Economia

Reunião entre secretários de Goiás e representantes dos servidores termina sem acordo

Assembleia geral dos Sindicatos vai definir os próximos passos dos servidores em relação ao pagamento dos salários de dezembro de 2018.
18/01/2019, 18h53

Os secretários da Fazenda e de Governo, Cristiane Schmidt e Ernesto Roller, participam de uma reunião nesta sexta-feira (18/1) com representantes dos servidores do Estado de Goiás. A reunião tem como pauta o pagamento dos salários do mês de dezembro, que o governo anterior não empenhou a folha para quitar os vencimentos do funcionalismo público estadual.

Na noite da última quinta-feira (17/1),  o governo divulgou um cronograma de pagamento dos salários do mês de dezembro. No cronograma divulgado, os vencimentos dos funcionários públicos começam a ser quitados em ordem crescente e de forma escalonada a partir de março de 2018. Tanto Cristiane Schmidt como Ernesto Roller voltaram a insistir que o pagamento seja feito de forma escalonada a partir de março de 2019 e com o intuito de quitar a folha de dezembro em seu total em Agosto.

Representados pelos sindicatos de cada categoria, os servidores não aceitam que o pagamento seja efetuado desta forma. Os sindicatos exigem que o governo quite a folha de dezembro de 2018, em fevereiro. No entanto, os representantes do governo não abrem mão de seguir o cronograma estabelecido, com o pagamento começando em Março e toda folha seja quitada de dezembro do ano passado seja quitada em Agosto de 2019.

Proposta apresentada para o pagamento dos salários

Os sindicatos presentes na reunião ofereceram pelo menos quatros proposta para o governo estadual, para o pagamento da folha de dezembro, no entanto nenhuma delas foi aceita. Uma das proposta foi apresentada pela presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintego) Bia Lima em entrevista e informou ao G1 o que foi proposto.

“Sugerimos que paguem janeiro agora e dezembro em seguida, no mais tardar até o dia 10 de fevereiro, e postergue fevereiro até o dia 20 de março e depois vai puxando até pagar na data certa”, afirmou

Sem acordo os sindicatos convocaram para próxima segunda-feira (21/1), uma assembleia geral para definir quais serão os próximos passos dos servidores, com a possibilidade de greve no Estado. Vale lembrar que o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) concedeu liminar para o pagamento dos salários dos servidores da educação. E na tarde desta sexta-feira (18/1), o TJGO concedeu uma outra liminar para que Goiás quite os salários de dezembro de 2018 dos agentes penitenciários.

Via: G1 
Imagens: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Dono de borracharia é morto a tiros, em Jataí

Suspeito esteve na borracharia momentos antes procurando por emprego.
18/01/2019, 20h11

O dono de uma borracharia na Avenida Perimetral, no Centro de Jataí, a 327 quilômetros de Goiânia, foi morto a tiros na tarde desta sexta-feira (18/1) dentro do estabelecimento comercial. O caso foi confirmado pelo Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Jataí ao Portal Dia Online.

O GIH afirmou que a vítima foi identificada como José Valderlandio Lima Magalhães, de 26 anos e conforme a polícia, o crime aconteceu por volta das 16h, durante o expediente. A polícia afirmou que dois homens chegaram em um carro modelo VW/GOL de cor branca e que um ficou no carro, enquanto o outro desceu e procurou pela vítima.

Antes de matar o dono da borracharia, suspeito esteve no estabelecimento procurando emprego

A polícia afirmou que testemunhas relataram que momentos antes do assassinato, um dos suspeitos esteve na borracharia e procurou pelo dono, em busca de um emprego. No entanto, o rapaz que estava procurando por uma oportunidade voltou depois acompanhado e efetuou vários disparos contra a vítima que atingiram cabeça, tórax, rosto, pescoço e perna. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu) foi chamado para socorrer a vítima, mas apenas constatou a morte de José.

Segundo a polícia, a vítima tinha uma extensa ficha criminal e familiares afirmaram que José estava sendo ameaçado de morte nos últimos dias.  Os suspeitos fugiram logo após o crime, o GIH de Jataí investiga o caso e afirmou que a autoria do crime e motivação são desconhecidos.

Dono de Lava jato morto em Goiânia

Na tarde da última terça-feira (15/1) Langer Ferreira, de 39 anos, dono de um lava jato na Vila Santa Helena, em Goiânia, foi morto a tiros em frente ao estabelecimento. Conforme levantou a Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), os suspeitos estavam em dois carros e efetuaram vários disparos contra a vítima que morreu no local, e fugiram em seguida. O caso é investigado pela DIH, e não há informações sobre a autoria ou motivação do crime.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

Facebook pode levar multa recorde nos EUA por violação de privacidade

A punição não seria diretamente pelo caso Cambridge, mas sim pela violação a um acordo de 2011 entre o Facebook e a FTC para melhorar as práticas de proteção de privacidade dos usuários.
18/01/2019, 20h33

A Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês), agência dos EUA responsável por regular o comércio no país, está estudando uma multa recorde ao Facebook como consequência do escândalo Cambridge Analytica, publicou o jornal americano The Washington Post na tarde desta sexta-feira, 18.

Revelado em março, o caso tem como protagonista a consultoria política, que utilizou indevidamente dados de 87 milhões de usuários da rede social para influenciar as eleições presidenciais americanas em 2016 e o processo do Brexit. A punição não seria diretamente pelo caso Cambridge, mas sim pela violação a um acordo de 2011 entre o Facebook e a FTC para melhorar as práticas de proteção de privacidade dos usuários.

Segundo o Washington Post, a agência considera aplicar uma multa muito superior aos US$ 22,5 milhões que o Google teve de pagar por violar um acordo semelhante com a FTC, em 2012.

A investigação sobre a violação do acordo entre o Facebook e a agência ocorre desde março do ano, logo após a explosão do caso Cambridge Analytica. O caso, porém, está parado, uma vez que a agência governamental encontra-se sem fundos, devido à paralisação do governo americano. A FTC só voltará a funcionar quando o Congresso dos EUA aprovar um novo orçamento para 2019. Para isso, o governo Trump precisará entrar em acordo com o Partido Democrata, hoje maioria na Câmara dos Deputados.

O tamanho da multa, porém, ainda não foi definido. Segundo o jornal, o Facebook já esteve em contato com agentes da FTC para que um acordo fosse realizado, mas ainda não é possível saber se ele será viabilizado. A reportagem do Washington Post procurou ainda o Facebook, a FTC e seu presidente para comentar o assunto nenhum deles respondeu às solicitações da reportagem.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Ex-médico do TJ-GO andava armado para intimidar vítimas de assédio sexual, dizem testemunhas ao MP

Segundo relatos de uma servidora ao MP-GO, o médico "usava a arma na perna ou na cintura e que sempre fazia questão de mostrar que a arma estava ali".

Por Ton Paulo
19/01/2019, 09h25

Promotores do Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) afirmaram nesta semana que o ex-diretor do Centro de Saúde do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), Ricardo Paes Sandré, tentou “intimidar testemunhas” para que elas mudassem depoimentos em que contavam supostos assédios morais e sexuais que estão sendo investigados. De acordo com a Promotoria, há, inclusive,  relatos de uma servidoras de que Sandré, que também é genro do presidente do TJ-GO, andava com uma “arma de fogo na cintura, e fazia questão de deixar evidente”.

Conforme a Promotoria, Ricardo Sandré foi denunciado por 42 vítimas. Ele é investigado em inquérito civil público e em processo administrativo interno da Corte desde maio do ano passado.

A promotoria ainda afirma que as tentativas de intimidação contra as mulheres foram comprovadas.”Temos casos de tentativa registrada e comprovada dentro dos autos de intimidação de testemunhas. Não é que eu ouvi dizer. Está gravado. O investigado tentando influenciar depoimento de testemunha que aqui esteve”, informa a um jornal local.

Segundo o MP-GO, Sandré teria entrado em contato com uma testemunha para que assinasse um termo em que acusaria uma promotora de tentar manipular seu depoimento. Além da gravação, a testemunha confirmou, em depoimento, a sondagem do investigado. Os promotores ainda relatam que as 85 testemunhas ouvidas confirmam que Sandré chegou a sacar uma arma em meio a uma reunião.

“Essa questão da intimidação por arma, que aconteceu em determinado momento em uma reunião, todos que ouvimos aqui, disseram que aconteceu, tanto pessoas que viram e pessoas que ouviram dizer, em que ele teria tirado uma arma e dito que andava armado”, afirmam.

Segundo os promotores, há “um relato de uma servidora que diz que ele usava a arma na perna ou na cintura e que sempre fazia questão de mostrar que a arma estava ali e isso gerava a ela muito receio”. Segundo a Promotoria, as denúncias de assédio sexual prescreveram para a esfera criminal e, por isso, Sandré pode ser processado por improbidade administrativa, que envolve perda do cargo e aplicação de multas. O MP, no entanto, não descarta representações por crimes contra a administração pública.

Entenda o caso do ex-médico do TJ-GO acusado de assédio sexual por funcionárias do órgão

Em inquérito que corre desde maio de 2018, sete mulheres – funcionárias e estagiárias do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) – acusam o servidor de carreira e ex-diretor do Centro de Saúde da Corte, Ricardo Sandré, de assédio sexual e moral quando este era responsável pelo departamento de saúde do Tribunal. Entre vários relatos registrados, uma das mulheres conta que o médico, que também é genro do presidente do TJ-GO, teria dito a ela, em um momento dela de irritação por causa das insinuações sexuais, que “adoraria acalmá-la na cama”. As supostas vítimas do ex-médico do TJ-GO foram convocadas a depor na Corte entre os dias 18 e 21 de janeiro.

Inicialmente, elas prestaram depoimento ao Ministério Público do Trabalho (MPT). O caso foi então encaminhado à Promotoria estadual. Após as denúncias, em maio do ano passado, Sandré pediu exoneração do cargo de diretor do Centro de Saúde do Tribunal e requereu a abertura de processo administrativo interno na Corte. Entre 20 de setembro e 19 de dezembro, ele gozou de licença-prêmio, concedida pela Secretaria de Recursos Humanos do TJ de Goiás. Atualmente, está em férias.

Em dezembro do ano passado, Sandré divulgou uma nota onde alegou que os relatos contra ele “não condizem com a verdade, sequer remotamente”. Leia a íntegra aqui.

Via: O Hoje 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Fundador d'o Rappa, Marcelo Yuka morre aos 53 anos no Rio de Janeiro

A informação foi confirmada pela assessoria do Hospital Quinta D'Or, no Rio de Janeiro, onde o artista estava internado.
19/01/2019, 10h11

O baterista e fundador do grupo O Rappa, Marcelo Yuka, morreu às 23h40 desta sexta-feira, 18, aos 53 anos. A informação foi confirmada pela assessoria do Hospital Quinta D’Or, no Rio de Janeiro, onde o artista estava internado.

Segundo a unidade médica, a causa da morte foi um AVC isquêmico. Em respeito à família, não foi informado, por ora, o horário e local do velório de Yuka.

Marcelo Yuka, nome artístico de Marcelo Fontes do Nascimento Viana de Santa Ana, era um dos fundadores da banda O Rappa e, anos depois, idealizador do grupo F.UR.T.O. Sua vida sofreu uma forte guinada desde o dia em que acabou baleado em um assalto no Rio na noite do dia 9 de novembro de 2000.

Yuka tentou impedir que oito bandidos roubassem o carro de uma mulher, nas esquinas das ruas Andrade Neves e José Higino, no bairro da Tijuca, Zona Norte do Rio. Os bandidos dispararam nove tiros no músico, todos pelas costas, e um dos disparos atingiu a segunda vértebra torácica. Ele nunca mais conseguiria andar. Em 2015, ele escreveu sobre o ocorrido em seu perfil no Facebook.

“No dia de hoje, há exatos 15 anos, 9 tiros me colocaram na cadeira de rodas… Me perdi, subi e desci ao inferno sem ter a certeza que não voltaria mais à escuridão… Se cheguei até aqui foi por amor, o amor de várias mulheres, amigos e mestres de todas as idades…. Minha mãe para positivar a data me deu esse dia como mais uma comemoração à vida, logo vou fazer 50 anos enquanto tenho 15… Obrigado a quem realmente esteve e está do meu lado durante essa jornada… Em breve, posto a letra da música que a Céu canta no meu disco, em que agradeço por não viver na paralisia do rancor. Talvez essa seja a maior virtude que ganhei… Ame fora da caixa”, escreveu.

Marcelo Yuka foi um dos fundadores do Rappa em 1993, com a intenção de acompanhar o cantor caribenho Papa Winnie em suas apresentações no Brasil. O grupo tinha Nelson Meirelles, que era produtor do Cidade Negra; Marcelo Lobato (áfrica Gumbe); Alexandre Menezes, o Xandão; e Marcelo Yuka (que havia passado pela banda KMD-5).

Depois dos trabalhos com Winnie, os músicos resolveram seguir em frente e procuraram por um vocalista. Depois de anunciarem a vaga no jornal O Globo, chegaram a Marcelo Falcão. Yuka ficaria no grupo até 2001, assinando músicas que ditavam o rumo ideológico do grupo, como Pescador de Ilusões, A Feira, Minha Alma (A paz que eu não quero), entre outras.

Sua saída aconteceu depois de ficar paraplégico, com uma série de divergências entre ele e outros integrantes do grupo. O grupo F.UR.T.O, segundo o que dizia em suas entrevistas, se tratava de um projeto ainda maior, com intenções sociais, algo que não poderia fazer no Rappa.

Em uma fase mais recente, o baterista lançou um disco com o produtor Apollo 9 chamado Canções para depois do ódio, de 2017. Ali, seu combustível era biográfico, ressaltando a depressão pela qual havia passado, tratada com ioga e meditação. Yuka estava internado em estado grave no hospital Quinta D’Or, zona norte da capital fluminense.

No início deste mês, ele havia sofrido um segundo AVC (Acidente Vascular Cerebral). O primeiro havia ocorrido em agosto de 2018.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.