Brasil

Flexibilização do porte de armas sofre resistência na bancada da bala

14/01/2019, 20h48

Embora a flexibilização do Estatuto do Desarmamento seja uma unanimidade entre os parlamentares da chamada bancada da bala, a liberação do porte de armas, defendida por integrantes do governo Jair Bolsonaro, ainda sofre resistências. Deputados do próprio PSL e parlamentares cuja origem é a Polícia Militar ou Federal são críticos a facilitar que pessoas circulem livremente com revólveres.

O decreto que facilita a posse de armas de fogo será assinado nesta terça-feira, 15, mas por essa medida os brasileiros ficam restritos a utilizarem armas de fogo apenas para defesa de suas residências ou comércios. A cúpula do governo já discute, no entanto, permitir também o porte. Em entrevista ao SBT, no dia 3 de janeiro, o presidente admitiu que isso está sendo avaliado pelo Palácio do Planalto. “Vamos flexibilizar também o porte. Pode ter certeza disso aí”, enfatizou.

Deputado federal eleito pelo PSL de Amazonas, o delegado Pablo diz que a medida pode transformar o País num “velho oeste”, como são conhecidos os períodos de expansão de fronteira dos Estados Unidos. “O porte de arma é uma coisa mais séria do que a posse. A população já votou para ter arma de fogo em sua residência, isso é ponto pacífico”, disse ao lembrar do referendo de 2005, no qual a população rejeitou a proibição da comercialização de armas e munições.

“O porte é uma coisa que tem de ser trabalhada com mais cuidado, mais serenidade, para que a gente não tenha qualquer pessoa usando arma de fogo pelas ruas. Não é factível, não (liberar o porte) tendo como justificativa apenas a violência urbana. Se não vamos voltar para o velho oeste. Tem de ser uma coisa que tenha justificativa, amparo e razão de ser”, afirmou.

Pablo é um dos deputados do PSL que são provenientes da Polícia Federal, órgão que autoriza ou não o registro de armas para cidadãos comuns. Para conseguir o porte de armas, atualmente, o interessado tem de ter mais de 25 anos e apresentar, entre outros documentos, um atestado negativo de antecedentes criminais, a comprovação de capacidade técnica e de aptidão psicológica para o manuseio da arma e, principalmente, a chamada “declaração da efetiva necessidade”, expondo fatos e circunstâncias que justifiquem o pedido.

A efetiva necessidade é analisada por delegados de Polícia Federal que definem se o pedido apresentado tem motivos que justifiquem o porte ou não. É este poder discricionário que deve ser alvo de mudança por parte do governo. Uma das possibilidades é retirar isso como um dos requisitos mínimos. Outro caminho é estabelecer critérios mais objetivos que definam a “necessidade” para quem quiser o porte. Ainda assim, o tema também será discutido no Congresso e pode ser alvo de divergências.

Senador eleito, o delegado Alessandro Vieira (PPS-SE) também será uma voz dissonante na bancada da bala. Ele é crítico da “subjetividade” com que os delegados da PF decidem quem pode e quem não pode ter o porte, mas defende que isso não pode significar acesso às armas para todos. “Não (sou a favor de liberar o porte) por uma vontade, sem nenhum tipo de base objetiva, não (sou a favor). Se você jornalista, que não trabalha em nenhum tipo de risco, mas quer ter uma arma por um desejo seu, eu não vejo razoabilidade ou necessidade nisso”, disse.

Maior do que na última legislatura, a bancada da bala terá ao menos 40 deputados a partir de fevereiro, todos com origem profissional nas Forças Armadas ou segurança. Metade desses nomes, no entanto, pertence ao PSL e pode votar conforme determinação do governo Bolsonaro.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Suspeito morre em confronto com a polícia, em Goiânia

Polícia encontrou com o suspeito um veículo roubado e um revólver calibre 38.
14/01/2019, 20h49

Um homem suspeito de roubar um carro morreu na tarde desta segunda-feira (14/1) após troca de tiros com equipes das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (ROTAM), na rua N-002, no setor das Nações, em Goiânia. O caso foi confirmado ao Portal Dia Online pela corporação.

O Tenente George do ROTAM Comando afirmou que diferente do que outros veículos noticiaram, em que três suspeitos teriam sido mortos durante a troca de tiros, apenas um foi baleado e morreu no local.

Conforme as informações repassadas pela polícia, o suspeito estava na posse de um veículo VW/Fox, com registro de roubo do último dia 10 de janeiro. A polícia afirmou que durante a abordagem, o rapaz, que até o momento não foi identificado, reagiu efetuando vários disparos contra a equipe que o abordou, os policiais revidaram e alvejaram o suspeito, que morreu no local. Além do carro, os policiais encontraram o rapaz um revólver calibre 38, que foi apreendido.

Suspeitos são mortos em troca de tiros com a polícia, em Goiânia

Na última sexta-feira (11/1) três rapazes suspeitos de roubar uma caminhonete do modelo S-10, e esconder o veículo em uma casa do Setor Parque dos Buritis, em Goiânia, foram mortos após trocarem tiros com a polícia no início da tarde.

De plantão na Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), o delegado Marco Aurélio, esteve na cena do confronto e contou como as coisas aconteceram ao Portal Dia Online.

“Os três roubaram uma caminhonete na manhã desta sexta-feira, por volta das 10h e estavam escondendo ela na casa, mas a polícia recebeu uma denúncia anônima e foi averiguar e encontrou o produto do furto na residência”, conta o delegado.

Conforme Marco Aurélio, após os policiais encontrarem a caminhonete na casa em que os suspeitos estavam, os autores do roubo tentaram fugir pelos fundos da casa pulando o muro. No entanto, a casa estava cercada, momento que os rapazes trocaram tiros com a policia e foram mortos no confronto.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Quem é Major Vitor Hugo, deputado de Goiás confirmado por Bolsonaro como líder do Governo

O deputado federal Major Vitor Hugo, eleito por Goiás na última segunda-feira, representará o presidente Bolsonaro na Câmara dos Deputados.

Por Ton Paulo
15/01/2019, 08h36

O deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO), de 41 anos, será o líder do governo na Câmara dos Deputados, em Brasília. O deputado nasceu na Bahia, em Salvador, mas veio para Goiás logo cedo, sendo eleito pelos goianos com mais de 31 mil votos. A escolha foi anunciada ontem, segunda-feira (14/1) pelo presidente Jair Bolsonaro em sua conta pessoal no Twitter. O parlamentar, que cumprirá seu primeiro mandato a partir de fevereiro, tem dito aos mais próximos que seu ingresso na vida política foi incentivado pelo presidente da República.

“Comunico que a Liderança do Governo na Câmara será exercida pelo Deputado Federal Major Vitor Hugo (PSL-GO), advogado e consultor legislativo concursado desde 2015”, escreveu Bolsonaro.

O deputado federal Major Vitor Hugo agora será o responsável por representar o Governo na Câmara dos Deputados, fazendo articulações, negociações e respondendo pelos interesses e atos de Bolsonaro.

Saiba quem é o Major Vitor Hugo, novo líder do Governo na Câmara

Vitor Hugo de Araujo Almeida, de 41 anos, é filiado ao Partido Social Liberal, partido de Jair Bolsonaro, e foi eleito deputado federal nas eleições de 2018 por Goiás com 31.190 votos totalizados (1,03% dos votos válidos), com o nome parlamentar de “Major Vítor Hugo”.

Nascido na Bahia, em Salvador, o Major Vitor Hugo veio para Goiás, sendo eleito pelo mesmo Estado.

É advogado e Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados – Área XVII – Segurança e Defesa, Major de Infantaria, Forças Especiais e Estado-Maior do Exército Brasileiro na reserva não remunerada.

Formado em direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, o novo líder do governo também é bacharel em ciências militares pela Academia Militar das Agulhas Negras (Aman).

Possui, ainda, mestrado em operações militares pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército Brasileiro.

Novato na política, Vitor Hugo dedicou a maior parte da carreira profissional ao Exército, onde atuou por mais de 20 anos.

Integrou a XIII Viagem de Instrução de Guardas-Marinha (VIGM), a bordo no Navio-Escola Brasil (1999-2000) – 6 meses e mais de 19 portos internacionais (por ter sido o 1º geral da AMAN de 1998).

No período, de 2008 a 2009, foi observador militar da Organização das Nações Unidas (ONU) na Costa do Marfim, segundo o currículo dele.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Travesti baleada pede socorro em residência na rua de motel, em Goiânia

A travesti, de 25 anos, foi baleada nas costas e no abdômen, e buscou ajuda na primeira casa na qual conseguiu entrar.

Por Ton Paulo
15/01/2019, 09h19

Uma travesti baleada na madrugada desta terça-feira (15/1) buscou ajuda em uma residência localizada no Setor Parque Oeste Industrial, em Goiânia, próximo a um motel da região. A travesti, de 25 anos, foi baleada nas costas e no abdômen, e buscou ajuda na primeira casa na qual conseguiu entrar.

De acordo com informações da Polícia Civil (PC) e do Corpo de Bombeiros, o fato ocorreu por volta de 1h40 desta terça-feira, na Rua Americano do Brasil, Setor Parque Oeste Industrial, em Goiânia, próximo ao Motel Kiss. Segundo os bombeiros, a corporação foi acionada pelo dono de uma residência da região para atender a uma travesti de 25 anos, somente identificada como Núbia, que havia sofrido perfurações por bala no abdômen e nas costas.

Em desespero depois de ter sido baleada próximo ao motel mencionado, a travesti teria procurado socorro na casa, sendo socorrida pelo dono, que chamou o Corpo de Bombeiros. A corporação acionou a Polícia Militar, que, então, repassou o caso para a PC.

A vítima estava sem documentação, e se identificou somente como Núbia. Ela foi atendida pelos bombeiros e levada para o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira, o Hugol.

Ainda não há informações sobre a motivação e a autoria dos disparos.

Caso de travesti baleada de 17 anos foi registrado também em Aparecida de Goiânia

Em agosto de 2017, uma travesti de 17 anos foi baleada no braço na manhã de sábado (19/8), durante uma discussão com o seu cliente na porta de um motel no setor Garavelo Park, em Aparecida de Goiânia.

Segundo informações da Polícia Militar (PM) na época, a vítima se desentendeu com o homem porque ele achou que ela teria o furtado. Após discutirem, ele sacou uma arma e atirou no braço esquerdo dela.

Mesmo ferida, a travesti se deslocou até o estacionamento de uma igreja, no setor Garavelo B, em Goiânia, onde recebeu os primeiros atendimentos do Corpo de Bombeiros. De acordo com a corporação, ela foi socorrida e encaminhada para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

O suspeito de cometer o crime fugiu logo após o disparo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Avianca garante aviões por mais 2 semanas

Empresa está endividada e tem até duas semanas para apresentar plano de pagamento de dívidas.
15/01/2019, 09h35

Em recuperação judicial desde dezembro, a Avianca conseguiu mais duas semanas para apresentar um plano de pagamento de dívidas atrasadas às empresas donas de aeronaves arrendadas pela companhia aérea. A prorrogação foi concedida na segunda, 14, em audiência na Justiça com credores.

Segundo fonte próxima às negociações, porém, nem todas as empresas que alugam os aviões para a Avianca estavam presentes na reunião. Algumas delas não têm interesse em renovar os contratos, apurou o Estado.

Ainda na audiência, a aérea se comprometeu a realizar os pagamentos que vencerão a partir do próximo mês sem atrasos. Caso o acordo não seja cumprido, a Justiça poderá pedir a reintegração de posse dos aviões.

Com 13,77% do mercado brasileiro e dívidas de quase R$ 500 milhões – sem incluir débitos com arrendatários -, a Avianca vem tendo dificuldades para honrar compromissos desde o segundo semestre do ano passado. Com o atraso no pagamento de contratos, os donos de aeronaves entraram na Justiça para retomar os aviões em posse da Avianca e conseguiram decisões favoráveis – que só foram revertidas após o pedido de recuperação judicial ser aceito.

Em dezembro, além da manutenção da frota com a empresa aérea, o juiz Tiago Henriques Papaterra Limongi determinou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) preservasse concessões e autorizações aeroportuárias para que os passageiros não fossem prejudicados. Também definiu que os aeroportos usados pela empresa mantivessem o acesso a toda infraestrutura e serviços.

De acordo com a lista de credores, a conta da Avianca apenas com os aeroportos é de cerca de R$ 100 milhões. Em Guarulhos, onde o passivo é de R$ 26 milhões, a Avianca conseguiu honrar a última parcela do compromisso. A empresa negocia um aporte com a aérea americana United Airlines.

Após a audiência, na segunda, a aérea informou, em nota, estar “operando normalmente, com seus pousos e decolagens mantidos nos cronogramas estabelecidos anteriormente”. A companhia afirmou ainda que segue “com foco total na continuidade de suas operações e na elaboração do Plano de Recuperação Judicial, que será apresentado em breve”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.