Entretenimento

Fernanda Lima explica processo contra Eduardo Costa: 'inibir agressões'

A apresentadora afirmou que as desculpas dadas por Eduardo Costa teriam sido feitas após ela já ter autorizado o processo.
15/12/2018, 14h00

A apresentadora Fernanda Lima usou seu perfil no Instagram na sexta-feira, 14, para fazer um esclarecimento a respeito do processo que está movendo contra o cantor Eduardo Costa. Ela também atribuiu a situação à qual vem passando ao machismo presente na sociedade.

“Depois de ser difamada, agredida e ameaçada por ele através de um post indignado, procurei orientação jurídica a fim de proteger a mim e à minha família. Fui orientada a processá-lo, pois dessa forma inibiria agressões futuras. E assim o fiz.”

Segundo Fernanda, as desculpas dadas por Eduardo Costa teriam sido feitas após ela já ter autorizado o processo, “deixando claro que não se arrepende do que disse, e sim da forma como disse.”

A apresentadora ainda relatou que tem recebido mensagens de ódio por parte dos fãs do sertanejo: “Ontem mesmo minha assessoria recebeu telefonema de um fã dele me ameaçando.”

Fernanda Lima afirmou “não entender” as desculpas dadas por Eduardo e demonstrou não estar convencida de que sejam reais. “Além disso, um pedido de desculpa verdadeiro pode até ser louvável, mas ele não repara o mal que fez à vítima”, complementou.

“Faz parte do machismo estrutural transformar a vítima em ré. Era justamente esse o assunto do meu programa Amor & Sexo que tanto indignou o meu agressor.”

A apresentadora também aproveitou o espaço para desmentir notícias publicadas na imprensa de que teria ficado “possessa” ao saber da entrevista de Eduardo Costa a Pedro Bial e de que teria tentado impedir que o cantor fizesse parte de outros programas na emissora.

“Não tenho ingerência sobre a escolha dos convidados dos programas da emissora – com exceção do Amor & Sexo”, afirmou, antes de concluir ressaltando sobre “como é importante falarmos e sabotarmos essa engrenagem machista”.

Entenda o caso

A confusão entre os dois começou após a apresentadora fazer um discurso incisivo sobre o conservadorismo durante o Amor & Sexo que foi ao ar em 6 de novembro.

Na ocasião, Fernanda foi chamada de “imbecil” (entre outras ofensas) por Eduardo Costa, que também afirmou, por meio de seu perfil no Instagram: “a mamata vai acabar, a corda sempre arrebenta pro lado mais fraco e o lado mais fraco hoje é o que ela está”.

Posteriormente, o cantor voltou atrás e pediu desculpas. No dia 30 de novembro, Costa foi entrevistado pelo Conversa com Bial, da Globo, mesma emissora em que Fernanda trabalha, e pediu desculpas por meio de um vídeo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Suspeito de estupros em Rio verde é preso pela polícia

Última ação de Cleudson foi registrada na quarta-feira (12/12) quando invadiu uma casa e estuprou uma jovem.
15/12/2018, 15h12

O jovem Cleudson Pereira da Conceição, de 21 anos, foi preso na noite da última sexta-feira (14/12) suspeito de ser o autor dos estupros na cidade, a 238 quilômetros de Goiânia. O último caso, foi registrado pela polícia, na quarta-feira (12/12), quando uma jovem foi estuprada pelo jovem.

A Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) em Rio Verde, encontrou o suspeito no início da noite da última sexta-feira, depois de buscas pela cidade. A procura pelo suspeito de estupros no município se intensificou, após duas tentativas de estupros na cidade, uma registrada no dia (4), outra no dia (8) e um estupro consumado na última quarta-feira (12/12) no Bairro Martins, em Rio Verde.

Segundo as informações divulgadas pela polícia, Cleudson tem outras passagens por roubo, furto e porte ilegal de arma de fogo. Após a prisão do jovem, foi constatado que Cleudson estava cumprindo pena no regime semiaberto.

Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) de Rio Verde procurava o suspeito

Após a primeira tentativa de estupro no dia 4 de dezembro de 2018, a delegada Jaqueline Camargo da DEAM de Rio Verde, divulgou o retrato falado de um possível suspeito de cometer os crimes. Porém, o retrato não era do atual estuprador, mas de um suspeito de cometer os crimes em março deste ano na cidade.

Com toda repercussão e inclusive com as redes sociais dando conta de um maníaco a solto na cidade, a delegada divulgou uma nota negando a existência do maníaco. Pois, segundo a nota divulgada, nas duas tentativas de estupro e no estupro consumado na última quarta-feira (12/12) os suspeitos eram diferentes nos relatos das vítimas.

De acordo com a Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) em Rio Verde, após a prisão, Cleudson confessou ser o autor dos crimes na cidade. A prisão do jovem se deu após uma ação conjunta entre o 2º Batalhão da Polícia Militar (2º BPM), a 19ª Companhia Independente da Polícia Militar (19ª CIPM) e o CPE do Bairro Martins, em Rio Verde.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Defesa de João de Deus pede habeas corpus do médium

Justiça decretou prisão do médium na última sexta-feira (14/12).
15/12/2018, 15h39

A expectativa era de que o médium, João de Deus, se entregasse a polícia neste sábado (15/12), após ter o pedido de prisão preventiva aceito pela justiça. No entanto, mesmo com o pedido em aberto e com negociações da defesa com a polícia, o médium não se entregou e não deve fazer isto antes das 20h deste sábado. Com o tempo ganho pela defesa durante as negociações, os advogados de João de Deus protocolaram nesta tarde o pedido de habeas corpus do médium.

Caso João de Deus

Uma reportagem exibida na sexta-feira (7/12) no programa Conversa com Bial, da Rede Globo de Televisão, com 12 mulheres que denunciaram terem sido abusadas pelo médium durante os atendimentos na casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, no Entorno do Distrito Federal (DF).

A partir da reportagem foi criada uma rede de denúncias pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), com apoio da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) e outras forças policiais para investigar as denúncias contra o médium. Além da força tarefa, um canal de comunicação e de denúncias foi criado pelo MPGO, para que outras vítimas do médium denunciassem os abusos. Através do canal, o MP recebeu mais de 300 denúncias contra João de Deus.

Com todas denúncias contra o Medium, na última quarta-feira (12/12) o MPGO pediu a prisão preventiva do médium, no entanto o pedido que foi enviado ao Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) foi acatado apenas na tarde da última sexta-feira (14/12).

Após ter aceito o pedido de prisão preventiva contra o médium, a polícia busca dar cumprimento ao mandado, mas o mesmo já foi procurado em mais de 20 endereços e até o momento não foi encontrado. Conforme as informações divulgadas até o momento, o MPGO já considera o médium foragido da justiça, e a partir de agora ele pode ser preso por qualquer autoridade policial em Goiás, fora de Goiás e até mesmo fora do Brasil.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Toffoli suspende veto a Crivella sobre uso de máquina pública

ção foi movida após Crivella realizar um encontro de líderes religiosos no Palácio da Cidade, sede da Prefeitura.
15/12/2018, 16h32

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, suspendeu decisão da 7.ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro que proibia o prefeito da capital fluminense, Marcelo Crivella (PRB), de utilizar a máquina pública em defesa de seus interesses pessoais ou de seu grupo religioso. O político é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus.

A proibição havia sido decretada em julho deste ano pelo juiz Rafael Cavalcanti Cruz a pedido do Ministério Público. A ação foi movida após Crivella realizar um encontro de líderes religiosos no Palácio da Cidade, sede da Prefeitura, para oferecer auxílio em cirurgias de cataratas e varizes para fiéis da Universal e assistência a pastores com irregularidades no IPTU dos templos. Se o prefeito descumprisse com a medida, poderia ser afastado do cargo.

A liminar concedida por Toffoli esclarece que o pedido apresentado pelo município do Rio de Janeiro pela suspensão da proibição tinha ‘plausibilidade jurídica’ visto que ficou demonstrada ‘existência de grave lesão à ordem pública’ ao comprometer o ‘pleno exercício das funções típicas do prefeito’, impedindo Crivella de cumprir agenda institucional.

Entre as restrições impostas a Crivella estavam a proibição de atuar em favor da Igreja Universal do Reino de Deus, realizar censo religioso na administração pública ou entre pessoas que utilizavam seus serviços, conceder patrimônio ou qualquer forma de estímulo a entidades religiosas fora das hipóteses legais previstas, utilizar espaços públicos para doutrinação religiosa ou aconselhamento espiritual e implantar uma agenda religiosa para a população do Rio de Janeiro.

O município apresentou recurso ao Tribunal de Justiça do Rio, que apenas suspendeu a ameaça de afastamento do cargo. No Superior Tribunal de Justiça, o recurso não foi concedido por se tratar de ‘controvérsia jurídica de natureza constitucional’, sendo então da competência do Supremo.

Ao deferir liminar, Toffoli afirmou que ‘não ser possível verificar que Crivella tenha atuado em favor ou mantido relação de aliança ou dependência com entidade religiosa’ a ponto de ferir a Constituição. “Assim, inexistindo potencial violação constitucional, o ato de impedir que o chefe do Poder Executivo estabeleça diálogo institucional com quaisquer confissões religiosas revela ingerência desproporcional na execução das suas funções executivas”, anota o ministro.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Dupla invade casa mata um e baleia outros dois, em Goianira

Polícia acredita em execução.
15/12/2018, 16h39

Um rapaz morreu e outros dois foram baleados na noite da última sexta-feira (14/12) no Residencial Montagno, em Goianira, a 32,7 quilômetros de Goiânia.

A Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) informou ao Portal Dia Online que uma testemunha viu toda ação e chamou a polícia. A testemunha contou aos policias, que estava na rua quando um carro gol de cor verde, com dois homens dentro, estacionaram em frente a sua casa e observaram o movimento.

Conforme o relato, os dois suspeitos foram embora, mas voltaram depois e entraram na casa que estava com o portão meio aberto e atiraram contra três pessoas na residência e fugiram em seguida. Os tiros atingiram, Pedro Ivo Cardoso de Oliveira, que não resistiu aos ferimentos e morreu no local; Jhonatas Gabriel Santos Nascimento e um terceiro rapaz, de 20 anos, que não foi identificado.

Os dois baleados foram socorridos e levados em estado grave para Hospital de Urgências da Região Noroeste Governador Otávio Lage de Siqueira (HUGOL). A polícia afirmou, que os trabalha com crime de execução, pois as vítimas possuem uma extensa ficha criminal.

A autoria e a motivação do crime ainda são desconhecidos, o caso agora vai ser investigado pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH). O Portal Dia Online entrou em contato por e-mail com HUGOL, para saber o estado de saúde de ambos os pacientes, mas até a publicação desta matéria, não teve resposta.

Grupo invade casa e mata homem a tiros, em Goiânia

Um outro caso foi registrado na última quinta-feira (13/12), quando um grupo armado pulou o muro e invadiu uma casa, no Bairro Capuava, em Goiânia. O alvo do grupo era Henrique Ferreira Menezes, de 26 anos, que foi morto a tiros pelo grupo.

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO) esteve no local para prestar os primeiros socorros a vítima. No entanto, o CBMGO informou ao Portal Dia Online que quando chegou na casa de Henrique, o rapaz já havia sido levado pelo pai para o Cais Cândida de Morais, onde foi constatado o óbito.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.