase resultou em um suicídio. Uma equipe da Rotam, após denúncia, encontrou um suspeito de ter roubado uma carga de produtos hospitalares e, ao ser abordado, o homem quase tirou a própria vida com uma faca. Uma negociação por parte dos policiais precisou ser feita.

Segundo informações da assessoria da PM, a equipe da Rotam recebeu uma denúncia de que Marcelo Patrício Farias, de 48 anos, estava com uma carga de produtos hospitalares e agrotóxicos que havia sido anteriormente roubada. Por volta das 1h28 de hoje, então, a equipe policial encontrou Marcelo em sua casa, assim como a carga de origem suspeita, que estava na garagem.

Ao ser rendido, Marcelo, em um ato de desespero, sacou uma faca e colocou no próprio pescoço, ameaçando se matar na frente dos policiais. Foi preciso uma longa negociação e persuasão por parte dos policiais da Rotam para fazê-lo desistir da ideia.

Logo em seguida, Marcelo, ao ser questionado sobre seus documentos, apresentou uma documentação falsa. Ao realizar uma averiguação no local, a polícia descobriu máquinas e apetrechos para fazer documentos falsos.

Marcelo foi conduzido para a 4ª Delegacia de Polícia de Aparecida de Goiânia e autuado pelos crimes  de receptação (artigo 180 do Código Penal), uso de documento falso (artigo 304 e falsificação de documento público (artigo 297).

Na última quinta-feira, polícia apreendeu carga roubada de cadernos, em Anápolis

A Polícia Civil de Goiás (PC) deflagrou na última quinta-feira (13/12) uma operação que prendeu sete pessoas acusadas de vender cadernos de um carregamento roubado em Anápolis, distribuindo os produtos frutos de roubo em várias papelarias da região metropolitana de Goiânia. Dos sete que vendiam cadernos roubados, segundo a PC, quatro são proprietários de papelarias. A operação foi batizada pela polícia de Páginas da Vida.

A operação foi realizada pela Polícia Civil através da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (DECAR), e as investigações tiveram início no mês de outubro, quando um carregamento de cadernos foi roubado no município de Anápolis, a 50 quilômetros de Goiânia.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Universidade em Goiânia demite mais de 40 professores de uma só vez e alunos reagem

A universidade alega que os desligamentos fazem parte de um "processo natural da instituição".

Por Ton Paulo
15/12/2018, 11h35

A universidade Estácio de Sá, com sede no Rio de Janeiro e unidades em Goiânia e Aparecida de Goiânia, pegou muita gente de surpresa esta semana ao demitir de uma só vez 43 professores que lecionavam na capital goiana. A demissão em massa está sendo denunciada por professores nas redes sociais desde ontem (14/12), e o corte dos docentes parece ter ocorrido em outras unidades da instituição de outros estados, que alegou “motivos administrativos”. Alunos estão se mobilizando em favor dos professores demitidos.

De acordo com informações de um jornal local, denúncias recebidas informam que eram todos professores contratados pela CLT, possuíam pouco tempo de vínculo empregatício e foram demitidos sem justa causa.

A demissão em massa gerou reações tanto dos professores, que foram às redes sociais expor o ocorrido, quanto dos alunos que, mobilizados através do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da universidade Estácio de Sá, fizeram uma manifestação na noite da última sexta-feira (14/12) na porta da instituição, localizada no Shopping Estação da Moda, em Goiânia.

Segundo o estudante de Educação Física e presidente do DCE Helenira Rezende, Guilherme Mariguella, de 20 anos, o ato reuniu cerca de pessoas de 20 pessoas e teve que ser feito na entrada da unidade, uma vez que eles foram impedidos de entrar. Ainda de acordo com Guilherme, os estudantes de Goiás estão se mobilizando com os de outros estados. “Começamos a fazer o ato por volta das 18h30, e eles não nos deixaram entrar. Estamos fazendo contato com os DCEs [da Estácio] de outros estados, onde também estão ocorrendo essas demissões”.

Universidade em Goiânia demite mais de 40 professores de uma só vez e alunos reagem
Alunos fazem ato em frente à Estácio de Sá, em Goiânia (Foto: Reprodução)

Por meio de uma nota assinada pelos DCEs da Estácio de Sá de Goiás, Rio de Janeiro, Pernambuco e Maranhão, os estudantes que se manifestaram em prol dos professores demitidos declaram que a “universidade se utiliza de artifícios oriundos da mudança nos direitos trabalhistas para favorecer o empregador”, e que não vão “aceitar calados atitudes arbitrárias, que são tomadas com o único objetivo de prejudicar a qualidade de ensino”.

Estácio de Sá diz que desligamentos são parte de um “processo natural da instituição”

Em nota enviada ao Dia Online, a assessoria de comunicação da instituição de ensino superior declarou que os desligamentos são naturais, uma vez que universidade “periodicamente precisa rever a sua base de docentes”. Confira abaixo a íntegra da nota:

“Sobre os fatos a Estácio esclarece: Os desligamentos realizados fazem parte de um processo natural de uma instituição de ensino, que periodicamente precisa rever a sua base de docentes, adequando-a às necessidades do mercado, demandas de cursos e às particularidades das praças em que atua.  A Estácio é um dos maiores grupos de ensino do país, que continuamente realiza ajustes na sua operação como um todo, buscando um crescimento sustentável para ofertar ensino de qualidade em larga escala.  Reforçamos que nosso principal compromisso é com a qualidade acadêmica, para que possamos cumprir a nossa missão de Educar para Transformar.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Câmera mostra acidente chocante de motociclista que ignorou placa de Pare, em Goiânia

As imagens mostram o momento em que o motociclista é literalmente atirado contra barras de proteção.

Por Ton Paulo
15/12/2018, 13h21

A cena de um acidente chocante foi flagrada por câmeras de segurança na manhã deste sábado (15/12), no Setor Jardim América, em Goiânia. Um motociclista em alta velocidade ignorou a placa de sinalização de Pare da pista onde trafegava e chocou violentamente com um carro que entrava no cruzamento de duas pistas, em via preferencial. As imagens mostram o momento em que o motociclista é literalmente atirado contra barras de proteção.

De acordo com a Delegacia de Crimes de Trânsito (DICT), o acidente ocorreu por volta de 07h50, na Rua C-143, no Jardim América, Goiânia. Tales Alves Lima, de 18 anos conduzia sua motocicleta, uma Honda/CG 150 Titan, cor preta, pela rua mencionada, na pista de sentido aproximado Av. T-63/Av. T-9 onde havia sinalização horizontal e vertical de “Pare”, enquanto que a motorista de um Chevrolet Onyx vinha pela Rua C-137, via preferencial, na pista de sentido Jardim América-Setor Bueno.

Ainda de acordo com a DICT, e como é possível ver nas imagens capturadas, Tales, que estava em alta velocidade, ignora a sinalização de Pare e colide violentamente com o veículo que fazia o cruzamento. Com a força da batida, a moto, assim como o condutor, é atirada a metros de distância, batendo em tocos de proteção.

A condutora do Ônix, uma moça de 21 anos, permaneceu no local do fato e foi submetida ao teste do bafômetro, cujo resultado foi negativo.

Motociclista que sofreu acidente chocante em Goiânia está internado em estado grave

A vítima Tales foi socorrida pelo resgate e encaminhada ao Hospital de Urgências de Goiânia, o HUGO, onde se encontra entubado, em estado grave.

Funcionários do HUGO, ao Dia Online, informaram que Tales está internado na Emergência e, devido a isso, só estão autorizados a fornecer detalhes de seu estado a familiares.

Veja o momento do acidente:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.