Economia

TCE determina tomada de contas especial do programa Goiás na Frente

Governo anterior repassou apenas 33% dos R$ 500 milhões destinados ao programa para serem enviados aos municípios.
28/01/2019, 18h47

O programa Goiás na Frente foi lançado em março de 2018, com o intuito de repassar o equivalente a R$ 500 milhões às prefeituras para obras de desenvolvimento nas cidades, com investimentos na economia e educação, no entanto do total destinado apenas 33% foram enviados aos municípios.

Com isto as cidades que esperavam receber a verba do programa foram obrigadas a paralisar as obras, e o atual Secretário de Governo, Ernesto Roller, acionou o Tribunal de Contas do Estado (TCE) que determinou a Tomada de Contas Especial sobre o programa.

A realidade do programa Goiás na Frente junto aos municípios goianos foi exposta por Ernesto Roller, quando o mesmo assumiu a Secretaria de Governo (Segov). Vale lembrar, que quando foi convidado para assumir a pasta, o secretário era prefeito de Formosa, no Entorno do Distrito Federal.

TCE apura responsabilidade de danos causados à administração pública pela falta do repasse do programa Goiás Na Frente

Com a determinação do TCE de Tomada de Contas Especial para apurar de quem é a responsabilidade pelos danos causados à administração pública, pela falta do repasse referente ao programa Goiás na Frente. O secretário Ernesto Roller espera a notificação do tribunal para poder se reunir com os prefeitos, para levantar qual a situação real das obras paralisadas nos municípios, em todo o Estado.

Conforme Roller, foram assinados 221 contratos, com apenas R$ 166 milhões sendo pagos, mas com R$ 333 milhões a serem pagos conforme informou a Segov. “O Goiás na Frente foi puro Marketing e um grande calote, com cerca de 30% pago até o momento aos municípios”, afirmou o secretário.

De acordo com os números divulgados pela Segov na tarde desta segunda-feira (28/1), o governo anterior repassou dos R$ 500 milhões destinados apenas R$ 166.128.532,47. Além disso, como o pagamento é efetuado por parcelas, apenas 1.968 parcelas foram quitadas e com um valor de R$ 333.871.468,00 a serem pagos pelo Goiás na Frente.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Vale vai doar R$ 100 mil para quem teve parente morto na tragédia

No local, será colocada uma cortina de contenção no Rio Paraopeba para evitar que a lama se espalhe e afete o abastecimento de água na cidade de Pará de Minas.
28/01/2019, 19h46

A Vale vai doar R$ 100 mil para cada família que teve um parente morto na tragédia gerada com o rompimento da barragem da mineradora em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte. As doações serão repassadas a partir de amanhã (29). Segundo a empresa, trata-se de doação, e não de indenização.

No local, será colocada uma cortina de contenção no Rio Paraopeba para evitar que a lama se espalhe e afete o abastecimento de água na cidade de Pará de Minas.

O diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, disse que está assegurado o repasse da compensação financeira para o município de Brumadinho. “A Vale vai compensar o município como se a operação estivesse correndo” , ressaltou.

Paralelamente, foram contratados psicólogos e assistentes sociais do Hospital Albert Einstein para assistência às vítimas do acidente na região.

Questionado sobre a queda de 24% das ações da Vale na Bolsa de São Paulo, Siani disse que o foco das preocupações é outro. “O foco é na mitigação do sofrimento.”

O diretor da Vale afirmou ainda que não tmr competência para avaliar as sugestões de mudança no comando da Vale. Segundo Siani, o tema “compete ao Conselho de Administração”.

“Todos esses assuntos são de menor importância, todo o foco está nas pessoas e no meio ambiente. A família Vale está dilacerada e está sofrendo”, disse Siani.

Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Ronaldo Caiado anuncia fim da terceira classe, vale alimentação para servidores e piso salarial para professores

Para os trabalhadores que atuam na secretaria de Educação não será estabelecido um teto salarial para o recebimento do benefício.
28/01/2019, 20h36

Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (28/1) no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, no Centro de Goiânia, o governador Ronaldo Caiado (DEM) anunciou uma série de medidas adotadas, e um projeto de lei que foi encaminhado a Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego). Entre as medidas no projeto estão o pagamento do auxílio-alimentação, do teto salarial para os professores e a extinção da terceira classe na Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) e no Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO).

Na coletiva Caiado afirmou que todos os servidores do Estado vão ter direito aos R$ 500 reais do auxílio, no entanto para os servidores da educação, não há vai ter um teto estabelecido para contar com o benefício. Conforme o governador, os servidores públicos que recebem até R$ 5 mil nas demais categorias, o governo não vai deixar de pagar o benefício.

Ronaldo Caiado anuncia piso salarial para os professores temporários

Durante a coletiva Caiado classificou a esta segunda-feira como ímpar, uma vez que após 20 anos do último chamamento, professores especialistas foram convocados pelo governo. Em sua fala o governador afirmou que vai aumentar a eficiência e os resultados da educação no Estado.

Conforme Caiado, os educadores vão ser nomeador com a titularidade que merecem para ensinar as crianças do Estado de Goiás. “A situação dos temporários será cada dia mais trabalhada pela nossa secretária pra que sejam contratados servidores efetivos”, afirmou Caiado.

Terceira classe da PMGO e do CBMGO é extinta por Ronaldo Caiado

Caiado anunciou durante a coletiva de imprensa que encaminhou para Alego um projeto de Lei para reestruturar a PMGO e o CBMGO. Dentre as medidas da proposta do governador, estão a extinção do oficial de terceira classe da segurança pública.

“2661 servidores vão sair desta categoria criada por que não respeito pela segurança pública. Hoje estamos reformando a legislação para que tais categorias sejam extintas e possamos dar um salário digno e compatível com o trabalho que eles exercem”, frisou o governador.

A proposta enviada à Assembleia, vai estabelecer a condição de dignidade de 2.022 policiais militares, que a partir deste momento passam a ser soldados e outros 228 Bombeiros. Além dos PM’s e Bombeiros, o projeto também vai reestruturar as carreiras de escrivães e agentes da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) com cerca de 400 servidores beneficiados pelo projeto de Lei. Caiado anunciou ainda que também vai ser feita a reestruturação para os Agentes de segurança e gestão prisional em todo Estado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

PMs de Goiás ficam gravemente feridos depois de viatura capotar na BR-040

Eles foram arremessados para fora do veículo; acidente ocorreu na noite desta segunda-feira (28/1).
29/01/2019, 07h34

Dois policiais militares de Goiás ficaram gravemente feridos após a viatura capotar na BR-040, no Jardim Ingá, em Luziânia; informações preliminares apontam que eles foram arremessados para fora do veículo durante o capotamento. O acidente ocorreu na noite desta segunda-feira (28/1) e as causas serão investigadas.

No momento do acidente, quatro policiais, integrantes da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), estavam na viatura. Dois deles sofreram ferimentos leves e dois foram atendidos por equipes do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF) com suspeita de traumatismo craniano, além de outras fraturas.

Acidente com policiais militares de Goiás

Os policiais estavam na viatura da Rotam quando se acidentaram, na BR-040, em Luziânia, cidade do Entorno do Distrito Federal. Os feridos foram socorridos pelas Bombeiros e encaminhados, pelo helicóptero da corporação, para o Instituto Hospital de Base, em estado grave. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) também atuou na ocorrência.

Ainda não se sabe o que teria provocado o capotamento; o caso será investigado.

Estado de saúde dos PMs de Goiás feridos em acidente

Os policiais militares foram identificados como primeiro-sargento Caixeta e soldado Bonfim. Ao Dia Online a assessoria da Polícia Militar de Goiás (PMGO) informou que o estado de saúde de Caixeta é mais grave e até o momento ele não pôde passar pela cirurgia no crânio. Ele já fez outro procedimento, mas no abdômen. Ainda de acordo com a PM, o sargento Caixeta deve continuar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e ainda não pode ser removido pra outro local.

Já o soldado Bonfim já teve o crânio operado, com sucesso, e não foi necessário drenar o tórax; ele continua em recuperação na UTI. A família organiza a transferência dele, indicada pelo médico, para outra unidade de saúde.

[Matéria atualizada às 7h52 para inclusão do estado de saúde dos policiais militares]

Imagens: Correio Braziliense 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Caiado cede a exigências e professores desistem de greve

A decisão da categoria veio depois que o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, acatou as duas exigências feita pelos servidores.

Por Ton Paulo
29/01/2019, 08h01

Em uma assembleia realizada na última segunda-feira (28/1), às 15h em frente ao Palácio Pedro Ludovico, os trabalhadores da Educação, organizados através do Sindicato dos Trabalhadores da Educação em Goiás (Sintego), decidiram por não levar adiante a ideia de entrar em greve por causa do não pagamento dos salários de dezembro, que estão atrasados.

A decisão da categoria veio depois que o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, acatou as duas exigências feita pelos servidores: que todo dinheiro destinado à Educação, 25% do orçamento, fique disponível diretamente para a Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), para que não precise fazer pedidos para a Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), e que a Seduce some toda a verba que possui para que o valor fosse utilizado no pagamento do salário de dezembro.

Em entrevista, a presidente do Sintego, Bia de Lima, confirmou que os dois pedidos foram atendidos pelo Governo, e isto pesou para que a categoria não deflagrasse uma greve. A vinculação do dinheiro da Educação obriga o Estado a utilizar a verba apenas com a pasta, de modo que não teria razão de os recursos não permanecerem totalmente sob a administração da Seduce. A própria secretária da pasta, Fátima Gavioli, também já manifestou interesse ao governador e à Sefaz de que as verbas sejam enviadas diretamente.

“Eu acertei com a secretária da Fazenda que daqui pra frente o dinheiro destinado à Educação, 25% do orçamento, será enviado diretamente à minha pasta. Não quero ficar passando o pires. Assim eu defino as prioridades da minha pasta”, afirmou Fátima na manhã de ontem.

Sobre o segundo pedido, Bia de Lima acredita que a soma das verbas será suficiente para pagar o salário de dezembro de todos os servidores. “O que queremos é resolver essa questão, ver o que tem em caixa, pagar e então começar o ano letivo sem nenhuma preocupação e podemos negociar os outros pontos.”

Uma nova assembleia da categoria ficou marcada para a próxima segunda-feira (4/2), para deliberar a possibilidade de não haver verba suficiente para quitar a folha de dezembro. No início da tarde de segunda-feira, em coletiva de imprensa, o governador Ronaldo Caiado não indicou que buscaria outra solução além do parcelamento dos rendimentos em cinco vezes, que já tinha proposto na semana passada.

Projeto de Caiado acaba com 3ª classe

Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (28/1) no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, no Centro de Goiânia, o governador Ronaldo Caiado (DEM) também anunciou uma série de medidas adotadas, além de um projeto de lei que foi encaminhado à Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego). Entre as medidas no projeto estão o pagamento do auxílio-alimentação e do teto salarial para os professores, e a extinção da terceira classe na Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) e no Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO).

Na coletiva, Caiado chegou a afirmar que todos os servidores do Estado vão ter direito aos R$ 500 reais do auxílio, no entanto, para os servidores da educação, não há vai haver um teto estabelecido para contar com o benefício. Conforme o governador, os servidores públicos que recebem até R$ 5 mil nas demais categorias, o governo não vai deixar de pagar o benefício.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.