Entretenimento

Sátira do futebol

20/12/2018, 07h08

Em Cannes, em maio, havia jornalistas inconformados porque Diamantino, da dupla Gabriel Abrantes/Daniel Schmidt, integrava a seleção da mostra paralela Semana do Crítica, e não a competição. Diamantino venceu o prêmio da Semana. Teria sido uma Palma de Ouro mais ousada e criativa que a de Assunto de Família, do japonês Hirokazu Kore-eda, que venceu o prêmio. Diamantino não é o que se chama de diamante bruto – é muito bem lapidado pela dupla de autores. E é um óvni, um daqueles filmes difíceis de classificar que, volta e meia, aterrissam num cinema perto de você para fazer a festa dos cinéfilos. Diamantino pretende ser uma sátira da fama. Está no topo da vida, da carreira, mas aí tudo começa a dar errado.

Ele comete um vacilo numa final de campeonato, tem duas irmãs ‘do mal que o usam para promover a extrema-direita em Portugal e afastar o país da comunidade europeia. E o filme ainda tem uma policial (negra), que se faz passar por garoto, e refugiado, para investigar o affair. O que ainda falta dizer para estimular sua vontade de ver o filme – uma coprodução franco/portuguesa/brasileira – que estreia nesta quinta, 20?

Ah, sim – Diamantino, o personagem, é interpretado por Carloto Cotta, o belo que substituiu Louis Garrel na preferência de todos os sexos e tendências de amantes da sétima arte. Cotta estrelou dois filmes de Miguel Gomes – Tabu e Mil e Uma Noites, mais o média de Eugene Green, Como Fernando Pessoa Salvou Portugal, que, a despeito da duração, talvez tenha sido o melhor filme da Mostra de São Paulo, em outubro. Em novembro, a dupla de diretores veio ao Brasil, mais exatamente, ao Festival do Rio. Encontraram – Abrantes e Schmidt – a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. Estavam felicíssimos com a acolhida internacional a seu filme. Só o fato de que se tenham encontrado – em 2006 – e vivam e produzam juntos já é um desses pequenos milagres da vida. Abrantes, português, foi estudar em Nova York numa escola gratuita, com bolsa de permanência – a Cooper Union for the Advancement of Science and Arts. Schmidt, muito bem-nascido, estudou numa escola de artes podre de chique, e cara. Seus caminhos se cruzaram, eles se identificaram e trabalham juntos.

Já que se trata de um óvni, a pergunta que não quer calar – Diamantino é o quê? Thriller, ficção científica, relato político? “Você nos diga, porque até agora também estamos tentando descobrir”, diz Abrantes. E Schmidt – “Independentemente do que seja, o que nos une é a convicção de que só o humor pode nos ajudar a entender o absurdo da vida, e do mundo.” Uma inspiração foi o ensaio do escritor norte-americano David Foster Wallace sobre o tenista Roger Federer. E, claro, o mítico Cristiano Ronaldo, atualmente na Inter, de Milão, com quem Carloto Cotta, de alguma forma, terminou por se assemelhar fisicamente. “Carlotto superou nossa expectativa. Além de ser um belo homem e um grande ator, sua dedicação ao personagem o levou a uma preparação física intensa.”

Embora a ideia inicial não fosse satirizar o mito do grande jogador, a persona de Cristiano Ronaldo terminou por projetar sua sombra sobre o filme. “Ele é hoje o maior ícone do país e sua trajetória tem aspectos que seriam particulares se não ocorressem aqui no Brasil também.

Cristiano veio de um meio pobre e ficou milionário com esse esporte que é o grande amor lusitano, o futebol. Sabíamos que a comparação seria inevitável”, disse Abrantes. Diamantino, o homem, tem no filme uma dimensão ingênua muito forte. É meio Forrest Gump, lembrando o personagem famoso de Tom Hanks no filme que Robert Zemeckis adaptou do livro de Winston Groom. Será um (outro) idiota? “Diamantino pode ser um ignorante, mas não é idiota. Preferimos vê-lo com um simplório”, diz Schmidt. E Abrantes, que chega um pouquinho atrasado para a entrevista, acrescenta – “Nosso interesse era criar um personagem basicamente simples, por meio do qual pudéssemos exercitar um olhar novo sobre temas da maior relevância. Veja que estamos abordando aqui a situação dos refugiados, que é hoje a maior tragédia da Europa.”

Na trama, Diamantino falha no que seria o gol de uma partida decisiva. Entra em crise, e para agravar participa de um programa de TV, no qual deve responder às perguntas da entrevistadora dizendo apenas ‘Sim ou ‘Não. É hilário, mas o melhor ainda está por vir. As irmãs autorizam que Diamantino seja submetido a um experimento genético com o objetivo de clonar seu gênio esportivo, mas que, na verdade, ‘feminiliza seu corpo. E é isso que promove sua aproximação da policial negra, pintada como lésbica no começo da história, e que vai se envolver com esse novo Diamantino, mais ‘feminino, menos ‘viril.

Justamente a trama ‘romântica de Diamantino termina por ser a homenagem dos diretores à grande tradição das comédias de Hollywood. “Acho que foi o que nos aproximou inicialmente. Ambos gostamos muito de Preston Sturges, de Leo McCarey, mas principalmente de Howard Hawks e de Bringing Up Baby/Levada da Breca no Brasil, seu clássico com Cary Grant e Katharine Hepburn”, conta Schmidt. “Atingir aquele timing foi algo a que nos dedicamos com empenho. Por toda parte temos tido uma resposta muito boa para o humor do filme. As pessoas se encantam. Mas não é humor pelo humor, só para rir. É a nossa forma de encarar a crise contemporânea.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

PC deflagra operação para desarticular braço financeiro do Comando Vermelho em Goiás

A operação, que foi batizada de Red Bank (que significa Banco Vermelho), prendeu nove pessoas até agora.

Por Ton Paulo
20/12/2018, 07h40

A Polícia Civil deflagrou na manhã da última quarta-feira (19/12) uma operação que tem por objetivo desarticular o braço financeiro da facção criminosa Comando Vermelho no estado de Goiás. A operação, que foi batizada de Red Bank (que significa Banco Vermelho), prendeu nove pessoas até agora.

A operação, conduzida pelo delegado Douglas Pedrosa, foi deflagrada pelos investigadores da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), depois de vários meses de apuração do caso.

Contando com apoio de diversas outras unidades da Polícia Civil, os policiais prenderam nove pessoas, apreenderam 21 veículos de luxo, uma lancha, aproximadamente R$ 2 milhões de reais em espécie e R$ 5 milhões de reais em cheques.

A apresentação detalhada do caso será feita na manhã de hoje.

O Comando Vermelho em Goiás

O Comando Vermelho (CV) é outra das maiores organizações criminosas do Brasil. Foi criada em 1979 na prisão Cândido Mendes, na Ilha Grande, Angra dos Reis, Rio de Janeiro.

Entre os integrantes da facção, que se tornaram famosos depois de presos, estão o líder Fernandinho Beira-Mar, Marcinho VP, Mineiro da Cidade Alta, Elias Maluco e Fabiano Atanazio (FB). O CV já possui ramificações em outros estados brasileiros como Rondônia, Roraima, Tocantins, Mato Grosso, Espírito Santo, Acre, Pará, Maranhão, Alagoas, Rio Grande do Norte, Ceará, Mato Grosso do Sul, Goiás,Distrito Federal, Amazonas e algumas partes de Minas Gerais, Piauí , Paraíba, Pernambuco e da Bahia.

Em novembro deste ano, um dado preocupante relacionado à segurança pública goiana foi entregue pelo Ministério da Segurança Pública ao governador eleito Ronaldo Caiado (DEM). De acordo com o relatório entregue ao democrata, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV) contam com ao menos 1.500 membros em Goiás, respectivamente.

Os números foram entregues a Caiado em audiência que ele teve com o ministro Raul Jungmann. As informações também dão conta de que os integrantes das facções estão distribuídos principalmente em grandes cidades goianas como Anápolis, Catalão, Formosa, Jataí e Itumbiara.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 50 milhões

O concurso 2.109 será realizado a partir das 20h.
20/12/2018, 07h43

No último concurso deste ano, antes da Mega da Virada, a Mega-Sena sorteia nesta quinta-feira (20) o prêmio de R$ 50 milhões. O concurso 2.109 será realizado a partir das 20h (horário de Brasília) no Caminhão da Sorte, estacionado na Praça João Luiz da Silva em Conselheiro Pena, em Minas Gerais.

Segundo a Caixa, o dinheiro do prêmio é suficiente para adquirir um jatinho particular no valor de R$ 25 milhões e 12 apartamentos de luxo, mobiliados, com carro na garagem. Caso aplicado na poupança, o valor renderia R$ 185 mil mensais.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 3,50.

Mega da Virada

A 10ª edição do concurso especial vai pagar um prêmio estimado pela Caixa em R$ 200 milhões. O sorteio será realizado no dia 31 de dezembro. As apostas começaram a ser feitas no dia 5 de novembro. Caso apenas um ganhador leve a Mega da Virada e aplique todo o dinheiro na poupança, ele renderia R$743 mil por mês. O prêmio não acumula, ou seja, caso nenhuma aposta acerte as seis dezenas, o prêmio vai para quem fizerr a quina.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem é morto a tiros dentro de loja de pneus, em Goiânia

Vítima fazia o alinhamento de uma caminhonete, quando foi alvejado pelos suspeitos.
20/12/2018, 08h08

Um homem foi morto a tiros na tarde da última quarta-feira (19/12) dentro de uma loja de Pneus, quando fazia o alinhamento de uma caminhonete, na Avenida Pedro Ludovico, no Parque Oeste Industrial, em Goiânia.

A Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) informou ao Portal Dia Online que a vítima foi identificada como César Luiz Ramos, de 34 anos. Segundo as informações repassadas pela polícia, a vítima estava fazendo o alinhamento de uma caminhonete, quando dois homens encapuzados desceram de outra caminhonete e atiraram pelo menos seis vezes contra Cézar e fugiram em seguida.

De acordo com a polícia, Cézar morreu no local e um mecânico que não teve o nome revelado foi baleado na mão e encaminhado a uma unidade hospitalar próxima a oficina, para tratar o ferimento.

Conforme a PC, a dupla que fugiu logo depois do assassinato abandonou o carro em uma rua e colocaram fogo no veículo. A polícia vai usar imagens das câmeras de segurança do homicídio, para tentar identificar os suspeitos e a motivação do crime.

Mortos a tiros em Goiânia

No último dia 12 de dezembro de 2018, Michael Crichiton Pereira, de 18 anos, foi morto a tiros, no Conjunto Vera Cruz II, em Goiânia. Michael foi atingido com cinco tiros e a principal suspeita da polícia é o envolvimento com o tráfico de drogas.

Em novembro outros casos também foram registrados na capital

No dia 5 de novembro de 2018, Pedro Cleibe Vieira Gonzaga, de 43 anos, estava em casa com a família, quando outros homens invadiram sua residência, no setor Chácaras Recanto das Minas Gerais, em Goiânia, e o alvejaram com vários tiros de calibre nove milímetros. Durante o atendimento a ocorrência, a polícia encontrou o corpo da vítima debaixo de um berço de criança, como se tentasse fugir e se proteger dos disparos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Brasileiro já passa 21 anos na aposentadoria

Um reflexo disso é o aumento recente no número de aposentadorias pagas a pessoas com mais de 80 anos.
20/12/2018, 08h18

Os brasileiros estão passando uma parte cada vez maior de suas vidas na aposentadoria, o que tende a pressionar ainda mais as despesas públicas, segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Em uma década e meia, a duração média dos benefícios concedidos por tempo de contribuição saltou de 14,7 anos para 20,9 anos, no caso dos homens, e de 15,2 anos para 21,2 anos, no caso das mulheres. Isso significa que os brasileiros que se aposentam por tempo de contribuição ficam um quarto de suas vidas na inatividade, recebendo os pagamentos do INSS.

A aposentadoria por tempo de contribuição é considerada um “privilégio” porque é acessada geralmente pelos mais ricos, que conseguem permanecer por mais tempo num emprego com carteira assinada. Pelas regras atuais, para se aposentar por tempo de contribuição são necessários 35 anos (homens) e 30 anos (mulheres) de contribuição. Essa modalidade deixaria de existir com a instituição de uma idade mínima, considerada essencial para equilibrar as contas públicas. No ano que vem, o déficit esperado com a Previdência é de R$ 218 bilhões.

A pesquisa considera apenas os benefícios já cessados, ou seja, cujos beneficiários faleceram. Para as aposentadorias solicitadas mais recentemente e ainda em vigor, a expectativa de duração dos pagamentos é até maior e, no caso das mulheres, já ultrapassa o tempo de contribuição exigido para a concessão (30 anos).

A idade média de concessão da aposentadoria por tempo de contribuição foi de 55,6 anos para homens e 52,8 anos para mulheres. Considerando a expectativa de sobrevida dos brasileiros nessas idades, o benefício será pago por 24 anos aos homens e por quase 31 anos às mulheres.

“Dado que as pessoas estão vivendo mais, naturalmente os benefícios vão ter duração maior e vão pressionar a despesa. É preciso ir adequando a Previdência às transformações demográficas”, afirma o pesquisador Rogério Nagamine, um dos autores do estudo. A nota técnica também foi desenvolvida pelos técnicos Alexandre Zioli Fernandes, Carolina Fernandes dos Santos e Otavio Sidone.

Precoces

Como o Brasil ainda permite aposentadorias precoces, Nagamine alerta que os benefícios pagos por aqui acabam durando mais do que em vários países da Europa, que têm expectativa de vida maior, mas exigem idade mínima para pedir o benefício.

Um reflexo disso é o aumento recente no número de aposentadorias pagas a pessoas com mais de 80 anos. No INSS, eles chegaram a 3,6 milhões no ano passado, ante 2,7 milhões em 2010. Um aumento de 34%, segundo dados coletados por Nagamine e publicados em recente boletim da Fipe.

O ideal para padrões previdenciários e atuariais é que o trabalhador contribua dois anos para cada ano de recebimento do benefício. Isso porque a contribuição sempre é menor do que o valor que será recebido pelo segurado no futuro. Para se ter uma ideia, um trabalhador que ganha o salário mínimo paga hoje R$ 76,32 ao INSS, enquanto seu empregador arca com R$ 190,80 ao mês, para que ele ganhe no futuro exatamente um salário mínimo (atualmente em R$ 954).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: jusbrasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.