Brasil

Portal R7 passa a se chamar R7,90 em ação conjunta com o MacDonald's

Promoção é válida até a meia noite desta terça-feira.
29/01/2019, 18h31

Na madrugada desta terça-feira (29/1) até às 00h de hoje, o portal R7 teve as cores e o seu nome alterado. A novidade foi firmada em uma parceira entre o site de notícias e o McDonald’s através de sua agência SunsetDDB. Com o incremento da ideia, o portal mudou de nome e suas cores nesta terça-feira, e os clássicos do dia em toda rede McDonalds cai de R$ 8,90 para R$ 7,90 em alusão ao portal de notícias.

O R7,90 com a cor vermelha que vai estar no ar até a meia noite de hoje, segundo a Diretora de Negócios Multiplatorma do Grupo Record, Carol Tuttoilmondo, era o desafio de criar uma ação que conversasse com a campanha promocional de uma marca como o McDonald’s e que a ação deu a oportunidade de reforçar o compromisso que a empresa tem com os clientes.

Conforme publicação no próprio R7, a campanha que além de mudar as cores e o nome do portal, conta também com dois filmes para TV, idealizados pela DPZT, além de uma campanha digital feita pela SunsetDDB. Entre os filmes usados para divulgação da promoção, está o famos ParToba, que é para associar a queda de pessoas com a diminuição no valor dos preços dos sanduíches.

O VP de Criação de Conteúdo da SusnetDDB, Adriano Alarcon explicou que “Mais uma vez usamos uma referência pop nativa do mundo digital para entreter os nossos consumidores. Além da sinergia de uma marca fun como o McDonald’s e a descontração do ParToba, também tem uma conexão entre o benefício a ser comunicado e o conteúdo do programa”.

Conforme a publicação, a ação que integrada e inovadora, traz o modelo de pensamento da agência e do MacDonald’s e vai trazer um grande resultado para nosso cliente, é o que acredita o Co-presidente da SunsetDDB, Guilherme Jahara.

R7.com

O R7 é o portal de notícias do Grupo Record de Comunicação e atualmente tem cerca de 71 milhões de visitantes únicos, no mês o acumulado chega a 795 milhões de páginas vistas, com a grande maioria das matérias acessadas através do celular ou Ipad.

Vale ressaltar que 55 milhões dos visitantes do site usam aparelhos móveis para navegar pelos mais diversos contéudos no portal, e mostra que mais da metade dos acessos ao portal são por meio de aparelhos mobile. O R7 lidera também nas redes sociais, com mais de 13,6 milhões de fãs no Facebook e 2,6 milhões no Instagram. O portal é hoje referência no jornalismo e o precursor de conteúdo freemium e transmídia.

Via: R7 
Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Vale responderá a ações coletivas nos EUA por tragédia em Brumadinho

O escritório americano diz que o processo “busca recuperar os danos para os investidores da Vale segundo as leis federais de valores mobiliários”.
29/01/2019, 18h50

Uma ação coletiva contra a Vale foi aberta na Corte de Nova York pelo escritório de advocacia Rosen Law Firm em função da tragédia em Brumadinho. O escritório americano diz que o processo “busca recuperar os danos para os investidores da Vale segundo as leis federais de valores mobiliários”.

Podem entrar na ação coletiva todos que investiram na companhia brasileira entre 13 de abril de 2018 a 28 de janeiro deste ano. O escritório de Nova York disponibilizou um site, um número com ligação gratuita e um e-mail com endereço de dois advogados para que os interessados busquem informações sobre como entrar na ação coletiva.

Os advogados acusam a Vale de não ter avaliado o potencial de risco de uma das barragens da mina de ferro do Córrego do Feijão em Brumadinho (MG), que acabou causando a morte de dezenas de pessoas e o desaparecimento de centenas.

O escritório Bronstein, Gewirtz & Grossman, também de Nova York, também pretendem abrir uma  ação coletiva para ver se a Vale e seus diretores violaram leis federais de valores mobiliários. A queda de 8% das ações da companhia brasileira na bolsa de valores de Nova York e o bloqueio de US$ 1,3 bilhão para possíveis pagamentos de danos nos futuros são, segundo o escritório, motivos para o processo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Suspeitos de participar de explosão a caixas eletrônicos em Minaçu são presos

Suspeitos afirmaram que apenas auxiliaram na logística do crime.
29/01/2019, 20h31

Dois homens foram presos pela Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO), suspeitos de participarem da explosão dos caixas eletrônicos, na madrugada da última segunda-feira (28/1), em Minaçu, a 504 quilômetros de Goiânia.

A prisão dos dois suspeitos foi confirmada pelo Major Polidório da PMGO ao Portal Dia Online. Os dois foram identificados como Bruno Rodrigues Magri, de 28 anos e Thalles Vinicios da Silva Nogueira, de 21.

Após a explosão dos caixas eletrônicos, uma ação conjunta do 3º Batalhão da Polícia Militar, com o serviço de inteligência da corporação, do Comando de Operações de Divisas e da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO), conseguiu encontrar a casa onde o veículo modelo VW/Gol de cor branca, usado durante a ação criminosa estaria escondido.

“Recebemos a informação de que o carro utilizado pelos suspeitos foi abandonado em uma casa da cidade. Nos encaminhamos até a residência e encontramos o veículo usado durante a explosão dos caixas eletrônicos”, afirmou o Major.

Casa foi alugada na sexta-feira pelos suspeitos da explosão aos caixas eletrônicos

O Major afirmou tanto Thalles como Bruno negaram participar diretamente do assalto, eles confessaram que participaram apenas da logística com o aluguel da casa para o grupo. “A casa estava para ser alugada, e Thalles deu o dinheiro para Bruno pagar o aluguel do imóvel no valor de R$ 250 reais. Eles alegam que não participaram do roubo a agência bancária”, explica o militar.

Suspeito de explosão em caixas eletrônicos em Minaçu são presos.
Foto: Divulgação

Segundo o Major, o grupo criminoso agiu de forma rápida, com tempo que varia de 2 a três minutos. “Eles entraram na agência colocaram os explosivos nos caixas eletrônica saíram e após a explosão os suspeitos voltaram para pegar as gavetas e fugiram”, conta.

Conforme as informações do Major, os suspeitos abandonaram carro, queimaram as roupas usadas no crime e fugiram em outro veículo, que não foi identificado.

“Parece que durante ação alguns deles se machucaram, pois havia marcas de sangue no chão. O Thalles por exemplo apresentava um corte no dedo, mas afirmou que estava machucado antes”, narra o Major. A Polícia Federal investiga o caso.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

Acordo com Reino Unido não está aberto a renegociações, diz UE

Segundo a nota, o acordo já existente é o único e melhor meio de garantir uma saída "ordenada" do país do bloco.
29/01/2019, 20h55

Um porta-voz do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou em comunicado que o acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, não está aberto para renegociação. Segundo a nota, o acordo já existente é o único e melhor meio de garantir uma saída “ordenada” do país do bloco.

Além disso, o comunicado, feito após consultas com os 27 governos da UE, afirma que o bloco ouviria um “pedido refletido” para atrasar a data do Brexit, mas nota que isso teria de ser aprovado por todas as nações envolvidas.

Um graduado funcionário da UE afirmou que não há espaço para quaisquer renegociações. “Isso apenas prolongará a agonia deles”, afirmou a fonte.

Mais cedo, a premiê Theresa May afirmou que o Reino Unido buscará reabrir o diálogo com o bloco, com a intenção de rever a questão da fronteira entre as Irlandas. O discurso de May foi feito após o Parlamento britânico aprovar uma emenda autorizando a volta às negociações. Fonte: Dow Jones Newswires.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Servidores da Educação recebem salários de dezembro até sexta-feira 

Inicialmente, um grupo prioritário de 16.449 servidores receberão os salários.
30/01/2019, 07h31

Os servidores da Educação de Goiás, que têm salários de até R$ 2.700, receberão o salários de dezembro até a próxima sexta-feira (1/2). A informação foi confirmada pela secretária de Educação, Cultura e Esporte, Fátima Gavioli, na noite desta terça-feira (29/1), em entrevista ao programa Roda de Entrevista, da TV Brasil Central.

De acordo com a titular da Seduce, fazem parte deste grupo prioritário 16.449 servidores da Educação. O recorte corresponde a 33% da folha salarial de dezembro de 2018, que não foi paga pelo governo anterior.

O pagamento de todos os servidores, cujo o total gira em torno de R$ 31,9 milhões, está em processo de empenho. Fátima explicou que o governo vai utilizar R$ 3 milhões do tesouro direto, além de R$ 29 milhões vindos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Servidores da Educação desistem de greve

Em uma assembleia realizada na última segunda-feira (28/1), às 15h em frente ao Palácio Pedro Ludovico, os servidores da Educação, organizados através do Sindicato dos Trabalhadores da Educação em Goiás (Sintego), decidiram por não levar adiante a ideia de entrar em greve por causa do não pagamento dos salários de dezembro, que estão atrasados.

A decisão da categoria veio depois que o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), acatou as duas exigências feita pelos servidores: que todo dinheiro destinado à Educação, 25% do orçamento, fique disponível diretamente para a Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), para que não precise fazer pedidos para a Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), e que a Seduce some toda a verba que possui para que o valor fosse utilizado no pagamento do salário de dezembro.

Caiado afirmou que vai honrar o compromisso de pagar os servidores. “Nossos alunos não têm de pagar pelos crimes praticados por nossos antecessores”. O governador reforçou ainda que convocará os aprovados no último concurso da Educação, que pagará o piso salarial para professores temporários e que vai retomar o auxílio-alimentação, projeto de Lei que será encaminhado esta semana para a Assembleia Legislativa de Goiás (Alego).

Imagens: Veja 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.