Goiás

Homem é preso após espancar esposa e filha de 4 meses, em Bom Jesus de Goiás

A mulher relatou a agressão no hospital, enquanto era atendida. A polícia foi acionada na hora.

Por Ton Paulo
23/01/2019, 11h44

Um caso de violência covarde foi registrado na madrugada desta quarta-feira (23/1), no município de Bom Jesus de Goiás, a 220 quilômetros de Goiânia. Um homem foi preso acusado de ter espancado a mulher e a filha, um bebê de apenas 4 meses de idade. A mulher relatou a agressão no hospital, enquanto era atendida. A polícia foi acionada na hora.

O caso aconteceu nesta madrugada, e chegou ao conhecimento da polícia quando a vítima, cuja identidade e idade não foram divulgados, teve que ir ao hospital com a filha, um bebê de apenas 4 meses. Segundo informações do delegado Rogério Moreira, da 6ª Delegacia de Polícia Civil de Itumbiara, a mulher chegou ao hospital muito abalada e com o nariz sangrando.

No hospital, ainda segundo o delegado, a mulher contou à polícia que dois dias atrás ela havia tido um desentendimento com o marido, Renato Rodrigues da Silva, de 27 anos. Durante a briga, o homem teria agredido a mulher e a filha, deixando o bebê cair no chão de propósito.

À época, ao ser questionado, ela alegou ter se tratado de um acidente, mas depois confirmou o caráter das agressões.

De acordo com informações de um veículo local, a mulher também estava com diversos ferimentos no rosto, e o bebê sofreu uma fratura no braço. Elas foram atendidas no Hospital Municipal José Rezende, localizado em Bom Jesus de Goiás.

A Polícia Militar (PM) foi chamada e conseguiu localizar o suspeito, que confessou ter agredido a vítima com tapas e socos. Ele foi levado para a delegacia e foi autuado na Lei Maria da Penha e por lesão corporal.

Além do caso de Bom Jesus de Goiás, homem foi preso por espancar namorado e mantê-la em cárcere privado

Um homem de 26 anos foi preso ontem (22/1) depois de manter a namorada em cárcere privado e agredí-la por dois dias seguidos. A vítima teria aproveitado um momento de descuido do algoz para fugir. Ela foi perseguida e continuou sendo agredida pelo namorado no meio da rua, momento em que foi salva por uma mulher que passou na hora da agressão.

De acordo com o delegado Tibério Cardoso, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Caldas Novas e responsável pelo caso, a prisão de Eduardo Henrique Fernandes ocorreu ontem por volta das 9h. Ele conta que Eduardo, que está desempregado e tem passagens pela polícia por envolvimento com entorpecentes, estava em um relacionamento há pouco tempo com a vítima, somente identificada como Liliany, de 34 anos.

O delegado relata que o agressor, depois de um desentendimento com Liliany, decidiu prendê-la na casa dele, impedindo-a de sair e submetendo a mulher a várias agressões. O cárcere privado e o espancamento duraram dois dias.

Mas foi ontem, terça-feira, num momento de descuido de Eduardo que Liliany conseguiu fugir da casa onde era mantida prisioneira, correndo para a rua. Entretanto, ao perceber a fuga, de acordo com o delegado, Eduardo foi atrás dela, conseguindo alcançá-la. E no meio da rua começou a agredir a mulher violentamente, em público. Foi nesse momento que uma mulher passou de carro e percebeu a agressão. Ela então parou ao lado do casal, abriu a porta do veículo e disse para Liliany entrar.

A vítima, então, conseguiu se desvencilhar de Eduardo e correu para o carro. As duas seguiram para a delegacia, e Liliany registrou um boletim de ocorrência contra Eduardo. Ela ficou bastante ferida em razão das agressões, com o olho roxo e inchado e machucados nos braços e barriga.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Chris Brown é solto menos de 24 horas após prisão por suspeita de estupro

Por meio de advogados, Chris Brown nega a acusação.
23/01/2019, 12h01

Chris Brown foi solto nesta terça-feira, 22, após ter ficado menos de 24 horas preso. Ele, um amigo e o guarda-costas foram detidos um dia antes, em Paris, após denúncia de estupro.

De acordo com a polícia francesa, os três homens foram detidos após uma mulher de 24 anos alegar ter sido estuprada na suíte de hotel em que Brown estava hospedado na noite de 15 de janeiro. Ela o teria conhecido em uma boate perto da Champs-Elysees naquela data e alega ter sido estuprada pelo rapper no Mandarin Oriental, um hotel luxuoso na capital francesa.

De acordo com o primeiro depoimento, a vítima foi convidada pelo cantor para seu quarto de hotel junto com outras mulheres. Então, ela se encontrou em um quarto sozinha com ele, onde teria sido estuprada.

Chris Brown tem histórico de agressões contra mulher

O histórico de violência de Chris Brown contra mulheres é extenso. Em março do ano passado, o cantor foi fotografado em uma festa em Miami, nos Estados Unidos, e apareceu “enforcando” uma mulher. As fotos foram publicadas pelo site TMZ.

Em maio do mesmo ano, ele foi processado por facilitar abuso sexual na própria casa. Uma mulher alegou que foi obrigada a ter relações sexuais com amigos do cantor, que promovia uma festa com drogas e bebidas.

Em 2017, Karrueche Tran, ex-namorada de Chris Brown, entrou com pedido de ordem restritiva contra ele. A modelo declarou que o cantor a agrediu e ameaçou matá-la. Há dez anos, ele foi condenado por agredir Rihanna quando ambos eram namorados. Em todos os casos, por meio de advogados, Chris Brown nega as acusações.

Imagens: Folha de São Paulo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Empresa termina hoje testes que vão definir data de reabertura do Parque Mutirama

Os trabalhos no Parque Mutirama foram iniciados na última segunda-feira (21/1) e serão concluídos hoje (23/1).

Por Ton Paulo
23/01/2019, 13h08

A Prefeitura deve receber em breve o laudo que definirá a data de reabertura do Parque Mutirama, em Goiânia. Uma equipe de técnicos da empresa gaúcha Bellé Engenharia, que ganhou o processo licitatório para fazer o diagnóstico e emitir os laudos de segurança, está em Goiânia nesta semana para realização de novas aferições das 27 atrações que contemplam o parque de diversões. Os trabalhos foram iniciados na última segunda-feira (21/1) e serão concluídos hoje (23/1).

De acordo com o presidente da Agência Municipal de Turismo, Eventos e Lazer (Agetul), Ronaldo Vieira, assim que o laudo for repassado à Prefeitura de Goiânia, será possível definir a data de reabertura do parque.

Em entrevista coletiva à imprensa na manhã de terça-feira, Vieira informou que das 27 atrações do parque, 16 já estão totalmente prontas. “Estamos recebendo os técnicos da Bellé Engenharia, que em laudo nos apontou as demandas de serviços e adequações dos brinquedos que precisariam ser realizadas”, citou Vieira, acrescentando que o parque solicitou com antecedência a visita dos técnicos para apresentar os procedimentos que estão sendo adotados.

Além da Bellé Engenharia, representantes do Conselho Regional Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea-GO) também acompanham todo o andamento dos serviços desenvolvidos no Parque Mutirama e a reabertura, conforme Ronaldo Vieira, será definida com o laudo concluído. “Todos os brinquedos estão sendo vistoriados por engenheiros e acompanhados pelo Crea”.

Parque Mutirama segue fechado desde 2017

Depois do acidente com o brinquedo Twister em julho de 2017, o Parque Mutirama passou por avaliações de técnicos e em fevereiro de 2018 laudos e termos de referência dos brinquedos foram realizados.

Em agosto de 2018 começaram as obras. Esperava-se que o parque fosse reaberto em outubro do mesmo ano, em comemoração ao aniversário de Goiânia, mas não aconteceu.

Até agora já foram gastos cerca de R$ 2,5 milhões na reforma do Mutirama e as obras ainda não estão perto do fim. Na última terça-feira, foi feita a primeira conferência presencial por parte de engenheiros para verificar se as normas de segurança das obras estão sendo atendidas. A série de testes terminou hoje.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Vanderson é desclassificado do 'BBB 19'

Ele não será substituído e programa continuará com 15 participantes.
23/01/2019, 13h17

O participante Vanderson, do Big Brother Brasil 19, foi desclassificado do reality show nesta quarta-feira, 23, após ser intimado para depor na delegacia do Rio Janeiro. De acordo com a TV Globo, a delegada Rita Salim, titular da Delegacia de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá, esteve na manhã desta quarta nos estúdios da emissora.

No local, ela intimou o biólogo e coordenador educacional indígena, de 35 anos, a prestar depoimento em inquérito instaurado após denúncias feitas contra o participante. Vanderson foi denunciado por três mulheres em Rio Branco, no Acre, sua cidade natal, sob acusações que envolvem estupro, agressão física e importunação ofensiva ao pudor.

A emissora informou que a saída do participante da casa resulta na sua desclassificação. Ele não será substituído, e o programa seguirá com 15 participantes. O apresentador Tiago Leifert anunciará a decisão na edição desta noite.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Mãe confessa ter escondido em mala corpo de filha desaparecida há 6 meses, no Rio 

Criança de 11 anos era portadora da síndrome de West; mulher diz que menina morreu de "causas naturais".
23/01/2019, 14h26

Uma mulher de 28 anos e o companheiro, de 20, foram presos na tarde de terça-feira (22/1) suspeitos de matar e ocultar o corpo de uma menina de 11 anos, em Barra do Piraí, no Rio de Janeiro. Depois de ser presa, a mulher, que é mãe da criança, confessou ter ocultado o corpo da menina em uma mala, mas que ela morreu de causas naturais.

O casal passou a ser procurado depois que a mala com uma ossada foi encontrada na segunda-feira (21/1) em um terreno da família do padrasto, no distrito de Ipiabas. Com a repercussão do caso, o homem e a mulher se esconderam em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, mas decidiram se entregar à polícia.

À polícia, a mulher, que não teve o nome revelado, negou ter matado a criança e afirmou que Júlia morreu de “causas naturais”. De acordo com a mulher, ela escondeu o corpo da menina porque teve medo de ser linchada na rua devido a morte da filha.

Criança morta estava desaparecida há seis meses

A menina de 11 anos, identificada como Júlia Laport Quintanilha, tinha síndrome de West, uma doença rara, caracterizada por crises epiléticas frequentes e que dificulta a fala e a locomoção da criança. No último sábado (19/1) o pai biológico da menina e uma tia registraram o desaparecimento. Ele não tinha contato com a filha desde que a ex-mulher entrou com pedido de medida protetiva, forma que encontrou para que ele não fosse até a residência dela.

Agora a polícia aguarda o resultado da necrópsia para confirmar se ossada é mesmo de Júlia e quais foi a causa da morte. O caso é investigado pelo 8ª DP de Barra do Piraí, sob responsabilidade do delegado Wellington Vieira.

Por meio das redes sociais, a família de Júlia lamentou o ocorrido e se diz indignada com a morte da menina. “Estou de luto pela minha netinha”, escreveu a avó em uma publicação no Facebook.

Via: G1 O Globo 
Imagens: Foco Regional 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.