Mundo

França: polícia usa gás lacrimogêneo em protesto de coletes amarelos

05/01/2019, 15h12

As forças de segurança da França dispararam bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes durante uma marcha pelo centro de Paris neste sábado. Milhares de apoiadores do movimento de coletes amarelos mantinham a pressão sobre o presidente Emmanuel Macron na primeira manifestação de 2019.

A marcha, no oitavo sábado consecutivo de protestos de coletes amarelos, foi declarada com antecedência e aprovada, em contraste com algumas manifestações ilegais de dezembro que degeneraram em vandalismo, saques e caos.

A atmosfera foi calma na maior parte do tempo, mas ficou mais tensa quando alguns manifestantes tentaram atravessar o rio Sena em uma ponte para pedestres fora da rota oficial da marcha, que ia da Prefeitura para a Assembleia Nacional. A polícia usou bastões e gás lacrimogêneo para conter manifestantes e restringiu a passagem pela ponte, e a violência eclodiu.

Motos e carros foram incendiados no Boulevard Saint Germain e barricadas foram montadas no meio da rua e incendiadas, e a polícia de choque e os bombeiros entraram no local. Um restaurante em um barco atracado na margem esquerda do Sena pegou fogo.

Alguns confrontos entre polícia e manifestantes ocorreram em outras cidades da França, com disparo de gás lacrimogêneo também em Bordeaux e em Rouen.

Não foram divulgados números oficiais sobre o número de manifestantes em Paris ou em toda a França. A rede BFMTV, citando várias fontes policiais, estimou o número de manifestantes na capital francesa no meio da tarde em 3.500. Fonte: Associated Press.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Idosa é encontrada morta dentro de piscina, em Goiânia

Porteiro afirmou que idosa pulou a grade e entrou na piscina.
05/01/2019, 15h23

Uma idosa, de 74 anos, foi encontrada morta dentro de uma piscina, em um condomínio residencial na T-65, no Setor Bueno, em Goiânia, na manhã deste sábado (5/1).

A vítima foi identificada como Vera Lúcia Schmaltz, de 74 anos, pela Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) que esteve no local e isolou a área.

A PM afirmou ao Portal Dia Online que foi chamada pelo porteiro do prédio, que não teve o nome divulgado, e encontrou o corpo de Vera dentro da piscina, sem vida. Conforme as informações divulgadas pela polícia, o funcionário do prédio, afirmou que a área estava fechada e que a idosa pulou a grade que cercava a piscina e pulou na água.

Morte de idosa foi constatada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu)

Além da PM, quem também compareceu ao local para prestar os primeiros atendimentos médicos a idosa, foi o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu). O médico perito Israel Gonzaga, que atendeu a ocorrência, constatou a morte da idosa.

A Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) também compareceu ao local e vai investigar as causas da morte de Vera. O corpo da idosa foi removido pela equipe do Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia.

Segundo matéria veiculada pelo O Popular, a idosa residia no condomínio, sofria de depressão e tinha três filhos.

Outro afogamento registrado em Goiânia

Na última terça-feira 1 de janeiro de 2019, Izamar Átila Macena, de 31 anos morreu afogado após mergulhar no córrego anjinho. O Corpo de Bombeiros Militar de Goiás (CBMGO) afirmou que o corpo da vítima foi encontrado depois de 10 minutos de buscas.

Conforme o CBMGO, o afogamento foi registrado por volta do meio-dia e meia, e um morador do bairro que passava no momento, viu Izamar mergulhar no córrego, mas estranhou a demora dele em voltar para superfície.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Novos diretores da OAB e CASAG são empossados administrativamente

Diplomação dos eleitos está marcada para 15 de janeiro de 2019 no CEL da OAB.
05/01/2019, 17h19

Os vencedores das eleições do último dia 30 de novembro de 2018, para Ordem dos Advogados do Brasil Seção Goiás (OAB-GO), e da Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás (CASAG), tomaram posse administrativa na última quinta-feira (3/1).

No dia 17 de dezembro de 2018, uma reunião marcou a posse da nova diretoria, de maneira simbólica, com a data do dia 3 de janeiro de 2019 marcada para que a nova direção da OAB-GO e da CASAG fossem empossada administrativamente.

A cerimônia que empossou a nova diretoria da OAB-GO e da CASAG, foi feita na sede da entidade no Estado. A Comissão Eleitoral que fez as eleições do último dia 30 de novembro de 2018, conduziu a cerimônia de posse da nova diretoria.

Lúcio Flávio foi reeleito presidente da OAB Goiás

A eleição confirmou o favoritismo de Lúcio Flávio de Paiva, que foi reeleito presidente da Ordem em Goiás. A chapa do presidente da OAB-GO “Pra Frente OAB”, obteve 55% dos votos válidos, cerca de 10.828 votos. Apesar da posse administrativa, os novos diretores vão ser diplomados no evento marcado para o dia 15 de janeiro de 2019 no CEL da OAB-GO.

Reeleito para mais três anos à frente da Ordem, Lúcio Flávio, agradeceu aos votos conquistados nas urnas e que o principal objetivo neste mandado é promover ações que melhorem a vida dos advogados e advogadas de todo Estado.

Presidente afirma que reeleição mostra que modelo de gestão adotado foi aprovado

Na reunião no dia 17 de dezembro de 2018, Lúcio Flávio afirmou à reportagem do Portal Dia Online que a atual gestão resgatou a Ordem, não apenas frente à advocacia, mas também perante a sociedade.

Após ser empossado administrativamente, o presidente da Ordem, afirmou que sua reeleição mostra a aprovação da sua gestão pela advocacia.

“Vamos seguir assim, com disposição para levar aos colegas outras melhorias no seu dia-a-dia, e seguir mais do que nunca, como a voz da sociedade civil”, destaca Lúcio Flávio.

Conheça os eleitos para o triênio 2019-2021 da OAB Goiás e da CASAG

Presidente: Lúcio Flávio de Paiva;

Vice-presidente: Thales Jayme;

Secretário-geral:  Jacó Coelho;

Tesoureiro: Roberto Serra da Silva Maia;

Secretária-geral adjunta: Delzira Menezes.

CASAG

Presidente: Rodolfo Otávio Pereira de Mota Oliveira;

Vice-presidente: David Soares da Costa;

Secretária-geral: Valéria Alves dos Reis Menezes;

Secretário-geral adjunto: Nadim Neme Neto;

Tesoureiro: Carlos Eduardo Ramos Jubé.

Via: CASAG 
Imagens: CASAG 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Petrobras nega atraso em plano de desativação de plataforma que vazou no Rio

O vazamento do tanque da plataforma Cidade Rio de Janeiro criou uma mancha de óleo de pelo menos 38 km, por 20 metros de largura.
05/01/2019, 17h28

A Petrobras negou que tenha atrasado a entrega do plano de desativação de plataforma flutuante que, nesta semana, despejou 4,9 mil litros de óleo no mar do Rio de Janeiro, em decorrência de um acidente que ainda não teve a sua causa esclarecida. O vazamento do tanque da plataforma Cidade Rio de Janeiro criou uma mancha de óleo de pelo menos 38 km, por 20 metros de largura.

Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo na sexta-feira, 4, revelou que a Petrobras entregou um plano de “descomissionamento” do navio-plataforma ao Ibama em junho de 2018. Uma segunda versão do plano foi entregue cinco meses depois, em dezembro.

Por meio de nota, a Petrobras informou que não houve atraso em sua proposta de desativação. “O plano de descomissionamento – termo técnico para desativação e remoção de uma plataforma de sua locação – foi apresentado ao Ibama em junho, tempestivamente, portanto, em relação ao pedido de descomissionamento” informou.

Segundo a petroleira, “pelo fato de o conjunto de regras que regem o processo, em termos ambientais, ainda estar em processo de construção no Brasil, uma série de discussões técnicas junto ao órgão ambiental foi desenvolvida. Para viabilizar a evolução das discussões, a Petrobras decidiu, então, revisar o plano apresentado inicialmente”.

A estatal informou que o Ibama ainda não se posicionou sobre o projeto de desligamento. “A Petrobras reitera que aguarda a formalização do Ibama quanto à avaliação do plano apresentado.”

A responsabilidade pela operação e manutenção da FPSO Cidade Rio de Janeiro era da empresa japonesa Modec, contratada pela Petrobras para administrar a plataforma. O Ibama já informou que vai punir a estatal por conta do dano ambiental. O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro também deverá ser acionado para abrir processo criminal devido ao incidente.

Nesta sexta-feira, o Ibama informou que mergulhadores faziam o “tamponamento do furo”, como medida definitiva. “Até o momento não há indicativo de chegada de óleo nas praias da região e não foram avistados animais atingidos pelo vazamento”, afirmou a coordenadora-geral de Emergências Ambientais do Ibama, Fernanda Pirillo.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) declarou que o vazamento de óleo foi contido e que faria um sobrevoo sobre o local neste sábado, 5, para avaliar a situação, além de apurar as causas do incidente.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Líder de seita de Caiapônia preso por estuprar crianças convenceu homem a assumir culpa

Num vídeo, obtido com exclusividade pelo Dia Online, um homem reivindica para si a autoria dos abusos, tentando inocentar o líder da seita de Caiapônia.

Por Ton Paulo
05/01/2019, 23h40

O líder de uma seita de magia negra preso na última sexta-feira (4/1) por ter abusado sexualmente de duas crianças e uma adolescente, em um acampamento sem-terra às margens da GO-221, em Caiapônia, teria convencido um homem a confessar os crimes em seu lugar, em um vídeo obtido com exclusividade pela reportagem do Dia Online, assumindo toda a culpa com o objetivo de isentá-lo. Além do líder da seita de Caipônia, foi presa também a esposa do homem que tentou reivindicar a autoria dos abusos.

No vídeo (assista aqui) divulgado em primeira mão pela reportagem do Dia Online, um homem identificado somente como Francisco, vulgo Ceará, aparece confessando os crimes de estupro e narrando em detalhes como ele teria abusado das menores, e não o líder da seita.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Marlon Luz, o homem, que gravou o vídeo ao lado da esposa, Noêmia Cândida de Jesus, de 42 anos, acusada de levar as netas para participarem de rituais de magia negra e serem estupradas pelo líder da seita Nilson Alves de Souza, de 49, fez a gravação com a falsa confissão dias antes da prisão de Noêmia e Nilson, justamente com o objetivo de “confundir a opinião pública”  e tentar inocentar o verdadeiro abusador.

De acordo com o delegado, “os autos do inquérito policial indicam elementos de informação e de prova consistentes quanto a autoria do crime”. O delegado ainda relata que “o teor da confissão em vídeo demonstra total incongruência com as declarações das vítimas, que inclusive estavam sendo ameaçadas e coagidas a não revelarem os autores”.

O delegado revela, por fim, que Francisco, marido de Noêmia, em depoimento formal à Polícia Civil contou que havia sido convencido por Nilson a gravar o vídeo.

Em vídeo, homem reivindicou a autoria dos abusos da seita de Caiapônia

Um vídeo obtido com exclusividade pela reportagem do Dia Online, na manhã deste sábado (5/1), mostra um homem reivindicando para si a autoria dos abusos sexuais cometidos contra duas crianças de 7 e 10 anos e uma adolescente de 13, em um assentamento sem-terra às margens da GO-221, em Caiapônia. O homem, identificado somente como Francisco, revela ser o esposo de Noêmia Cândida de Jesus, que foi presa na Operação Anjo da Guarda 2 na última sexta-feira (4/1), e diz ter sido ele o abusador das crianças e não o líder da seita, Nilson Alves de Souza, que também foi preso na operação como o principal suspeito dos abusos.

O líder da seita de Caiapônia, Nilson, e a avó das vítimas, Noêmia, foram presos na manhã desta sexta-feira (4/1).

Líder de seita de Caiapônia preso por estuprar crianças convenceu homem a assumir culpa
Foto: Polícia Civil

De acordo com a Polícia Civil, as investigações apontaram que o investigado Nilson, na condição de líder da seita, recebia diversas pessoas da sociedade local, que se submetiam a rituais no sentido de terem resolvidos conflitos familiares, financeiros, amorosos e até mesmo de ordem política, além da cura de doenças.

Umas das seguidoras da seita, Noêmia, teria ofertado ao seu líder, três netas, sendo duas crianças de 7 e 10 anos e uma adolescente de 13 anos de idade, para serem abusadas sexualmente como sacrifício a entidade que incorporaria em Nilson no momento dos rituais.

Conforme a polícia, a coragem das mães das crianças em levar o caso ao conhecimento das autoridades, mesmo tendo como uma das autoras a própria avó das vítimas, foi fundamental tanto para garantir o sucesso das investigações, como também para a proteção e assistência das vítimas.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.