Goiás

Sindicatos recusam proposta de Caiado para parcelar salários de dezembro

Foi proposto aos líderes dos sindicatos um parcelamento para para pagamentos dos atrasados, proposta essa rejeitada por eles.

Por Ton Paulo
04/01/2019, 08h11

Representantes de vários sindicatos de servidores públicos estaduais se reuniram na tarde da última quinta-feira (3/1) com o governador do Estado de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e a secretária de Economia, Cristiane Alkmin Junqueira Schmidt e deputados estaduais para discutir a questão do pagamento dos salários referentes ao mês de dezembro de 2018. Na reunião, que ocorreu no Palácio Pedro Ludovico, foi proposto aos líderes dos sindicatos um parcelamento para para pagamentos dos atrasados, proposta essa rejeitada por eles.

A reunião durou pouco mais de duas horas e foi realizada a portas fechadas no Palácio. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação em Goiás (Sintego), Bia de Lima, chegou a postar um vídeo em suas redes sociais, onde comentou a decisão de recusar o parcelamento dos salários de dezembro. “O governador fez questão de chamar as entidades pra mostrar a difícil realidade financeira do Estado, que não é novidade pra nós. No entanto, apresentou a proposta de parcelar o salário de dezembro. Nós não concordamos com isso e dissemos isso pra ele, que não tem acordo nessa possibilidade”.

A presidente disse ainda que outra saída será buscada, e uma nova audiência foi marcada para o dia 17 de janeiro

Ela também disse que pediu para os deputados presentes na reunião, Álvaro Guimarães, e Karlos Cabral, que é servidor do Poder Judiciário, chamarem uma sessão extraordinária na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) para tratar da questão.

Já Cristiane, secretária de Economia, que também falou à imprensa, afirmou que o encontro foi “extremamente bom”. “O que nós mais queríamos era sentar na mesa e trazer o legislativo e os sindicatos para chegarmos a um consenso, pois esse é um problema de todos nós”, explicou.

A questão do pagamento de dezembro dos servidores, então, segue num impasse.

Vice-governador Lincoln Tejota havia informado que “governo pagaria salários de dezembro quando houvesse caixa”

Em entrevista depois da cerimônia de posse, ocorrida no última dia 1º de janeiro, terça-feira, o vice-governador de Goiás, Lincoln Tejota (Pros) falou sobre a situação das contas do Estado e do impasse do pagamento dos servidores estaduais relativo ao mês de dezembro. De acordo com Tejota, o governo anterior deixou “um rombo” nas contas públicas, e que o atual governo, de Ronaldo Caiado, pagará o funcionalismo público “no momento oportuno, quando tiver caixa”.

De acordo com Tejota, medidas de recuperação das contas públicas pela atual gestão foram tomadas assim que passada a eleição. Segundo ele, a alteração dos incentivos fiscais para a indústria de Goiás é uma delas. “Nós sentamos com o setor produtivo, com os grandes empresários, rediscutimos os incentivos fiscais, e com o apoio deles e da Assembleia Legislativa, na qual eu estava ainda como deputado estadual, de cara a gente já pôde trazer um bilhão para os cofres públicos”, declarou.

Tejota comentou ainda a grave situação fiscal do Estado. “Você não interpreta “dois mais dois são quatro”. E nós temos que entender que hoje tem 11 milhões em caixa, isso demonstra o tamanho do rombo. Nós temos a folha de dezembro [dos servidores estaduais] para cumprir a folha de janeiro até o dia 10 para cumprir, e nós temos 11 milhões”, respondeu.

Na Alego, durante sua fala nesta manhã, Caiado disse que o governo tucano havia deixado uma dívida de 3,4 bilhões no Estado, com apenas 11 milhões em caixa.

Questionado sobre se o Governo pagaria o salário de dezembro dos servidores, o vice-governador Lincoln Tejota respondeu que sim, mas “no momento oportuno, quando tivesse caixa para isso”.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.