Goiás

Trabalhador morre afogado ao cair com carro em represa, em Goianésia

O homem voltava do almoço e trabalhava numa plantação de soja, quando perdeu o controle do carro e acabou caindo na represa, em Goianésia.

Por Ton Paulo
11/01/2019, 10h21

Um homem de 37 anos que trabalhava num plantio de soja próximo a uma usina, no município de Goianésia, a 170 quilômetros de Goiânia, na tarde da última quinta-feira (10/1), morreu ao cair com o carro que conduzia em uma represa. Ao que tudo indica, Cleiton Severino do Nascimento teve morte por afogamento.

De acordo com informações apuradas pelo Dia Online, Cleiton morava no Bairro Bougainville, região leste de Goianésia, e trabalhava junto com um grupo numa plantação de soja numa região rural. Ele morreu na tarde desta quinta-feira, por volta de 12h30, quando voltava do almoço, após o veículo que ele conduzia cair em uma represa na Fazenda Esplanada, entre Goianésia e o município de Vila Propício.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros de Goianésia, Cleiton e um grupo de trabalhadores haviam ido para um vilarejo chamado na região de Gaiola, para almoçar. Na volta, Cleiton decidiu ir sozinho na frente, em um Uno Mille Cinza, enquanto os outros foram logo depois, em um caminhão. Um sargento do Corpo de Bombeiros conta que, como Cleiton não chegava, mesmo tendo partido na frente, os amigos, então, resolveram refazer o caminho para procurá-lo.

Trabalhador morre afogado ao cair com carro em represa, em Goianésia
Foto: Corpo de Bombeiros

Foram os sinais às margens de uma represa que denunciou o que havia acontecido. “Os homens viram o capim amassada na beira da represa e estranharam. Foi quando resolveram entrar na água para procurar pelo amigo”, conta um bombeiro ao Dia Online.

O carro foi encontrado com Cleiton dentro, já sem vida.

Homem que morreu afogado em represa de Goianésia pode ter sofrido “mal súbito”

Como Cleiton não havia ingerido bebida alcóolica, como confirmado pelos bombeiros, a hipótese trabalhada é a de que vítima trafegava pela estrada vicinal no meio de um canavial da empresa Jalles Machado, onde foi encontrado, quando perdeu o controle do veículo e caiu dentro da represa. Como os vidros das portas da frente estavam abertos, rapidamente o carro submergiu não dando chances à vítima para sair do interior do veículo fazendo com que ele morresse afogado.

Após ser acionado, o Corpo de Bombeiros de Goianésia, através do ST Junior, SGT Osman, CB Miguel, CB Borges e SD Luiz Carlos, deslocou ao local e realizou a retirada do corpo de Cleiton Severino de dentro do veículo. Em seguida, com a ajuda de um caminhão munck o carro foi retirado de dentro da represa.

O corpo da vítima foi entregue ao Instituto Médico Legal – IML – de Goianésia após realização de perícia. As causas concretas do acidente só serão definidas depois da realização de exames cadavéricos, no entanto, tudo indica que Cleiton tenha sofrido um mal súbito antes de cair na represa uma vez que havia sinais de zigue-zague na pista.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Aos 9 anos, brasileiro faz 'vaquinha online' para ingressar no balé no Bolshoi

Jonathan de Araújo mora na periferia de Salvador.
11/01/2019, 11h10

Ser um bailarino lendário como Mikhail Baryshnikov pode parecer um sonho inalcançável. A dança, que carrega uma série de estereótipos relacionados a gênero e raça, ainda é um caminho desafiador para aqueles que querem ficar na ponta dos pés, mas não reúnem as tais características que implicitamente são cobradas.

O balé clássico ainda discrimina profissionais negros. Nas companhias de dança de São Paulo, cidade com grande número de afrodescendentes, bailarinos lutam por um lugar melhor nos palcos. A situação não é diferente em outras partes do Brasil.

Jonathan de Araújo tem nove anos de idade e começou se interessar pelo balé há cinco meses. Em agosto de 2018, depois de ver a irmã dele chegar atrasada e ser eliminada de uma seletiva de canto, o garoto decidiu se inscrever no processo para entrar no Bolshoi, que ocorria no mesmo local.

O garoto mora na periferia de Salvador com os pais e a irmã. A mãe está desempregada e a família não tem condições de custear as despesas para Jonathan na Escola de Teatro do Bolshoi no Brasil, única filial no país do famoso teatro russo, em Joinville, Santa Catarina.

Por isso, a Associação Classista de Educação e Esporte lançou na segunda-feira passada, dia 7, uma campanha de financiamento coletivo, uma espécie de “vaquinha online”, para ajudar Jonathan. A meta era chegar no valor de R$ 10 mil, mas até o fechamento desta reportagem, o valor já atingia R$ 20 mil.

A viagem de Jonathan para Santa Catarina está marcada para o dia 21 e o site da “vaquinha” ficará disponível até lá. As aulas de balé no Bolshoi começam no dia 11 de fevereiro. Ele e a irmã já estão matriculados em escolas estaduais de Joinville.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Goiás fica novamente em primeiro entre Estados que mais caíram na produção industrial

Goiás teve queda de 6,2% na produção industrial, a maior entre os Estados onde ocorreram a pesquisa do IBGE.

Por Ton Paulo
11/01/2019, 11h23

Como esperado, em plena época de crise fiscal no Estado, Goiás ficou novamente em primeiro lugar no ranking dos Estados que tiveram maior queda na produção industrial no país. Em dados divulgados recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes ao mês de novembro do ano passado, Goiás teve queda de 6,2%, a maior entre os Estados onde ocorreu a pesquisa do instituto. Em dezembro do ano passado, O IBGE divulgou os dados referentes ao mês de outubro (de 2018), onde Goiás também obteve a maior queda industrial comparado ao ano anterior.

Apesar do aumento de 0,1% de outubro para novembro de 2018, a produção industrial recuou em nove dos 15 locais pesquisados pelo IBGE no período. As principais quedas ocorreram em Goiás (-6,2%) e no Amazonas (-3,5%). Também tiveram queda os estados do Rio de Janeiro (-2,2%), Pará (-1,3%), Bahia (-1,2%), Santa Catarina (-0,9%), Espírito Santo (-0,8%) e Mato Grosso (-0,4%).

A região Nordeste, também pesquisada em seu conjunto de nove estados, teve uma queda de 0,8%. Apenas seis locais tiveram alta: Pernambuco (1,4%), Paraná (1,1%), Ceará (0,9%), São Paulo (0,7%), Minas Gerais (0,7%) e Rio Grande do Sul (0,4%).

Dados do ano passado mostram que Goiás não teve nenhuma melhora na produção industrial

De acordo com o IBGE, em dados divulgados em dezembro do ano passado referentes ao mês de outubro, Estado de Goiás foi o que apresentou a maior queda de na produção industrial entre os 15 estados pesquisados, comparado ao ano de 2017.

O IBGE pesquisou o desempenho da produção industrial deste ano de 15 estados brasileiros, de setembro para outubro, e constatou que nove deles tiveram recuo, apesar da alta nacional de 0,2%.

A maior queda, na ocasião, foi observada em Pernambuco, de 10,1%. Goiás teve recuo de -1%. Entretanto, na comparação com o ano de 2017, Pará teve a melhor alta em sua produção industrial e Goiás a maior queda.

Comparando com o mês de outubro do ano passado, 11 dos 15 locais pesquisados tiveram alta, com destaque para o Rio Grande do Sul (14,8%) e o Pará (12,9%). Quatro locais tiveram queda, sendo a maior delas registrada em Goiás (-6,5%).

Também foram constadas quedas na produção nos estados de Mato Grosso (-2,7%), Ceará (-2,6%), Pará (-2,5%), Paraná (-2,5%), Rio Grande do Sul (-2,1%) e Rio de Janeiro (-0,8%). A Região Nordeste, que reúne as produções de seus nove estados, também recuou 1,9%.

A produção da indústria de São Paulo manteve-se estável no período. Cinco estados sustentaram a alta nacional de 0,2%: Amazonas (12,4%), Santa Catarina (4,4%), Espírito Santo (1,9%), Bahia e Minas Gerais (com 1,1% cada um).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Livraria da CASAG oferece até 25% de desconto em livros jurídicos

A Livraria CASAG conta com 14 unidades espalhadas pelo estado e oferece as melhores condições de pagamento para profissionais e estagiários de Direito.
11/01/2019, 11h26

O ano de 2018 trouxe novos autores, que marcaram seus nomes no cenário da literatura jurídica. A advocacia ganhou muito com o lançamento de diversas obras de diferentes vertentes do Direito. Livros já consagrados dentro da comunidade jurídica também foram relançados, com novas capas e com comentários atualizados de acordo com as mudanças realizadas nos códigos de cada área da advocacia. Para a aquisição dessas obras, a advocacia conta com as livrarias da Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás (CASAG) que em 2018 ganhou uma versão online.

Vale lembrar que este ano promete ainda mais lançamentos para auxiliar no exercício do Direito, mas, enquanto os novos títulos não chegam nas livrarias, já se encontram disponíveis as edições 2019 dos livros já publicados.

Até 25% de desconto nas livrarias da CASAG

Com 14 unidades espalhadas pelo estado, a livraria da CASAG oferece os melhores preços e condições de pagamento para os profissionais e estagiários de Direito. O presidente da Caixa de Assistência, Rodolfo Otávio Mota, revela o que é necessário para ter acesso aos preços especiais: “O advogado só precisa apresentar o carteira da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) na hora em que estiver realizando a compra. São descontos que chegam a 25%”, afirma Rodolfo.

5 livros jurídicos para se atualizar em 2019

Manual Prático das Audiências Trabalhistas (Edição 2019)

Livraria da Casag oferece até 25% de desconto em livros jurídicos
Disponível na Livraria CASAG

Autores: Antônio Umberto de Souza Júnior, Fabiano Coelho de Souza, Ney Maranhão e Platon Teixeira de Azevedo Neto.

A obra aborda os diversos procedimentos relacionados à realização de audiências, desde providências preparatórias pertinentes à marcação da pauta e comunicação das partes, passando pela conciliação, entrega da defesa, impugnação, produção de provas, razões finais e julgamento.

Preço de capa: R$ 149,00

Na CASAG: R$ 111,75

Prática no Processo Civil (Edição 2019)

Livraria da Casag oferece até 25% de desconto em livros jurídicos
Disponível na Livraria CASAG

Autor: Gediel Claudino de Araújo Junior

O objetivo principal desta obra é apresentar uma abordagem prática das ações mais comuns no Processo Civil. A fim de cumprir esse propósito, o autor fornece modelos completos das ações tratadas, bem como apresenta respostas simples e diretas das questões de natureza material ou processual, que mais preocupam os advogados ao peticionar ao Poder Judiciário.

Preço de capa: R$ 189,00

Na CASAG: R$ 141,71

Curso de Direito Processual – Volume I, II e III (Edição 2019)

Livraria da Casag oferece até 25% de desconto em livros jurídicos
Disponível na Livraria CASAG

Autor: Humberto Teodoro Júnior

O presente curso encontra-se amoldado ao regime do novo Código de Processo Civil, promulgado em 16 de março de 2015. Vale destacar que a estrutura da obra acompanha a organização do novel Diploma Legal, e seu conteúdo contempla, quando pertinente, notas de correspondência com os dispositivos do Código anterior.

Preço de capa: R$ 199,00 (cada volume)

Na CASAG: R$ 149,25 (cada volume)

Estatuto da Advocacia e Novo Código de Ética e Disciplina da OAB – 5° Edição 2019

Livraria da Casag oferece até 25% de desconto em livros jurídicos
Disponível na Livraria CASAG

Autores: Álvaro de Azevedo Gonzaga, Karina Penna Neves e Roberto Beijato Júnior

Este livro carrega uma dupla importância. De um lado, lança luzes sobre a nova regulamentação das condutas éticas da advocacia, incitando a classe não apenas a conhecer, mas a respeitar diuturnamente esses deveres no trato com seus clientes e com as partes processuais, assim como na condução dos processos e casos em que atua.

De outro lado, exalta a observância das normas de conduta ético-profissional como motivo provocador de profundos reflexos na sociedade, a qual passa a contar com serviços de profissionais comprometidos com a defesa dos direitos, destemidos e independentes, atuando em prol da defesa e do devido processo legal, perquirindo, em última instância, a realização da justiça e a garantia das liberdades recíprocas, fundamentais à vida em sociedade.

Preço de capa: R$ 119,00

Na CASAG: R$ 89,25

Manual do Direito Civil – (Edição 2019)

Livraria da Casag oferece até 25% de desconto em livros jurídicos
Disponível na Livraria CASAG

Autor: Flávio Tartuce

Este Manual de Direito Civil pretende, desde a sua primeira edição, suprir as necessidades dos operadores do Direito Privado em geral. É direcionado a todos os seus aplicadores: juízes, promotores, procuradores, advogados, professores, alunos de graduação e de pós-graduação, bem como àqueles que se preparam para provas oficiais e concursos para a carreira jurídica.

O livro apresenta enfoque interdisciplinar e multicultural, com interações com outros ramos jurídicos, como o Direito Constitucional e o Direito do Consumidor. Também está atualizado de acordo com as principais modificações promovidas pelo Novo Código de Processo Civil e pelo Estatuto da Pessoa com Deficiência, sem prejuízo de outras leis de notável impacto para o Direito Privado.

Preço de capa: R$ 268,00

Na CASAG: R$ 201,00

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Eletricista morre após receber descarga elétrica durante manutenção, em Mineiros

Deivid Sebastião Pereira de Oliveira, 32 anos, recebeu uma descarga elétrica, ontem (10/1) por volta das 14h30.
11/01/2019, 11h27

Um homem morreu eletrocutado após receber uma descarga elétrica durante a manutenção de uma subestação de Portelândia, instalada na zona rural de Mineiros -GO.  O caso aconteceu ontem (10/1)  por volta das 14h30.

Deivid Sebastião Pereira de Oliveira, 32 anos, era natural de Portelândia, município localizado a 450 quilômetros de Goiânia.  Ele era eletricista de uma empresa com sede em Aparecida de Goiânia, que presta serviço de manutenção de redes de distribuição de energia elétrica para Enel Distribuição Goiás.

Informaçōes iniciais de uma rede social de Mineiros, relata que a equipe havia se deslocado para um ponto de defeito. Ao encontrar uma cruzeta danificada, o eletricista teria realizado procedimentos sem autorização da rede de controle e descumprido às medidas de segurança, momento em que teria ocorrido o acidente.

O eletricista fazia parte de uma equipe de emergência da prestadora de serviço. No local, ele realizava serviços de manobras em rede 34,5 kV no alimentador da Subestação Parque das Emas (Mineiros) – Subestação Portelândia.  O Instituto Médico Legal (IML) e os peritos da Polícia Técnico-Científica foram acionados para fazer perícia no local.

A reportagem entrou em contato com Enel para comentar o caso. A empresa esclarece que acompanha o caso junto à empresa parceira para identificar as causas do acidente.

Confira a nota na íntegra: 

A Enel Distribuição Goiás lamenta profundamente a morte de um colaborador da empresa parceira Omega Construções & Eletricidade. A companhia esclarece que está acompanhando o caso junto à empresa parceira para identificar as causas do acidente.

A Enel reforça que está em contato com a empresa para que seja prestada a assistência  à  família. A distribuidora ressalta ainda que a segurança dos seus colaboradores e parceiros é um dos principais valores da companhia.

Foto: Reprodução/ Facebook Giro de Notícias            Eletricista prestava serviço em uma substação em Mineiros-GO.

Criança recebe descarga elétrica durante passeio em Centro Cultural, em Goiânia

Um menino de 08 anos recebeu uma descarga elétrica durante um passeio, no último domingo (6/1), no Centro Cultural Oscar Niemeyer, em Goiânia. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu) foi chamado e prestou os primeiros socorros ao menino.

Conforme a mãe da criança, o filho andava de skate e ao se desequilibrar segurou em um poste, momento em que levou o choque e teve as mãos queimadas. Em entrevista, Julia Gracyella contou  que viu o momento que o filho levou o choque e ficou muito assustada, pois o menino tremia muito.

Conforme Julia, procurou a administração do centro cultural, mas não encontrou nenhum funcionário do centro, no dia do ocorrido. Em nota, afirmou que todos os processos emergenciais foram tomados e o poste em questão isolado pela vigilância.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.