Goiás

O passeio que terminou com duas mortes em cachoeira, em Cristalina

Menino de 9 anos e jovem de 18 caíram no buraco de uma cachoeira.
17/01/2019, 13h30

Uma família alugou uma van para aproveitar o finalzinho das férias das crianças em um passeio que terminou tragicamente na tarde da última quarta-feira (16/1), em uma fazenda no Município de Cristalina.

Um menino de nove anos e um rapaz, de 18, morreram afogados enquanto o grupo, formado por cinco adultos e três crianças, exploravam as pequenas ilhas de pedras que se formam perto a uma cachoeira de águas cristalinas.

Segundo informações do Bombeiros Militares de Cristalina, o grupo, que desconhece a geografia do local, entrou, um a um, dentro de um dos vãos, mas, em determinado momento, duas das crianças e o rapaz foram “engolidos” pela água e caíram em um buraco de cinco metros de profundidade. Apenas uma criança conseguiu ser resgatada pelo único adulto que sabia nadar.

O menino de nove anos ficou submerso, debaixo de uma das pedras, enquanto o rapaz foi levado pela correnteza para mais ao fundo.

Apenas com óculos Bombeiros resgatam corpos, em Cristalina

A equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada na tarde para o socorro, mas quando chegou ali, encontrou uma família desesperada, sem muita coisa a fazer senão chamar reforços. Logo depois, vieram especialistas em mergulho. Com os óculos, a visibilidade entre as pedras fica mais facilitada, dando mais chance para encontrar o corpo do rapaz.

Para o grupo chegar à cachoeira de difícil acesso, enfrentou uma árdua subida, escalando as pedras utilizando a vegetação. Próximo à paradisíaca e, neste caso, fatal cachoeira, eles se depararam com pedra, água e lodo.

No local, que não tem nenhuma placa, é sempre utilizado para passeios. A reportagem do Portal Dia Online não conseguiu confirmar, contudo, que a área, que fica em uma propriedade privada, o acesso é feito por meio de aluguel ou indevido.

Os corpos foram retirados da água com técnicas de salvamento e levados ao Instituto Médico Legal (IML) de Luziânia. O nome dos envolvidos, contudo, foram preservados tanto pelo Corpo de Bombeiros quanto pelos funcionários do IML.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Internada, Beth Carvalho canta em cama de hospital e emociona fãs

Cantora está internada desde 8 de janeiro.
17/01/2019, 13h42

Apesar de ter sido internada às pressas no dia 8 de janeiro e estar no hospital até agora, Beth Carvalho foi incentivada por companheiros a cantar.

Deitada no leito e com sondas, a cantora, de 72 anos, ganhou uma roda de samba no quarto do Hospital Pró-Cardíaco, no Rio de Janeiro.

A dupla Os Prettos, formada por Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira, acompanham Beth Carvalho.

O vídeo viralizou nas redes sociais e pode ser conferido no seguinte endereço: https://www.instagram.com/p/BsqFMAYBUro/?utm_source=ig_embed

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Cristiane Schmidt afirma que vai seguir cronograma e que não adianta fazer greve

Titular da pasta afirmou que está sendo transparente e que não há recursos para o pagamentos dos salários do mês de dezembro.
17/01/2019, 14h24

Sem o relatório dos técnicos da Missão do Ministério da Economia, a Secretária da Fazenda do Estado de Goiás, Cristiane Schmidt, afirmou que o pagamento da folha de dezembro dos servidores vai começar a ser paga a partir de março e de forma parcelada. Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (17/1), ela afirmou que “não adianta entrar com ações judiciais ou liminar para receber os salários, pois o cronograma de pagamento não vai ser alterado pelo governo”.

Conforme Cristiane Schmidt, na última quarta-feira (16/1) foi entregue no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), os extratos bancários das contas do Estado. A entrega desses extratos de acordo com a matéria publicada pelo O Popular, servem para mostrar que não há recursos em caixa para pagar a folha dos servidores públicos do mês de dezembro. A secretária optou por fazer esta entrega ao TJGO, devido aos vários pedidos de liminar para bloquear os valores das contas do Estado para quitar os salários dos servidores.

Cristiane Schmidt afirma que “não adianta fazer greve, pois o cronograma não vai ser alterado”

Durante coletiva de imprensa, a secretária afirmou que está dando transparência ao que o Estado tem em caixa e que “não adianta falar que existe dinheiro para o pagamento dos salários ou que o governo não quer pagar”, pois segundo Cristiane não há recurso.

“Não adianta entrar em greve, fazer manifestações ou entrar com ações na Justiça, pois vamos seguir o cronograma para o pagamento dos salários de dezembro”, declara Cristiane.

Uma das ações do governo para pagar os salários de dezembro, vai ser enviar mudanças no projeto de lei do Orçamento de 2019, incluíndo o pagamento da folha de dezembro de 2018. As mudanças feitas pelo governo deve ser enviadas a Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego) até o final do mês, e aprovada até o dia 11 de fevereiro de 2019. A partir destas alterações na LOA 2019, e com a aprovação da Alego, o governo vai abrir o processo para regularizar as despesas do estado, por conta da gestão anterior não ter empenhado a folha do mês de dezembro.

Durante a coletiva, a secretária afirmou que vai cumprir a determinação legal de quitar os salários com os pagamentos dos juros pelo atraso. Cristiane Schmidt informou também que começa a quitar os salários dos servidores de janeiro a partir da próxima semana, com o compromisso de pagar 80% até o dia (25/1) e o restante até o fim do mês. A secretária confirmou que os servidores que tem uma renda menor vão ser os primeiros a receber, conforme o cronograma do governo.

Via: O Popular 
Imagens: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

"Dizia que queria me acalmar na cama", diz funcionária que acusa ex-médico do TJ-GO de assédio sexual

As supostas vítimas do ex-médico do TJ-GO foram convocadas a depor na Corte entre os dias 18 e 21 de janeiro.

Por Ton Paulo
17/01/2019, 15h12

Em inquérito que corre desde maio de 2018, sete mulheres – funcionárias e estagiárias do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) – acusam o servidor de carreira e ex-diretor do Centro de Saúde da Corte, Ricardo Paes Sandré, de assédio sexual e moral quando este era responsável pelo departamento de saúde do Tribunal. Entre vários relatos registrados, uma das mulheres conta que o médico, que também é genro do presidente do TJ-GO, teria dito a ela, em um momento dela de irritação por causa das insinuações sexuais, que “adoraria acalmá-la na cama”. As supostas vítimas do ex-médico do TJ-GO foram convocadas a depor na Corte entre os dias 18 e 21 de janeiro.

Inicialmente, elas prestaram depoimento ao Ministério Público do Trabalho (MPT). O caso foi então encaminhado à Promotoria estadual. Após as denúncias, em maio do ano passado, Sandré pediu exoneração do cargo de diretor do Centro de Saúde do Tribunal e requereu a abertura de processo administrativo interno na Corte. Entre 20 de setembro e 19 de dezembro, ele gozou de licença-prêmio, concedida pela Secretaria de Recursos Humanos do TJ de Goiás. Atualmente, está em férias.

No processo aberto contra Sandré, são vários os relatos de mulheres que teriam sido vítimas de assédio moral e sexual por parte dele. No depoimento de uma estagiária, ela conta que, ao ser submetida a uma prova oral aplicada pelo médico, ouviu dele que “antigamente as meninas quando iam fazer prova, iam de saia e sem calcinha, e ficavam cruzando as pernas, e os examinadores com certeza as aprovavam”.

No relato de uma médica, consta que ele, Ricardo, teria sido direto ao assediá-la sexualmente. “Quando eu ficava irritada com as insinuações sexuais, (ele) dizia que adoraria me acalmar na cama. Certa feita disse: “Estou com dor de garganta hoje (…) seu marido faz isso com a sra., doutora?”.”, conta no processo que corre na Justiça. As servidoras ainda relatam em depoimento constante no processo que, como represália, Sandré mudava escalas de trabalho constantemente, barganhava a retirada e a concessão de gratificações e ameaçava não autorizar férias.

Uma outra ex-estagiária afirma que, certa vez, abraçou uma amiga contratada para a limpeza da Corte, quando Sandré apareceu.“Lésbica??? Ah, não! Duas lésbicas eu não aceito não! Comigo tem que gostar de homem! Pra resolver seus problemas, você tem é que dar”, relatou.

Entre outras declarações de cunho sexual que Ricardo Sandré teria dito às mulheres, servidoras do TJ-GO, estariam “Se você quiser um pinto amigo, eu estou disponível”. “É simples: eu vou ali no cantinho e abaixo as calças, aí é só alegria!”. “Ih, lá embaixo deve estar cheio de teia de aranha”. Todos os relatos estão presente no inquérito que corre contra Sandré, que é genro do presidente do TJ-GO.

Testemunhas em processo administrativo que corre no TJ e de inquérito no Ministério Público Estadual de Goiás, as mulheres foram convocadas a depor na Corte entre os dias 18 e 21 de janeiro.

CREMEGO se pronunciou sobre o caso

Procurado pela reportagem do Dia Online, o Conselho Regional de Medicina de Goiás declarou que está apurando o caso e acompanhando as investigações, mas que em função do sigilo ético e profissional, não está autorizado a se posicionar ou revelar detalhes sobre o caso.

Em nota, ex-médico do TJ-GO nega as acusações de assédio

No dia 14 de dezembro do ano passado, Ricardo Sandré, através de uma nota publicada no site do Sindicato dos Peritos Criminais e Médicos Legistas do Estado de Goiás (Sindperícias-GO), declarou que as acusações “nenhum dos relatos condizem com a verdade, sequer remotamente”, e que “a ação orquestrada de alguns servidores, tornou-se uma cruzada pelo assassinato de sua reputação”.

Confira a nota abaixo:

“Nota à imprensa

Ricardo Paes Sandre, buscando espaço de fala através dos veículos de notícia que divulgaram relatos a meu respeito, vem a público dizer que:

1) a primeira e mais importante premissa é a de que nenhum dos relatos que me atribuem práticas de irregularidades, assédio moral, sexual ou abuso de poder (nenhum!) condizem com a verdade, sequer remotamente;

2) a ação orquestrada de alguns servidores (nem de longe a maioria), tornou-se uma cruzada pelo assassinato de minha reputação. As causas estão relacionadas a decisões administrativas que foram tomadas em colegiado e, sobretudo, ao choque de gestão implantado na direção no Serviço de Saúde do TJGO, a exemplo de exigências simples como:

I) cumprimento de horário (fiscalizado eletronicamente),

II) desempenho pleno das funções médicas, inclusive em situações de emergência médica (situações frequentemente recusadas por médicos!), ou

III) gratificações concedidas por critério de mérito e pertinência com as funções. Todas as decisões que advindas deste choque de gestão, além de serem resultantes de atuação colegiada, atenderam a determinações superiores, do Conselho Nacional de Justiça;

3) após a deflagração desta ação difamatória, espontaneamente me afastei de minhas funções e, por minha iniciativa, solicitei a instauração de um procedimento administrativo disciplinar na Corregedora do TJGO, destinado a minha própria investigação;

4) jamais (repito: jamais!) fui chamado a me manifestar ou me franquearam espaço para que pudesse expor minhas considerações ou exercer minha defesa. Ao contrário; somente através de medida judicial (Mandado de Segurança nº 5269032.14) pude ter acesso aos autos do procedimento destinado às investigações que, até o momento da decisão liminar, foram mantidos em sigilo em meu desfavor;

5) para além das contradições e fragilidades nítidas em depoimentos motivados por inconformismos de alguns servidores, uma série de outras provas e informações inexploradas, demonstrarão em curto tempo a existência deste verdadeiro assassinato de reputação;

6) as difamações, injúrias e até calúnias orquestradas em meu desfavor, além de me atingirem, tem refletido diretamente na integridade moral de minha família. Por esta razão e, sobretudo por eles, tão logo possa vir a me pronunciar na instância administrativa e judicial, provarei a inverdade destes factoides e adotarei as medidas judiciais cabíveis.”

Via: Estadão 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Em recuperação judicial, Avianca cancela voos internacionais

Reembolso será realizado para quem já tinha comprado passagens para algumas cidades fora do país.
17/01/2019, 15h13

A Avianca informou hoje (17) que realizará o reembolso para os passageiros que compraram bilhetes de viagem para Santiago, no Chile, Miami e Nova York, nos Estados Unidos, em voos com saída de Guarulhos, São Paulo. A empresa, que se encontra em processo de recuperação judicial, anunciou o fim das operações para esses destinos a partir de 31 de março.

Os clientes podem optar ainda por tentar viajar por outras companhias. A empresa disse que entrará em contato com os clientes que compraram voos posteriores à data mencionada para resolver cada caso individualmente.

” A empresa segue focada em garantir a sustentabilidade do negócio e em manter a excelência do atendimento, que está em seu DNA. Reforça que todos os demais 26 destinos estão preservados e que continua operando normalmente, com mais de 240 voos diários”, explicou.

Dívidas que somam quase R$ 500 milhões

Quarta maior companhia aérea do país, a Avianca tem dívidas que somam quase R$ 500 milhões, chegando a devolver em dezembro do ano passado duas aeronaves Airbus A330 para as empresas de arrendamento.

Na segunda-feira, o processo de recuperação judicial, que tramita na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, foi suspenso após uma audiência de conciliação entre representantes da companhia aérea e arrendadores de aeronaves. Na ocasião, foi definida a suspensão das ações de reintegração de posse até o próximo dia 1º de fevereiro.

Até o dia 31 de janeiro, a empresa deve apresentar proposta para o pagamento de dívidas vencidas até essa data. Durante a audiência, a empresa também disse que realizará o pagamento das parcelas do leasing das aeronaves que vão vencer a partir de 1º de fevereiro.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.