Esportes

Na mira de time chinês, Felipão já recusou proposta do Boca, diz jornal

30/12/2018, 20h04

Em alta após conquistar o título brasileiro com o Palmeiras, Luiz Felipe Scolari tem sido especulado em diversas equipes estrangeiras para 2019. Depois de receber uma proposta para comandar a seleção colombiana, sem técnico desde a saída do argentino José Pékerman, Felipão despertou o interesse do Boca Juniors-ARG e dos chineses do Dalian Yifang, que ainda tentam convencer o treinador a deixar o alviverde. As informações são do jornal espanhol Sport.

Segundo o veículo, Scolari já teria recusado uma primeira proposta do time chinês, que planeja se tornar um dos maiores do país nos próximos anos, passando a brigar pelos títulos locais (Superliga e Copa da China) e pela Liga dos Campeões asiática. O treinador levantou todos estes troféus em sua passagem pelo Guangzhou Evergrande, entre 2015 e 2017. A publicação espanhola ainda informa que os chineses devem apresentar nos próximos dias uma nova proposta pelo treinador.

Outro clube de fora que teria procurado Felipão é o argentino Boca Juniors, vice-campeão da Copa Libertadores deste ano e carrasco do próprio Palmeiras na semifinal do torneio. Sem técnico após a demissão de Guillermo Barros Schelotto, que não resistiu à perda do título continental para o River Plate, o Boca ouviu um “não” de Scolari, que não gostaria de enfrentar o alviverde na próxima edição da Libertadores.

Com contrato com o Palmeiras até o fim de 2020, o treinador segue firme nos planos do clube para a próxima temporada. Até o momento, a diretoria trouxe os atacantes Arthur Cabral (Ceará), Carlos Eduardo (Pyramids) e Felipe Pires (Hoffenheim), o volante Matheus Fernandes (Botafogo) e os meias Zé Rafael (Bahia) e Raphael Veiga (que volta de empréstimo do Athletico-PR). O grande sonho de consumo, no entanto, é o meia-atacante Ricardo Goulart (Guangzhou Evergrande-CHI), que foi comandado por Felipão no futebol chinês.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Aposentadoria tem novo cálculo a partir de hoje

O pedido de aposentadoria pode ser solicitado pelo número 135 ou pelo site do INSS.
31/12/2018, 08h23

O cálculo das aposentadorias por tempo de contribuição mudou hoje (31), quando foi acionada uma regra implementada por lei em 2015. A regra exige um ano a mais para homens e mulheres se aposentarem. A atual fórmula, conhecida como 85/95, vai aumentar um ponto e se tornar 86/96.

De acordo com a fórmula 85/95, a soma da idade e do tempo de contribuição era de 85 anos para mulheres e 95 para homens. O tempo de trabalho das mulheres era de 30 anos e o dos homens, de 35 anos. Isso significa, por exemplo, que uma mulher que tenha trabalhado por 30 anos, precisaria ter pelo menos 55 anos para se aposentar.

A partir de hoje, para se aposentar com o tempo mínimo de contribuição, ela deverá ter 56 anos. A mesma soma precisará alcançar 86 e 96. A fórmula será aumentada gradualmente até 2026.

O pedido de aposentadoria pode ser solicitado pelo número 135 ou pelo site do INSS.

Fórmula

A regra de aposentadoria é fixada pela Lei 13.183/2015. Nos próximos anos, a soma voltará a aumentar, sempre em um ano. A partir de 31 de dezembro de 2020, passará a ser 87/97; de 31 de dezembro de 2022, 88/98; de 31 de dezembro de 2024, 89/99; e, em 31 de dezembro de 2026 chegará à soma final de 90/100.

Além de se aposentar por essa regra, os trabalhadores podem atualmente se aposentar apenas por tempo mínimo de contribuição: 35 anos para os homens e 30 anos para as mulheres, independente da idade. Nesses casos, no entanto, poderá ser aplicado o chamado fator previdenciário que, na prática, reduz o valor da aposentadoria de quem se aposenta cedo.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Mulher é morta a facadas, em Goiânia

Francisco e Maria eram casados há mais de 45 anos.
31/12/2018, 08h29

Um idoso de 70 anos foi preso em flagrante pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) no último domingo (30/12) suspeito de matar a facadas a esposa, de 66, com quem era casado há mais de 45 anos, no Residencial Conquista, em Goiânia.

Maria Conceição foi morta com pelo menos quatro facadas no tórax e apresentava lesões nos braços como se tentasse se defender, segundo os levantamentos feitos pela polícia. Conforme o relato, Francisco fugiu do local do crime, mas foi preso logo depois por volta das 10h do domingo.

Mulher foi morta a facadas por ciúmes

A prisão de Francisco foi efetuada pela equipe do delegado Hellynton Carvalho que estava de plantão pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH). Segundo as informações repassadas pela polícia, o idoso afirmou que matou a esposa por ciúmes. Francisco foi preso e autuado em flagrante por feminicídio.

Outros casos de feminicídio em Goiás

Em outubro deste ano, um outro caso em que a mulher foi morta a facadas pelo marido foi registrado m Itumbiara a 205 quilômetros de Goiânia. Amilson Custódio Cardoso, de 40 anos, chamou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (SAMU) para atender a ocorrência em que a esposa Gilsema Andrade, de 45 teria cometido suicídio.

Além do SAMU, o delegado titular da regional de Itumbiara, Ricardo Chueire esteve no local, para investigar as causas da morte da diarista. Durante o levantamento, o delegado afirmou foram encontradas marcas de luta corporal e que a versão do marido era contraditória. Amilson foi preso em flagrante por feminicídio e por mentir para polícia.

No dia dois de dezembro de 2018, Valéria Sousa Silva, de 41 anos, foi morta pelo namorado, Fernando de Oliveira Guimarães, de 26 anos, com uma facada no pescoço, em Anápolis, a 55 quilômetros. Fernando fugiu do local do crime, mas foi preso em seguida pelo Grupo de Investigação de Homicídios (GIH).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Pancadas de chuva em Goiânia devem marcar último dia de 2018

A previsão meteorológica da capital foi divulgada pelo Inmet em seu site, e faz um levantamento também de como deve estar o tempo nos próximos dias.

Por Ton Paulo
31/12/2018, 08h51

Esta segunda-feira, 31 de dezembro, último dia do ano de 2018, deve ser marcada por, além de festas e comemorações do tradicional Réveillon, também pancadas de chuva em Goiânia, capital de Goiás. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, o Inmet, Goiânia, que já amanheceu nublada em quase todo o seu território, deve registrar fortes chuvas com trovoadas ao longo do dia.

A previsão meteorológica da capital goiana foi divulgada pelo Inmet em seu site oficial, e faz um levantamento também de como deve estar o tempo nos próximos dias. Segundo o Instituto, as chuvas só devem dar trégua para Goiânia na próxima sexta-feira, dia 4/1.

Os números do Instituto mostram uma alta probabilidade de tempo encoberto com pancadas de chuva e trovoadas isoladas na tarde de hoje, em Goiânia. Já à noite, segundo o Inmet, a segunda-feira deve ser de céu nublado com chuva isolada.

A umidade máxima chega, hoje, conforme o Inmet, a 90%, e a mínima não vai a menos de 55%. Já amanhã, dia primeiro de janeiro de 2019, terça-feira, o tempo deve ficar encoberto ao longo do dia, com provável chuva fina. A umidade pode chegar até 94%, com mínima de 63%.

Pancadas de chuva em Goiânia e tempestades fizeram estrago na capital esse mês

As fortes chuvas que caíram na região metropolitana no dia 22 deste mês causaram muitos estragos em diversos bairros. Árvores caídas, queda de energia, alagamentos e granizo foram alguns dos problemas enfrentados. De acordo com o Inmet, os ventos chegaram a 60 km/h.

Segundo a Defesa Civil de Goiânia nenhum chamado foi feito para ocorrências por causa da chuva. Foi comunicado ainda que duas equipes estiveram fazendo monitoramento nas vias públicas, em especial nas áreas de risco.

A Companhia de Urbanização de Goiânia – Comurg, registrou oito quedas de arvores e vias públicas e 10 dentro de áreas particulares. A Companhia informou também que todas as vias públicas já estão resolvidas e que ainda estão finalizando os atendimentos da áreas particulares.

Segundo os dados do Comando de Operações do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás, foi recebido pelo telefone 199 apenas uma ocorrência de queda de arvores em 24 horas.

Via: Mais Goiás INMET 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

'O Confeiteiro' e a arte de aquecer a massa

O filme foi indicado para concorrer ao Oscar.
31/12/2018, 08h56

Há algo profundamente belo e sutil em O Confeiteiro, longa de estreia do diretor e roteirista israelense Ofir Raul Graizer. Não foi suficiente para que, indicado por Israel para concorrer ao Oscar, o filme ficasse na ‘shortlist’ dos finalistas. Dane-se o Oscar. O Confeiteiro narra o que não deixa de ser um triângulo amoroso, mesmo que uma das partes se ausente logo, fisicamente, do relato. O confeiteiro, Tomas, é um jovem alemão que aprendeu a fazer biscoitos e tortas com a avó. Torna-se amante de um israelense casado (em seu país) que viaja regularmente a Berlim.

O israelense, Oren, volta para casa e some. Não atende aos chamados de Tomas. Morreu num acidente. Tomas viaja a Israel, movido pela curiosidade de conhecer a mulher e o filho do ex. Termina trabalhando no café da viúva. Surge uma interessante discussão que envolve religião e tradição. O alemão pode operar o forno num café kosher? Suas tortas fazem sensação. A viúva, carente, é atraída pelo funcionário. Ele se divide entre a sua natureza gay e novos e perturbadores sentimentos que afloram. Deseja um soldado, mas – olha o spoiler – conquista a mulher repetindo o que o marido dizia que fazia com ela na cama.

Cinicamente, alguém poderia dizer que O Confeiteiro adota o princípio da cura gay. Não é o caso. A trama permanece irresolvida, mas algo mudou na vida da viúva, do confeiteiro. Um crítico norte-americano, Roger Ebert, viu na escrita e na forma cinematográfica de Graizer vestígios do melancólico naturalismo de um grande diretor francês que os viúvos da nouvelle vague demoraram a aceitar, Claude Sautet. Um cinema de observação – das pequenas vidas dos personagens e da cidade. Preparar a massa, aquecer a massa com o contato das mãos. As mãos de Tomas na massa e no corpo da mulher. O toque entre os homens, o afeto. Nesse jogo de sutilezas, surge uma personagem pontual, que aparece duas ou três vezes, mas é decisiva. A mãe de Oren. Basta olhar para Tomas que ela sabe. Saca tudo. Como e por que, é um mistério que o filme não esclarece. Mas, sim, só as mães são felizes.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.