Brasil

Produtor rural aprova decreto, mas pede mais medidas para reduzir crimes no campo

Foi ressaltado também a necessidade de acabar com o comércio de produtos roubados ou furtados.
18/01/2019, 09h47

Entre produtores rurais, é consenso a aprovação ao decreto do presidente Jair Bolsonaro que facilitou a posse à arma de fogo, mas eles também concordam que é preciso adotar outras medidas, mais severas, para reduzir a insegurança no campo, apontada hoje como uma das principais dificuldades do setor.

Favorável ao decreto, o presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Marcelo Vieira, defende mais policiamento na zona rural. “Não é apenas liberar arma no campo que vai resolver a questão da segurança. O crime está cada vez pior. Quase diariamente ouvimos relatos de produtores que foram roubados, agredidos”, diz Vieira, cuja entidade tem associados em todas as regiões do Brasil.

O presidente da SRB também alerta para a necessidade de se acabar com o comércio de produtos roubados ou furtados. “Se você permite, está incentivando a insegurança”, afirma.

Para Márcio Lopes de Freitas, presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras, o governo deve criar identificadores para máquinas e equipamentos agrícolas, e incentivar, com recursos e apoio logístico, os Estados a desenvolverem e fortalecerem unidades especializadas de prevenção e combate à criminalidade. “É necessário criar um ambiente que desestimule a prática de delitos que colocam em risco a segurança das pessoas.”

Presidente da Associação dos Produtores de Soja de São Paulo (Aprosoja-SP), Gustavo Chavaglia afirmou que o decreto é importante, mas defendeu também aumento da punição para quem compra os produtos do comércio ilegal, de modo a dar mais segurança aos produtores. “Se o bandido pode ter arma, por que o produtor não?”, questionou. “Mas precisamos de uma lei mais dura contra o receptador. Mais bandido ainda é quem compra produto roubado.”

Segundo Chavaglia, hoje os criminosos vão às propriedades com a certeza de que os produtores estarão desarmados. Com a nova lei, afirma, haverá a sensação de “um contraponto”. “Se ele (criminoso) souber que tem a chance de reação, começa a haver uma relação de igualdade”, avalia. Segundo Chavaglia, os crimes no campo são mais complexos e os produtores estão mais vulneráveis que na área urbana. “Essa medida (decreto) permite uma mínima defesa.”

Porta-voz do Observatório da Criminalidade da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), André Sanches vê o decreto como uma “ponta” da discussão. De acordo com ele, sete em cada dez crimes no campo são realizados por quadrilhas especializadas. Por isso, diz, ações estruturantes, como o rastreamento do escoamento dos produtos roubados, são indispensáveis.

Sanches comenta também que a CNA tem assento no Conselho Nacional de Segurança Pública e tem dado mais destaque à insegurança no campo. “Antes, era invisível”, afirmou. “Não podemos fechar o olho para ressa realidade”.

Twitter

Nesta quinta-feira, 17, no Twitter, Bolsonaro afirmou que o decreto que flexibilizou o acesso à arma de fogo tem como principal objetivo “assegurar o direito inviolável à legítima defesa”. Ele rebateu críticas e escreveu que “medidas eficientes” ainda serão “tomadas e propostas” para melhorar a segurança pública. “Para a infelicidade dos que torcem contra, medidas eficientes para segurança pública ainda serão tomadas e propostas. Os problemas são profundos, principalmente pelo abandono dos governos anteriores. Mal dá pra resolver tudo em quatro anos, quem dirá em 15 dias de governo.”

A reportagem entrevistou Bartolomeu Pereira, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil). Veja, abaixo, os principais trechos.

Qual sua avaliação sobre a aprovação do decreto?

A arma é um componente a mais para a prevenção, para o bandido saber que na propriedade rural há uma arma de fogo. Mas isso não basta. Ficamos distantes da segurança pública e temos alto valor agregado em vigilância e equipamentos, então tudo isso necessita proteção.

O que é feito hoje?

Temos patrulhamento nas propriedades em Goiás e fazemos o georreferenciamento de todas, e organizamos grupos de WhatsApp com produtores e sindicatos rurais. Para vigiar, usamos até drones. Quando alguém estranho passa, a polícia é acionada.

Quais são os resultados?

Diminuímos a criminalidade na região (sul do Estado) e agora as medidas estão sendo ampliadas para outros Estados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Em crime misterioso, idoso leva tiro na cabeça em plena BR-060 e bate em poste, em Abadiânia

A teoria do delegado responsável pelo caso é a de que o autor do homicídio estava com a vítima dentro do carro.

Por Ton Paulo
18/01/2019, 10h00

Um caso registrado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na final da noite da última quinta-feira (17/1) intrigou a corporação. O que inicialmente pensou-se se tratar de um acidente, descobriu-se depois ser um crime de homicídio. Um idoso de 60 anos foi encontrado morto na BR-060, próximo ao município de Abadiânia, com o carro batido em um poste de uma propriedade rural da região. Ao ser feita a perícia no corpo, constatou-se que o homem bateu o carro após levar um tiro na cabeça.

De acordo com informações da PRF, o condutor do GM Vectra, Paulo Alberto Ribeiro, de 60 anos de idade, perdeu o controle da direção do veículo que ele dirigia e colidiu com um poste de cimento de cerca de Fazenda. Tudo aconteceu nno KM 70 da BR-060, no sentido Abadiânia-Anápolis.

Como no local não foi encontrado nenhuma marca de frenagem, inicialmente a PRF, a equipe de socorrismo e os peritos que compareceram ao local acreditaram que o homem pudesse ter sofrido de um mal súbito.

O corpo de Paulo Alberto foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis, para perícia, e foi lá que houve a surpresa. Por volta de 1h desta sexta-feira (18/1), um perito criminal lotado no 10º Núcleo Regional de Polícia Técnico-científica entrou em contato com a Polícia Civil (PC) para informar que, na verdade, o homem foi vítima de um homicídio.

O tiro na cabeça fez a bala atravessar crânio de idoso que bateu carro na BR-060, em Abadiânia

O perito informou à Central de Flagrantes policiais da Polícia Rodoviária Federal haviam atendido uma ocorrência que, a princípio, acreditavam se tratar de acidente de trânsito. Ao verificarem que dentro de um veículo havia uma pessoa já em óbito, esses policiais teriam feito a comunicação para que o corpo fosse coletado e levado diretamente ao OML.

Então, ao inspecionarem o corpo, constatou-se uma ferida no crânio da vítima, provavelmente causada por disparo de arma de fogo a curta distância. A bala atravessou o crânio do idoso, levando-o a óbito.

Todas essas informações foram repassadas à Central de Flagrantes pelo perito criminal. Os policiais, então, comunicaram o Delegado de Polícia Cleiton Lobo do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH), de Anápolis, que ficará a cargo do caso.

Segundo o delegado, a teoria mais provável é que o autor do homicídio estaria dentro do carro com a vítima, no banco do carona. “Como o tiro foi da direita para a esquerda, tudo leva a crer que o autor do crime estava no veículo com a vítima”, explica.

Entretanto, segundo ele, o caso ainda será investigado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Goiás registra mais de 6 mil acidentes por animais peçonhentos em 2018; Saúde faz alerta

No período chuvoso o índice de ocorrências é maior, principalmente para quem mora próximo a grandes áreas verdes.
18/01/2019, 10h44

Em 2018, foram registrados em Goiás 6.979 acidentes causados por animais peçonhentos. De acordo com dados do Centro de Informações Toxicológicas da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (CIT/SES-GO), os escorpiões foram responsáveis por 4.118 desses acidentes, o que corresponde 59% dos casos; as serpentes representam 16% dos casos, as aranhas 9%, as abelhas 5%, e outros animais peçonhentos, 11%.

No período chuvoso o índice de ocorrências é maior e a Secretaria Estadual de Saúde faz o alerta, principalmente para famílias que moram próximas a grandes áreas verdes. Para a coordenadora do CIT/SES-GO, Dilza Diniz Dias, a melhor forma de evitar acidentes é adotar medidas de prevenção.

“Recomendo manter a casa e a área ao redor limpas, uma vez que o lixo e entulhos podem servir de abrigo para cobras e escorpiões. Se encontrar algum tipo de cobra ou escorpião, é preciso informar à secretaria de Saúde do município onde mora”, orienta Diniz. O cuidado deve ser redobrado para trabalhadores rurais e praticantes de ecoturismo.

O que fazer em caso de acidentes causados por animais peçonhentos

Segundo a Secretaria, o depósito e acúmulo de lixo, entulhos e materiais de construção junto às residências podem servir de abrigo para os animais peçonhentos, como os escorpiões, que se alimentam de insetos como baratas. Ainda de acordo com a pasta, “as medidas de controle e manejo populacional de escorpiões baseiam-se na retirada/coleta dos escorpiões e modificação das condições do ambiente, a fim de torná-lo desfavorável à ocorrência, permanência e proliferação destes animais.”

Em caso de acidentes com cobras ou escorpiões, o indicado é lavar o local da picada com água e sabão e ir imediatamente a uma unidade de saúde mais próxima para tratamento adequado. Nesses casos, é necessário ainda entrar em contato com o Centro de Informações Toxicológicas da SES-GO, pelos telefones 0800 6464 350 ou 0800 722 6001. A ligação é gratuita e pode ser feita até por telefones celulares.

Imagens: A Cidade ON 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Inep divulga resultado do Enem; saiba o que fazer com a nota

Espelho da redação será divulgado no dia 18 de março.
18/01/2019, 11h16

As notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estão disponíveis na internet, na Página do Participante (https://enem.inep.gov.br/participante/#!/inicial) e no aplicativo oficial do Enem. Mais de 4,1 milhões de estudantes podem acessar o resultado individual em cada uma das provas: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza, matemática e redação.

Para acessar os resultados individuais, é preciso usar a senha criada na hora da inscrição. Caso o participante não se lembre da senha, basta clicar no campo Esqueci minha senha. O estudante deverá, então, confirmar o e-mail cadastrado no sistema para receber uma senha temporária. Quem esqueceu a senha e também não tem acesso ao e-mail cadastrado tem a opção de informar novos contatos para receber a senha temporária.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) divulgará no dia 18 de março o espelho da redação, ou seja, detalhes da correção dessa prova. Isso é feito após os processos seletivos dos programas federais. A correção tem função apenas pedagógica e não é possível interpor recurso.

A nota dos treineiros, aqueles que ainda não concluíram o ensino médio e fizeram a prova apenas para testar os conhecimentos, também será divulgada no dia 18 de março.

O Enem foi aplicado nos dias 4 e 11 de novembro de 2018. Desde o dia 14 de novembro, estão disponíveis as provas e os gabaritos oficiais. Também estão disponíveis vídeos com os enunciados e as opções de respostas da videoprova na Língua Brasileira de Sinais (Libras).

O que fazer com as notas do Enem?

Com os resultados, os estudantes poderão concorrer a vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

O primeiro processo que terá as inscrições abertas é o Sisu. Para participar é preciso fazer a inscrição online no período de 22 a 25 de janeiro. Os estudantes já podem consultar, na página do programa (http://sisu.mec.gov.br/) as vagas disponíveis. São mais de 235,4 mil, distribuídas em 129 universidades públicas de todo o país.

As inscrições para o ProUni poderão ser feitas de 22 a 25 de janeiro e, para o Fies, de 5 a 12 de fevereiro.Além dos programas nacionais, os estudantes podem usar as notas para cursar o ensino superior em Portugal. O Inep tem convênio com 37 instituições portuguesas. A lista está disponível na página da autarquia.  Segundo o Inep, atualmente mais de 1,2 mil brasileiros usaram o Enem para ingressar nessas instituições.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Ex-candidato a vereador é morto a facadas pelo sobrinho, em Anápolis

"Aparecia com boas ideias, com boas propostas", comenta o colega de partido e vereador de Anápolis, Jackson Charles.
18/01/2019, 11h27

João Clodes de Souza, conhecido como Joãozinho, de 52 anos, foi assassinado a facadas por volta das 22h de quinta-feira (18/1) no bairro Itamarati, em Anápolis.

Ele foi esfaqueado pelo próprio sobrinho, que não teve a identidade revelada. Joãozinho não conseguiu esperar o socorro e morreu ali mesmo, próximo à casa dele, onde foi golpeado após uma discussão. Os motivos não foram revelados.

Depois de matar o tio, o rapaz fugiu para uma mata, mas policiais militares conseguiram capturá-lo e prendê-lo em flagrante.

Ativo nas redes sociais, Joãozinho gostava de comentar a política de Anápolis e a nacional. Em 2016, inconformado com os descaminhos do Brasil, decidiu se candidatar a uma vaga na Câmara Municipal anapolina. Filiado ao Partido Social Brasileiro (PSB), conseguiu 90 votos, não conseguindo eleger-se.

Candidato a vereador em Anápolis, vítima queria um Brasil melhor

Em suas postagens, criticou políticos corruptos, demagogos e falaciosos. Queria uma cidade melhor, um Brasil melhor.

A fotografia em que aparece montado em uma égua foi utilizada por ele para divulgar o roubo do animal.

No comentário da foto que ele usou como capa de seu perfil no Facebook, escreveu seis semanas antes de ser assassinado: “essa égua foi roubada na minha chácara no dia 25 / 11 2018 à noite. Marca é antiga um Y. na perna da frente. Se você observar consegue enxergar.”

No dia 11 de janeiro, sete dias antes de morrer, postou um vídeo sob o título “falsos patriotas “. Criticou militares que se tornam políticos,  mas abrem mão de um dos salários.

A reportagem do Portal Dia Online não conseguiu falar com o titular da Delegacia de Homicídios de Anápolis, o delegado Vander José Coelho Júnior.

O vereador de Anápolis e colega de partido, Jackson Charles, lamentou o crime ao Dia Online: “Um homem respeitado na sociedade. Respeitado no partido. Nunca tivemos problema com ele. Aparecia com boas ideias, com boas propostas. Vai fazer muita falta.”

O corpo da vítima foi liberado do Instituto Médico Legal (IML) na madrugada.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.