Goiás

A triste história do torcedor do Goiás assassinado antes de assistir a vitória do time

Rondinelly Borges de Oliveira foi morto 7 anos depois de o irmão, também fanático pelo Goiás, morrer de câncer.
28/01/2019, 16h46

Como no último domingo (27/1) da sua vida, o torcedor do Goiás Rondinelly Borges de Oliveira, de 22 anos, não conseguia pensar em outra coisa que pudesse fazê-lo tão feliz quanto ver o time em campo.

Fazia questão, mesmo com a preocupação da mãe, Luzdeny de Souza Rezende, de sair com o “bonde” da Força Jovem, em Senador Canedo, para ver o time jogar em qualquer lugar.

Animado, depois do almoço, já estava vestido com a camiseta e bermuda da Força Jovem, que para ele eram quase escudos no domingo. Esperaria mensagens do Whatsapp confirmando o local e hora que encontraria com os amigos para seguir para o Serrinha, em Goiânia.

Pelo menos duas horas de busão separam o grupo, que se uniria a outros nos terminais da capital, até o Estádio Hailé Pinheiro. Ele tinha na ponta da língua palavras de ordem e músicas que exaltam o esmeraldino ou implica o adversário, Vila Nova.

A partida tinha hora para começar, às 17h. O torcedor ia à partida em que Goiás e Vila Nova se enfrentaram neste domingo pela terceira rodada do Campeonato Goiano em jogo de torcida única. O time esmeraldino venceu por 2 a 0, com gols dos atacantes Michael e Júnior Brandão.

Três horas antes, contudo, no meio do caminho, o grupo da Força Jovem canedense foi cercado por homens armados distribuídos em dois carros. Os jovens tentaram escapar. Rondinelly levaria entre cinco e sete tiros que o deixaram caído ao chão, próximo a uma lixeira.

Testemunhas contaram ao Dia Online que um rapaz apontou a arma. Alguns dos jovens dentro do carro pediram para ele não fazer aquilo. Mas o atirador matou Rondinelly com disparos que o deixaram imóvel.

O crime ocorreu antes do clássico entre Goiás e Vila Nova. Desesperados, os amigos pediram a um homem para levar Rondinelly para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Lá, por causa da gravidade dos ferimentos, foi levado para Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde não resistiu por causa do sangramento.

A história do Goiás Esporte Clube se cruza com a parte da biografia de Rondinelly. Quando tinha 15 anos, o irmão dele morreu de câncer e causou forte comoção na torcida.

O irmão começou a passar mal quando vinha de um jogo entre Goiás e Flamengo, no Rio de Janeiro. O rapaz, também torcedor do Goiás, morreu 1 ano e seis meses depois do tratamento.

Em um vídeo produzido pela comunicação do time, o torcedor do Goiás aparece contando fragmentos da história do irmão.

Veja vídeo do torcedor do Goiás contando a história do irmão que morreu de câncer

Em nota, o Goiás Esporte Clube informou que a vítima estava a caminho do estádio. No comunicado, o time diz que está de luto e que “isso não é futebol”.

O corpo do torcedor foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia. Ele não havia sido liberado até as 22h15.

O clube pagou as despesas de velório e sepultamento do torcedor, com sepultamento marcado para a tarde desta segunda-feira (29/1).

O delegado responsável pelas investigações, Antônio André, não atendeu as ligações até às 16h20 desta segunda-feira.

Em nota, a Polícia Civil de Goiás, por meio da Coordenação de Comunicação, informou que os policiais do GIH (Grupo de Investigação de Homicídios) de Senador Canedo estão em diligências para investigar o homicídio que vitimou Rondinelly Borges de Oliveira.

“A apuração é sigilosa. Por essa razão, não é possível que o Delegado se manifeste no momento. Mais detalhes sobre o caso serão divulgados após a conclusão do inquérito e/ou elucidação do crime, sob pena de prejuízo à investigação”, diz a nota.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

ONG em Goiânia: 7 instituições para você ajudar

Contribua com uma ONG em Goiânia e ajude pessoas a terem maiores motivos para sorrir!
28/01/2019, 17h15

O que você tem feito para ajudar o próximo? Até o mais simples gesto pode ser capaz de mudar por completo o dia de alguém, quem sabe, até mesmo ajudar a mudar vidas! Pensando por esse lado, dá até aquela vontadezinha de desenvolver algum tipo de trabalho voluntário ou ajudar, mesmo que com o mínimo, alguma organização não governamental, não é mesmo? Bem, se essa é sua intenção, é possível escolher uma (ou quantas você quiser) ONG em Goiânia e fazer doações ou participar de seu voluntariado.

Muitas instituições não recebem nenhum tipo de apoio financeiro do governo e nem de iniciativas privadas, portanto, sempre precisam que pessoas de bom coração doem um pouquinho de seu tempo ou mesmo de seu conhecimento, em prol de uma boa causa. Confira!

Encontre uma ONG em Goiânia para ajudar!

1 – Organização das Voluntárias de Goiás – OVG

ONG em Goiânia: instituições para você ajudar
Foto: Reprodução OVG

A Organização das Voluntárias de Goiás, mais conhecida pela sigla “OVG“, foi fundada no dia 30 de outubro de 1947, a partir da iniciativa de um grupo de mulheres.

Nasceu como um “órgão de auxílio voluntário aos hospitais, maternidades, orfanatos e demais entidades de assistência social” e, atualmente, além de prosseguir com iniciativas do tipo, ainda disseminam a cultura do voluntariado, incentivando que os cidadãos participem e também façam sua parte.

Para se integrar ao grupo é preciso fazer um pequeno curso de capacitação, que é oferecido pelo Centro Goiano de Voluntários (CGV).

Funcionamento: segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h

Telefone para mais informações: (62) 3201-9488

Endereço: Av. T-14, 249 – St. Bueno, Goiânia – GO, 74230-130

2 – Grupo Miau Auau

ONG em Goiânia: instituições para você ajudar
Foto: Reprodução/ Instagram Miau Auau

Essa é uma ONG em Goiânia que sempre precisa de muito apoio da população para se manter de pé. Atuando na área de proteção aos animas, o objetivo é diminuir o abandono de cães e gatos pelas ruas, uma vez que eles recolhem e tratam o animal, oferecendo um abrigo temporário.

Assim que o animal já estiver saudável e pronto para ganhar uma nova casa, é levado para as feiras de adoção que a instituição promove pela cidade. Durante as feiras, ainda vendem produtos como camisetas, canecas, plaquinhas com o nome do pet e muito mais.

Para ajudar, você pode adotar um bichinho e enchê-lo de amor, mas se não for possível, a casa também recebe doações em dinheiro, ração e outros produtos para uso veterinário. Para ficar por dentro da agenda da ONG, basta seguir seu perfil no Instagram clicando aqui.

3 – Centro de Valorização da Vida (CVV)

ONG em Goiânia: instituições para você ajudar
Foto: Reprodução/ Redesul

O CVV não é apenas uma ONG em Goiânia, atendendo também todas as regiões do Brasil. A organização desenvolve um trabalho lindo e altamente preciso, uma vez que ajuda milhares de pessoas que sofrem com depressão e necessitam de um ombro amigo.

Apenas para que você tenha ideia, o suicídio é considerado como um problema de saúde pública pelo Ministério Público e é um tema que precisa ser cada vez mais abordado e discutido, a fim de ajudar quem enfrenta momentos difíceis na vida.

Assim, o voluntário do CVV doa seu tempo e atenção para aqueles que precisam conversar com alguém de forma anônima, sem julgamentos ou críticas. Tudo é feito por telefone e você pode ajudar a salvar inúmeras vidas.

Os interessados precisam ter mais de 18 anos e cerca de 4 horas livres por semana para o desenvolvimento do trabalho. Acima de tudo, ainda é preciso ter muita vontade de ajudar o próximo! Para ser um plantonista participante do Programa de Apoio Emocional do CVV é preciso participar de um curso de preparação, oferecido de forma gratuita. Pode ser feito de forma presencial ou em formato de vídeo aula. Você pode fazer seu cadastro clicando aqui.

4 – Ascep

ONG em Goiânia: instituições para você ajudar
Foto: Reprodução/ Ascep

A Associação de Serviços a Criança Especial de Goiânia (Ascep), foi desenvolvida no ano de 1987, com o objetivo de ajudar crianças com deficiência. Tudo começou em uma residência familiar no Setor Vila Nova, onde uma senhora era responsável por todo esse cuidado.

Atualmente, muito mais do que isso, a Ascep cresceu e também desenvolve atendimentos nas áreas de assistência social, fonoaudiologia, nutrição, assistência social, psicologia e muito mais. Todo o trabalho se baseia no respeito pela diversidade humana, que norteia as diretrizes administrativas e operacionais. Vale lembrar que o projeto se mantém vivo apenas com doações e se você pretende ajudar, pode conferir abaixo como fazer isso:

Como ajudar a Ascep:

  • Sendo um colaborador mensal – neste caso você colabora com dez reais ou mais e todos os meses um mensageiro da ASCEP irá ao local indicado por você e buscará a sua ajuda e lhe entregará um recibo de contribuição
  • Sendo um doador anônimo – a Ascep necessita de material de limpeza, luvas de procedimento, alimentos roupas e calçados, você pode visitar a Ascep e fazer a sua contribuição
  • Fazendo um depósito na conta corrente da Ascep.Sendo um voluntário nas diversas áreas de atuação (terapias, monitoramento, cozinha, escola, administrativo e entre outras)

Telefone para mais informações: (62) 3239-0400

Endereço: Vila Uniao, Goiânia – GO, 74325-040

5 – Observatório Social de Goiânia

ONG em Goiânia: instituições para você ajudar
Foto: Reprodução/ Freepik

O objetivo desta ONG em Goiânia (presente também em praticamente todas as outras regiões do Brasil) é o de contribuir para a melhoria da gestão pública, reunindo voluntários apartidários em um espaço para o exercício da cidadania.

Cada observatório é formado por pessoas empenhadas a trabalharem a favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos. Para quem pretende fazer sua parte e lutar contra a corrupção no Brasil, este é um excelente lugar!

Telefone pra mais informações: (62) 3235-6502

Endereço: Endereço: Rua 101, nº 123 Ed. Centro de Serviços OAB | Setor Sul

6 – Manassés

ONG em Goiânia: instituições para você ajudar
Foto: Reprodução

Para ajudar uma ONG em Goiânia não é muito difícil e você realmente pode fazer isso nos lugares mais inesperados. Quem já tem o costume de andar de ônibus pela cidade já deve ter se deparado com jovens que representam o Instituto Manassés.

Criada pelo Pastor Manassés, a organização já tem mais de 15 anos e ajuda a recuperar dependentes químicos e alcoólicos, funcionando de forma 100% gratuita para aqueles que tanto precisam. A casa é mantida através de doações, trabalhos voluntários na instituição e também pelas vendas de balas e outros produtos dentro dos ônibus da capital. Não custa nada fazer sua parte!

Telefone para maiores informações: (62) 3609-6089

Endereço: Av. Venerando de Freitas Borges, 692 – Qd 5, lote 2, Setor Jaó

7 – Voluntariado da ACCG

ONG em Goiânia: instituições para você ajudar
Foto: Reprodução

Embora neste caso não se trate especificamente de uma ONG em Goiânia, é extremamente válido mencionar aqui o Voluntariado da ACCG, já que faz enorme diferença par aqueles que precisam e também para os que ajudam.

A Associação de Combate ao Câncer em Goiás possui uma Coordenadoria de Voluntários (CVL) que é responsável por mais de 300 pessoas que atuam em diversos projetos dentro do Hospital Araújo Jorge.

As seleções ocorrem todo ano e os interessados precisam passar por algumas avaliações psicológicas e ainda frequentar um curso de preparação antes de serem encaminhados. Entre as atividades que podem ser desenvolvidas estão: prestação de informações a pacientes no ambulatório, leitos do Hospital Araújo Jorge e centros cirúrgicos; organizar eventos beneficentes, oficinas de costura e muito mais!

No entanto, antes de ser voluntário é preciso ter consciência dos seguintes pontos:

  • É preciso assumir um compromisso muito sério com a ACCG, principalmente em função dos pacientes;
  • Todas as regras do voluntariado ACCG devem ser cumpridas;
  • Não é fornecida ajuda de custo;
  • O trabalho voluntário deverá ser conciliado com outras atividades pessoais.
  • É preciso ter mais de 18 anos

Os interessados podem entrar em contato com a Coordenação de Voluntários, por meio dos telefones (62) 3243 – 7004 ou 3243 – 7062.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Justiça mantêm prisão temporária do suspeito de matar a motorista de aplicativo, em Aparecida de Goiânia

Após matar Vanusa, Camargo chegou a praticar ato sexual com a vítima, segundo delegada.
28/01/2019, 17h23

Parsilon Lopes dos Santos conhecido como Camargo suspeito de matar a motorista de aplicativo e enfermeira Vanusa da Cunha Ferreira, de 36 anos, passou por audiência de custódia na tarde desta segunda-feira (28/1), em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital e teve sua prisão mantida pelo juiz Leonardo Fleury Curado Dias.

Como o processo corre em segredo de justiça a imprensa não pode acompanhar o depoimento de Camargo. O suspeito foi rápido ao falar sobre o caso e a audiência terminou com menos de uma hora. Após ouvir Camargo, o magistrado determinou pela manutenção da prisão temporária do suspeito.

Corpo de motorista de aplicativo é encontrado em Aparecida de Goiânia, após ela fazer corrida por fora do app

Após ser chamada por Camargo que se apresentava como empresário para fazer uma viagem por fora do aplicativo, para levar uma dupla para um show, a motorista e enfermeira no último dia 19 de janeiro de 2019, Vanusa não foi mais vista. A família preocupada com o desaparecimento de Vanusa usou as redes sociais para tentar encontrar a motorista do aplicativo.

O carro de Vanusa um VW/Gol de cor vermelha foi encontrado no domingo 20 de janeiro de 2019, próximo ao polo empresarial de Aparecida de Goiânia. O corpo de Vanusa foi encontrado horas depois próximo do carro que ela usava para trabalhar no app.

Na última segunda-feira (21/1) há uma semana, a Polícia encontrou Parsilon e efetuou sua prisão. Em seu depoimento Carmargo afirmou que estava muito embriago e que não se lembrava do que fez. Camargo lembrou que esteve o tempo todo com Vanusa antes da morte da motorista.

Camargo foi apresentado na última quarta-feira (23/1) pela delegada Mayana Rezende, titular da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC). Em entrevista ao Portal Dia Online a delegada afirmou que na versão apresentada pelo suspeito, teria rolando um clima entre eles e que ele tentou abraça-la e fazer algumas brincadeiras com ela.

A delegada afirmou que Vanusa negou em todos os momentos, pois não era a orientação sexual dela. A delegada afirmou que após matar a motorista, Camargo confessou que praticou atos libidinosos com a vítima.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

TCE determina tomada de contas especial do programa Goiás na Frente

Governo anterior repassou apenas 33% dos R$ 500 milhões destinados ao programa para serem enviados aos municípios.
28/01/2019, 18h47

O programa Goiás na Frente foi lançado em março de 2018, com o intuito de repassar o equivalente a R$ 500 milhões às prefeituras para obras de desenvolvimento nas cidades, com investimentos na economia e educação, no entanto do total destinado apenas 33% foram enviados aos municípios.

Com isto as cidades que esperavam receber a verba do programa foram obrigadas a paralisar as obras, e o atual Secretário de Governo, Ernesto Roller, acionou o Tribunal de Contas do Estado (TCE) que determinou a Tomada de Contas Especial sobre o programa.

A realidade do programa Goiás na Frente junto aos municípios goianos foi exposta por Ernesto Roller, quando o mesmo assumiu a Secretaria de Governo (Segov). Vale lembrar, que quando foi convidado para assumir a pasta, o secretário era prefeito de Formosa, no Entorno do Distrito Federal.

TCE apura responsabilidade de danos causados à administração pública pela falta do repasse do programa Goiás Na Frente

Com a determinação do TCE de Tomada de Contas Especial para apurar de quem é a responsabilidade pelos danos causados à administração pública, pela falta do repasse referente ao programa Goiás na Frente. O secretário Ernesto Roller espera a notificação do tribunal para poder se reunir com os prefeitos, para levantar qual a situação real das obras paralisadas nos municípios, em todo o Estado.

Conforme Roller, foram assinados 221 contratos, com apenas R$ 166 milhões sendo pagos, mas com R$ 333 milhões a serem pagos conforme informou a Segov. “O Goiás na Frente foi puro Marketing e um grande calote, com cerca de 30% pago até o momento aos municípios”, afirmou o secretário.

De acordo com os números divulgados pela Segov na tarde desta segunda-feira (28/1), o governo anterior repassou dos R$ 500 milhões destinados apenas R$ 166.128.532,47. Além disso, como o pagamento é efetuado por parcelas, apenas 1.968 parcelas foram quitadas e com um valor de R$ 333.871.468,00 a serem pagos pelo Goiás na Frente.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Vale vai doar R$ 100 mil para quem teve parente morto na tragédia

No local, será colocada uma cortina de contenção no Rio Paraopeba para evitar que a lama se espalhe e afete o abastecimento de água na cidade de Pará de Minas.
28/01/2019, 19h46

A Vale vai doar R$ 100 mil para cada família que teve um parente morto na tragédia gerada com o rompimento da barragem da mineradora em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte. As doações serão repassadas a partir de amanhã (29). Segundo a empresa, trata-se de doação, e não de indenização.

No local, será colocada uma cortina de contenção no Rio Paraopeba para evitar que a lama se espalhe e afete o abastecimento de água na cidade de Pará de Minas.

O diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, disse que está assegurado o repasse da compensação financeira para o município de Brumadinho. “A Vale vai compensar o município como se a operação estivesse correndo” , ressaltou.

Paralelamente, foram contratados psicólogos e assistentes sociais do Hospital Albert Einstein para assistência às vítimas do acidente na região.

Questionado sobre a queda de 24% das ações da Vale na Bolsa de São Paulo, Siani disse que o foco das preocupações é outro. “O foco é na mitigação do sofrimento.”

O diretor da Vale afirmou ainda que não tmr competência para avaliar as sugestões de mudança no comando da Vale. Segundo Siani, o tema “compete ao Conselho de Administração”.

“Todos esses assuntos são de menor importância, todo o foco está nas pessoas e no meio ambiente. A família Vale está dilacerada e está sofrendo”, disse Siani.

Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.