Brasil

Com CRM em Goiás, Doutor Bumbum ganha habeas corpus do TJ do Rio

Acusado de homicídio doloso contra a bancária Lilian Calixto, ele estava preso desde 19 de julho de 2018.
30/01/2019, 08h02

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro concedeu nesta terça-feira, 29, habeas corpus para o médico Denis Cesar Barros Furtado, de 45 anos, conhecido como Doutor Bumbum. Ele estava preso desde 19 de julho de 2018, acusado de homicídio doloso contra a bancária Lilian Calixto, de 46 anos, que se submeteu a um procedimento estético realizado pelo médico. A prisão foi substituída por medidas cautelares.

A decisão foi tomada na tarde desta terça. Os três desembargadores da 7ª Câmara Criminal decidiram de forma unânime atender ao pedido da defesa do médico realizado em novembro. O processo tem como relator o desembargador José Roberto Lagranha Tavora. Os magistrados substituíram a prisão pela obrigação de comparecimento periódico em juízo, proibição de manter contato com pessoas envolvidas no processo, proibição de se ausentar da cidade do Rio e recolhimento domiciliar no período noturno. O inteiro teor da decisão não foi divulgado.

Furtado responde a uma acusação de homicídio doloso no mesmo processo em que também são acusadas a sua mãe, Maria de Fátima Barros Furtado, e a namorada, Renata Fernandes Cirne, além da funcionária Rosilane Pereira da Silva. As mulheres respondem ao processo em liberdade.

Segundo a denúncia do Ministério Público, no dia 14 de julho, em local impróprio (a residência de Denis, uma cobertura na Barra da Tijuca), “os denunciados realizaram uma bioplastia de glúteos, com a aplicação da substância química polimetilmetacrilato (PMMA) em quantidade acima da recomendada, sem observar minimamente os deveres legais de cuidado inerentes ao procedimento, assumindo assim os riscos decorrentes de suas condutas”. A vítima morreu às 01h12min do dia seguinte, no Hospital Barra D´Or, devido a complicações derivadas da intervenção.

Doutor Bumbum tem CRM em Goiás

A denúncia sustenta ainda que o médico, inscrito nos conselhos regionais de medicina do Distrito Federal e do Estado de Goiás, atuava irregularmente no Rio de Janeiro, sem possuir especialização que o habilitasse para o procedimento. Por sua vez, a mãe do médico, Maria de Fátima, embora fosse formada em medicina, teve seu registro cassado pelo Conselho Regional de Medicina do Rio (Cremerj), mas, ainda assim, se apresentava como médica.

A Justiça, se entender que há indícios suficientes de autoria, pode decidir pela pronúncia deles a julgamento pelo Tribunal do Júri.

Imagens: O Dia 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Veja quais servidores públicos ficam fora do pagamento da folha de dezembro até sexta-feira (1/2)

Segundo o Governo, o pagamento de dezembro dos servidores da Educação deve ser feito até na próxima sexta-feira, mas nem todos devem entrar nessa conta.

Por Ton Paulo
30/01/2019, 08h04

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), confirmou na manhã desta quarta-feira (30/1) que o pagamento da folha de dezembro dos servidores da Educação deve ser feito até na próxima sexta-feira desta semana (1/2). A informação já havia sido adiantada pela secretária da Educação, Fátima Gavioli, na noite de ontem (29/1). Entretanto, nem todos os servidores públicos devem entrar nessa conta.

Conforme adiantou a assessoria do Governo, o pagamento só deve ser feito aos trabalhadores em Educação – professores e demais profissionais -, excluindo as demais categorias como policiais civis, militares e bombeiros.

Além do mais, só terão o salário na conta até o fim da semana os servidores da Educação com salários até R$ 2,7 mil (líquido). Os demais servidores, que recebem acima do valor mencionado, seguem na incerteza da data do pagamento.

Menos de 17 mil servidores públicos da Educação terão a folha de dezembro quitada até sexta-feira

Conforme, ainda, adiantou a titular da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), o pagamento anunciado corresponde a 33% da folha salarial de dezembro de 2018, que deixou de ser paga pela gestão anterior.

Entretanto, só fazem parte desta lista prioritária de pagamento um total de 16.449 servidores da Educação.

Fátima explicou que o valor total para pagamento dos servidores, que gira em torno de R$ 31,9 milhões, está em processo de empenho. Segundo ela, o governo estadual vai utilizar R$ 3 milhões do tesouro direto, além de R$ 29 milhões provenientes do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Dívida herdada da gestão anterior, a folha dezembro vem sendo amplamente discutida entre o governador Ronaldo Caiado e representantes de todas as categorias, o que gerou até assembleias com indicativo de greve. Na última segunda-feira (28/1), durante anúncio de uma série de benefícios voltados para a Educação, o governador tornou a afirmar que vai honrar com o compromisso de pagar os servidores.

No anúncio de segunda-feira, Caiado confirmou também que vai convocar os aprovados no último concurso da Educação, que pagará o piso salarial para professores temporários e que vai retomar o auxílio-alimentação, cujo projeto de Lei será encaminhado esta semana para a Assembleia Legislativa de Goiás (Alego).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Mitsubishi de Catalão desmente boatos na mídia de demissões em massa

Segundo boato veiculado por alguns portais de notícia e até por um deputado goiano, Mitsubishi de Catalão teria demitido mais de 200 funcionários e estaria planejando mais.

Por Ton Paulo
30/01/2019, 09h20

Em reunião com o futuro secretário de Indústria, Comércio e Serviços de Goiás, Wilder Morais (DEM), na última terça-feira (29/1), representantes da multinacional Mitsubishi Motors, empresa japonesa com destaque na fabricação de carros, desmentiram o boato que tem circulado entre funcionários e até na imprensa sobre demissões em massa que poderiam ocorrer na unidade da fábrica no município de Catalão, região sudeste do estado.

Durante a reunião, o chefe operacional da Mitsubichi, Robert Rittscher, teria demonstrado, ainda, interesse em expandir as atividades em Goiás. “Nós representamos duas marcas a Mitsubishi e a Suzuki e nós temos uma abertura muito grande de exportar veículos para toda América do Sul, temos um lançamento previsto de mais um produto nacional e estamos discutindo um 5º produto a ser produzido no Brasil”, conta Robert. E complementa o chefe operacional “quando falo Brasil me refiro a Goiás, nós não temos outra operação que não seja Goiás”.

Os representantes da multinacional aproveitaram a reunião para desmentir o boato de que a empresa estaria demitindo funcionários, e que mais de 200 já teriam sido desligados da empresa. “O que foi comentado há algumas semanas atrás não é realidade. Nós não demitimos nenhum funcionário. Evidentemente qualquer indústria demanda alguns ajustes dentro das estratégias produtivas e que podem chegar a algumas alterações do quadro da empresa. Mas nós não temos nenhum objetivo de demitir, como foi dito”, explica o chefe operacional.

A informação contradiz a afirmação que um parlamentar levou para tribuna da Assembleia Legislativa de Goiás nos últimos dias de que a Mitsubishi teria demitido mais de 200 funcionários. O boato também estava circulando entre os funcionários da unidade de Catalão. Na terça-feira (29/1) o sindicato local chegou a realizar uma assembleia sobre o tema, que também foi levantado por um grande portal de notícias nacional.

Boatos de demissões na Mitsubishi de Catalão podem ter origem na ameaça da GM de deixar o Brasil

Com cinco fábricas no Brasil – São Caetano (SP), São José dos Campos (SP), Mogi das Cruzes (SP), Joinville (SC) e Gravataí (RS) –, a General Motors, GM, comunicou no dia 18 deste mês a seus funcionários que cogitava deixar o país caso não tivesse algumas exigências atendidas.

Além de benefícios de governos, revendedores e fornecedores, a empresa quer que os funcionários aceitem um arrocho. Para os trabalhadores de São José dos Campos, por exemplo, quer redução de custos trabalhistas em 28 pontos.

A empresa é fabricante do carro líder em vendas do Brasil, o Onix. Mesmo assim, está tendo prejuízos desde 2016. Segundo o comunicado enviado aos trabalhadores, a operação em toda a América do Sul está ameaçada.

Inicialmente, alguns tinham a impressão de que a GM não cogitava realmente executar esse plano. Estaria blefando para conseguir vantagens. Essa impressão foi desfeita na primeira reunião entre a empresa e sindicalistas.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Moradores do DF lincham homem após criança dizer que foi estuprada por ele

Segundo delegada, ainda não é possível afirmar que o homem é o autor do crime.
30/01/2019, 09h27

Um homem de 52 anos, que não teve a identidade revelada, foi linchado por moradores do Paranoá, no Distrito Federal (DF), depois de ter sido apontado como autor de um estupro. A denúncia foi feita pela suposta vítima, uma criança de 12 anos, que contou que o homem a teria pegado na porta da escola, cometido o abuso e depois a devolvido no local. O crime ocorreu no dia 30 de novembro de 2018.

Após as agressões, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi chamada para atender a ocorrência. No local, uma equipe de policiais constatou que os agressores já haviam ido embora e o homem linchado estava deitado no asfalto, ensanguentado e acompanhando por alguns familiares.

De acordo com a ocorrência, a vítima foi espancada na porta de casa; os agressores usaram pedaços de madeira. Ele foi socorrido e levado ao Hospital Regional do Paranoá (HRP), com suspeita de traumatismo craniano e fraturas no maxilar e em outras regiões da cabeça. Os responsáveis pelo linchamento serão investigados e indiciados.

Criança vítima de estupro no DF

Segundo a delegada Jane Klébia, responsável pelas investigações, ainda não é possível afirmar que o homem espancado seja o autor do estupro. “O que se sabe é que a menina reconheceu o homem em uma praça e contou aos familiares. A notícia se espalhou pela comunidade e um grupo se juntou para agredir o suspeito”, relatou ao Correio Braziliense. Ao receber alta médico, o homem deve ser encaminhado para a 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá).

O estupro, ocorrido no ano passado, foi revelado pela criança na última quinta-feira (24/1). De acordo com a investigadora, a mãe da menina percebeu que a filha andava triste e chorando; depois de muita insistência, a menina se abriu. Ao saber do crime, a mulher registrou um boletim de ocorrência.

A criança relatou que o homem estava na porta na escola e fingiu pedir uma informação, momento este que ela foi jogada no banco traseiro do carro. “O relato leva a crer que o suspeito colocou algo no rosto dela para que desmaiasse, já que ela não lembra do percurso, só de acordar em um parque, com as calças abaixadas e as dele também”, explicou a delegada. Ela disse ainda que após o ocorrido, ele a mandou ficar calada e em seguida a levou de volta para a porta da escola.

De acordo com a polícia, o homem não tem passagens. Caso seja confirmada que ele é o autor do estupro de vulnerável, ele pode pegar de cinco a 15 anos de prisão.

Imagens: Hermes C. Fernandes 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Cantor Wellington Camargo é preso por não pagar pensão alimentícia, em Goiânia

Irmão de Zezé di Camargo e Luciano está detido na Unidade Prisional de Senador Canedo.
30/01/2019, 10h07

O cantor gospel Wellington Camargo, de 47 anos, irmão da dupla sertaneja Zezé di Camargo e Luciano, foi preso na noite desta terça-feira (29/1), no Jardim América, em Goiânia, por não pagar pensão alimentícia. Ele foi levado para a Central de Flagrantes, na capital, e em seguida encaminhado Unidade Prisional de Senador Canedo, na Região Metropolitana. A informação foi confirmada pela Polícia Civil de Goiás (PCGO).

Wellington Camargo, que atualmente mora em Goiânia, se separou de Yara Silva, mãe de seu filho caçula, em 2017. Segundo nota da PCGO, “o mandado não tem cunho criminal e é oriundo da vara de família.” O caso segue em segredo de justiça.

O Dia Online tenta contato com a assessoria do cantor.

Sequestro de Wellington Camargo

Há 17 anos, Wellington Camargo, ficou mais de 90 dias sob o poder de quatro sequestradores; o caso mobilizou o Brasil. O cantor, cadeirante, que iniciou carreira gospel após o sequestro, teve a orelha esquerda cortada pelos criminosos no cativeiro localizado a 27 quilômetros de Goiânia.

Os sequestradores pediram um resgate no valor de US$ 5 milhões, mas aceitaram US$ 300 mil. O total foi pago no dia 20 de março de 1999. Wellington foi deixado pelos sequestrados em um buraco, a 150 metros de uma estrada vicinal,  entre Goiânia e Guapó.

Atualmente, Wellington viaja o país divulgado seus trabalhos. Ele, que já teve três milhões de cópias vendidas em seus cinco CDs, faz ao menos 20 shows por mês.

Sequestrador de Wellington foge da prisão

No dia 11 de setembro de 2018, um dos sequetradores de Wellington Carmargo, Ozélio de Oliveira, fugiu da Penitenciária Estadual de Piraquara (PEP I), na Região Metropolitana de Curitiba; outros 28 presos também fugiram. Eles tiveram ajuda de homens fortemente armados que invadiram o local. Os criminosos queimaram caminhões e carros próximo ao presídio para evitar que policiais se aproximassem.

Além da pena pelo sequestro de Wellington, Ozélio, conhecido como Sumô, foi condenado a mais de 108 anos por crimes como roubo e homicídio.

Via: G1 
Imagens: R7 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.