Política

PF prende Beto Richa, ex-governador do Paraná, na Lava Jato

O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) no âmbito da Operação Integração, da Lava Jato.
25/01/2019, 10h08

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi preso por agentes da Polícia Federal nesta sexta-feira, 25. O tucano foi detido por volta das 7 horas.

A prisão preventiva de Richa foi decretada pelo juiz Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba. O magistrado também determinou a prisão do contador Dirceu Pupo Ferreira, homem de confiança do tucano.

O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) no âmbito da Operação Integração, da Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na concessão de rodovias federais no Estado do Paraná que fazem parte do “Anel da Integração”.

Pupo foi investigado por promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em setembro de 2018 por suspeitas de tentar atrapalhar as investigações que levaram Richa à prisão naquela ocasião.

São apurados pagamentos de propinas para agentes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do Paraná e da Casa Civil do governo do Estado do Paraná.

A integração foi a primeira fase da Lava Jato em 2018. Por ordens do então juiz federal Sérgio Moro, a PF prendeu o diretor-geral do DER, Nelson Leal Júnior, e o diretor-presidente da Econorte, Helio Ogama.

Ambos se tornaram delatores meses depois. Na oportunidade, Leal Júnior contou que participou de um ‘encontro sobre propina’, no qual Richa estaria presente, no Palácio Iguaçu, sede do Executivo paranaense. O irmão do tucano – que é candidato ao Senado -. José Richa Filho, o Pepe Richa, foi preso na Operação Integração II, fase 55 da Lava Jato.

Em fevereiro de 2018, o gabinete da Casa Civil de Richa, localizada na sede do governo estadual, foi alvo de busca e apreensão da ‘Integração’. O tucano, que se candidatou ao Senado nas eleições 2018 e recebeu 377.872 votos, entrou novamente na mira da Lava Jato mais duas vezes em setembro, nas fases ‘Piloto’ e ‘Integração II’.

Richa foi preso em setembro em outra operação, a ‘Radiopatrulha’, conduzida pelo Gaeco. Ele foi solto quatro dias depois pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem com esposa grávida e três filhos é preso com 15 quilos de drogas, em Luziânia

O homem, que estava com a esposa grávida e os três filhos pequenos, havia escondido a droga no banco traseiro do carro.

Por Ton Paulo
25/01/2019, 11h21

Uma prisão realizada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) chamou atenção pelas circunstância, no início da madrugada desta sexta-feira (25/1). Um homem que estava com a esposa grávida e seus três filhos foi preso depois de ser flagrado com com 15 quilos de entorpecentes. Ele foi detido em um posto de gasolina, em Luziânia, Entorno de Brasília.

Segundo informações da PRF, o homem, que estava com a família inteira (esposa grávida e três filhos pequenos), foi abordado no KM 38 da BR-040, em Luziânia. A PRF, em procedimento padrão, abordou um veículo estacionado no pátio de um posto de gasolina às margens da BR. Ao ser questionado, o homem de 29 anos alegou ser motorista de aplicativo e despertou desconfiança nos policiais que de pronto iniciaram a revista no interior do veículo.

De acordo com a polícia, a abordagem foi feita quando o motorista e a família pararam para dormir no posto de gasolina em questão.

Durante a averiguação, os policiais rodoviários federais, então, encontraram aproximadamente 15 quilos de droga escondidos no banco dentro do banco do Voyage que o homem conduzia.

Ele alegou ter adquirido a droga na capital federal (DF) e que a entrega seria no estado do Espírito Santo.

Também escondidos dentro do banco traseiro, onde as crianças estavam sentadas, os policiais encontraram a quantia de R$ 4.400 reais em dinheiro, além dos 15 quilos de drogas que estavam distribuídos em 14 tabletes de cocaína.

Ele ainda contou que o transporte bem sucedido da droga renderia a ele o valor de R$ 5 mil reais.

O homem recebeu voz de prisão e a ocorrência foi encaminhada para o CIOPS de Luziânia para lavratura do flagrante.

Drogas e dinheiro apreendidos em Luziânia estavam escondidos dentro do banco traseiro onde as crianças sentadas

O homem preso com as drogas escondeu os tabletes de cocaína e o dinheiro dentro do banco traseiro do carro que conduzia, um Voyage.

Veja o momento em que a droga é encontrada pelos policiais:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Padrasto é suspeito de estuprar enteadas de 8 e 10 anos, na Cidade Ocidental

Suspeito entregava o celular para as vítimas e cometia os abusos.
25/01/2019, 11h32

O padrasto de duas meninas de 8 e 10 é suspeito de estuprar as crianças, na Cidade Ocidental, a 192 quilômetros de Goiânia, no Entorno do Distrito Federal (DF).

O caso só foi descoberto após as meninas denunciarem sofrer os abusos, em um Centro de Assistência Social da cidade, que não teve o nome divulgado e os responsáveis encaminharem as meninas e a mãe das crianças à polícia.

O delegado Daniel Marcelino, que investiga o caso, confirmou as informações ao Portal Dia Online e que na última terça-feira (22/1), a mãe das meninas e as crianças, acompanhadas pelo Conselho Tutelar prestaram os depoimentos sobre os estupros.

“Ele aproveitava o momento que a mãe das meninas não estava em casa para cometer os estupros. Entregava o celular para elas ficarem brincando e então cometia os estupros”, conta o delegado.

Exames comprovaram os estupros

O delegado afirmou que o  suspeito não foi encontrado para prestar depoimento, e que o mesmo era funcionário da prefeitura da cidade.

“Houve um episódio, onde a mais velha relatou que ele tentou fazer a penetração e que os exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) comprovaram os estupros”, afirma Daniel Marcelino.

Daniel Marcelino afirmou que o caso envolvendo as duas meninas, é o quarto inquérito que ele monta nesse sentido na cidade.

“Esses caso acontece geralmente em ambiente familiar, ou é o pai, o avô, o tio ou primo que são os autores nestas situações”, conta o delegado.

Responsável pelas investigações, Daniel Marcelino lembrou que existem mães que muitas vezes tentam proteger os companheiros, mas que foi diferente nesse caso, pois a mãe assim que soube que o padrasto estava abusando sexualmente das filhas, procurou a polícia para fazer a denúncia.

Como o suspeito de abusar sexualmente das meninas não foi encontrado, a polícia continua as buscas para prendê-lo e ouvir o seu depoimento sobre o caso.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Alarme falso de incêndio em banco provoca pânico na Avenida Goiás, em Goiânia

A fumaça que saiu da agência e o barulho do alarme nada mais era, ao final de tudo, do que acionamento equivocado do dispositivo de segurança de combate a incêndios.

Por Ton Paulo
25/01/2019, 11h47

Um alarme falso de incêndio em um banco localizado na Avenida Goiás, região central de Goiânia, causou pânico nos moradores das redondezas e susto nos policiais e bombeiros que atenderam a ocorrência, na madrugada desta sexta-feira (25/1). A fumaça que saiu da agência e o barulho do alarme nada mais era, ao final de tudo, do que acionamento equivocado do dispositivo de segurança de combate a incêndios.

O falso incêndio aconteceu numa agência do banco Itaú, localizada na Avenida Goiás, Centro de Goiânia, por volta das 5h40 de hoje, como informado pelos bombeiros, e mobilizou equipes tanto dos bombeiros quanto da Polícia Militar (PM).

Segundo o Corpo de Bombeiro, uma falha no sistema de segurança do banco fez com que uma grande quantidade de fumaça fosse liberada e que o som do alarme fosse disparado.

Assustados, moradores da região chamaram o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar.

Entretanto, ao chegarem ao local, os bombeiros constataram que não havia sinal de arrombamento e nem de entrada forçada na agência, tampouco viram algum sinal de fogo. Foi quando viram que se tratava nada mais do que um alarme falso.

“O dispositivo de segurança, por alguma falha desconhecida, disparou o alarme sem motivo aparente. No final, não tinha nada”, informou a assessoria dos bombeiros.

A reportagem do Dia Online tentou entrar em contato com a assessoria do banco Itaú, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria.

Alarme falso de incêndio fez prédio do Ministério da Saúde ser esvaziado, no ano passado

Em agosto do ano passado, o prédio do Ministério da Saúde, em Brasília, foi esvaziado após um alarme falso de incêndio. Segundo o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal na época, a confusão foi causada por um cigarro aceso no corredor do edifício.

A corporação foi acionada no meio da tarde, depois que o sistema de detecção de fumaça do prédio disparou. Os andares foram esvaziados mas, segundo a corporação, nenhum foco de incêndio foi identificado.

Os funcionários informaram na ocasião que a confusão durou cerca de 20 minutos. Nesse intervalo de tempo, eles tiveram que deixar o prédio.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Caiado sanciona lei que obriga teatros e cinemas a oferecerem acessibilidade a deficientes visuais e auditivos

Estabelecimentos que descumprirem a lei podem perder a licença e até mesmo serem interditados.
25/01/2019, 12h20

Acompanhar uma peça teatral  ou ir ao cinema para se distrair pode fazer a diferença na vida das pessoas. O problema é que nem todos são capazes de fazer isso, hora por falta de dinheiro e hora por ser portador de alguma deficiência seja ela visual ou auditiva, por exemplo. Pensando nisto, um projeto do deputado estadual Marlúcio Pereira (PRB) exige que cinemas e teatros forneçam condições para que os deficientes visuais e auditivos possam acompanhar peças teatrais e filmes.

A proposta do deputado foi sancionado na última quarta-feira (23/1) pelo governador Ronaldo Caiado (DEM). Com a sanção, a proposição passa a ser uma lei estadual de nº 20.410/19 e obriga aos organizadores de peças teatrais e aos cinemas a darem acesso aos deficiente auditivos e visuais em todo o Estado.

Uma das maneiras de fazer isto por parte dos organizadores dos eventos, é fornecer as tecnologias assistivas, como audiodescrição, estenotipia, legenda e a impressão dos cartazes e folders em Braile. No caso dos cinemas, as salas deverão ter em todas as sessões legenda em língua portuguesa dos filmes que estão em exibição.

Teatros e cinemas que não se adequarem a lei podem ter licença caçada e até ser interditados

O texto, sancionado pelo governador Ronaldo Caiado, foi aprovado primeiramente na Comissão de Constituição, Redação e Justiça (CCJ) da Casa. No entanto, para sua aprovação, o relator da proposta, deputado Henrique Arantes (PTB), apresentou um substitutivo.

A CCJ por sua vez fez as adequações necessárias para que a matéria proposta pelo deputado do PRB pudesse se tornar uma lei estadual viável. No texto inicial, a proposta de Marlúcio Pereira continha trechos que iriam emperrar em assuntos que são da competência da União e não do Estado.

O projeto de lei sancionado por Caiado prevê, ainda, punições aos estabelecimentos que não se adequarem a lei. Conforme o artigo 56 da lei federal nº 8.078/90, quem descumprir ou não se adequar à lei pode ser multado, ter o registro ou a licença de atividades cassados, além de poder ser interditado pelo descumprimento da lei.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.